Bloco de notas #4

Notas curtas e curiosidades do mundo da tecnologia que publicaria no Twitter se o Twitter fosse uma rede legal. (Não é.)

***

O Google propôs um novo modelo de privacidade na web [Google, em inglês] como alternativa aos cookies pervasivos que rastreiam e monitoram usuários atualmente. A retórica terrorista do anúncio beira o inacreditável: “Primeiro, o bloqueio de cookies em larga escala destrói a privacidade das pessoas ao encorajar técnicas obscuras como o fingerprinting.” Parece um gângster dizendo que pagar pedágio é ruim, mas que sofrer as consequências do não pagamento seria pior. Confiar a nossa privacidade ao Google equivale ao proverbial “deixar a raposa cuidando do galinheiro”.

→ O tom terrorista é reforçado com uma pesquisa que aponta que, ao deixar a personalização de lado, o faturamento com anúncios online cai 52%. Fonte: Google (literalmente [em inglês]). Quando pesquisadores independentes fizeram a mesma análise, descobriram que a diferença é de apenas 4% [Wall Street Journal, em inglês].

→ Sempre importante colocar em contexto: mais de 3/4 do faturamento bilionário do Google vem de publicidade segmentada, possível apenas pela montanha de dados que a empresa saqueia dos usuários em suas várias propriedades. Sem isso, o Google perde a sua grande vantagem competitiva.

→ A proposta do Google vem na esteira de mudanças sistêmicas nos principais navegadores web — com a exceção óbvia do Chrome. Semana passada, a equipe responsável pela manutenção do WebKit, o motor de renderização de páginas web usado pelo Safari, anunciou uma nova política de prevenção de rastreamento de dados [WebKit, em inglês]. Na prática, ela equipara o aparato de vigilância/rastreamento amplamente usado na web à exploração de falhas de segurança e avisa que agirá ativamente para impedir que isso ocorra, sem exceções.

→ A nova política foi inspirada por uma similar da Mozilla [Mozilla, em inglês]. Em junho, o Firefox passou a sair de fábrica com proteções mais rígidas [The Mozilla Blog, em inglês] contra o rastreamento via cookies cruzados e outras técnicas. A mudança para quem já usava o navegador foi prometida para os próximos meses — porém nada impede de acessar as configurações e fazê-la agora. O Edge, da Microsoft, também ganhará um recurso similar [Microsoft, em inglês].

***

Nesta semana, tivemos oito novos apoiadores da campanha de financiamento do blog: Leonardo Germano Roese, Luiz Andreto, Boris MoserVictor SerrãoManoel Davi Carneiro, Giovanni Santa Rosa, Carlos Eduardo Caetano de Mello e Micael Silva Magalhães. Obrigado!

A colaboração financeira é essencial para manter o blog no ar. Você pode ajudar acessando a campanha do Manual no Catarse. A grana está curta e/ou tem outras prioridades? Compartilhe os posts do blog e encaminhe esta newsletter a quem você acha que gostaria de recebê-la. Tudo isso ajuda muito!

***

Novo logo do Android.
Novo logo do Android. Imagem: Google/Divulgação.

A torcida para que o Google batizasse o próximo Android de “Quindim” foi frustrada nesta quinta (22). A empresa anunciou uma reformulação na identidade visual do seu sistema operacional [Google, em inglês] e, com ela, o fim dos apelidos de sobremesa das versões do Android. O Android Q será chamado oficialmente de Android 10 — e apenas isso. A justificativa é que era muito difícil conciliar nomes de sobremesa que são universalmente entendidos. Além da mudança na nomenclatura, o Google mexeu no visual da marca: a tipografia do logo está diferente, a cor oficial passa a ser o preto, e ele vem acompanhado da cabeça do robô, mascote do sistema.

→ Você não viu, mas seu filho ou sobrinho adolescente provavelmente sim: o Snapchat também mudou seu visual de leve [Fast Company, em inglês]. O rebranding se concentrou no ícone do app, com um reforço generoso na espessura do contorno do fantasminha. Segundo a empresa, o objetivo era deixá-lo mais destacado. Parece ter funcionado.

