Monopólios sempre emperraram a inovação — e não é diferente com as Big Tech

Mascote do jogo Banco Imobiliário à direita contra um fundo branco.

Dois mil e dez foi um ano movimentado em tecnologia. A Apple lançou o iPhone 4 e o iPad, comprou a startup Siri (que viraria seu assistente pessoal) e Steve Jobs voltou a aparecer após meses longe dos olhares do mundo. A Microsoft foi atrás da AWS com o Azure e ainda tentava entrar na guerra dos smartphones com o Windows Phone 7. A Amazon já ensaiava atacar outras frentes, mas a venda de livros ainda era seu negócio principal — em 2010, pela primeira vez, os e-books venderam mais que as cópias físicas. A Intel comprou a McAfee, Yahoo, Nokia e HTC eram relevantes e surgiram as primeiras informações sobre o smartphone que o Facebook estava fabricando (três anos depois descobriu-se que era por uma parceria com a HTC). Só o fato de ter o iPhone 4 e o iPad já dariam importância ao ano: o primeiro lançou essa tendências de smartphones “embalados” em vidro, o segundo desengatilhou uma outra tendência — ainda viva, mas de menor fôlego, é verdade —, de tablets como substitutos de notebooks.

Em suma, 2010 foi um ano de produto em tecnologia. Assim como tinha sido 2009, 2008, 2007 e por aí vai. Óbvio, houve tretas: Apple e Nokia e Microsoft e HTC digladiando nos tribunais sobre, principalmente, patentes. Mas as luzes da ribalta estavam nos produtos, o hardware recém-lançado, naquele serviço novo que fez sucesso e que o Facebook não demoraria muito a copiar (só em 2010, a rede social copiou o retweet do Twitter e o serviço completo do Foursquare no Facebook Places). Você não precisa acreditar em mim: o Techmeme guarda as principais manchetes do mercado de tecnologia há mais de uma década. É só entrar lá e escolher o dia e a hora de 2010 para ver um compêndio dessas e outras manchetes.

É sempre bom parar e olhar para trás para entender o quanto o passado é diferente do ponto que você ocupa agora no tempo-espaço e se esforçar para entender como aquilo lá atrás virou isso de agora. Faça o mesmo exercício e entre na capa do Techmeme do dia em que você está ouvindo este podcast: enquanto gravo, as principais notícias dizem respeito a investimentos bilionários para neutralizar as emissões de carbono de uma empresa gigantesca, as investigações de um órgão de controle sobre outra gigante e um país do Oriente cancelando o banimento de um serviço online. De novo: claro, existem notícias sobre novos produtos e um ou outra startup que levantou um capital violento para oferecer um serviço qualquer. Mas há um contraste explícito entre o espírito do tempo (ou zeigeist, se você prefere ler Thomas Mann no original) de 2010 e o espírito do tempo de 2020: a guerra dos smartphones não importa mais. As compras multibilionárias são, hoje, por serviços quase desconhecidos, principalmente de inteligência artificial, semicondutores e computação em nuvem. Passou-se o tempo das enormes consolidações.

Num efeito parecido com a sensação de se apreciar as obras do Vik Muniz, quanto mais você se afasta, mais o agrupamento daquelas notícias forma uma imagem completa: a crescente concentração de participação de mercado que nos coloca no caminho das “distopias” descritas nas melhores ficções científicas1.

Hoje, para cada notícia eufórica de novos unicórnios e do empreendedor que venceu a pobreza para amealhar uma fortuna, existem ainda mais notícias sobre o aumento da taxa de suicídio entre os jovens, o crescimento da informalidade entre os trabalhadores e da consequente desigualdade social, os galopantes vazamentos de dados pessoais, a interferência estrangeira em eleições nacionais e a corrosão do debate online pela polarização.

Por trás das investigações, dos processos, das ameaças de quebra, das compras de rivais, do contínuo crescimento econômico e das aparições ensaiadas como um balé pelos seus executivos principais há o mesmo pano de fundo: o tamanho que as Big Tech2 atingiram. É comum encontrar discussões sobre o monopólio que Google, Facebook, Apple, Amazon, Microsoft, Alibaba e Tencent têm do mercado global. Em 2015, as cinco maiores empresas do Big Tech valiam, juntas, US$ 1,7 trilhão. Em 2019, esse valor mais que triplicou, para US$ 5,2 trilhões. Se em 2010 a palavra que sintetizava a tecnologia era “produto”, em 2020 está mais para “grandeza”. Ou “concentração”. Ou “monopólio”. Mas o que é monopólio? Dá para considerar um monopólio quando se tem tantas empresas mais ou menos rivais? Se você vai opinar sobre o assunto, é bom que, pelo menos, saiba do que está falando. O primeiro episódio da segunda temporada do Tecnocracia vai explorar o que são e quais os efeitos dos monopólios para você e para a economia.

Essa preocupação com o tamanho que uma empresa pode adquirir e como isso impacta a maneira como ela usa seu poder é razoavelmente recente — data do início do século XX. Não que empresas gigantescas só tenham surgido a partir dessa época. Um quiz: qual é a maior empresa da história? Não é Amazon, Apple ou Google. Há uma teoria amplamente aceita de que a maior empresa da história surgiu no século XVII: a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais tinha valor de mercado estimado em cerca de US$ 7,5 trilhões, mais de sete vezes mais que qualquer Big Tech atual. Como você, com certeza, prestou atenção na aula de história, eu não preciso explicar o que foi a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, né? Mentira, a gente sabe que ninguém lembra disso.

A Companhia Holandesa das Índias Ocidentais começa como uma empresa de logística marítima na época das Grandes Navegações. Vamos lembrar que as duas grandes potências da época eram países pequenos na Europa, mas com enorme tradição marítima: Holanda, pouco menor que o Espírito Santo, e Portugal, mais ou menos do tamanho de Santa Catarina. Aliás, a Holanda só se viu obrigada a construir uma esquadra organizada e ir atrás dos seus amados temperos quando Portugal, que tinha o monopólio do comércio marítimo entre Europa e Ásia, resolveu parar de vender. Com o governo holandês como financiador e acionista, a Companhia ganhou monopólio (olha lá…) de 21 anos para fazer o comércio de especiarias no mercado holandês. Trazer temperos e chás da Índia para revender sem competição na Holanda era um negócio lucrativo, mas, duas décadas depois de instituída, a empresa achou um negócio ainda melhor: o tráfico de escravos. Com o apoio do governo holandês, milhares de africanos foram sequestrados para a América durante mais de um século em navios holandeses.

Enquanto fez parte, de novo com Portugal, da rota do tráfico negreiro no Atlântico, a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais conquistou e colonizou inúmeros países3, foi a primeira empresa da história a abrir capital na Amsterdam Stock Exchange, a primeira bolsa de valores no modelo praticado até hoje e chegou a ter mais de 70 mil funcionários pelo mundo. A empresa era tão grande que ganhou, do próprio governo holandês, a prerrogativa de treinar um exército próprio, ocupar territórios e declarar guerras. Era quase uma nação dentro de outra nação. Guarda essa ideia para mais tarde.

A questão é que, no século XVII, não havia ainda uma preocupação tão grande sobre os impactos de monopólio e do tamanho das empresas no funcionamento do governo. Primeiro, para criar um negócio com esse porte você precisaria não apenas da autorização, mas do dinheiro do governo. Segundo, monarquias estavam felizes de concentram seus lucros e poderes em empresários que se arriscavam para tornar o reino ainda mais rico. Todo rei ou rainha estava sentado/a no trono por vontade de Deus e mercador nenhum poderia tirar isso deles.

Voltando. Essa preocupação pelo impacto do tamanho dos negócios, um movimento chamado de antitruste, nasce no começo do século XX quando vários setores nos Estados Unidos e na Europa foram dominados, de maneira planejada, por alguns poucos players. Nos EUA, essas empresas foram chamadas de trusts (logo, antitruste foi o nome dado ao movimento para quebrá-las). Praticamente todos os setores da economia norte-americana tinham um trust que congregava as maiores empresas do setor

“Esse movimento de monopolização aconteceu em velocidade enorme nos EUA. Em apenas uma década, de 1895 a 1904, pelo menos 2.274 empresas se uniram, criando 157 corporações que, na maioria dos casos, dominava as suas indústrias. No começo dos anos 1900, quase todas as indústrias dos Estados Unidos eram ou controladas ou em vias de ser por um monopolista único”. Esse é um trecho de The Curse of Bigness, um livrinho curto escrito pelo pesquisador Tim Wu, favorito aqui do Tecnocracia, sobre a história do monopólio. Muito do que você vai ouvir neste episódio foi tirado desse livro. Como nos dois livros anteriores de Wu, se você tem interesse na forma como o mercado de tecnologia se formou, eu te aconselho fortemente a ler. Ainda não tem versão em português, só inglês.

O movimento de monopolização foi alimentado por crises econômicas severas nos EUA e na Europa, o que fez com que centenas de empresas quebrassem. Com esse cenário desolador, cresceu um argumento liberal de que uma das principais culpadas era a “competição ruinosa”. “Na mesma maneira que Peter Thiel argumenta hoje que o monopólio ‘lidera o progresso’ e que ‘competição é para perdedores’, os apoiadores do Movimento Trust achavam que o conceito de competição defendido por Adam Smith não tinha espaço na economia moderna e industrializada”. Sem competição, a empresa dona do setor não teria que se preocupar em oferecer produtos melhores ou cortar as margens. Se houvesse uma chance de consolidar o setor e deixar tudo em uma mão, melhor.

O pioneiro do movimento foi um sujeito chamado John Rockefeller que até hoje nomeia uma série de atrações nos Estados Unidos, a começar por um prédio em Nova York onde os brasileiros adoram ir no fim do ano para tirar foto no rinque de patinação. Rockefeller fundou a Standard Oil, a maior empresa de petróleo dos Estados Unido. Uma das grandes inovações da empresa foi uma estratégia de “consolidação horizontal”, em que um player controla as fases de produção e distribuição de um jeito que fica impossível a rivais florescerem. Com isso, a Standard Oil era capaz de esmagar competidores menores com cortes de preço, leis que favoreciam seus negócios e o controle da cadeia logística4. Rockefeller usou todas as cartas que tinha e colheu os resultados: trinta anos após fundada, a Standard Oil controlava 91% da produção e 85% da venda para consumidores e empresas. Com produto, logística, lobby e controle do cadeia de suprimentos, a Standard Oil consolidou o mercado e se transformou na maior empresa privada do mundo. Rockefeller, consequentemente, ficou tão rico que é, até hoje, o norte-americano mais rico da história, com fortuna estimada em US$ 400 bilhões de dólares, quase quatro vezes mais que Jeff Bezos, da Amazon, atual pessoa mais rica do mundo com fortuna estimada em US$ 110 bilhões.

Charge mostrando Theodore Roosevelt segurando as cabeças de  Nelson W. Aldric e de John D. Rockefeller, ambos em forma de serpentes.
Roosevelt segura as serpentes Rockefeller e Nelson W. Aldrich (senador republicado chegado do bilionário), em 1906. Ilustração: Frank Arthur Nankivell/Revista Puck.

Muita gente prestou atenção na aula de Rockefeller e replicou o modelo em seus respectivos setores. Os maiores cinemas nos EUA se uniram no Film Trust para controlar a produção e exibição de filmes, deixando de fora qualquer estúdio ou cinema menor que não concordasse com a venda de filmes em pacote. Um grupo de imigrantes insatisfeitos resolveu criar seus próprios estúdios — daí vem a Warner Brothers, a Paramount, a MGM e a 20th Century Fox, uma história já contada no Tecnocracia #15. Além dos donos de negócios que partiram para a consolidação, um outro tipo de profissional copiou Rockefeller: os investidores. O principal dele foi um sujeito chamado John Pierpont Morgan. Ele estudava os setores que ainda não tinham formado um trust e, com um bolso fundo, oferecia uma montanha de dinheiro para comprar dezenas de empresas e transformá-las em uma só. “Entre os muitos projetos de Morgan estava a consolidação do sistema de transporte férreo do Nordeste dos EUA em um monopólio, o New Haven Railroad. Morgan e seu braço-direito, Charles Mellen, negociaram a fusão de 336 empresas, incluindo a responsável pelos trilhos de Boston e do Maine, para criar um novo sistema”. O nome pode não lhe dizer nada, mas você conhece o tal de John Pierpont — o banco que esse sujeito fundou continua bem forte até hoje — “J” de John, “P” de Pierpont, Morgan. JP Morgan. Os trusts dominavam os setores petrolíferos, de telecomunicações, cinematográfico, ferroviário, de proteína animal… A lista é longa.

E ninguém estava olhando para essa concentração, você deve estar se perguntando? Sim, estavam. Em 1890, o Congresso norte-americano aprovou um conjunto de leis para regulamentar a competição entre empresas, chamado de Sherman Act, em homenagem ao senador que o propôs, John Sherman. Tal qual o Brasil, porém, a lei não pegou. Qualquer um que tenha estudado minimamente teoria jurídica sabe que uma lei não significa nada se ela não for cumprida. É preciso vontade política. O Sherman Act estava promulgado e, na teoria, valia, mas faltava vontade política para aplicá-lo, principalmente porque a aplicação envolveria comprar brigas com os empresários mais poderosos do país. Não é muito diferente de hoje, nós vamos ver adiante. O Sherman Act só deixou de ser decorativo uma década depois, quando o então presidente norte-americano, Theodore Roosevelt5, transformou a quebra dos trusts em prioridade política.

A doutrina vigente ao abordar os monopólios era até então era o laissez-faire (“deixar acontecer”, em francês): o governo não tinha papel nenhum no desenrolar da economia. Se houvesse problemas, o próprio mercado resolver-los-ia (alô, Michel Temer). Roosevelt não compartilhava da ideia. Para ele, os monopólios “eram uma questão de democracia política. Ele via claramente o crescente poder dos trusts como uma séria questão política, no papel de uma ameaça à proposição básica do estado democrático. (…) Ele também entendia, como deveríamos entender hoje, que ignorar a miséria econômica e se negar a dar ao público o que eles querem pode levar a soluções políticas mais extremas, como o marxismo ou a revolução anarquista”. Com essa visão clara, o presidente foi atrás dos dois maiores monopolistas: primeiro Morgan, depois Rockefeller. Nos dois resultados, após uma briga feroz nos tribunais que acabou na Suprema Corte, os resultados penderam para o Sherman Act: a tentativa de Morgan em concentrar o mercado ferroviário foi dissolvida e a Standard Oil foi quebrada em 34 empresas, algumas das quais você conhece até hoje: a Standard Oil de New Jersey virou a Exxon, a de New York virou a Mobil e a da Califórnia virou a Chevron.

A tecnologia adora cuspir monopólios

A gente já falou de cinema, de petróleo, de carne e até de urso de pelúcia. Você pode estar pensando: “Guilherme, esse não é um podcast sobre tecnologia?”. Sim. Esse contexto todo tem razão: nos últimos 50 anos, nenhum outro setor passou por tantas fases de concentração e pariu tantos monopólios como o das telecomunicações. A última grande quebra de monopólio no mundo aconteceu nos anos 1980 quando o Departamento de Justiça dos EUA quebrou a AT&T em 9 empresas regionais. Dessa quebra saíram quase todas as grandes operadoras norte-americanas de hoje, como Verizon, T-Mobile, Sprint e a própria AT&T — com o mesmo nome, mas área de atuação bem menor. Desde então, essas operadoras vêm, vagarosamente, se unindo de novo a ponto de o sistema de telecomunicações norte-americano hoje ser controlado por três grandes empresas. Quem detalhou muito bem essa história, tanto da quebra como da gradual concentração nas décadas seguintes, foi um sujeito do qual eu nunca falei aqui chamado Tim Wu, num livro que eu também nunca citei, chamado The Master Switch. (Se você é novo ou nova ao Tecnocracia, essa é uma enorme ironia: não existe um livro que recomendei mais vezes que o The Master Switch, que rememora a criação de grandes conglomerados de telecomunicações no mundo.)

O Brasil passou por um momento semelhante a esse descrito pelo Wu quando, na década de 1990, o governo de Fernando Henrique Cardoso resolveu quebrar a Telebrás para privatizar o sistema de telefonia e ainda levantar uma grana que ajudaria na estabilização da moeda, necessária para o sucesso do Plano Real. Em 1998, a estatal Telebrás, responsável por fornecer linhas de telefonia fixa para consumidor final, foi quebrada em 12 operadoras: três de telefonia fixa, oito de telefonia móvel e uma de telefonia de longa distância, cada com uma área de atuação específica. Nesses últimos 32 anos, as 12 empresas viraram quatro: a Vivo (que comprou a Telemig Celular, a Amazônia Celular e a GVT, entre outras), a Claro (que comprou a Net e a Embratel), a Oi (que ganhou dinheiro do BNDES e alterações no Marco Legal de Telecomunicações para comprar a Brasil Telecom) e a Telecom Itália. Se você for mais rígido/a, o mercado brasileiro está realmente na mão de três grupos, já que a Oi vem enfrentando uma crise terrível há, no mínimo, cinco anos, que já a levou a pedir a segunda maior recuperação judicial do capitalismo brasileiro (a liderança é da Odebrecht). Em todas as métricas a operadora brasileira vem perdendo market share e não há Deus Ex Machina que a salve.

Tal qual o rio corre em direção ao mar, o mercado de tecnologia parece correr em direção ao monopólio, independente se falamos de serviços de telefonia e banda larga, mainframes, navegadores ou aplicativos de mensagem. A teoria ganha corpo quando você considera o histórico das ondas de tecnologia.

Primeiro exemplo: IBM. Muito antes de virar um assunto sexy para discutir na mesa de bar, a tecnologia começou a entrar na vida das pessoas em grandes computadores usados dentro de empresas para substituir cálculos manuais. Eram os mainframes e quem dominou o mercado foi a IBM. O pioneirismo da IBM lhe deu mais de 70% do mercado de mainframes. Com esse poder, a empresa criou entraves aos rivais, que incluíam venda casada, padrões que só a beneficiavam, compras para matar inovações, “sabotagem no departamento comercial e anúncios falsos de produto”. Em 1969, o governo norte-americano processou a IBM por abuso de poder. O processo tramitou por mais de 13 anos e foi engavetado em 1982. Ainda que não tenha produzido uma punição oficial, o caso forçou a IBM a mudar sua estratégia de competição, numa teoria que o Wu chama de “guarda na esquina”: se você sabe que um guarda está olhando cada ação sua, a chance de você se envolver em atividades ilegais cai considerável.

O próximo mercado a estourar após o de mainframes foi o de computadores pessoais. Ao lançar o IBM 5150, primeiro PC da história, a empresa desistiu de casar hardware com software e apostou numa arquitetura aberta, algo “amplamente entendido, até mesmo por funcionários da IBM, como responsável pelo nascimento de uma indústria de software independente”. Nessa pujante nova indústria de softwares se destacou uma desenvolvedora fundada em Seattle por Paul Allen (morto em 2019) e Bill Gates. Só existiu um mercado de softwares por que a IBM, pressionada pelo governo, não se meteu. Se não, você estaria usando o OS/2 e o Lotus até hoje

Segundo exemplo: Microsoft. Com o DOS, depois o Windows e depois o Office, a Microsoft chegou a concentrar mais de 90% do mercado de sistema operacional e softwares de produtividade, o que lhe rendeu o posto de maior empresa do mundo perto da virada do século. Quando dois estudantes universitários criaram um navegador, o Mosaic, que se transformou em um sucesso comercial a ponto de protagonizar o primeiro IPO de sucesso da internet mundial, Bill Gates notou que havia ali um risco ao império. Nos anos seguintes, a Microsoft usou seu tamanho para integrar o Internet Explorer ao Windows e transformá-lo no navegador mais popular do mundo. Quando o Mosaic, renomeado para Netscape, foi incapaz de manter a competição, a Microsoft perdeu o motivo para continuar desenvolvendo o IE, que estacionou na versão 6. A Microsoft só voltou a desenvolver o navegador quando o fantasma do Netscape, encarnado num novo grupo chamado Firefox, voltou para assombrá-la.

Bill Gates gesticulando; letreiro da câmera informando data e hora — 28 de agosto de 1998.
Bill Gates durante interrogatório no caso Estados Unidos vs. Microsoft, em 1998. Foto: Internet Archive/Reprodução.

Em 1992, a Federal Trade Commission, equivalente ao CADE no Brasil, abriu um processo para investigar se a Microsoft estava abusando do seu monopólio para acabar com a competição no setor. Oito anos depois, sem qualquer surpresa, a Justiça descobriu que, sim, a empresa abusava do seu monopólio não só contra o Mosaic, mas contra quase uma dezena de outras empresas. A solução seria quebrá-la. A Microsoft apelou e, em 2001, chegou a um acordo com a Justiça norte-americana que a manteve inteira, mas a obrigou a pagar uma multa bilionária (nos EUA e na Europa) e a oferecer opções de navegadores além do IE para usuários do Windows. O estrago para o mercado de navegadores já estava feito, mas, tal qual o caso da IBM, o tapa na mão que a Microsoft recebeu mudou sua estratégia para a próxima onda, a internet. Só existiu um mercado independente de serviços online e apps por que a Microsoft, pressionada pelo governo, não se meteu. Se não, você estaria usando o Bing até hoje.

Terceiro exemplo: Intel. A ascensão da Microsoft foi também a ascensão da Intel, praticamente a única fabricante de processadores, numa parceria conhecida como WinTel. Abrir uma fábrica de semicondutor é bem mais difícil do que inaugurar uma startup, mas, ainda assim, havia empresas que tentavam competir com a Intel. A que teve mais sucesso foi a AMD, que fabricava chips para servidor tecnicamente melhores que os da Intel. Dona de mais de 90% do mercado de chips para computadores, a Intel começou a oferecer descontos e incentivos a empresas de computadores que se comprometessem a não comprar AMD. A AMD entrou com uma ação contra a Intel em 2005 e antes que se aproximasse de um veredicto de quebra, as duas fizeram um acordo pelo qual a Intel pagaria US$ 1,25 bilhão e mudaria suas estratégias de venda para parceiros. De novo, o estrago para o mercado de chips para computadores e servidores já estava feito, mas, ao saber que estava sendo observada, a Intel adotou uma estratégia menos agressiva quando chegou a próxima onda, de system on a chip (SoC). O exemplo aqui é interessante também por que a Intel nunca foi tecnicamente boa em chips minúsculos como os necessários para smartphones e tablets. Ao não usar seu peso para quebrar rivais, o mercado de chips ganhou uma nova arquitetura, a ARM, e novos players que acabaram sendo comprados por gigantes como Apple e Samsung, que passaram então a fabricar seus próprios chips e se encaminham para não precisarem mais da Intel.

Multa, mas não quebra

O que os exemplos de AT&T, IBM, Microsoft e Intel têm em comum é o uso do poder de um líder de mercado para prejudicar rivais, diminuindo a competitividade do setor. Se você acompanha minimamente o mercado de tecnologia, já deve ter aparecido na sua cabeça algumas atitudes das grandes empresas atuais do setor que se assemelham com o que essas outras fizeram lá atrás. Quando o Facebook compra o Instagram e o WhatsApp e concentra o mercado de apps de mensagens, ele não está impactando a competitividade? Quando o Google, que já tinha o Google Videos, compra o YouTube, ele não está impactando a competitividade não apenas do setor de vídeos, mas também o de busca, já que o segundo maior buscador do mundo em volume de consultas não é o Bing, mas o YouTube? Ao criar marcas próprias dos produtos mais vendidos no site e dar destaque maior a suas próprias marcas (muitas vezes sem revelar que é sua) que a de terceiros, a Amazon não está abusando da sua posição de maior varejista online do planeta?

Dois mil e nove foi um ano em que a discussão sobre o tamanho do Big Tech esquentou. Nos EUA e na Europa, as duas áreas mais impactantes do mundo, processos antitruste foram abertos. Ainda fala-se pouco sobre punições e, quando o assunto é oficialmente levantado, a possível saída é mais multa do que quebra. Não que os donos do Big Tech não tenham medo de uma quebra — a rapidez com que o Facebook sugeriu integrar suas três plataformas de mensageria, Facebook Messenger, Instagram e WhatsApp, vendido como um investimento de privacidade, é, na verdade, uma tentativa atabalhoada de argumentar que uma quebra poderia matar algum dos serviço. Se já existem indícios claros de que a ação do Big Tech está freando a competição do setor, por que replicaram o exemplo da AT&T? A moda, há décadas, é não quebrar o negócio, mas impor uma multa — em muitos casos, barata. O medo pode até existir, mas Zuckeberg, Bezos e Brin e Page podem dormir tranquilos por enquanto.

De novo, recorramos à história. O ápice do antitruste como algo fundamental para o capitalismo aconteceu entre as décadas de 1950 e 1960, quando o governo norte-americano e países europeus quebraram dezenas de trusts após a II Guerra Mundial. Esse afã antitruste perdeu gás a partir da década de 1980, quando a doutrina sobre o assunto deu um cavalo de pau alimentado por acadêmicos saídos da Universidade de Chicago, liderados pelo advogado Robert Bork. Até então, o monopólio era visto como prejudicial por atrapalhar a competição. Já a teoria de Chicago defendia que o monopólio só podia ser julgado pelas vantagens que traria ao consumidor. Se uma empresa concentra 90% do seu setor e os clientes estão pagando menos, por que impor qualquer sanção? Os teóricos alegavam que, enquanto o preço continuasse baixo, o monopólio seria ótimo para o consumidor. Nesse estado teórico (lembre-se disso) de monopólio, o único detentor, sem ter que competir com os rivais, poderia repassar ao consumidor preços menores.

O argumento funciona só no discurso, não na realidade, como Wu prova com alguns exemplos no livro. Fiquemos em dois. Um: entre 2005 e 2017, a indústria farmacêutica passou por uma consolidação que uniu mais de 60 empresas em 10. Em alguns casos, o aumento nos preços de determinadas droga variou entre 1.000% e 6.000% no mesmo período. Dois: a indústria de aviação se concentrou em três players, menos da metade de duas décadas atrás, o que nos coloca nesse atual cenário de assentos diminuindo e novas taxas, como a de mala de mão. Esse é um exemplo para os Estados Unidos, mas que vale também para o Brasil.

Mesmo com indícios claros, as quebras pararam nos anos 1980. Não à toa, a última foi a da AT&T. No mercado de tecnologia há outro fator que sugere que quebrar Big Tech não vai ser tão simples. Em tecnologia, o foco em preço para o consumidor é mais complicado principalmente por que os serviços oferecidos são gratuitos. O dinheiro de verdade é ganho na comercialização dos dados. Há outro argumento forte para endossar a teoria de Bork, principalmente na computação em nuvem: líder do setor, a Amazon Web Services gosta de alardear os cortes de preços constantes que promove nos seus serviços, decorrência direta não apenas da escala do serviço, mas também da lei de Moore.

É preciso um novo paradigma para se encarar o problema, um paradigma que já foi usado: o ponto principal não é o preço, mas a atuação à la Cronos, de matar no ninho os potenciais novos rivais. Desde sua fundação, o Facebook fez 67 aquisições aprovadas sem restrições, enquanto a Amazon fez 91. Ambas só ficam atrás do Google, que comprou 214 startups (algumas com restrições impostas pelo governo). Nestas centenas de startups estão as mais conhecidas, mas também estão dezenas de “acqui-hires” (quando a empresa compra outra só pra contratar seus funcionários) e algumas compradas para inevitavelmente tirar do mercado um serviço ou produto que poderia se tornar uma ameaça adiante. O manto sobre as compras torna praticamente impossível saber se a tecnologia foi aproveitada ou simplesmente arquivada no arquivo de códigos para não ser mais usada por ninguém. Os processos antitruste são importantes não apenas por colocar o “guarda na esquina”, mas também para revelarem uma série de documentos que, por outra forma, jamais veriam a luz do Sol. Quando a empresa não concorda em ser comprada, como foi o caso do Snapchat, é muito fácil copiar a ideia e explorá-la numa plataforma muito maior. A forma como o Facebook copiou o Snapchat para lançar os Stories no Instagram deveria ter acendido todas as luzes amarelas sobre competição prejudicada.

