Anúncio Black Friday na Insider: descontos exclusivos na máscara antiviral

Bloco de notas 20#23: Os primeiros resultados da paralisação dos entregadores de aplicativos

Uma curadoria semanal de notícias, curiosidades e esquisitices da tecnologia pessoal.


Livros — no plural — do mês

Todo mês, os assinantes pagantes do site concorrem a livros selecionados especialmente da nossa ~livraria online. Em junho, escolhi Sociedade do cansaço, do Byung-Chul Han, como o livro do mês. E o ganhador foi… Caio Augusto Cunha Volpato. Parabéns! 📚🎉

Desta vez, há um livro extra, A guerra pela Uber, do Mike Isaac, que prometi sortear entre os leitores que enviassem mochilas e escritórios domésticos para o site. Ao todo, foram 17 envios — ainda tem uns poucos no estoque. Quem levou este foi o Uri Barros, que teve seu escritório publicado na edição 20#19. Parabéns! 📚🥳

Daqui a seis meses, sortearei outro livro entre aqueles que enviarem escritórios e mochilas — os links ao lado explicam como fazê-lo.

Ilustração com uma mãozinha depositando uma moeda em uma caixa com o logo do Manual do Usuário em uma das faces, segurada por dois pares de mãos. Ao redor, moedas com um cifrão no meio flutuando. Fundo alaranjado.

Apoie o Manual do Usuário.
Você ajuda a manter o projeto no ar e ainda recebe recompensas exclusivas. Saiba mais »

Para concorrer aos livros mensais, basta tornar-se assinante. (Nesta semana, a propósito, tivemos um novo assinante: Matheus Leite. Obrigado!) Confio em leitores generosos e com condição de financiar este projeto para mantê-lo no ar. A assinatura custa a partir de R$ 9/mês e pode ser feita no Catarse ou no PicPay — o preço não se altera, mas a taxa do PicPay para mim é mais em conta; de qualquer forma, escolha o que for mais fácil para você.


🗞 Notícias

A paralisação dos entregadores de aplicativos (#BrequeDosApps) nesta quarta (1º) fez barulho. Em diversas cidades eles se fizeram ouvir, as hashtags em redes sociais ficaram entre os termos mais populares ao longo do dia e o movimento de degradação das notas dos apps nas lojas se destacou. [Folha, Plural, @fabiomalini/Twitter, @manualdousuario/Mastodon]

Entrevista com Paulo “Galo” Lima, líder dos Entregadores Antifascistas. Interessante como ele reconhece que o #BrequeDosApps foi uma ação apolítica, algo que os interlocutores que proporcionaram o bate-papo que tive com o Reginaldo Zafemina, no Guia Prático, reforçaram muito. No mínimo, essa multiplicidade de demandas escancara como a classe dos entregadores está desassistida. Ao mesmo tempo, os argumentos de Galo para incluir política na luta são contundentes. Bom de ler. [DigiLabour]

Restaurantes também estão insatisfeitos com os apps de entregas. Uma pesquisa interna da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) constatou que 80% dos que trabalham com eles estão descontentes com a parceria. [Folha]

O boicote à plataforma de publicidade do Facebook em julho ganhou corpo. Pelo menos 400 marcas, incluindo pesos-pesados como Unilever, Coca-Cola, Microsoft e Starbucks, suspenderam a compra de anúncios na rede social. Algumas estenderam a paralisação a outras redes sociais e/ou o prazo da ausência até o final de 2020. O Facebook tentou reverter a situação na terça (30), véspera do início da ação, mas frustrou as empresas com que se reuniu. [Reuters]

Para entender: o que os ativistas antirracistas querem do Facebook. É uma parte das demandas que grupos ativistas estão fazendo. No geral, o descaso da direção do Facebook em lidar com a disseminação de ódio em suas plataformas é o que une todos os grupos e empresas por trás do boicote. [The Verge, em inglês]

Na esteira do boicote ao Facebook, outras redes sociais anunciaram medidas concretas para diminuir a incitação ao ódio. O YouTube, do Google, baniu alguns canais grandes de supremacistas brancos. O Reddit excluiu centenas de comunidades, incluindo a r/The_Donald, de admiradores extremistas do presidente norte-americano. E a Twitch, rede de streaming de games, suspendeu temporariamente o próprio Donald Trump. [The Verge (2) (3), em inglês]

Se você assiste à TV aberta, deve ter visto nos últimos meses comerciais de uma loja chamada 123 Importados oferecendo eletroeletrônicos a preços baixos. Na última terça (30), a Polícia Civil de São Paulo deflagrou uma operação para prender pessoas ligadas à loja, suspeita de aplicar golpes contra os clientes que, atraídos pelos preços, pagavam, mas não levavam. [G1]

Após o problema com o serviço de e-mail Hey, a Apple agora arranjou confusão com o de ioga Down Dog. Uma atualização do app que remove a cobrança automática da mensalidade após o período de testes gratuito foi rejeitada pela empresa, que alegou que a mudança infringe os termos da App Store. As evidências do abuso de poder da Apple vão se avolumando… [MacMagazine]


📱 Apps

O WhatsApp ganhou um pacotão de novidades: figurinhas animadas, modo escuro no WhatsApp Web, adicionar contatos por código QR, melhorias nas videochamadas e Status (os stories) no sistema KaiOS. Elas chegam a todos “nas próximas semanas”. [WhatsApp]

Ainda falando do iOS 14, a nova versão do sistema “dedura” aplicativos que recorrem à área de transferência do sistema sem avisar o usuário. O TikTok, que já havia sido flagrado fazendo isso em março, voltou a ser questionado. A empresa prometeu (de novo) remover o recurso. Dezenas de outros apps foram expostos fazendo essa consulta, em muitos casos sem um objetivo evidente. [ArsTechnica, em inglês]

Ao abdicar do trackpad nos MacBooks da Apple, o usuário perde um recurso muito legal: a rolagem suave de páginas. O utilitário gratuito Mos leva esse recurso a qualquer mouse, mesmo àqueles mais baratinhos — é o meu caso. É o tipo de coisa que faz a gente se perguntar por que não é nativa no sistema. [Mos, em inglês]

A Microsoft lançou uma ferramenta oficial de recuperação de arquivos excluídos para o Windows 10. Chama-se Windows File Recovery e, por ora, funciona apenas por linha de comando. [Microsoft Store]

A Apple divulgou os ganhadores do seu prêmio anual de design.Destaque para o Darkroom, um aplicativo de edição de fotos para iOS. Detalhe curioso: nenhum app de macOS entre os escolhidos. [Apple]


💡 Dicas e curiosidades

Esta história foi destaque no Encontro, programa matinal da Fátima Bernardes, e vários jornais a estão reproduzindo, mas na real o tal Homem Pateta que estaria estimulando tendências suicidas entre crianças parece ser mais uma lorota. Lembra outros casos de anos recentes, como o da boneca Momo (2019) e o jogo “baleia azul” (2017). [E-Farsas]

Uma das coisas mais legais do chamado ecossistema Apple é o AirDrop, um recurso que facilita muito a transferência de arquivos entre usuários e dispositivos da marca. O Google está testando um recurso equivalente, ali chamado Nearby Sharing, no Android e Chrome OS. O mais legal é que, quando for lançado oficialmente, ele será compatível com celulares rodando Android 6 ou mais recente. [Android Police, em inglês]

Nesta semana, o governo indiano baniu do país dezenas de aplicativos chineses, incluindo alguns populares como TikTok e UC Browser. No fogo cruzado, o buscador DuckDuckGo acabou vitimado. Ainda não se sabe o motivo exato, mas suspeita-se que seja devido ao uso de tecnologia da CloudFlare, que oferece infraestrutura a sites e, embora seja uma empresa norte-americana, tem servidores na China. [TechWorm, em inglês]


Se você curtiu este Bloco de notas, assine gratuitamente a newsletter do blog para recebê-la semana que vem, gratuitamente, direto no seu e-mail:


Edição 20#23

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 comentários

  1. Eu queria comprar todos os livros recomendados, mas até as versões digitais estão custando um útero 😪

    1. Apartidária talvez, apolítica jamais.
      Esse é o problema de se confundir política com partido político.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!