Anúncio NordVPN, a VPN mais rápida do mercado, com 68% de desconto

Elo perdido entre ícones e apps, widgets no celular pode ser interessantes e até úteis

Widgets multicoloridos organizados em um quadro à direita da imagem.

Demorou mais de uma década, mas o iPhone finalmente ganhou widgets no meio dos ícones da sua reconhecível tela inicial. O iOS 14, versão que trouxe a “novidade”, chegou em setembro e já conta com vários widgets interessantes — e alguns até úteis — disponíveis.

Deparar-me novamente com widgets1 me levou a pensar nas tentativas, algumas falhas, outras bem sucedidas, de “desmontar” aplicativos nessas pequenas janelinhas informativas, um meio termo entre o ícone e o aplicativo. À primeira vista, parece uma dessas ideias impossíveis de darem errado. A história, porém, mostra que é possível sim errar na mão nos widgets.

Talvez o maior fracasso nesta área tenha ocorrido no Windows 8 e em sua contraparte móvel, o Windows Phone. O fracasso foi amplificado pela confiança excessiva da Microsoft nos chamados “live tiles”. Era tamanha que a empresa substituiu os ícones tradicionais pelos tijolinhos. Tudo bem que os live tiles podiam ser apenas ícones, inanimados e carentes de informações extras, mas, idealmente, um bom live tile se mexia, trazia dados atualizados de dentro do app, oferecia um vislumbre do que esperava o usuário.

Os live tiles substituíam não só os ícones, mas também a cortina de notificação, um elemento de interface popularizado pelo Android que o tempo — e a cópia dos rivais, da própria Microsoft à Apple — provou acertado.

Foto da tela de um notebook exibindo o menu Iniciar em tela cheia do Windows 8.1.
Em algum momento de 2013, a tela Iniciar do Windows 8.1. Foto: Rodrigo Ghedin.

Talvez os live tiles tenham sido vítimas de outros problemas mais graves do Windows 8 e do Windows Phone. Fato é que eles não vingaram e, na última grande atualização do Windows 10, foram praticamente extintos.

Ilustração com uma mãozinha depositando uma moeda em uma caixa com o logo do Manual do Usuário em uma das faces, segurada por dois pares de mãos. Ao redor, moedas com um cifrão no meio flutuando. Fundo alaranjado.

Apoie o Manual do Usuário.
Você ajuda a manter o projeto no ar e ainda recebe recompensas exclusivas. Saiba mais »

O Android, sempre apontado como a melhor opção para quem prioriza personalização, oferece widgets desde sempre. Muitos apps contêm widgets, mas tenho a sensação de que em todo esse tempo eles nunca tiveram a atenção que os usuários e a imprensa dedicaram nos últimos meses aos do iOS 14. Talvez por que sempre estiveram lá? É uma hipótese.

A apoiadores do Manual no grupo do Telegram (torne-se um(a)!) e nas nossas redes (Mastodon, Twitter), perguntei aos donos de celulares Android quais widgets eles tinham em suas telas iniciais. Fazendo a ressalva de que a amostragem era pequena, as respostas não variavam muito: widgets de previsão do tempo, agenda de compromissos e outros do Google/nativos do Android foram os mais citados, com um ou outro de terceiros aparecendo em algumas poucas respostas.

Montagem com quatro telas iniciais do Android, contendo widgets.
Algumas telas iniciais com widgets dos leitores. Imagens: @GalloDu, @neltenks, @peek_print e @Fabianasad.

Quando usava Android, não tinha widgets no celular. Sempre achei mais prático abrir o app mesmo e uma das virtudes do Android, a grande liberdade que os desenvolvedores têm para apresentarem seus apps, acabava jogando contra — o fato de os widgets não “combinarem” me incomodava um pouco. No iOS 14, resolvi dar uma nova chance aos widgets. No macOS, ainda estou esperando a poeira baixar para atualizar para o Big Sur, que traz widgets muito parecidos com os do iOS. Em dezembro, talvez?

Os widgets que estou usando

Dois prints com widgets da previsão do tempo, agenda de compromissos e os da Wikipédia.
Widgets na tela à esquerda da inicial do iOS.

Não considere a lista abaixo como uma de “melhores widgets” nem nada do tipo. Constam aqui apenas alguns de apps que eu já tinha instalado e um ou outro com que topei e achei que poderia ser interessante — alguns deles, aliás, têm versões para Android ou uma alternativa que, na medida do possível, citarei.

A exemplo dos leitores, também recorri aos widgets que já vêm pré-instalados. São os casos dos de previsão do tempo e agenda de compromissos. Deixo-os na tela à esquerda, onde os widgets ficavam exclusivamente até o iOS 13. Essa área é ótima para guardar widgets importantes ou interessantes, mas que não precisam ficar à vista o tempo todo.

Em terceiro lugar nessa tela lateral fica o widget do app Fotos, também da Apple. Todo dia ele puxa uma seleção de “destaques”, cerca de dez fotos aleatórias da minha galeria, sem qualquer critério óbvio. A imprevisibilidade quase sempre gera uma gostosa viagem no tempo.

Depois, vêm dois widgets de um app que instalei só por causa deles: o da Wikipédia (gratuito). Adoro a Wikipédia e todo dia consulto alguma coisa lá. O site é tão bom que nunca senti que o app fosse necessário — até os widgets aparecerem. Uso o que mostra os eventos do dia em anos anteriores e o da imagem do dia. Não os vejo diariamente, mas sempre que me deparo com eles vejo algo bonito e aprendo/relembro um evento histórico interessante.

O último, que não está nessa posição por acaso, é o widget do app Bolsa, com indicadores de alguns investimentos. Em 2020, vez ou outra tomo um susto com as variações elásticas do mercado, mas… né? Faz parte. De qualquer forma, ele não está onde está por acaso, de modo que raramente o vejo.

A tela principal, aquela que vejo ao desbloquear o celular, não tem widgets. Do outro lado dela, na segunda tela, coloquei widgets.

Um deles é o do Tempo de Uso, aquele recurso do sistema que indica quantas horas usei o celular ao longo do dia e quais foram os apps mais usados. É uma maneira fácil de me policiar para não usar tanto o celular. Não que isso seja um problema, normalmente, mas às vezes me perco um pouco no Twitter e é bom ter esse lembrete, além das demais informações que já aparecem no widget.

O outro, último dos meus widgets, ainda são dois porque estou indeciso. Há alguns meses, tenho monitorado a ingestão de água usando o app Saúde, da Apple, e uma gambiarra com o app Atalhos para inserir dados nele. Descobri dois apps que fazem isso e que têm widgets legais, o Water Widgets (R$ 4,90) e o Water Up! (gratuito). O Water Widgets tem os widgets mais bonitos, mas não conversa com o Saúde. Já o Water Up! envia os dados recebidos ao Saúde, porém o widget não é tão legal. Enviei e-mails aos dois desenvolvedores; quem implementar o recurso de que sinto falta primeiro, ganha a minha preferência.

Dois widgets em tamanho pequeno no iOS 14 de apps de beber água.
Note pelo widget da direita que, neste dia, falhei miseravelmente na meta de ingestão de água.

Tem três outros apps/widgets, criados na esteira do lançamento do iOS 14, que vale mencionar.

O Widgetsmith (gratuito, com compras in-app) talvez seja a história de maior sucesso de widgets no iPhone até aqui. Ele permite criar widgets diversos a partir de várias fontes de dados e personalizá-los, mais ou menos como o KWGT Kustom Widget Maker do Android. Várias daquelas telas iniciais bem modificadas que temos visto em redes sociais foram construídas com a ajuda do Widgetsmith. Nesta semana, ele chegou à segunda versão, e agora suporta temas, coleções e o recurso mais pedido pelos usuários, segundo David Smith, o criador do app: um seletor de cores RGB/HEX.

No lado dos widgets mais artísticos/criativos, gosto muito do Uno (gratuito), um app/widget “unitarefa” com uma missão: ajudá-lo(a) a se lembrar daquela coisa que quer fazer a seguir. O Uno pega a ideia dos post-its (e, sim, já tem um punhado de widgets de post-its) e o reduz ao mínimo viável — uma notinha só, nada mais — do jeito mais adorável possível. Eu instalei e deixei o widget do Uno por uns dias no celular só porque é bem feito. Sério, veja este vídeo:

O Clear Spaces (R$ 10,90) segue a mesma linha simples, mas com uma aplicação mais prática: é um widget transparente. Ele ajuda a jogar ícones e outros widgets para a porção de baixo da tela, ao alcance dos dedos do usuário. Eu sempre enchi as telas do iOS de ícones por esse motivo, ou seja, deixar os apps que mais uso ao alcance. Este widget facilita o trabalho e, de quebra, ainda pode realçar um papel de parede bonito.

Quais widgets você usa? Comente aí embaixo.

Imagem do topo: Apple/Reprodução.

  1. “Widgets” é um termo traduzível? Quebrei a cabeça aqui, mas não encontrei palavra em português para me referir a eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

23 comentários

  1. Um dos widgets mais úteis para mim é o de atalhos do iOS. Desde que a Apple implementou aquela coisa esquisita de apenas desconectar das redes Wi-Fi no control center que eu uso um atalho para desligar mesmo o Wi-Fi quando não está em uso.

  2. Uso alguns widgets de “saúde mental”. Como é uma coisa fácil de esquecer ou deixar passar, acaba sendo bem útil esses lembretes visuais.

    O Day One, tem widgets muito práticos, um deles faz perguntas que trazem alguma reflexão ou contemplação da vida. Outro permite relembrar anotações dos anos anteriores. É bem interessante para ter um olhar sobre como estavam as ideias e como evoluiu o pensamento.

    Daylio é apenas um registro de humor, não vejo muita utilidade nos dados que ele gera, mas está ali fácil e rápido. Pq não? Ajuda em uma pequena reflexão do dia, oq fez e tal. Sem muita profundidade.

    1. Vejo o Widgetsmith com mais potencial para “androidificar” o iOS. Com ele é possível criar widgets que fogem completamente da linguagem visual da Apple, o que nem sempre resulta em imagens elegantes e/ou bonitas…

  3. Algo que eu sentia muita falta nas versões mais novas do macOS era o “dashboard” do antigo Lion. Lá eu deixava todos os widgets que eu usava (previsão do tempo, dicionário, agenda e post-it) e tudo estava a um deslizar de dedos (ou um clique na bolinha do mouse se eu estivesse usando um mouse não-Apple). Era rápido, leve e responsivo ao máximo.

    Depois de algumas atualizações veio aquela barra de atualizações lateral que NUNCA teve a mesma usabilidade do antigo dashboard.

    1. concordo totalmente

      o dashboard começou a morrer quando ele se transformou numa tela extra em meio às Mesas, em vez de ser uma camada sobre a mesa atual

      uma coisa boba que sinto falta é justamente o widget de post-it, que no dashboard era perfeito

      um que eu também adorava era uma régua de pixels

    2. Uso um pequeno app na menubar chamado Tyke. É um campo de texto para anotar coisas rápidas que se apaga sempre que o sistema é reinicializado. Como passo semanas sem reiniciá-lo, me sinto seguro em guardar ali informações temporárias.

      Cheguei tarde ao macOS, não peguei essa fase dos widgets do Dashboard…

  4. Que saudades das live tiles, era uma das coisas que eu mais gostava no Windows Phone. A live tile da galeria do WP também mostrava uma seleção de fotos na tela inicial, igual o iOS faz hoje.

    No Android o único widget que uso é o calendário com previsão do tempo, da Google. Já tentei usar outros como o do WhatsApp mas, sinceramente, sempre achei os widgets do Android muito feios.

    1. Eu tenho muita saudade do Windows Phone como um todo, mas o Live Titles com certeza são os que mais me deixam saudosista. Até hoje uso eles no Windows – calendário, previsão do tempo e Grover Podcast.

  5. O triste (pra nós usuários de Android) é ver o iOS adotar Widgets 10 anos depois do Android e fazer o troço todo bonito e ornando com o sistema.

    1. Exatamente. Os widgets do Android são uma bagunça. Bem que o Google poderia tomar as rédeas disso e exigir que os desenvolvedores se adequem à um padrão.

    2. Minha mãe tem um iPhone SE e eu confesso que eu achei bem mal feito os widgets. Parece que foi uma coisa feita nas coxas, na correria. Alguns simplesmente são mini páginas web mostrando informações.

  6. Eu uso o widget do Shazam (app de identificação de músicas) porque é só um toque para que ele cumpra a função e geralmente é preciso ter agilidade para captar o som.

    1. Você viu que na atualização do iOS 14.2 foi adicionada a possibilidade inserir o Shazam na central de controle? Ali é um ótimo lugar pra mim.

      1. Eu uso o Android, mas com seu comentário vi que existe uma opção de Auto Shazam no menu suspenso. Valeu!

  7. Ghedin,
    curioso sobre o recurso que você gostaria de ver implementado no app de controle de ingestão de água. Por aqui, quero passar a usar tb. A forma mais simples que pensei foi tag NFC no copo/garrafa de água.

    Tentei implementar a mesma lógica para um tratamento novo, pra controlar se fiz ou não. Como tenho rotina com horários alternados, um alarme não funciona. Por hora, esbarrei no fato de o iOS 14.2 não permitir editar lembretes, mas parece que essa função já está disponível no 14.3

    1. No que estou usando (fiquei com Water Up! mesmo), só queria um widget mais bonitinho. Sempre bebo água no mesmo tipo de copo e só mensuro água pura, então não preciso de muitas funções avançadas.

      Para esse controle de “fiz ou não”, se a periodicidade for diária, o Lembretes não resolve? Já usei ele para esse fim (um suplemento semanal que tinha que tomar) e funcionou bem.

    1. Acho que sim, mas acho também que não é uma boa tradução. Mesmo no contexto acima, se eu trocasse todos os “widgets” para “utilitários” soaria estranho e causaria confusão, não?

      Acho que widget é mais uma batalha perdida, como a do “notch” (essa, pelo menos, teve vida curta). A própria Apple, que costuma traduzir o que dá, até coisas estranhas como “Mesa” (de “Desktop”), adotou widget em português do Brasil…

  8. Meu widget favorito é de longe o da agenda do Android. Marco e acompanho compromissos sempre por ele, além de uma consulta rápida para planejamento de férias. Minha opinião é que só vale ter widgets de outros aplicativos em casos que você precisa ou deseja acompanhamento ostensivo de notificações detalhadas, como um feed da sua inbox de e-mail ou de determinado tipo de notícias. Não é o meu caso, então passo bem sem a maioria dos que são oferecidos. A barra de pesquisa do Google no topo da tela também é uma boa.

  9. Eu ando usando bastante o de Baterias. Acaba sendo bem útil pra verificar a bateria dos Airpods, mesmo se eles estiverem conectados no computador ao invés do iPhone.

    E particularmente, os widgets no Android também me irritavam um pouco pela falta de coesão visual. Achava que a tela ficava parecendo uma bagunça e acaba evitando usar algo além do widget de tempo e calendário.

  10. A imprensa dos smartphones Vivo (não a nossa) com novo originOS parecem dar um passo a mais, pena que fica limitada aos aplicativos padrão do celular

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!