Logo do Manual num monitor Retina.

Independente e livre de Facebook e Google: este é o novo Manual do Usuário


14/1/19 às 8h00

Bem-vinda(o) à terceira fase do Manual do Usuário! O visual é mais ou menos novo, mas há mudanças em toda parte. Segure a minha mão e venha conhecê-las.

Em 2019, farei algo inédito: dedicar-me integralmente a este projeto. Aliás, já estou fazendo. Nos primeiros dias do ano, desenvolvi a repaginada no visual que você vê, redefini a linha editorial e as seções do blog, fiz todo o planejamento editorial de janeiro e fevereiro, entrevistei fontes, rascunhei matérias e falei com muita gente que pode (e vai!) me ajudar.

Sim, é bastante coisa, mas estou ciente das minhas limitações. A avaliação inicial que faço é de que a carga de trabalho é administrável — já considerando delegações nas partes técnica e artística e encomendas de algumas matérias a outros jornalistas. Alguns ajustes daqui para frente serão inevitáveis, mas nada muito drástico. Por tudo isso, estou confiante de que esta terceira fase do Manual do Usuário será a mais prolífica e a de melhor qualidade desses pouco mais de cinco anos de história.

Nos próximos dias, você verá na prática as novidades para 2019 no blog, nas redes sociais (siga os perfis no Telegram e Twitter) e na newsletter. Por ora, adiantarei os pontos que julgo mais importantes: a nova linha editorial, as pessoas que participarão disto, o meu compromisso com a nossa privacidade e os novos recursos do blog.

Nova linha editorial

O Manual do Usuário nasceu com a proposta de ser uma voz ponderada e reflexiva no debate quase sempre frenético de tecnologia pessoal. E continuará com ela. Só que, agora, nos concentraremos em dois temas fundamentais: a privacidade da(o) cidadã(o) frente aos avanços do capitalismo de vigilância viabilizado pela tecnologia e o aproveitamento — consciente e sustentável — das coisas boas que essa mesma tecnologia tem a nos oferecer.

São dois temas que se complementam de diversas maneiras. O segundo, que na prática consistirá em dicas e orientações para navegar com tranquilidade pelos mares por vezes revoltos da tecnologia — encontrando pequenos tesouros aqui e ali —, é leve, bem conhecido do público e traz benefícios óbvios e imediatos. Já o primeiro, a privacidade digital, é mais denso e ainda desperta inúmeras dúvidas e desconfianças. Muita gente não entende ou não se importa com a erosão acelerada da própria privacidade. Isso é gravíssimo e reverter esse equívoco será uma longa e extenuante jornada. O Manual estará aqui para documentá-la e, com humildade, tentar ajudar a pavimentar o caminho.

Pode parecer que o clima será meio pesado pelo fato de, talvez, a linha editorial ter ficado mais sisuda, séria. Não é o caso. Obviamente que assuntos sérios serão tratados com a devida seriedade, mas as pautas divertidas, que gosto muito de escrever e sempre repercutem bem, não serão deixadas de lado. Há espaço para muita coisa no novo Manual — até para as mochilas, se eu receber mais delas

O post livre continuará sendo aberto às quintas-feiras, mas passa a ser fechado ao meio-dia do sábado. Os podcasts (sim, no plural) serão publicados às terças e quintas, começando na próxima quinta-feira (17). O Manual segue orgulhosamente adepto da filosofia Slow Web; espere ver, em média, um conteúdo novo por dia publicado aqui — sem contar as atualizações diárias no Telegram e Twitter.

Reforços

Na parte escrita seguirei sozinho, por enquanto. Os novos reforços chegam para os podcasts e a parte técnica.

O Guia Prático, nosso querido podcast semanal, voltará a ser um papo descontraído de três pessoas. Além de mim, estão na equipe fixa a Naiady Piva, jornalista de economia especializada em startups e inovação, e o Fabio Montarroios, colaborador na área de internet do IMS, historiador e ativista pelo abolicionisno animal — os leitores mais assíduos devem conhecê-lo dos posts livres e de alguns textos que ele já publicou aqui. Teremos convidados especiais com frequência, de antigos participantes do Guia Prático a gente do mercado, da academia e das artes, para ampliar os nossos pontos de vista e arejar as ideias. Será bom!

A coluna do Guilherme Felitti sobre o mercado de tecnologia virou um podcast à parte, publicado pelo Manual do Usuário. A estreia, junto com os links para assiná-lo gratuitamente, será no dia 22 de janeiro. Além do áudio, ela também será publicada no blog em formato de texto.

Nos bastidores, o blog está hospedado na Mad Pony, novo empreendimento do James Pond, que abrigava e cuidava do blog antes do período dentro da Gazeta do Povo. O site está muito rápido e o serviço é totalmente alinhado à nossa política de privacidade.

Compromisso com a privacidade

Por falar em privacidade, o Manual do Usuário passa a operar, a partir de hoje, 100% livre de Facebook e Google. Isso significa que quando você acessar o blog, essas duas empresas não ficarão sabendo que você passou por aqui. Nem qualquer outra.

Foto do logo do Manual do Usuário com adesivos de 100% livre de Facebook e Google por cima.
100% livre de Facebook e Google. Foto e montagem: Rodrigo Ghedin/Manual do Usuário.

Se tal declaração lhe parece estranha, saiba que essa relação direta e sem terceiros envolvidos é uma raridade na internet. Desconheço outra publicação online, mesmo as que cobram pelo conteúdo, que ofereça acesso sem que o Facebook, o Google e mais uma infinidade de empresas desconhecidas e/ou estranhas bisbilhotem o seu comportamento.

O Google, por exemplo, tem um sistema de estatísticas de acesso padrão na indústria (Analytics), um de publicidade programática muito popular (AdSense), a abominação do AMP e mais uma série de ferramentas que facilitam a vida de donos de sites. O Facebook tem um código onipresente que te persegue pela web, aqueles botões sociais e, a exemplo do Google, um punhado de ferramentas de integração e manipulação, ops, segmentação para quem publica conteúdo na internet. Além das duas, uma infinidade de outras empresas de publicidade e segmentação também coleta seus dados quando você entra em algum site comercial.

Todas essas facilidade não são oferecidas por que Facebook e Google são bonzinhos, mas em troca da captura dos seus dados pessoais — mesmo que você não queira ou não saiba que os está entregando.

Estar 100% livre dessas empresas não significa que o Manual desaparecerá dos resultados da busca do Google nem que você não poderá encontrar ou compartilhar nosso conteúdo no Facebook, Messenger e WhatsApp. No Facebook, inclusive, links dos posts publicados aqui ainda aparecerão em nossa página e no robô do Messenger, publicados de forma automática. E você pode divulgar os conteúdos à vontade — aliás, agradeço muito caso o faça!

O intuito de toda essa vigilância é reduzir você, pessoa física dotada de livre arbítrio, a uma fórmula algorítmica capaz de revelar suas fraquezas cognitivas e explorá-las para induzi-lo a consumir mais notícias, mais vídeos, mais assinaturas, mais serviços e produtos, mais, mais e mais.

Uns podem dizer que se trata de um efeito colateral da inevitável transformação da internet em uma grande balcão de negócios. Pode ser. O problema é que essa dinâmica virou regra e engoliu até mesmo blogs simples, sem qualquer grande pretensão comercial. Ninguém precisa dessas empresas para publicar umas linhas de texto na web.

Mais que isso, o meu desejo é que a sua visita ao Manual do Usuário seja intencional e prazerosa. Que você leia e ouça o que é publicado aqui não por ter sido induzido por uma interface sacana, um anúncio segmentado ou um algoritmo obscuro, mas porque você quer. Que, nesse mar de correntes do WhatsApp, memes politizados, manchetes apelativas e conteúdo vazio criado apenas para dar cliques, a nossa relação seja algo especial. Que a mesma empolgação que eu sinto ao publicar um texto aqui seja sentida por você ao lê-lo e interagir nos comentários comigo e os outros leitores.

Não entenda a minha atitude como restritiva. Romper com Facebook e Google não significa alienar o público mais amplo, mas sim propor uma conversa sem a participação de terceiros indesejados com interesses diversos dos nossos. E é, também, uma aposta de que uma publicação séria e compromissada é capaz de sobreviver sem essas duas empresas, ambas decisivas na grave quebra de confiança da população no jornalismo profissional. Por mais que elas pareçam inescapáveis, não são. Ou assim acredito. Com o Manual do Usuário, tentarei provar essa hipótese.

Teremos muitos canais para conversar, do e-mail/newsletter aos comentários, de outras redes sociais aos podcasts. Talvez seja mais difícil, mas tudo bem. Será um bom desafio.

Seguindo a mesma linha, o blog volta ao sistema nativo de comentários. O Disqus, que usávamos até então, tem uma série de comodidades, mas o seu modelo de negócio não difere dos de Facebook e Google: criar perfis de usuários para vender publicidade segmentada. Ele também deixa o carregamento da página mais lento, pelo excesso de código e partes quebradas, e nos últimos meses tem apresentado instabilidades severas na sincronia com o nosso banco de dados local — por isso, algumas dezenas de comentários de novembro e dezembro se perderam na troca.

Sei que é meio chato preencher toda hora seu nome e e-mail para deixar um comentário, mas prevejo que sobreviveremos. (E, em breve, com as assinaturas pagas do site, esse “problema” será amenizado.)

Novidades no layout

O Manual ainda usa a mesma base de antes em seu layout, apenas com alguns leves ajustes e aperfeiçoamentos.

O primeiro que destaco é a adoção de uma nova-velha fonte, a Helvetica Neue ou, na falta dela, a Arial. A anterior (Merriweather) era bem agradável, mas era puxada dos servidores do Google, logo…

Outra mudança importante é a padronização dos layouts. Agora, ao acessar o blog por uma tela grande como a do notebook, você não verá mais aquela barra na lateral esquerda, mas sim o mesmo layout do tablet, em uma coluna só, centralizado. Layout que, por sua vez, é bem parecido com o do smartphone, que é a base deste site. Somos “mobile-first”. (Lembra disso? Era moda há muito tempo, ali por 2016.)

Dessas mudanças de layout, obtivemos uma grande vitória: não temos mais o menu de hambúrguer! Espalhei os links que ficavam escondidos atrás daquele ícone no topo e rodapé da página. Dê uma olhada, em especial na página “Explore”, que tem a pesquisa e diversos filtros para o arquivo do Manual.

Nos posts, você verá com frequência algo que chamei de “contextos”. São comentários ao texto, com diferenciação visual e ícones indicativos, que ajudam a dar contexto ao que você está lendo. Os ícones/contextos são os seguintes:

  • Olho aberto: avisos de transparência, como relações entre o autor do texto e o blog com personagens e empresas citadas.
  • Relógio: atualizações feitas no texto posteriores à sua publicação.
  • Exclamação: alertas gerais, de procedimentos perigosos a orientações importantes. (Você já viu um desses ali em cima.)
  • Globo: detalhes das traduções exclusivas que publicamos aqui, como autor, data e link do conteúdo original.
  • Gente: mini-perfil de autores convidados que publicam no Manual.

Veja um exemplo:

Isto é um aviso de transparência. Ele tem o ícone correspondente (olho aberto) e uma diferenciação visual, com fundo em outra cor e tipografia monoespaçada.

Aqui e ali tem alguns degradês coloridos que, dizem os jovens, estão na moda. Sim ou não, eles são bonitos e quebram um pouco o visual monocromático que já é marca registrada do Manual.

Por fim, se você está atenta(o), deve ter visto links para lojas online no rodapé do site. Ao fazer uma compra após clicar neles, o blog ganha uma pequena comissão — sem afetar o custo do(s) produto(s) para você. É uma das fontes de receita com que pretendo viabilizar comercialmente o projeto. Mas esse é um assunto para o futuro. Pelos próximos meses, o Manual do Usuário não terá qualquer fonte de receita exceto as pequenas comissões dessas lojas.

Comentários são sempre bem-vindos.

Não se esqueça de assinar (gratuitamente) a newsletter.

Muito obrigado pela sua atenção!

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês