Anúncio Black Friday na Insider: descontos exclusivos na máscara antiviral

Notinhas

Comentários, links e vídeos diários.

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

A Anatel abriu uma consulta pública para a revisão do Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC). O objetivo é atualizá-lo às práticas de consumo modernas, como o foco no digital. O conselheiro Emmanoel Campelo destacou a garantia do “downgrade do plano” na revisão, ou seja, facilitar a migração para ofertas com valores mais baixos, algo que algumas operadoras dificultam. Via Anatel.

É uma boa. Em março, a Justiça obrigou a Telefônica (Vivo) a oferecer o downgrade de plano por atendimento eletrônico (app ou site). Já está funcionando. Há pouco mais de um mês, consegui migrar meu plano para um mais simples. A ironia: liguei à central de atendimento e, lá, fui orientado pela atendente a fazer o downgrade pelo app Meu Vivo.

Dia desses, a Beth Veloso entrou em contato pedindo a nossa ajuda em sua pesquisa de doutorado pela Universidade do Minho, em Portugal. Ela está pesquisando a influência do lobby das grandes empresas de tecnologia nos processos de regulação da internet no Brasil.

Se o poder econômico se sobrepor ao interesse público”, diz ela, referindo-se à hipótese da pesquisa, “o Brasil e o mundo terão perdido uma chance de transformar muitas sociedades em espaços com maior igualdade social, justiça, trabalho e educação para todos”.

As perguntas não têm questões certas ou erradas, são de múltipla escolha e é rapidinho responder o questionário. Para isso, clique aqui. A Beth receberá respostas até 20 de dezembro, mas, quanto antes ajudá-la, melhor. Se ficar alguma dúvida, mande um e-mail para ela.

Print do painel da pontuação de produtividade do Microsoft 365, com vários gráficos e a nota, 58% nesse caso.
Clique para ampliar. Imagem: @WolfieChristl/Twitter.

O Microsoft 365 tem uma “pontuação de produtividade” que monitora de perto os hábitos de uso dos funcionários, oferecendo-os ao empregador em um painel cheio de gráficos e que os comparam aos de outros funcionários. Não é muito difícil imaginar os impactos que saber quantos e-mails, edições em documentos colaborativos e outras métricas vazias do tipo, e compará-las às de outros funcionários, pode causar no dia a dia de uma empresa.

O recurso pode ser desativado, mas vem ativado por padrão, e a Microsoft incentiva que as empresas compartilhem esses dados com ela, para que possam compará-los aos de outras empresas, centralizando dados sensíveis de trabalho numa Big Tech.

O pesquisador Wolfie Christl, que soou o alarme no Twitter, resumiu bem o grande problema desse tipo de coisa: “A Microsoft ganha o poder de definir métricas altamente arbitrárias que podem afetar as vidas de milhões de trabalhadores e até remodelar como as empresas funcionam”. Por exemplo, um funcionário que manda muito e-mail aparece muito melhor no painel do chefe que aquele menos sociável, mesmo que esse último entregue mais ou melhores resultados, gerando impactos em salários, demissões e em toda a cultura de trabalho do local. Via @WolfieChristl/Twitter e The New Republic, em inglês.

Newsletter gratuita

Inacreditável o vazamento de dados de 16 milhões de pacientes de COVID-19, revelado pelo Estadão. O funcionário do Hospital Albert Einstein confirmou à reportagem que enviou a planilha com senhas ao seu perfil no GitHub como parte de um teste e que esqueceu de removê-la. Hospital e Ministério da Saúde vão apurar o caso, e talvez a primeira pergunta a ser feita é por que uma senha importante dessas estava salva em texto puro numa planilha. Via Estadão.

quinta-feira, 26 de novembro de 2020

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) está propondo uma padronização dos serviços de entrega por aplicativos. O “open delivery” facilitaria a entrada de novos players nesse mercado e o trabalho dos restaurantes, que em vez de cadastrar seus produtos várias vezes em múltiplas plataformas, faria apenas um cadastro só. Para o usuário final, a experiência nos apps não mudaria e ele ainda teria promoções exclusivas em cada um; a única diferença é que haveria mais opções.

O open delivery ainda está longe de virar realidade e, para virar, terá que superar a resistência do iFood, que detém 70% do mercado brasileiro de entregas de refeições por aplicativo. Mês passado, a Rappi fez uma denúncia contra o iFood no Cade, alegando que os contratos de exclusividade que a rival fecha com restaurantes prejudica a competitividade do setor. Nesta quarta (25), a Abrasel pediu ao Cade para ingressar no processo como terceiro interessado. Via Infomoney, Folha.

quarta-feira, 25 de novembro de 2020
Literalmente um notebook com sete telas sobre uma mesa — duas frontais, duas em cada lado e uma pequena no apoio do pulso, perto do teclado.
Foto: Expanscape/Divulgação.

A Expanscape, uma empresa de Londres, criou o Aurora 7, um protótipo de notebook com sete telas. Não é um notebook com tela de sete polegadas, é um notebook que, ao ser aberto, revela sete — uma, duas, três, quatro, cinco, seis, sete — telas. É essa monstruosidade aí em cima.

No Hacker News, o criador do Aurora 7, nome do protótipo, explicou o que o motivou a desenvolver um notebook com sete telas. Resumidamente, ele precisava ficar de olho em múltiplos indicadores ao mesmo tempo. E para sua surpresa (e a nossa também!), disse que já há estúdios de cinema, nômades digitais e executivos de empresas interessados no modelo.

Toda quinta, na newsletter do Manual (cadastre-se gratuitamente), indico quatro leituras longas/de fôlego publicadas em outros sites — artigos e reportagens, basicamente. Seria o máximo se esse trabalho fosse coletivo, feito com a sua ajuda. Indique nos comentários uma leitura longa da última semana que você acha que deveria ser lida por mais gente. Vale em português ou inglês.

terça-feira, 24 de novembro de 2020

Elon Musk tornou-se a segunda pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna estimada em US$ 128 bilhões. Nos últimos três meses, ele ficou 50,9% mais rico. Ainda fica atrás de Jeff Bezos, da Amazon, que lidera o ranking com US$ 182 bilhões.

Somados, os dez mais ricos da lista da Forbes têm uma fortuna de US$ 1,041 trilhão. Há diversos cálculos que tentam chegar ao custo de acabar com a fome e a desnutrição no mundo, um problema que afeta pouco mais de 2 bilhões de pessoas. No cálculo mais caro (US$ 265 bilhões por ano), a fortuna desses dez caras poderia resolvê-lo por quase quatro anos. Via G1.

A partir de 18 de janeiro de 2021, as extensões do Chrome exibirão, na Chrome Web Store, detalhes de quais tipos de dados elas coletam “em linguagem clara e fácil de entender”, parecido com o que já rola nas lojas de apps para celulares. Outra mudança importante é que passa a ser proibido usar ou transferir dados dos usuários para personalizar anúncios, fazer análise de crédito e repassá-los a qualquer espécie de data broker.

São medidas tardias, mas bem-vindas. O histórico de navegação web contém dados muito sensíveis; é possível inferir muita coisa apenas com base nele. Além do impacto no desempenho do navegador, a instalação de extensões abre brechas à privacidade — um alerta que fiz no último Guia Prático.

Note que é bastante difícil ao Google aplicar as novas diretrizes que impedem os donos de extensões de transferirem ou usarem dados do usuário para fins proibidos. Na dúvida, a recomendação é instalar o mínimo possível de extensões. Via Chromium Blog/Google (em inglês).

O teclado dos novos MacBook com chip M1 traz um detalhe curioso: a tecla fn agora serve para abrir o seletor de emojis. Algumas pessoas ficaram surpresas com a comodidade, talvez sem saber que já existem atalhos, no macOS e no Windows, para abrir um popup de emojis igual àquele dos celulares.

No macOS, o atalho é Ctrl + Command + Barra de espaço. Já no Windows 10, Tecla Windows + . (ponto) ou Tecla Windows + ; (ponto e vírgula).

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Você ouve música no Spotify e descobriu um álbum novo legal. Quer compartilhar com um amigo, mas ele usa o Apple Music. O que fazer? O Combine.fm, um pequeno site criado por Jonathan Cremin, “traduz” links de um serviço para os demais. Suporta Spotify, YouTube Music, Apple Music, Deezer e o (finado) Google Play Music, e, até onde vi, só funciona com álbuns.

Quem cobre plataformas de redes sociais precisa estar muito atento a dois fatores: celeridade e mesmice. Há poucos dias, o escritor Chris Stokel-Walker publicou uma coluna no Business Insider reclamando do fato de que todos os apps de redes sociais estavam copiando recursos uns dos outros. Caso em tela: os “fleets” do Twitter, ou sua versão dos famigerados stories.

No texto, Chris exalta o Snapchat que, apesar de uma ou outra escorregada, seguia apegado às suas virtudes e peculiaridades. Nesta segunda (23), quatro dias depois da coluna ir ao ar, o Snapchat ganhou o “Holofote”, que é… uma cópia do TikTok. Via Snapchat.

Três prints mostrando o popup pedindo autorização para rastreamento no Chess Time e, nas duas outras, a nova tela de Rastreamento nas opções de privacidade do iOS 14.
Clique para ampliar.

O iOS 14 trouxe um novo recurso de privacidade chamado App Tracking Transparency (ATT). Ele exige que os desenvolvedores de aplicativos peçam autorização ao usuário para rastreá-lo em outros apps e sites. O ATT foi lançado junto ao iOS 14, em outubro, e a princípio seria obrigatório, mas graças à choradeira de empresas como o Facebook, a Apple adiou a obrigatoriedade do seu uso para o início de 2021.

O não obrigatoriedade não impede que os donos de apps já peçam a autorização dos usuários para rastreá-los. Deparei-me com o primeiro pedido do tipo neste domingo (22), no app Chess Time, da Haptic Apps. Ainda não tinha lido a tradução em português da mensagem. Ela diz:

“[App]” deseja permissão para rastrear você entre apps e sites de propriedade de outras empresas.

A mensagem menor, em texto sem negrito, aparentemente é de responsabilidade do desenvolvedor. A do Chess Time explica que o rastreamento ajudará a personalizar anúncios.

Após o primeiro pedido, uma nova área aparece dentro de Privacidade, nos Ajustes.

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Em algum momento dos últimos meses, o Firefox Relay, foi liberado para todo mundo — no início, estava restrito a convites. Ainda em beta e grátis, ele oferece cinco “máscaras” (ou aliases). Espera-se que, se lançado oficialmente, a Mozilla ofereça um plano pago que remova esse limite.

O Firefox Relay permite criar “máscaras” de e-mail para proteger a privacidade do seu endereço. Em vez de dar o seu e-mail principal num cadastro qualquer, por exemplo, você cria uma máscara/alias (rl4as8r3@relay.firefox.com, por exemplo) que redirecionará mensagens ao seu endereço. Se um dia essa máscara/alias vazar ou começar a enviar mensagens indesejadas, bastará excluí-la para resolver o problema. Dica do leitor Ricardo Santos, via e-mail.

O WhatsApp baniu 1.004 contas que estavam fazendo envio em massa nas eleições municipais a partir de denúncias feitas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ou 31% das contas válidas denunciadas. Segundo a empresa, 63% das contas banidas já haviam sido excluídas automaticamente. Via TSE.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!