Achados e perdidos #26

Todo sábado, pego uns links que acumulei ao longo da semana e que, embora curiosos e/ou interessantes, não renderam nem notinhas, e os publico num compilado que chamo de “achados e perdidos”. É um conteúdo mais leve, curto, quase lúdico — a cara do fim de semana.

Se uma pessoa fala no Clubhouse e não há ninguém por perto… espera, o Clubhouse ainda existe?

O Clubhouse, lembra dele?, ganhou um novo logo, mensagens de texto e, enfim, abandonou a fila de espera e o sistema de convites para novos usuários. Não que isso importe muito, porque, aparentemente, ninguém mais usa o aplicativo — e as nossas previsões de quanto tempo levaria para o Clubhouse afundar, feitas neste Guia Prático gravado dentro do Clubhouse, meio que se concretizaram. Via Clubhouse (em inglês).

O mais interessante é que o Clubhouse virou o elefante da sala minimalista com decoração escandinava dos investidores de risco e futurólogos que, em janeiro, despejaram US$ 100 milhões no app, avaliando-o em US$ 4 bilhões (!), e profetizavam que este seria o novo Facebook porque… sei lá, Marc Andreessen (investidor do Clubhouse), Elon Musk e Mark Zuckerberg usaram o app uma ou duas vezes.

Vale ler esta boa coluna (em inglês) de Ed Zitron, talvez o primeiro obituário do Clubhouse.

Manual do Usuário entra para a Associação de Jornalismo Digital (Ajor)

O Manual do Usuário é uma das 11 novas publicações da Associação de Jornalismo Digital (Ajor). As atividades da Ajor se estruturam em três eixos: profissionalização e fortalecimento das associadas, defesa do jornalismo e da democracia e foco na diversidade. Lá, em boa companhia, espero que possamos contribuir e aprender para sempre melhorar o Manual e o jornalismo digital feito no Brasil. Via Ajor.

O delírio dos NFTs nos levará ao fim do mundo

Fosse vivo hoje, Walter Benjamin teria muito o que pensar e escrever a respeito da digitalização da cultura, de serviços como os de streaming e dos vários modelos de negócio que gravitam a arte, como os NFTs. Na ausência do pensador alemão do século XX ou de alguém mais capacitado, você terá que se contentar […]

Apenas 2,3% dos usuários do Twitter usam a verificação em duas etapas

Em seu relatório de transparência do período de julho a dezembro de 2020, o Twitter revelou que apenas 2,3% dos usuários ativos tem a verificação em duas etapas ativada. E, dentro desse minúsculo universo, 79,6% das contas usam o método por SMS, o mais frágil dos três — 30,9% adotam aplicativos OTP e apenas 0,5% as chaves de segurança físicas. Via Twitter (em inglês).

Caro(a) leitor(a) que está no Twitter: faça um favor a si mesmo(a) e ative a 2FA agora mesmo. E repita isso em todos os serviços que oferecem tal recurso, em especial no seu e-mail e sistema operacional (iCloud para Apple, Google para Android).

DuckDuckGo anuncia serviço gratuito de proteção de e-mails

O DuckDuckGo anunciou um novo serviço gratuito de proteção a e-mails, chamado Email Protection (é, nada original). Ele gera um endereço @duck.com, gratuito, que encaminha mensagens ao seu endereço verdadeiro removendo rastreadores da mensagem, algo parecido com o comportamento do aplicativo Mail, da Apple, no iOS 15 e macOS 12 . Na solução do DuckDuckGo também é possível gerar “aliases”, ou seja, endereços alternativos para cada serviço/cadastro e, caso um deles passe a ser usado para spam, bloqueá-lo. Essa parte é igual ao Firefox Relay e ao vindouro Hide My Email do iCloud+, da Apple.

O Email Protection está em beta. Para candidatar-se ao serviço e, de quebra, reservar um endereço @duck.com, é preciso baixar o aplicativo do DuckDuckGo para Android ou iOS, abrir as configurações, ir em Beta Features, depois em Email Protection e, por fim, clicar em Join the Private Waitlist. Via DuckDuckGo (em inglês).

Post livre #278

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no domingo à noite.

Lista de tarefas em texto puro (txt)

Se preferir, veja no YouTube.

No vídeo de hoje, falo da minha busca por um aplicativo de listas de tarefas alternativo ao Lembretes, da Apple. Após testar alguns — e não gostar de nenhum deles —, acabei recorrendo ao Bloco de notas, com as devidas adaptações, para gerenciar minha lista de tarefas. Parece maluco, talvez seja, mas tem funcionado bem para mim.

Aplicativos citados:

O que você leu de bom?

Toda quinta, na newsletter do Manual (cadastre-se gratuitamente), indico leituras longas/de fôlego (artigos, reportagens, ensaios) publicadas em outros sites.

Seria o máximo se esse trabalho fosse colaborativo, feito com a sua ajuda.

Indique nos comentários uma leitura longa da última semana, relacionada aos temas que costumam aparecer aqui no site, que você acha que deveria ser lida por mais gente. Vale em português ou inglês.

