Anúncio Black Friday: Assine a NordVPN com 72% de desconto

Sleeping Giants é formado por casal de 22 anos do interior do Paraná

O perfil brasileiro Sleeping Giants revelou sua identidade. É um casal de Ponta Grossa (PR), Leonardo de Carvalho Leal e Mayara Stelle, ele ex-motorista de Uber, ela vendedora de maquiagem — ambos com 22 anos, afetados pela pandemia e recebendo o auxílio emergencial. Já sabíamos que eram estudantes de direito, mas não que eram um casal.

Teorias mil se seguiram à revelação, feita com exclusividade pela Mônica Bergamo. Perfis bolsonaristas alegam que o casal é um “laranja”, como se fosse necessário uma mega-operação para ficar no Twitter citando perfis de marcas que aparecem em anúncios. Um disse que a revelação seria falsa porque “não existe motorista de Uber de esquerda.” Sintomático que perfis afeitos a notícias falsas tenham dificuldade em aceitar verdades singelas — ou no mínimo, para manter algum ceticismo, informações verossímeis.

De volta ao mundo são, ainda não entendo as razões para terem decidido revelar a identidade. Leonardo disse, na entrevista, que “a gente acredita que é o momento de mostrar o rosto para nossos seguidores, antes que um site de fake news descubra quem a gente é.” Eles se mudaram para São Paulo para proteger os familiares; essa confiança no distanciamento geográfico não resolve muita coisa com a internet. Pode parecer paradoxal, mas o anonimato fortalecia o projeto, e não o contrário. Nos Estados Unidos, Matt Rivitz, o criador do Sleeping Giants original, teve a sua identidade revelada por um site de extrema direita.

Serviço para agendar posts no Twitter — incluindo threads ou fios

O agendamento de posts do Twitter tem uma limitação grave: só vale para posts únicos, ou seja, não comporta threads, ou fios. O Typefully, dos mesmos criadores do Mailbrew, supre essa lacuna. O serviço é bem feito, traz uma prévia das mensagens, permite agenda-las usando linguagem natural e guardar rascunhos. O contra é que ainda está bem cru; não dá, por exemplo, para incluir imagens ou vídeos. Ele é gratuito e quem der uma gorjeta (US$ 5 ou mais) agora, garante acesso antecipado às novidades futuras.

STJ decide que WhatsApp não pode ser obrigado a entregar dados por usar criptografia

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o WhatsApp não pode ser punido, com multa ou bloqueio, por não entregar informações solicitadas pela Justiça devido ao emprego de criptografia de ponta a ponta. Em 2015, o WhatsApp, então já muito popular no Brasil, foi bloqueado no Brasil inteiro por decisão de um juiz de primeira instância de Lagarto (SE). Lembra disso? Foi o caos.

O Acórdão ainda está sendo redigido, portanto faltam detalhes. Importa notar, por exemplo, que os meta dados do WhatsApp não são criptografados de ponta a ponta. Via Convergência Digital.

Ações do Airbnb valorizam 112% no primeiro dia de pregão

Em plena pandemia e após amargar uma queda de 80% nos negócios em abril e maio devido à pandemia, a abertura de capital do Airbnb na Nasdaq ($ABNB) foi um estrondoso sucesso: as ações fecharam o primeiro dia de pregão com valorização de 112%, a US$ 146, dando à empresa um valor de mercado de US$ 86 bilhões. Estadias em locais próximos parecem estar segurando as pontas no Airbnb, que conseguiu lucrar US$ 219 milhões no último trimestre apenas da receita ter caído 19% em relação ao mesmo período de 2019. Via CNBC (em inglês).

Brave Today, o leitor de notícias que garante ser pró-privacidade

O Brave, navegador baseado no Chromium que se posiciona como pró-privacidade, lançou o Brave Today, uma curadoria algorítmica de notícias de grandes publicações. O Today usa um sistema elaborado que aprende os gostos do usuário sem compartilhá-lo com terceiros ou mesmo o Brave. Válido o esforço, mas envolver algoritmo na curadoria de conteúdo noticioso sempre me deixa com um pé atrás. E o histórico do Brave, que já enfiou códigos de rastreamento em links de lojas virtuais para ganhar comissão sem avisar os usuários, pouco ajuda. Uma alternativa? O bom e velho RSS. Via Brave.

A última atualização do Flash

A Adobe publicou, nesta terça (8), a última atualização do Flash Player, o formato que, em algum momento dos anos 2000, foi a promessa de futuro da web. (Aí o iPhone apareceu, ignorou o Flash e o resto é história.) O suporte ao Flash termina no próximo dia 31 e, a partir de 12 de janeiro, a Adobe bloqueará a execução de conteúdo em Flash. A empresa “recomenda fortemente que todos os usuários desinstalem o Flash Player imediatamente para ajudar na proteção de seus sistemas.” Via Adobe (em inglês).

Tecnocracia As empresas que nos colocaram nessa enrascada não nos tirarão dela ⭐️ Patrocinado 12 apps utilitários que complementam e melhoram o macOS Guia Prático O último de 2020 Vamos conversar? Post livre #251

Publicada em 10/12/2020.
Edições anteriores »

[…] O que estamos realmente comprando é tempo. Mesmo que alguns novos competidores surjam, comprar Instagram, Path, Foursquare etc. agora nos dará um ano ou mais para integrar suas dinâmicas antes que qualquer um chegue perto das suas escalas novamente. Nesse intervalo, se incorporarmos as dinâmicas sociais que eles estão usando, esses novos produtos não terão muita tração, pois já teremos suas dinâmicas aplicadas em escala.

— Mark Zuckerberg Trecho de um e-mail comprometedor de Zuckerberg a David Ebersman, CFO do Facebook, enviado em fevereiro de 2012, justificando a aquisição do Instagram. A mensagem foi relevada em uma das audiências de que ele participou no Congresso norte-americano, em julho de 2020. Via The Verge.

Facebook é acusado formalmente de monopólio

Nesta quarta (9), quase ao mesmo tempo, a FTC e um grupo bipartidário de procuradores gerais de 46 estados e 2 distritos norte-americanos acusaram formalmente o Facebook de monopólio. Ambas as acusações pedem que as compras do Instagram (US$ 1 bilhão em 2012) e WhatsApp (US$ 19 bi em 2014) sejam desfeitas, e que haja maior escrutínio a futuras aquisições pelo Facebook. O principal argumento é de que o Facebook abusou do seu poder para comprar rivais em potencial e prejudicar os que não conseguiu, como quando bloqueou o acesso do Vine, do Twitter, à sua API. Em sua defesa, o Facebook diz que a investida é “revisionismo histórico”, pois as aquisições já foram validadas no passado. Os litígios devem se estender por um bom tempo. Via New York Times (2), The Verge, Facebook (em inglês).

Os termos mais buscados no Google em 2020

Listas de mais buscados, o que é e personalidades do Google.
Imagem: Google/Reprodução.

No último Guia Prático, comentamos — eu e Jacque — que a retrospectiva do ano no Google traria muitos termos relacionados à pandemia. Estava fácil, essa: a busca do ano foi “Coronavírus”, seguida por “Auxílio emergencial”, e no ranking das dúvidas (perguntas do tipo “O que é?”), o pódio inteiro foi do coronavírus — lockdown, quarentena e pandemia. Veja todas as listas aqui.

O que vocês leram de bom?

Toda quinta, na newsletter do Manual (cadastre-se gratuitamente), indico quatro leituras longas/de fôlego publicadas em outros sites — artigos e reportagens, basicamente. Seria o máximo se esse trabalho fosse coletivo, feito com a sua ajuda. Indique nos comentários uma leitura longa da última semana que você acha que deveria ser lida por mais gente. Vale em português ou inglês.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário