O que o Telegram n√£o tem? / Ativismo dentro das empresas de tecnologia

Apoie o Manual: https://manualdousuario.net/apoie

Neste podcast, Rodrigo Ghedin e Jacqueline Lafloufa falam de Telegram, ou dos m√ļltiplos recursos e algumas pol√™micas do app de mensagens, o grande antagonista do WhatsApp. Falamos tamb√©m de como usamos o Telegram dentro do Manual.

No segundo bloco, pegamos como gancho o desastre do Basecamp para falar de ativismo dentro das empresas de tecnologia. √Č um tema sempre delicado, mas cada vez mais presente. Como as empresas podem lidar com isso? Existe “ativismo corporativo”?

Nas indica√ß√Ķes culturais, Jacque trouxe o livro Pessoas Normais [Amazon, Americanas, Magalu, editora]1, da Sally Rooney, e Ghedin, o filme¬†Happy¬†old year¬†[Netflix], de Nawapol Thamrongrattanarit.

  1. Ao comprar por estes links, o Manual do Usuário recebe uma pequena comissão das lojas. O preço final para você não muda. ↩

Cinco big techs faturaram US$ 1,2 trilh√£o em um ano.

Nesta semana, as big techs norte-americanas divulgaram seus balan√ßos trimestrais. Levantamento da Shira Ovide, do New York Times, constatou que Amazon, Apple, Alphabet (Google), Microsoft e Facebook faturaram US$ 1,2 trilh√£o em um ano, valor 25% superior ao mesmo per√≠odo do ano retrasado, ou seja, imediatamente antes da pandemia come√ßar. Em uma semana, as cinco vendem mais que o McDonald’s vende em um ano inteiro. Via New York Times (em ingl√™s).

Raspberry Pi 400 chega ao Brasil por R$ 999.

O Raspberry Pi 400, aquela versão do computador embutida em um teclado, chegou oficialmente ao Brasil. Só que o preço assustou: R$ 999. Para contexto, lá fora ele sai por US$ 70, cerca de R$ 390 em conversão direta na cotação atual. Via FilipeFlop.

Conhe√ßa o PagPhone, o √ļnico aparelho que √© smartphone, maquininha e conta digital.

O PagSeguro lançou o PagPhone, um celular que é também maquininha de cartão. Era esperado que alguém fosse fazer um produto desses (o comercial brinca com a ideia evolutiva), mas me chama que ele tenha chegado neste momento, com uma pandemia provocada por um vírus altamente transmissível. Afinal, é um aparelho que passa pelas mãos de vários clientes o dia todo e depois volta ao bolso e para momentos íntimos do dono. Será que alguém pensou nisso lá dentro? Via PagSeguro.

O cafezinho (virtual) da firma virou arena de embates políticos

Quando as empresas de tecnologia, em particular as norte-americanas, ascenderam das suas garagens para grandes escrit√≥rios luxuosos e se infiltraram nos corredores do poder, atra√≠ram para si quest√Ķes pol√≠ticas que nem nos sonhos mais malucos seus fundadores imaginavam que teriam que lidar.

Continue lendo “O cafezinho (virtual) da firma virou arena de embates pol√≠ticos”

Post livre #266

Toda semana, o Manual do Usu√°rio publica o post livre, um post sem conte√ļdo, apenas para abrir os coment√°rios e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no domingo √† noite.

Se você tem 21 anos e me pergunta, devo me vacinar? Eu diria que não.

‚ÄĒ Joe Rogan, em seu podcast exclusivo do Spotify

N√£o √© a primeira controv√©rsia em que Rogan, possivelmente o podcaster mais popular do planeta, se mete. Ainda assim, ano passado o Spotify fechou um acordo de exclusividade de supostos nove d√≠gitos com ele ‚ÄĒ o valor do acordo n√£o foi divulgado oficialmente.

Para o Spotify, essa fala em seu √ļltimo programa n√£o √© problem√°tica, embora a plataforma j√° tenha comunicado, anteriormente, que pro√≠be programas que “promovam conte√ļdo falso, enganoso ou que desinforme sobre COVID-19 que possa causar danos f√≠sicos e/ou represente uma amea√ßa direta √† sa√ļde p√ļblica”. Via Media Matters for America (em ingl√™s), The Verge (em ingl√™s).

Torne o Chrome r√°pido.

Alguns leitores me indicaram o Mighty, um novo navegador que promete ser um “Chrome mais r√°pido” e que “usa 10 vezes menos mem√≥ria” que o Chrome (ou 10%, certo?).

Como? Fazendo streaming da web. √Č um pouco dif√≠cil de entender porque a ideia parece errada, mas √© isso mesmo: um navegador que se conecta a outro navegador em servidores potentes (na nuvem), que s√£o bem mais r√°pidos que o seu computador, como se fosse uma Netflix, s√≥ que para acessar o Facebook ou seu extrato banc√°rio. Se pareceu-lhe uma ideia est√ļpida, calma que piora: √© pago. O pre√ßo ainda n√£o est√° definido, mas o formul√°rio para solicitar acesso ao servi√ßo fala em at√© US$ 50 por m√™s.

Coisas como esse Mighty s√≥ viram realidade porque a web foi desfigurada e, hoje, acessar o Facebook ou qualquer site “moderno”, eufemismo para sites pesados, exige computadores super potentes. Eu poderia apostar uns trocados que existem maneiras melhores de atacar esse problema do que fazendo streaming de navegador.

Transparência no Rastreamento em apps (ATT) no iOS 14.5

Privacidade | Transparência no Rastreamento em Apps | Apple

O iOS 14.5 está entre nós e, com ele, a obrigatoriedade da Transparência no Rastreamento em Apps (ATT, na sigla em inglês), recurso que obriga apps a obterem o consentimento do usuário para rastreá-los em outros apps e na web. A Apple publicou um vídeo explicando-o (acima). Via Apple/YouTube.

Telegram ganha agendamento de chats em voz; Tecnocracia Balc√£o acontece nesta quarta (28)

Dois prints mostrando o processo de agendamento de um chat em voz num grupo do Telegram.
Imagens: Telegram/Reprodução.

Uma das novidades do Telegram 7.7, lançado nesta segunda (26), é o agendamento de chats de voz. Veio em boa hora: nesta quarta (28), às 18h30, vai rolar o segundo Tecnocracia Balcão, uma versão ao vivo e interativa do Tecnocracia, com Guilherme Felitti. Via Telegram.

O ingresso em nosso grupo do Telegram é um benefício dos apoiadores do Manual do Usuário (a partir do plano II, de R$ 16/mês). Para apoiar o projeto e participar do Balcão, apoie-nos!

YouTube derruba mais 4 vídeos onde Bolsonaro fala de remédios sem eficácia contra COVID-19, mas não suspende canal.

Semana passada, o YouTube removeu um v√≠deo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em que ele promovia o “tratamento precoce”. Na sexta (23), ap√≥s questionado pelo G1, o YouTube removeu mais quatro v√≠deos de Bolsonaro. Pelas regras da plataforma, bastam tr√™s v√≠deos removidos por infra√ß√Ķes √†s suas diretrizes para que um canal seja removido.

N√£o foi o que aconteceu com o de Bolsonaro, gra√ßas a uma manobra casu√≠stica. Na quinta (22), o YouTube anunciou um “per√≠odo de car√™ncia”¬†para novas regras que, convenientemente, livrou o canal de Bolsonaro de ser banido. Num post em forma de perguntas e respostas, Alana Rizzo, gerente de pol√≠ticas p√ļblicas do YouTube no Brasil, disse que:

A pol√≠tica [de remover v√≠deos que promovem o “tratamento precoce”] ser√° aplicada a todos os v√≠deos na plataforma, inclusive de maneira retroativa. Vale dizer que, quando atualizamos uma regra, algumas vezes oferecemos aos criadores um “per√≠odo de car√™ncia‚ÄĚ para que possam compreend√™-la e se adaptarem. Isso significa que v√≠deos postados antes da mudan√ßa ou at√© um m√™s depois da atualiza√ß√£o s√£o removidos do YouTube, mas n√£o geram um Aviso (strike) como penalidade. Depois desse per√≠odo de car√™ncia, os criadores que postarem novos v√≠deos em desacordo com a diretriz passam a receber san√ß√Ķes, por isso, precisam redobrar a aten√ß√£o.

Toda vez que alguém de grande projeção, como o presidente do Brasil, ultrapassa a linha do inaceitável, o YouTube a apaga e a redesenha um pouco mais além. Não é um problema exclusivo do YouTube, e tudo isso ajuda a explicar o buraco profundo em que nos metemos. Via G1.

Spotify fica mais caro no Brasil.

Nesta segunda (26), o Spotify anunciou um reajuste dos seus planos premium no Brasil. Abaixo, um “antes e depois”:

Plano Preço antigo Preço novo % reajuste
Individual R$ 16,90 R$ 19,90 17,7%
Duo R$ 21,90 R$ 24,90 13,7%
Estudante R$ 8,50 R$ 9,90 16,5%
Família R$ 26,90 R$ 34,90 29,7%

Quem já é cliente terá dois meses de carência com os preços antigos. O Spotify é a primeira plataforma de streaming musical que sai da faixa dos R$ 16,90, praticamente padrão no setor. Via TechTudo.

28% das newsletters do diretório estão no Substack.

No √ļltimo Guia Pr√°tico, falamos de newsletters. A Jacque puxou o assunto Substack e, por curiosidade, fiz uma r√°pida consulta no nosso diret√≥rio e descobri que 28% das 100 newsletters listadas l√°, ou quase 1/3, s√£o disparadas do Substack.

Como digo no podcast, tenho um pé atrás com o Substack pelo seu modelo de negócio e possíveis mudanças futuras por pressão de investidores. Já aconteceu (mais de uma vez) com o Medium, outra plataforma bancada por capital de risco, pode acontecer com o Substack também.