Bloco de notas #7

Notas curtas e curiosidades do mundo da tecnologia que publicaria no Twitter se o Twitter fosse uma rede legal. (Não é.)

***

Foram mais de 90 minutos com adjetivos exaustivos e uma infinidade de vídeos, tudo isso para enfim conhecer os novos iPhones. Não é de hoje que o formato dessas apresentações, das quais a Apple foi pioneira, cansou. Desta vez, somou-se ao coro dos críticos o New York Times [em inglês]. Apesar que, acho eu, para o mundo real isto aqui é um não-problema, no sentido de que as pessoas não assistem mesmo e leem/veem depois o que foi anunciado; é um problema para jornalistas e afins.

→ Na véspera do evento, o New York Times soltou uma reportagem (com layout maravilhoso) [em inglês] sobre a estranha preferência que os algoritmos da App Store têm por apps da própria Apple. A empresa nega interferência e diz ter corrigindo os resultados mais estranhos.

Escrevi sobre os novos iPhone 11 [Manual do Usuário]. Sobrou um parágrafo para abordar o posicionamento de vida ou morte — literalmente — do Apple Watch Series 5.

Continue lendo “Bloco de notas #7”

Post livre #191

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no domingo por volta das 16h.

Acompanhe o blog

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Um dia ruim para a Netflix

A Netflix começou digitalizando as vídeo locadoras. Não os filmes em si, mas o espaço físico mesmo. Os clientes alugavam filmes em DVDs e a empresa os distribuía via Correios. Mas foi só quando alguém lá dentro teve a sacada de que poderia ir além e remover o último elemento físico do negócio, o disco de DVD, que ela deslanchou. Afinal, a digitalização total era uma ótima ideia, tão boa que surpreende que estúdios fornecedores de conteúdo e donos das plataformas onde a Netflix roda tenham demorado tanto para copiá-la.

Continue lendo “Um dia ruim para a Netflix”

Nada novo nos novos iPhones

“Vou comprar o iPhone 11 Pro por inércia, por estar fechada no ecossistema, falta de tempo/energia para pesquisar por alternativas melhores ou executar os movimentos para migrar e porque meu iPhone de dois anos quebrou bem na hora (há um mês)”, escreveu a jornalista norte-americana Casey Johnston enquanto a Apple anunciava a safra 2019 de iPhones. “Não tenho ideia de que recursos ele tem”.

O relato dela representa uma teoria que a estabilidade do número de iPhones vendidos ano após ano desde meados desta década meio que confirma: a de que pouca gente compra celulares da Apple após compará-los minuciosamente às melhores ofertas da Samsung, Motorola, [insira uma marca Android aqui]. A maioria dos que compram iPhone fazem isso porque… bem, porque é um iPhone. Modelo? O mais recente que o orçamento permitir.

Continue lendo “Nada novo nos novos iPhones”

O clube dos fundadores arrependidos

Em 2010, o desenvolvedor alemão Christian Reber iniciou uma busca por parceiros para uma empreitada digital: criar um pequeno aplicativo de listas de tarefas. Um ano depois, com um sócio e investimentos de grupos locais, ele deu à luz o Wunderlist, fruto da startup recém-criada 6Wunderkinder.

O Wunderlist poderia ter sido apenas mais um entre os milhares de apps do gênero que infestam lojas de aplicativos, mas ele se destacou por antecipar recursos úteis ainda raros e pela execução impecável. Em 2015, já com 13 milhões de usuários, a Microsoft comprou o app. O valor exato da transação jamais foi revelado, mas segundo o Wall Street Journal foi algo entre US$ 100 e 200 milhões. Até aquele momento, a 6Wunderkinder havia levantado US$ 35 milhões em capital de risco. Não foi um saída do nível de um Google ou Facebook da vida, mas deve ter rendido uns bons trocados para fundadores e investidores.

As duas partes, Microsoft e 6Wunderkinder, na época garantiram que nada mudaria de imediato no Wunderlist e que a nova casa, com recursos quase infinitos e um batalhão de profissionais de primeira classe, ajudaria a aperfeiçoar o app. Dois anos depois, a Microsoft anunciou que o Wunderlist seria descontinuado para dar lugar a um novo app criado do zero, o Microsoft To-Do, para ser integrado a outros produtos da empresa. Até hoje o já não tão novo app continua pior que o abandonado em muitos aspectos e apesar da sentença de morte dada ao Wunderlist, ele segue — junto aos seus usuários mais fiéis — em uma agonizante espera pelo dia em que um funcionário da Microsoft puxará o fio do servidor que o mantém funcionando.

Continue lendo “O clube dos fundadores arrependidos”

Um rolê na loja física do AliExpress no Brasil

A digitalização do varejo barateou custos e expandiu a seleção de produtos disponíveis ao consumidor, vantagens que criaram gigantes do setor como a Amazon nos Estados Unidos e o Alibaba na China, e que têm norteado as decisões das empresas mais antigas que melhor se adaptaram à nova realidade, caso emblemático do fenômeno brasileiro Magazine Luiza. Apesar disso, lojas nativas digitais e bem sucedidas no ambiente virtual têm experimentado, com objetivos diversos, o caminho inverso, materializando-se no mundo físico.

No último sábado (7), fui conferir a recém-inaugurada loja pop-up do AliExpress, o grande marketplace digital chinês e uma das lojas estrangeiras favoritas dos brasileiros. Ela foi montada no Shopping Mueller, no Centro Cívico em Curitiba (PR), cidade escolhida por ser a sede do Ebanx, fintech local parceira que processa todos os pagamentos no AliExpress feitos a partir do Brasil.

Continue lendo “Um rolê na loja física do AliExpress no Brasil”

Bloco de notas #6

Notas curtas e curiosidades do mundo da tecnologia que publicaria no Twitter se o Twitter fosse uma rede legal. (Não é.)

***

Nos Estados Unidos, o Google foi condenado a pagar uma multa de US$ 170 milhões [New York Times, em inglês] por abusos praticados no YouTube. O serviço de vídeos coletou dados pessoais de menores de 13 anos sem o consentimento dos pais e os usou para veicular anúncios segmentados.

Mais importante que a multa, o YouTube se comprometeu a implementar mudanças significativas que começam a valer no início de 2020 [YouTube, em inglês]: cessar a coleta de dados pessoais de vídeos destinados ao público infantil, independentemente de quem os assista; desativar comentários e notificações em canais infantis; e cessar a veiculação de anúncios personalizados com base em dados pessoais em vídeos infantis (anúncios continuarão sendo exibidos com base em outros critérios [@manualusuariobr/Twitter, em português], porém). A definição do que é um vídeo infantil ficará a cargo dos donos dos canais, mas o YouTube empregará uma inteligência artificial para, em paralelo, classificar vídeos infantis automaticamente como tais.

Continue lendo “Bloco de notas #6”

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!