O governo como co-conspirador

Há outro ponto a se considerar na discussão sobre o impacto dos monopólios na sociedade: sua relação com a política. Uma das razões pelas quais o antitruste estava muito forte nas décadas de 1950 e 1960 foi o fim da II Guerra Mundial. No julgamento dos crimes de guerra, entraram não apenas soldados, oficiais e membros dos exércitos e dos governos totalitários, mas empresários que compunham trusts no Japão, na Itália e na Alemanha. Pesquisadores que passaram as últimas décadas debruçados sobre o impacto político dos monopólios descobriram que “concentração econômica extrema produz enorme desigualdade financeira e sofrimento material, alimentando um apetite por lideranças nacionalistas e extremistas”, segundo Wu. O pesquisador de antitruste Daniel Crane é ainda mais direto: “a ideologia de apoiar e sofisticar o antitruste no pós-Guerra cresceu nos EUA e na Europa como reação ao papel que o poder econômico concentrado teve na ascensão do fascismo”. De novo Wu: “a ascensão e o exercício do poder por Adolf Hitler foram facilitados pela tolerância da República Germânica aos monopólios em indústrias-chave, como a Krupp no setor bélico, a Siemens no setor ferroviário e de infraestrutura e, principalmente, o cartel I.G. Farben no setor químico”.

Vamos com cuidado aqui para não toparmos o mindinho na Lei de Godwin: ter poucas empresas enormes concentrando um setor não significa que, necessariamente, a democracia morreu. O ponto é que é mais fácil haver a aliança entre um governo autoritário e um monopólio que fecha os olhos para os impactos políticos e sociais enquanto está enchendo o próprio bolso. Não é uma questão de crença política; é só negócios.

Vejamos o exemplo da Farben, um monopólio criado em 1925 pela união das seis maiores empresas químicas da Alemanha. Durante a ascensão dos nazistas ao poder, a Farben era acusada de ser uma “international capitalist Jewish company”, até que começou a doar dinheiro para o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (o Partido Nazista) e virar um dos fornecedores do governo no Terceiro Reich. A Farben era tão ligada ao regime que usou mão de obra escrava de milhares de judeus presos em campos de concentração, inclusive de Auschwitz. Durante a II Guerra, a Farben foi a maior empresa química do mundo. Com a derrota do Eixo, os aliados a quebraram em três empresas que existem até hoje e das quais você já ouviu falar: Bayern, a BASF e a Hoechst. No julgamento de Nuremberg, 24 executivos da Farben foram condenados por escravidão humana e outras ofensas. O Partido Nazista precisava de dinheiro e armas, a Farben precisava de mercado e mão de obra. Uma mão lava a outra, as duas matam milhões de pessoas pela Europa6.

Executivos da Farben durante julgamento em Nuremberg.
Executivos da Farben durante julgamento em Nuremberg. Foto: Wikimedia Commons.

Num cenário assim, o governo abandona totalmente seu papel regulador e para de trabalhar em prol da sociedade para trabalhar em nome do projeto de poder. Já a empresa esquece suas preferências políticas e se alia a qualquer um que a mantenha na ponta. Governo e empresa viram co-conspiradores. É parecido com o que a Apple e, principalmente, o Facebook vêm fazendo ao se aproximar de Trump, entre encontros a portas fechadas com Zuckeberg e a manutenção de regras que beneficiam campanhas de desinformação online. O consultor de Zuckerberg na questão, aliás, é Peter Thiel, membro do conselho do Facebook e tão entusiasta do conceito de monopólio que defende que “competição é para perdedores”.

De novo: eu não acho que a concentração de renda e poder da Big Tech hoje está nos levando a um cenário parecido. Aqui a gente está explorando um cenário real da junção entre um governo autoritário e monopólios não regulamentados para mostrar o que pode acontecer. Aconteceu de verdade e há pouco tempo — há 60 anos, seus avós e talvez seus pais já estavam vivos.

A discussão sobre monopólio é muito mais complexa do que simplesmente parar na questão do preço. O Big Tech hoje tem muito poder e dinheiro e nada indica que essa concentração vai parar. Lembrando: em cinco anos, o valor de mercado das cinco maiores mais que triplicou, enquanto o mercado passou longe desse crescimento. É óbvio que estamos indo em direção a um cenário de concentração ainda maior. Como será? Eu não acho que será algo nos moldes da Farben (e posso estar errado), mas a gente pode ter a plena certeza de que, por baixo das campanhas de relações públicas e publicidade, não será nada bonito.

Esperar que Facebook, Google, Amazon, Apple e afins sejam quebradas parece, a essa altura, um wishful thinking (feliz ano novo, Luciana Gimenez). Se elas só receberem um tapa na mão que as impeça de avançar sobre a próxima onda — como aconteceu com IBM, Microsoft e Intel —, o lucro já será enorme.

Imagem do topo: Hasbro/Reprodução.


  1. Definição do dicionário Houaiss para “distopia”: lugar ou estado imaginário em que se vive em condições de extrema opressão, desespero ou privação.
  2. Big Tech é a expressão usada para descrever o grupo das maiores empresas de tecnologia do mundo: Google, Microsoft, Facebook, Apple e afins.
  3. Em uma missão exploratória a partir de uma das colônias, um navegador holandês descobriu um pedaço de terra grande no sudeste da Ásia e lhe deu um nome em homenagem a uma das províncias holandesas, Zelândia. O pedaço de terra até hoje se chama Nova Zelândia por isso.
  4. Ainda que não tenha sido a inspiração direta do personagem de Daniel Day Lewis, é possível ver em Sangue negro, filme do diretor Paul Thomas Anderson, muitas das estratégias sujas usadas pelos barões do setor para esmagar a competição.
  5. A aplicação do Sherman Act não foi o único impacto que Theodore Roosevelt chegou a você: o 26º presidente norte-americano é também responsável direto pelo urso de pelúcia, não chamado de Teddy Bear à toa.
  6. Esse é um caso extremo, mas existem outros perturbadores: o Rockefeller e o Graham Bell, fundador do que virou a AT&T, deram milhões de dólares e apoiaram publicamente programas de eugenia. Ambos tinham sempre a orelha dos políticos. É nessa hora da troca que o poder econômico usa seu espaço na mesa política.

Índice 20#1

Assine a newsletter gratuita:

Siga nas redes sociais:

Mastodon / RSS / Telegram / Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 comentários

  1. Excelente aula sobre a história dos monopólios. Acabei de escrever um artigo, em certa medida, fazendo uma apologia a Apple. Vou ter que rever os conceitos no próximo, principalmente no que tange ao comentário da “aproximação” da empresa com o Trump.

    Guardei o Tchmeme pra fazer uma pesquisa lá e me interessei pelo Tim Wu.
    Estou iniciando nas discussões sobre tecnologia e foi muito boa descoberta pra mim, o Manual do Usuário.

  2. A pior coisa que os reguladores permitiram foi o Facebook agir sem freio, comprando tudo e todos e copiando os concorrentes na cara de pau!
    Hoje ficamos a mercê do Whatsapp e Instagram (Facebook já abandonei há tempos) e nenhuma imagem de concorrentes no retrovisor. Atualmente, percebi a migração de alguns amigos para o Telegram, mas também não confio nos serviços desse aplicativo. Vamos aguardar se a união Européia irá tomar as rédeas da situação. O problema é o medos que eles têm de que seus produtos sejam taxados pelos EUA como represália a essa quebra das Big Techs.

  3. Nada como os “chicago boys” para falarem merda sobre economia. Não é por nada que o nosso atual “super” ministro da economia é adepto das doutrina da Escola de Chicago. Vamos ser muito felizes com esse cara mandando nos rumos econômicos do país, não tem como dar errado uma doutrina que prega o monopólio como algo bom.

    ~~

    Atualmente quem defende uma quebra das Big Tech é a Elizabeth Warren, adversária do Bernie Sanders nas primárias. Ela defende, principalmente, que o Facebook passe por uma quebra em todos os setores e dê a luz a novas empresas com foco de atuação bastante limitado. Ambos, Sanders e Warren, defendem ainda uma severa tributação aos bilionários do Vale do Silício como forma de mantê-los com influência reduzida nos governos.

    Não à atoa, o progressismo da Apple, Google, Amazon e Facebook já se diluiu e todas elas fecharam a casa pros democratas e se abraçaram com o Trump.

    No final, principalmente em economias como a dos EUA, o que importa é o lucro exorbitante e a capacidade de manter-se explorando as pessoas (trabalhadores e usuários) para extrair até a última gota de sangue de todos. Bilionários não deveriam existir.

  4. Que conteúdo sensacional! O fato de ter o texto para ir acompanhando audio também ajuda muito. Parabéns pelo trabalho, certo que teve muita pesquisa e tempo dedicado para tal.

  5. Como sempre, excelente conteúdo.
    Um dos podcasts que acompanho vem dado alguma atenção para a discussão dos monopólios das big techs.

    No mesmo dia da publicação desse tecnocracia, eles publicaram uma entrevista sobre as discussões que estão acontecendo nos EUA: https://www.theverge.com/2020/1/23/21078903/podcast-house-antitrust-chairman-cicilline-tech-monopoly-vergecast

    O DHH (criador do Rails e criador do Basecamp) foi um dos que testemunhou em um dos comitês. Ele publicou o conteúdo do testemunho dele: https://m.signalvnoise.com/testimony-before-the-house-antitrust-subcommittee/

    Existem muitas discussões, mas se acontecerá algo (além das multas) ainda é muito incerto.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!