Ex-funcionários do WhatsApp lançam novo aplicativo de mensagens e rede social

Neeraj Arora e Michael Donohue, ex-funcionários do WhatsApp pré e pós-aquisição pelo Facebook, lançaram um novo aplicativo, o HalloApp. (Em novembro de 2020, para ser exato, mas só agora estão aparecendo na imprensa.) Apresentado como “a primeira rede de relacionamentos reais”, é uma espécie de mistura entre WhatsApp e Instagram, mas sem os piores incentivos de ambos. Do blog deles:

Sem anúncios. Sem robôs. Sem curtidas. Sem trolls. Sem seguidores. Sem algoritmos. Sem influenciadores. Sem filtros de fotos. Sem “fadiga do feed”. Sem desinformação se espalhando como fogo em palha.

Os contatos são os da agenda do telefone (igual ao WhatsApp) e é possível criar conversas individuais, em grupos ou publicar fotos e textos para toda a lista de contatos. O visual é agradável, quase minimalista, com opções óbvias e limitadas. Só falta o português como opção de idioma, uma ausência notável dada a popularidade do WhatsApp e de redes sociais no Brasil.

Em junho, escrevi: “Lendo a parte em que o Instagram copia os stories do Snapchat, no livro da Sarah Frier, e o papel que as celebridades tiveram nesse episódio, pensei que seria legal um app de stories só para quem você tem na lista de contatos. Aí lembrei do WhatsApp. Os caras não dão uma brecha.” O HalloApp parece exatamente isso, e mais.

Já baixei e instalei. Pode não dar em nada? Sim, mas a proposta, pelo menos, é muito interessante. Tem para Android e iOS.

Índice de Saúde Financeira do Brasileiro

A Febraban, em cooperação técnica com o Banco Central, lançou nesta segunda (19) o Índice de Saúde Financeira do Brasileiro (I-SFB). Na pesquisa para a construção do índice, feita com 5.220 maiores de idade de todas as regiões do país no final de 2020, a nota média dos brasileiros foi de 57 pontos (a escala vai de 0 a 100).

O site do I-SFB tem um formulário que, após preenchido, calcula sua nota e oferece “um diagnóstico individual para identificar vulnerabilidades e personalizar estratégias de educação financeira”. Acesse-o aqui.

Sistema de espionagem israelense Pegasus foi usado contra jornalistas, ativistas e políticos ao redor do mundo

Um consórcio de jornais revelou uma lista de 50 mil “pessoas de interesse” de 45 países que podem ter tido seus celulares hackeados pela ferramenta Pegasus, da empresa israelense NSO Group. Há anos o uso da ferramenta é conhecido; a investigação revela a escala da coisa. Via O Globo.

O NSO Group afirma ter 60 clientes em 40 países, mas se recusa a identificá-los, e diz que seus produtos são destinados exclusivamente ao combate ao terrorismo e ao crime organizado. Na lista obtida pelos jornais, porém, há jornalistas, ativistas e políticos. Em alguns países, a definição de terrorista deve ser mais abrangente, a ponto de incluir oposição e imprensa. Esta revelação explicita o perigo de se abrir exceções a sistemas de criptografia.

Em maio, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), que é vereador no Rio de Janeiro, articulou em Brasília, junto ao Ministério da Justiça, uma licitação para adquirir o Pegasus. O Uol, que revelou a negociata, ouviu de fontes que o filho do presidente tentava fortalecer uma “Abin paralela” dentro do governo, jogando para escanteio os órgãos de inteligência convencionais — o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e a própria Abin. Via Uol.

Automattic (do WordPress.com) compra app de podcasts Pocket Casts

A Automattic, empresa por trás do WordPress.com, anunciou a compra do Pocket Casts, um popular aplicativo de podcasts multiplataforma. Embora o anúncio fale em integrações entre os dois serviços, esta aquisição entra no rol das que não parecem fazer muito sentido, mas que aliviam usuários que gostam de pequenas joias independentes que, de fora, pareciam sem alternativas para continuarem funcionando. Antes do Pocket Casts, deficitário e posto à venda em janeiro deste ano, a Automattic já havia comprado Tumblr, Simplenote e Day One. Via Automattic (em inglês).

Achados e perdidos #25

Todo sábado, pego uns links que acumulei ao longo da semana e que, embora curiosos e/ou interessantes, não renderam nem notinhas, e os publico num compilado que chamo de “achados e perdidos”. É um conteúdo mais leve, curto, quase lúdico — a cara do fim de semana.

Após anos de estudo, acredito que criptomoedas são uma tecnologia inerentemente de direita, hiper-capitalista, construída principalmente para ampliar a riqueza de seus proponentes através de uma combinação de evasão fiscal, relaxamento da supervisão regulatória e escassez imposta artificialmente.

— Jackson Palmer, cofundador da Dogecoin. No Twitter, Jackson escreveu uma respostas aos constantes questionamentos a respeito do seu retorno ao mundo das criptomoedas. “Um ‘não’ do fundo do coração”, escreveu antes de detalhar os motivos.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário