Não existe imparcialidade na comunicação — e fazemos questão de evidenciar isso

Celular deitado com a tela como se fosse água; dela, sai uma garrafa com pergaminhos dentro. Acima, uma mão segura uma rolha e, ao redor da imagem, pequenos pergaminhos com o logo do Manual do Usuário flutuam.

Muitas publicações ainda insistem em se dizerem imparciais, como se isso fosse possível. No jornalismo, toda decisão editorial reflete os vieses e posicionamentos de quem as toma.

O Manual do Usuário não se furta de tomar posições e evidenciá-las, sempre que oportuno, à audiência. Trabalhamos com rigor jornalístico, mas nos damos essa liberdade de expôr posicionamentos e justificar decisões editoriais com eles. Não há nenhuma pretensão de imparcialidade; em vez de viver essa ilusão, tentamos ser justos com quem criticamos e abertos ao contraditório.

Tal postura é especialmente importante no meio da tecnologia, onde posições pró-mercado são tão dominantes que acabam passando por “naturais”, ou “neutras”. Isso não é verdade. Existem outros pontos de vista e uma das nossas missões é destacá-los.

Se você também acha isso importante, considere financiar o Manual do Usuário. A faixa de apoio inicial custa menos que um hambúrguer por mês — com benefícios muito melhores à sua “dieta informacional”.

Apoie pelo PicPay / Apoie pelo Catarse

Para o apoio anual por boleto bancário ou Pix, mande um e-mail.

Conheça os outros pilares do projeto: Comunidade, Privacidade e Transparência.

Ilustração do topo: Toia Cruz.

Edição 20#32

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 comentários

  1. Tenho 56 anos. Graduando na década de 1980, inevitavelmente topei com literatura de esquerda que naquele momento deixava de ser clandestina e ressurgia nos estertores da ditadura militar. Bem, faço esta introdução para dizer que para parte da minha geração, a comunicação nunca foi considerada imparcial. Como seria se a informação tornou-se mercadoria há pelo menos dois séculos?

    1. Sou um pouco mais novo que você, Hugo, e não tenho bagagem para arriscar uma resposta a essa pergunta. Apenas suspeito que um discurso pretensamente imparcial ajude a validar posicionamentos (pois estariam acima de paixões e vieses) e abarcar uma audiência potencial maior ao não segregá-la de maneira alguma.

  2. Concordo que não existe imparcialidade.
    E te dou os parabéns por se posicionar assim, afinal, entro aqui para ler as matérias escritas por um humano e não um robô (talvez nem um robô seja imparcial).
    Vida longa ao MdU.

    1. Valeu, Capitão! Eu tenho comigo que, por ora, nem mesmo robôs conseguem ser imparciais já que eles são criados por seres humanos e esses inevitavelmente têm seus vieses e posicionamentos — vide os algoritmos de seleção de conteúdo.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário