Anúncio Black Friday na Insider: descontos exclusivos na máscara antiviral

O escritório em casa do matemático aplicado Caio Volpato

Foto de lado da mesa do Caio, com monitor, dois notebooks (um fechado e outro aberto) e acessórios. Ao fundo, uma janela fechada e uma lâmpada forte sobre a mesa.

Durante a pandemia do SARS-CoV-2, o novo coronavírus, a seção de mochilas será convertida em escritórios domésticos. Faz mais sentido, certo? Vale para os recém-chegados ao home office e para quem já está nessa há tempos. Mande o seu seguindo estas instruções. Todo o texto abaixo é de autoria do Caio.


Hoje trabalho no Instituto de Pesquisas Eldorado, em Campinas (SP), para a Motorola. A empresa já tinha um esquema para quem quisesse fazer trabalho remoto, eu fui um dos poucos que não aderiu; só comecei a trabalhar de casa por conta da pandemia. Estava com receio das distrações em casa e como isso iria impactar a minha produtividade, mas deu super certo e em alguns momentos está rendendo até mais que no escritório.

Sobre os itens. Dei uma atenção extra ao conforto e ergonomia: tenho apoio para o teclado e no mousepad e uso o trackball, modelo Logitech M570 (demorei para me acostumar, mas super compensa). O notebook aberto e ligado é fornecido pela empresa (um Dell com Core i5 sem nada demais). Quando entrei no trabalho, tive a opção de usar Windows ou Ubuntu e apesar de odiar o Ubuntu, dentre Windows e o diabo escolho o diabo. É um Ubuntu 18.04 padrão usando a interface “clássica” (pacote: gnome-session-flashback).

Meme. No topo, a frase, em inglês, "Quando você tem que usar Windows no trabalho". Abaixo, foto de um homem em uma sala de controle de missões espaciais com a frase: "Sou limitado pela tecnologia do meu tempo".Antes de colocar o computador do trabalho na minha rede, já tinha tudo preparado: meu roteador (TP-Link Archer C60; não aparece na foto) com OpenWrt (Firmware alternativo open source para roteadores) e utilizo algumas VLANs (metodologia que permite isolar equipamentos na mesma rede), então o cabo de rede que utilizei pra conectar o computador do trabalho já estava pronto numa “rede isolada”.

Ilustração com uma mãozinha depositando uma moeda em uma caixa com o logo do Manual do Usuário em uma das faces, segurada por dois pares de mãos. Ao redor, moedas com um cifrão no meio flutuando. Fundo alaranjado.

Apoie o Manual do Usuário.
Você ajuda a manter o projeto no ar e ainda recebe recompensas exclusivas. Saiba mais »

Meu computador pessoal (à esquerda, fechado) é um ThinkPad T430. Nele utilizo o QubesOS e gravei coreboot (uma BIOS alternativa open source) com me cleaner.

Outro item da foto é uma YubiKey 3 (plugada no computador). Utilizo-a para guardar minhas chaves SSH e PGP e proteger minhas contas (U2F).

Por fim, o item mais importante pra mim (não aparece na foto) é um Raspberry Pi 3 com um HD externo criptografado plugado, no qual faço todos meus backups automaticamente. No computador uso o BorgBackup (o Santo Graal dos backups) e no Android uso Syncthing.

Edição 20#29

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 comentários

  1. (só me cadastrando para receber notificação caso tenha mais comentário. essa parte de segurança me deixou curioso)

  2. Esse home office daria um EXCELENTE guest post sobre segurança, privacidade, criptografia, backup. O cara parece manjar bastante, certamente tem algo a compartilhar.

  3. Fiz 3 entrevistas pra trabalhar com processamento de linguagem natural no Instituto Eldorado de Porto Alegre. Sempre rodei e nunca fiquei sabendo porque (fiz as provas que eles pediram) =(

    Dizem que é bom trabalhar no IE.

    1. Sim, é o tipo de coisa que só lembramos quando o problema já ocorreu. Vamos pensar em prevenção ao invés de lidar com os danos.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!