Anúncio Black Friday na Insider: descontos exclusivos na máscara antiviral

Por trás das campanhas de desinformação sempre tem alguém lucrando — e não é você

Notas de R$ 50 espalhadas e duas de R$ 100 sobre elas.

Em 1867, uma molecada estava brincando perto da margem do rio Orange na cidade de Hopetown, África do Sul, quando notou umas pedrinhas brilhantes no leito do rio. As pedrinhas, abundantemente espalhadas, acabaram sendo usadas em jogos que o filho do dono da fazenda, Erasmo, jogava com as crianças da vizinhança. A mãe de Erasmo notou que as pedrinhas eram realmente muito brilhantes e mostrou a um fazendeiro vizinho, que se dispôs a comprá-las. Algo lhe dizia que aquilo não eram simples seixos de rio. A ideia era levar para geólogos em Hopetown e na cidade vizinha Colesberg para analisar um potencial valor.

A mãe de Erasmo riu do que considerava uma bobagem e deu as pedrinhas para o fazendeiro vizinho. As pedrinhas correram por dezenas de mãos até chegaram às do médico e geólogo amador W.G. Atherstone, que confirmou a suspeita do vizinho: as pedrinhas eram diamantes, um deles de 21 quilates. Ainda que houvesse certo ceticismo sobre a existência de diamantes na África do Sul, a notícia correu rápido. Nos meses seguintes, centenas de fazendeiros das regiões passaram a procurar nas margens do rio Orange pelas pedrinhas brilhantes. Dois anos depois de Erasmo encontrar a primeira, já eram milhares de diamantes colhidos na região, inclusive um de 81 quilates.

A cada nova descoberta, crescia o interesse de gente de todo o país e Hopetown virou o destino de milhares de pessoas atrás de diamantes. Essa corrida levou a multidão a subir o leito do rio Orange, em direção à sua cabeceira. A uma distância de 120 quilômetros da fazenda do pai de Erasmo, descobriu-se a razão de o rio Orange ter tantos diamantes: uma área, dentro da fazenda de dois irmãos holandeses, o Diederik Arnoldus De Beer e Johannes Nicolaas De Beer, tinha o que na época era a maior mina de diamantes do mundo. Ela foi nomeada Mina Kimberley, em homenagem à cidade onde estava localizada. Para você se localizar: Hopetown e a mina de Kimberley estão em uma região bem no meio da África do Sul, mais perto do Lesoto, um país dentro da África do Sul, do que da Cidade do Cabo.

Ilustração com uma mãozinha depositando uma moeda em uma caixa com o logo do Manual do Usuário em uma das faces, segurada por dois pares de mãos. Ao redor, moedas com um cifrão no meio flutuando. Fundo alaranjado.

Apoie o Manual do Usuário.
Você ajuda a manter o projeto no ar e ainda recebe recompensas exclusivas. Saiba mais »

Um contexto histórico: estamos em 1871. Nos 150 anos anteriores, o maior exportador mundial de diamantes era o Brasil. A região brasileira que centralizava a extração era um vilarejo chamado de Arraial do Tijuco, posteriormente renomeado para Diamantina, a terra onde nasceu Juscelino Kubitschek e que tem até hoje um Museu do Diamante. Com a descoberta da Mina Kimberley, o Brasil tinha ficado para trás e nunca mais teve uma posição relevante no mercado exportador de diamantes.

Paisagem da Mina Kimberley; foto em preto e branco.
Um dia de trabalho na Mina Kimberley. Foto: Universidade da Califórnia.

Uma questão básica sobre economia: o que acontece quando a oferta de um produto aumenta repentinamente? O que você aprendeu nas aulas da escola e/ou faculdade ou gerindo seu próprio negócio é que, naturalmente, o preço cai. Na teoria, é isso que deveria acontecer. Mas, na prática, o mercado de diamantes tomou a direção contrária. A ideia de que o aumento na oferta derruba o preço parte de alguns pressupostos, inclusive o de que há um mínimo de competição no mercado. Não foi o que aconteceu depois da descoberta da Mina Kimberley.

