Anúncio Conheça a máscara antiviral que desativa os vírus em até 5 minutos

O escritório em casa do consultor de TI Ulisses Campos

Visão de cima da mesa do Ulisses Campos, com notebook, monitor e acessórios (mouse, teclado etc.).

Durante a pandemia de COVID-19, a seção de mochilas será convertida em escritórios domésticos. Faz mais sentido, certo? Vale para os recém-chegados ao home office e para quem já está nessa há tempos. Mande o seu seguindo estas instruções. Todo o texto abaixo é de autoria do Ulisses.


Atualmente como IT Advisor (autônomo). Já trabalhei com segurança da informação e infraestrutura de TI. A natureza do meu trabalho sempre pôde ser remota, mas é a primeira vez que trabalho fora de um escritório 100% do tempo. De maneira geral, trabalhar em casa é mais produtivo, mas é preciso ter cuidado com as distrações.

Visão de frente da mesa de trabalho em casa do Ulisses, com monitor grande central, notebook elevado à direita e acessórios sobre a mesa.
Foto: Arquivo pessoal.
  • Dell Inspiron 14 7460 (2017). A configuração continua decente para um notebook de três anos, mas meu perfil hoje também é menos técnico do que costumava ser. Ponto negativo para a webcam, que é péssima (ângulo de visão e qualidade). Geralmente uso o celular quando o uso de câmera em uma ligação é necessária. Tive que trocar a bateria ano passado. A maior parte do tempo serve como segunda tela para arrastar aplicativos por um rápido instante e depois voltar pro monitor onde minha atenção está focada.
  • Monitor Dell S2318H de 23″. Escolhi esse modelo porque ele tem a tela brilhante (glossy), o que percebi não ser uma preferência no mercado de monitores dada a falta de opções. Tem resolução de 1920×1080, deixo o Windows com ajuste de 125% de zoom e experiência de uso e visualização melhorou muito desde então. É um monitor confortável pra longas horas de trabalho. Gosto também pelo visual das bordas finas.
  • Teclado Logitech G915. Sentia falta de usar teclados mecânicos, mas toda vez usa plugava o modelo com cabo sempre acabava tirando e voltando pro modelo K810 que também é sem fio. Esse novo (comprei há um mês) atende à necessidade de ser fio e mecânico. As teclas multimidia (ff, rw, play, pause, mudo) e o ajuste de volume pelo scroll lateral são práticos a ponto de deixar mal acostumado.
  • Mouse Logitech MX Master 3. Evolução do MX 2 que quebrou o botão depois de uma garrafa de água cair em cima dele. Ganhou uma sobrevida após um conserto manual com Super Bonder e hoje tornou-se um backup.
  • Mousepad Logitech G240. Aproveitei um desconto que rolou quando comprei o MX 2 e levei junto. Até então não sabia que gostava de mousepads grandes.
  • Beats Ep On-ear Headphones. Durável e com uma qualidade razoável, está aguentando o tranco desde 2017.
  • AirPods (2ª geração). Comprei ano passado, pouco depois de trocar de celular (iPhone XR). Antes companheiro das caminhadas, hoje me acompanha pela casa em ligações ou podcasts enquanto estou jogando Destiny 2.
  • Suporte de celular genérico que comprei na Kalunga antes da pandemia. Tomou lugar de um carregador da Belkin na tentativa de me livrar dos fios em cima. Antes o carregador era necessário, porque a bateria do meu antigo celular precisava ser carregada três vezes ao dia. O ângulo permite que eu interaja com o celular, destravando pelo Face ID, sem precisar tirar da base. Uma pequena conveniência, mas que me agrada muito.
  • Porta canetas, com canetas variadas. A que mais gosto na verdade é uma liner, Edding 69 (utilizada para desenhos técnicos). Não encontro mais esse modelo para comprar e já pensando na substituta, comecei a usar e adorar a Pentel Energel 0,7.
  • Post-it grande vermelho. Quando preciso criar um alerta visual e físico de algo importante a ser feito. Geralmente colado nos descansos de pulso do notebook, mas se muita coisa importante surgir ao mesmo tempo alguns acabam sendo colados na parede.
  • Carteira Bennemann e chave do carro. Deixo aí em cima pra não esquecer de ligar o carro vez ou outra, porque o uso dele se resumiu a ir ao mercado e farmácia nos últimos meses.
  • Limpa tela FlashLimp e esponja de limpeza de tela. Minha obsessão por telas limpas impede que esses itens saiam de cima da mesa. Utilizo algumas vezes por dia no celular e semanalmente no monitor e notebook.
  • Filtro de linha Intelbras. A ser removido da mesa assim que comprar um velcro dupla face.
  • Escrivaninha Retrô RT 3067. Com o puxador faltando que não veio na embalagem.

Embaixo da mesa:

  • Caderno Cicero Memo Notes quadriculado + Bloco de anotações quadriculado. Gosto de escrever em pautas quadriculadas :)
  • Pastas de documentos permanentes. Quase não uso, mas o armário já estava sem espaço. Acho que é único objeto sem propósito no meu espaço de trabalho.

Edição 20#37

Ilustração com uma mãozinha depositando uma moeda em uma caixa com o logo do Manual do Usuário em uma das faces, segurada por dois pares de mãos. Ao redor, moedas com um cifrão no meio flutuando. Fundo alaranjado.

Apoie o Manual do Usuário.
Você ajuda a manter o projeto no ar e ainda recebe recompensas exclusivas. Saiba mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 comentários

  1. A Pentel Energel 0.7 é a minha escolha já há muitos anos. Só tem sido meio complicado achar todas as cores na pandemia. Gostei da mesa. O meu filtro de linha foi parar embaixo da mesa com um pequeno parafuso de madeira preso na parte de dentro.

    1. Justamente por este motivo eu compro carregamentos de canetas que gosto, porque a chance de não encontrar é sempre possível.

      A mesa não é muito robusta, fico com receio de colocar mais um parafuso. Por isso a ideia do velcro. Também estou vendo a possibilidade de trocar por um PowerCube.

  2. Semana passada eu também aumentei a exibição do Windows, para 125%. É outro mundo pra mim agora, ficou muito mais confortável e exige menos esforço pra ler algumas coisas. Engraçado que achei 125% mais “definido”, e sim, meu oftalmologista está em dia hahahaha.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!