Os dois irmãos holandeses tinham um tesouro, literalmente, debaixo dos seus pés e resolveram vender o terreno não só pelo lucro, mas porque o governo britânico estava pressionando pela venda. (Vamos lembrar que a África do Sul foi invadida e colonizada, entre outros, pelos britânicos. O país só ganhou sua independência em 1961, ano em que Mick Jagger completou 18 anos, para você ter ideia de como foi recente.) A área foi passando adiante até que chegou nas mãos de um sujeito chamado Cecil Rhodes.

Rhodes tinha feito fortuna durante a corrida dos diamantes alugando bombas d’água para os milhares de mineiros que se aventuraram na região do rio Orange atrás dos diamantes. A operação deu tanto dinheiro que ele reinvestiu a grana em uma mineradora própria e foi crescendo. Com financiamento da família Rothschild, Rhodes foi comprando minas além da Kimberley e consolidou o mercado sul-africano de diamantes quando se juntou a outro empreendedor da área em 1888, criando a De Beers Consolidated Mines. Sabe aquele ditado de que quem ganha dinheiro nesses “booms” é sempre quem vende as pás? Taí. Além dos Rothschild, a De Beers envolve também o dinheiro de outra família tradicional: a Oppenheimer.

Pelas décadas seguintes, a De Beers, capitaneada por Rhodes, passou a comprar minas no mundo inteiro até consolidar o mercado global de diamantes. Faz mais de um século que a Mina Kimberley fechou, exaurida e deixando o maior buraco já cavado manualmente — tanto que um dos seus apelidos é Big Hole (Luciana, traduz para gente, por favor). Até hoje, mais de 90% do setor continua nas mãos da De Beers. Como um monopólio, a De Beers conseguiu controlar o fluxo de diamantes disponíveis no mercado. Ao criar um gargalo artificial na oferta, sufocando-a, a De Beers “neutraliza” a lei da oferta-procura e pode cobrar o que bem entender. Estima-se que, na década de 1930, a De Beers estava “‘escondendo’ estoques avaliados em quatro vezes a sua receita anual”, segundo a pesquisadora Margaret Brinig, da Notre Dame Law School.

Na década de 1930, quando Rhodes já tinha morrido, a De Beers se viu pressionada pela queda no preço dos diamantes como consequência da Grande Depressão. A saída foi desbravar o mercado da classe média. A estratégia era difícil por dois motivos. Primeiro, aos olhos da sociedade, diamantes eram caros o suficiente para serem exclusivos dos ultrarricos. Segundo, na época o antitruste nos EUA estava com toda força e a De Beer, veja bem, era um monopólio1. “Como a De Beer controlava a oferta global de diamantes brutos, leis antitruste proibiam a companhia de fazer negócios nos EUA. Os anúncios não poderiam promover a De Beers ou mesmo mostrar fotos de jóias”, segundo reportagem do jornal The New York Times.

A tarefa coube à agência de publicidade N. W. Ayer. O objetivo era bem claro: era preciso posicionar o diamante como algo aspiracional, um produto que, mesmo caro, as pessoas quisessem tanto que economizariam meses e meses dos seus salários para adquiri-lo. Em vez de direcionar compras, a campanha teria que tomar um caminho mais indireto, atrelando o diamante às ideias de luxo, requinte e tradição. No lugar de slogans e imperativos (“Compre diamantes!”), os anúncios traziam pinturas já prontas de Dalí e Picasso ou obras novas encomendadas a artistas como André Derain. A agência emprestou jóias luxuosas para atrizes e socialites usarem em eventos da alta sociedade, e jornalistas, principalmente os que cobriam celebridades, receberam “mesadas” (ou propinas) para chamar a atenção para estes mesmos anéis de brilhantes usados pela estrelas, nas descrições de textos e nas fotos selecionadas para estampar as revistas. Em alguns desses veículos, uma funcionária da agência escrevia sob um pseudônimo colunas dando conselhos sentimentais a leitoras que citavam diamantes. Por fim, a cereja do bolo veio pela cultura. Em 1947, uma publicitária da N. W. Ayer cunhou a frase que se mantém viva até hoje quando se fala na pedra: “um diamante é eterno”. Em 1953, Marilyn Monroe cantou que o melhor amigo de uma mulher é um diamante (eu ainda acho que é o cachorro, mas enfim). Em 1956, Ian Flemming escreve uma aventura de James Bond chamada Os diamantes são eternos — o livro viraria filme 15 anos depois com Sean Connery no papel principal. Quando um fenômeno é abraçado assim pela cultura, você não precisa mais alimentar. Ele já ganhou pernas.

Anúncio de diamantes com a ilustração de uma mulher e os dizeres "Um diamante é eterno".
Não parece, mas isto é uma propaganda de diamante.

Sem citar o nome da De Beers e explorando as brechas, a estratégia de comunicação foi um sucesso. Antes visto como uma jóia restrita a quem tinha muito dinheiro, o anel de diamante se transformou em uma “tradição norte-americana”, explica Brinig. Os lucros vieram junto. Nos dois primeiros anos após a campanha, a venda de diamantes cresceu 55% nos EUA, segundo o New York Times. Antes da II Guerra Mundial, a Bloomberg estima que 10% dos anéis de noivado tivessem diamantes. Na década de 1980, com o sucesso da campanha já sacramentado, 80% dos anéis vendidos para noivados continham diamantes. As vendas nos EUA subiram de US$ 23 milhões em 1939 para US$ 2,1 bilhões em 1979.

O genial da estratégia é que ela não se concentrava no curto prazo. Por décadas, a De Beers organizou palestras em escolas e faculdades para martelar a ideia de que o diamante era um fator tão fundamental no casamento como o vestido branco da noiva. Para um público ainda jovem, a campanha embaralhou a compra do diamante com o conceito de amor. A De Beers semeou e, anos depois, colheu os lucros quando essas meninas casaram.

O ponto principal da história toda é como a De Beers criou uma tradição social com o único intuito de fazer um grupo pequeno de pessoas ganhar muito dinheiro — seus acionistas. Há o outro lado dessa história: até hoje existem operações em países rasgados por guerras civis na África, por exemplo, em que a mineração de diamante aproveita o conflito para lucrar. A história de que é precisar dar um anel de brilhantes para se casar entrou tão profundamente na psique da sociedade que continua sendo repetida até hoje. Veja quais dos seus amigos, irmãos e primos repetiram o gesto. Talvez você mesmo(a) tenha comprado um anel de diamantes (ou mais de um) para pedir a mão dele ou dela.

O que a De Beers fez foi criar uma narrativa e executar com muita eficiência para convencer milhões de pessoas de algo e lucrar. No mundo das redes sociais, a estratégia da De Beers é repetida diariamente por milhares de pessoas que inventam histórias com o único intuito de tentar te vender alguma coisa. Num ambiente que remunera para quem apela para os discursos mais radicais, a melhor forma de atrair atenção inicialmente é apelar para alguma teoria completamente amalucada, das que suscitam uma reação de quem é a favor e, majoritariamente, de quem é contra. Daí surgem os delírios da Terra plana, do movimento antivacina e de como a indústria farmacêutica está escondendo a cura do câncer para lucrar. O que parece uma campanha amalucada restrita aos posts de uma área da internet, se mostra uma estratégia apoiada no discurso extremista para fazer dinheiro. Por trás dessas campanhas de desinformação, existe gente ganhando muita grana. Frente a elas, inserir um anel de diamante como item obrigatório de um casamento é inofensivo.

(Um pequeno disclamer para o episódio de hoje: não vou citar o nome de grupos ou indivíduos que defendem ideias imbecis como não vacinar os filhos. Com isso, pretendo honrar a máxima do mestre Millôr que diz: “não se amplia a voz dos imbecis”.)

Se a gente vai falar sobre desinformação, boatos e mentiras na internet (para que usar a expressão “fake news” quando existe termos menores e mais precisos em português?2), a gente inevitavelmente cai no tribalismo e na radicalização online. Pesquisadores da Universidade de Nova York, liderados por um sujeito chamado Jay Van Bevel, fizeram um estudo com mais de 500 mil tweets para analisar o comportamento humano por trás desse impulso de acreditar em uma mentira deslavada. A principal descoberta do estudo, disponível na íntegra online, é que para um grupo imenso de pessoas, talvez a maioria da sociedade, a notícia não carrega a capacidade de informar, mas de corroborar crenças já solidificadas. As notícias, verdadeiras ou não, funcionam como etiquetas identitárias, algo que te identifica com um grupo. No âmago da discussão está a necessidade humana de pertencer. Todo mundo vive frente ao olhar e a reação alheia. É até possível ser feliz sozinho no sentido erótico, de não ter uma relação estabelecida com alguém, ainda mais numa época de aplicativos, mas sozinho sem qualquer relação fraternal é, sim, impossível. Nessa, Tom Jobim tinha razão. Logo, se um fato objetivo se coloca entre você e o grupo do qual você quer fazer parte, é mais fácil sua cabeça ignorar o tal fato objetivo e mergulhar na delícia do delírio acompanhado3. Para uma multidão, é assim.

A pesquisadora Nara Pavão, professora da Universidade Federal de Pernambuco e doutora em ciência política pela Universidade de Notre Dame, liderou um estudo parecido para o Brasil, referente aos boatos nas eleições de 2018, que corrobora a teoria da notícia como etiqueta identitária. “A gente acredita quando a informação comprova aquilo que a gente já pensa sobre política e rejeita a que contradiz nossas predisposições políticas. Não existe essa relação direta entre nível informacional e uma percepção maior ou menor de corrupção. Está mais correlacionada com questões de natureza política. Se eu gosto do governo, vou percebê-lo como sendo menos corrupto. Depende dos alinhamentos políticos, e não necessariamente do grau informacional”. O estudo, que contou também com três outros coautores, estima que, no Brasil, um terço da população acredita nessas informações falsas. Em números brutos: mais de 60 milhões de pessoas. É gente para caramba.

Estudioso da introdução

Os estudos liderados pelo Bevel ou pela Nara explicam só uma parte do problema: a forma como reagimos. Mas para qual grupo nos encaminhamos, queremos dividir o espaço com quais pessoas? Como a gente escolhe isso? A capacidade de nos cegar em nome do pertencimento surfa em um fenômeno psicológico chamado Dunning–Kruger, no qual um sujeito que tem pouco conhecimento sobre algo acredita saber mais do que todos os outros e, logo, está mais capacitado para tomar decisões complicadas, ainda que, na realidade, ele seja uma porta de burro. O fenômeno ganhou o nome por ter sido descrito pelos psicólogos sociais David Dunning e Justin Kruger, em 1999.

Essa “superioridade ilusória” pode ser claramente entendida por um gráfico desenhado pela dupla: quando começa a aprender algo, o sujeito parte do zero. Após algumas aulas ou contato com algum material didático, a cobaia, crente que já é capaz de mapear o setor inteiro, atinge o chamado “Pico do ‘Monte Estúpido'”, em que a confiança nas próprias habilidades cresce assustadoramente, sem qualquer relação com o conhecimento real. A curva despenca logo depois, quando o sujeito enfrenta dificuldades em temas óbvios daquela área, explicitadas pelo baixo conhecimento técnico. A parte mais baixa é o “Vale do desespero”. A partir daí, há uma retomada gradual em que o sujeito, ciente das próprias limitações, se empenha para melhorá-las. É o último estágio, chamado de “Platô da sustentabilidade”: demora muito mais tempo, mas é onde o sujeito realmente se capacita e percebe, principalmente, o quanto ainda não sabe sobre o assunto — e a humildade vem junto. Todo mundo está suscetível a cair no efeito Dunning-Kruger. A gente pode se enganar sem perceber. É preciso se fiscalizar.

Gráfico demonstrando o efeito Dunning-Kruger em ação.
Gráfico: Wikimedia Commons.

Não à toa, o efeito foi descrito depois da popularização da internet. Aí você, uma pessoa gentil e educada, me diz: “ah, lá vai esse magrelo culpar a internet”. Não, seu animal. Sempre existiram os sabichões que leram a orelha de um livro na biblioteca e quiseram discutir com um PhD sobre o assunto, mas hoje é muito fácil o sujeito cair na armadilha cognitiva. Ao ter essa vastidão de conteúdo online à sua disposição, é natural que muita gente leia uma página da Wikipedia ou a legenda de uma foto no Instagram e já se sinta o Drauzio Varella para discutir uma doença. Amiguinho, não seja essa pessoa. Todo mundo já passou pela experiência de discutir com alguém que não domina sua área, mas leu na internet que você, que estudou aquela joça durante 15 anos, está errado. Confiança cognitiva nem sempre está atrelada a conhecimento.

O efeito Dunning-Kruger está de mãozinhas dadas com um terceiro efeito que leva à onda de desinformação: o ódio aos especialistas, que, por sua vez, levam às teorias da conspiração. Se a internet lhe falou que a indústria farmacêutica está escondendo uma droga única que cura o câncer, é porque deve ser verdade. Aquele médico com 40 anos de estudo, mestrado e doutorado falou o contrário, mas ele deve estar mentindo porque a indústria farmacêutica o comprou. Quem sabe mesmo é aquela tia do interior que leu duas páginas num Blogger e viu um vídeo no YouTube de um adolescente de 16 anos e teve uma epifania. O tio/a que nunca se interessou por estudar na vida cai no efeito Dunning-Kruger, acha que entende do assunto depois de uma semana lendo online, encontra comunidades onde suas ideias sem qualquer fundamento são bem recebidas — o que lhe faz ingressar em um grupo social — e, pronto, vira um veículo perfeito para a desinformação.

A discussão sobre desinformação sempre é analisada do ponto de vista da comunidade. É nelas que direcionamos os holofotes para tentarmos entender como alguém pode acreditar que a Terra é plana em 2020. O ponto desse episódio é que eu acho que o holofote tem que estar em outro lugar. Para cada uma dessas campanhas de desinformação com milhões de pessoas no mundo repetindo groselhas, há um punhado de pessoas ganhando uma grana violenta. A questão não é necessariamente de anticiência, é financeira. Enquanto essas pessoas continuarem acreditando e defendendo de graça, esse topo da pirâmide da boataria online vai continuar enchendo os bolsos. Follow the money, diria a Luciana Gimenez.

Há algumas maneiras de se ganhar dinheiro com desinformação. O mais óbvio são os anúncios. A BBC Brasil fez um estudo onde encontrou 80 vídeos com desinformações sobre falsas curas para o câncer. Todos tinham publicidade rodando antes ou depois, o que significa que seus autores ganham para espalhar mentiras. No Brasil, o mais popular tinha mais de três milhões de visualizações e professava que tumores podem ser combatidos com ervas e frutos. É mentira. Mas, mesmo após o pedido de esclarecimentos da BBC ao YouTube, o vídeo continua no ar com publicidade.

Saúde não é a única área: um estudo da Avaaz mostrou que, dos 100 vídeos mais vistos sobre aquecimento global no YouTube, 16 trazem desinformação. O esquema é o mesmo dos vídeos de cura natural do câncer: mesmo com mentiras deslavadas, o sistema automático de anúncios fez com que os autores ganhem dinheiro pela veiculação de campanhas de clientes como Zipcar, Samsung, Hyundai, Red Bull, Uber, Under Armour, Warner Brothers e L’Oreal. Nos Estados Unidos, o grupo Sleeping Giants faz um trabalho bem importante de mostrar os perigos da publicidade programática à reputação das empresas — o Manual do Usuário entrevistou Matt Rivitz, fundador da Sleeping Giants. A resposta do YouTube é sempre passiva: quando um veículo encontra algo e pede uma resposta, o site age. Por quê? A plataforma ganha junto, por isso combate é lento. YouTube, Instagram, Facebook e Google formam uma simbiose com os autores desses conteúdos mentirosos: os dois lados ganham. Quem perde é o debate público, mas a preocupação é sempre com o acionista. Tem um episódio do Tecnocracia só sobre isso chamado “Em nome do lucro, o YouTube abriu as portas do inferno da desinformação”. Alguma coisa mudou desde lá? Pouco: o Você Sabia?, um dos canais que mais se apoia em mentiras para chegar ao Em Alta, sessão do YouTube com os vídeos mais acessados, continua rodando campanhas publicitárias antes de desinformação. Enquanto esses produtores de desinformação lucrarem, haverá o incentivo financeiro para continuar mentindo.

O feirante das mentiras

Há outra forma de lucrar: financiando grupos que ajudam a passar uma mensagem que aumenta seus lucros. Há mais de uma década, o grupo antivacinas mais antigo dos EUA é composto por milhares de imbecis que acham que vacina é veneno. Uma criança não vacinada pode representar um grande perigo para seus colegas de escola. Como prova de que ignorância não tem fronteiras, o movimento se espalhou para outros imbecis pelo mundo, inclusive Brasil, onde o sarampo voltou forte após anos com zero casos. Esse grupo antigo de imbecis se gaba de viver basicamente com as doações de outros imbecis que acreditam que esfregar óleos na criança é mais efetivo do que vacina (eu não estou muito objetivo, como você pode notar). Nos últimos 10 anos, o grupo faturou mais de US$ 5 milhões. Ao analisar os dados fiscais do grupo, o jornal Washington Post descobriu que uma empresa foi responsável por US$ 2,9 milhões, ou 58% do valor total. A empresa foi fundada por um médico que vamos chamar de Doutor Merda. “Esse doador, o médico osteopático Doutor Merda acumulou uma fortuna vendendo produtos naturais, mostram registros jurídicos, incluindo suplementos e vitaminas, algumas vendidas como alternativas a vacinas”, diz a reportagem. No seu site, o grupo de imbecis lista o Doutor Merda como um parceiro.

Nesse modelo, o sujeito se esforça para lapidar uma narrativa e, após obter sucesso, a explora comercialmente. Você pode falar que é o modelo da De Beers, mas há uma diferença fundamental: o diamante sempre foi uma pedra preciosa. A estratégia era aumentar o público consumidor. Nesses casos, a gente está falando de negação de ciência para vender produtos que, não fosse a narrativa, não teriam valor nenhum.

Um ótimo exemplo recente no Brasil começou fora da internet, mas vive hoje dentro dela. Lembra da fosfoetanolamina, a suposta pílula do câncer criada por um professor do interior de São Paulo e supostamente sufocada pela indústria farmacêutica? Testes conduzidos em 2017 pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, um dos grupos oncológicos mais sérios do Brasil, mostraram que a substância não tem qualquer efeito sobre tumores. É como tomar amido de milho. Ainda assim, até hoje sites vendem frascos com dezenas de cápsulas por centenas de reais. O que leva alguém a comprar? O desespero de querer ver você ou algum parente próximo melhorar. Aliado à ignorância, o desespero faz as pessoas acreditarem em qualquer coisa e caírem no papo desses charlatões. Aliás, essa não é uma estratégia inédita desses e-commerce. Há décadas, pastores e representantes de igrejas vendem soluções milagrosas por preços absurdos. Pastores ou sites, todos dependem daquele fiapo de esperança que os pacientes, mesmo os desenganados, ainda têm de continuarem vivendo, ainda que seja por mais alguns dias, aquele abraço desesperado que a gente dá na vida quando existe uma chance grande de ela terminar. Na semana passada mesmo um televangelista norte-americano anunciou uma solução para o coronavírus por US$ 120 na TV. Spoiler: não é remédio. Deve ser água de torneira. O efeito vai ser o mesmo. Não tem outro termo para chamar: é filho da puta, com todo respeito a quem vende o corpo para sobreviver.

Não raramente, os charlatões apelam para um golpe que dá credibilidade às alegações non-sense: você cria uma página com memes inofensivos e, após arregimentar popularidade, muda o nome e o teor dos posts para discurso extremista político ou anticiência. Já citado aqui no Tecnocracia, o podcast Your Undivided Attention tem um episódio que explica como a Rússia usou dessa estratégia para se meter no debate político norte-americano. Páginas no Instagram e Facebook com memes que usavam Caco, dos Muppets (eu sei que o nome mudou para Kermit, mas vai ser sempre Caco), e Homer Simpson. Inofensivos, não? Meses após arregimentar centenas de milhares de seguidores, a página mudou o nome para “Jesus Army” e seu conteúdo passou a ser de extrema direita, mostrando Jesus em alguns memes com o boné vermelho da campanha do atual presidente Donald Trump. Quem estava por trás da página e de dezenas de outras? O governo russo, segundo Renee DiResta, pesquisadora de “guerra de informação” (na tradução livre de “information warfare”).

Print do histórico de nomes de uma página que foi criada com o nome "Jogo do ADD" e virou "Terra Plana".
É assim que grandes comunidades de temas absurdos se formam. Imagem: Facebook/Reprodução.

Em 2017, o Congresso norte-americano entregou bancos de dados de Facebook, Twitter e Google para DiResta analisar. Foi ali que ela entendeu como funcionam as engrenagens da desinformação orquestrada. Entramos agora na especulação e eu estou no estilo Valdívia dando um chute no vácuo4: eu não me surpreenderia se muitas dessas páginas que espalham desinformações tivessem nascido com um propósito “inocente” e compradas posteriormente. A estratégia de obter atenção para uma narrativa serve tanto a propósitos políticos — no caso dos memes do Caco, viralizar conteúdo pró-Trump — como financeiro — viralizar teorias non-sense e propagandear produtos “milagrosos”. Falta um estudo sobre a procedência das principais páginas e perfis de desinformação no Brasil. Informalmente, eu fui dar uma olhada no Facebook. Páginas com dezenas de milhares de seguidores de apoio ao atual presidente ou pró-Terra plana nasceram como páginas de memes. Há um fértil campo para pesquisas adiante.

A desinformação não existe apenas por ideologia. Claro, existem idiotas que, capacitados pelo efeito Dunning-Kruger, acreditam que a Terra é plana, o homem nunca foi à Lua (o pior frango do Casillas) e que vacinas são veneno. Há, porém, os que embarcaram não por crença, mas por vontade de lucrar. São esses os pilares fundamentais dos movimentos de desinformação, quem dá dinheiro sem muito alarde para continuar a vender panaceias. São esses os maiores beneficiados. Eles envenenam o discurso público, porque vão vender o elixir que limpa as águas aos incautos ou, como é o caso da fosfoetanolamina, aos desesperados. Se você tem um tio, tia ou conhecido/a que passa essas mentiras adiante, talvez seja uma boa lhe informar que ele ou ela está sendo idiota duas vezes: uma por compartilhar mentira. Outra, por fazê-lo de graça enquanto um monte de charlatão ganha nas costas dele/a.

Foto do topo: Pixabay/Pexels.


  1. O primeiro episódio da segunda temporada do Tecnocracia foi exclusivamente sobre a resposta do antitruste à formação de monopólios pelo mundo na década de 30.
  2. Em algum lugar, os olhos de Aldo Rebelo vertem lágrimas de orgulho…
  3. Esse estudo já passou pelo Tecnocracia por quantificar que termos hiperbólicos (como palavrões e adjetivos) aumentam o engajamento das mensagens. Um conteúdo razoável não rende interações.
  4. Não, não senti fisgada nenhuma na coxa, pode ficar tranquilo(a).

Índice 20#5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 comentários

  1. Guilherme Felitti foi um dos melhores achados que o Ghedin me proporcionou nesse site! Cada texto uma aula! Parabéns ao MdU!!

  2. “Um fenômeno psicológico chamado Dunning–Kruger, no qual um sujeito que tem pouco conhecimento sobre algo acredita saber mais do que todos os outros e, logo, está mais capacitado para tomar decisões complicadas, ainda que, na realidade, ele seja uma porta de burro.” = Felipe Neto no Twitter.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!