***

O que teve de bom no Manual esta semana:

***

Em maio de 2018, Mark Zuckerberg prometeu uma ferramenta de privacidade no Facebook que permitiria ao usuário limpar rastros de identificação coletados pela rede social e seus parceiros em outros locais da internet. Pense, por exemplo, em empresas que sobem bases de dados próprias para combinar com dados do Facebook ou coletadas através do pixel do Facebook [Facebook, em português]. Não bastasse a demora de um ano e meio para liberar a ferramenta, ela ainda é capenga: os dados não são apagados, mas apenas desvinculados do perfil [The Guardian, em inglês]. Por ora, disponível apenas para usuários da Coreia do Sul, Irlanda e Espanha; nos demais países, chega “nos próximos meses”. Lembrando que a melhor maneira de (tentar) escapar da vigilância do Facebook é excluindo a conta.

***

Da série “ideias que fazem tanto sentido que você se pergunta por que não fizeram antes”, o iFood passou a aceitar pagamento com cartões refeição [Baguete, em português]. Por ora, clientes dos cartões VR, Sodexo e Alelo podem pedir refeições em restaurantes selecionados, mas até o final de setembro a expectativa é que todos passem a aceitar o novo meio de pagamento.

***

Dizem que a Amazon é a loja de tudo, mas tem algo que ela não tem e se esforça para continuar sem: sindicatos. A direção da Amazon trabalha ativamente para conter iniciativas de sindicalização dos funcionários [CNBC, em inglês]. Um vídeo de treinamento vazado instruía supervisores a interagirem regularmente com subordinados em suas áreas de descanso porque dessa maneira ficariam protegidos de “acusações de que você só fica na sala de descanso para espionar colaboradores pró-sindicalização”. E é assim que se constrói a fortuna do homem mais rico do mundo.

→ Em uma iniciativa pra lá de estranha para rebater as críticas, “embaixadores” da Amazon foram ao Twitter contar ao mundo as maravilhas de ser empregado de Jeff Bezos [The Guardian, em inglês]. Eles se parecem com os robôs humanos das últimas eleições brasileiras.

→ O histórico da Amazon no tratamento dos funcionários mais baixos na hierarquia é ruim. Já houve denúncias de que os dos centros de distribuição não podiam sequer fazer pausas para urinar — eles se aliviavam em garrafas. Justiça seja feita, em 2018 a Amazon elevou o salário mínimo acima do exigido nos Estados Unidos e, neste ano, anunciou um investimento de US$ 700 milhões [Época Negócios, em português] para capacitar funcionários em atividades mais complexas. São benefícios legais, mas condescendência de patrão não substitui um sindicato quando surgem desavenças entre as duas partes.

***

Um raro olhar na relação apps de caronas–transporte público. Em São José dos Campos (SP), 99 e Uber faturam, juntas, R$ 14 milhões por mês. É quase o mesmo valor que a frota de ônibus urbanos da cidade, composta por 390 veículos — R$ 15 milhões. A expectativa é que os apps tomem a dianteira até o fim do ano [Folha, em português]. “Desde meados de 2017, o uso dos aplicativo aumentou quatro vezes. Neste mesmo período, os ônibus perderam entre 12% e 15% das viagens”, diz o post. É um exemplo pontual, mas ainda assim representativo, de que os apps de caronas não melhoram o caos do trânsito das cidades.

***

O último celular da Motorola lançado no Brasil, o Motorola One Action [Motorola, em português], tem este nome porque uma das três câmeras nas suas costas é parecida com as GoPro: ela serve apenas para filmar, tem uma lente grande angular de 117º e, o que é bem curioso, faz vídeos em modo paisagem (na horizontal) com o celular de pé — o sensor está “invertido” dentro do aparelho. Para fazer stories e outros conteúdos na vertical (modo retrato), basta usar a câmera principal. Apesar da boa ideia, faltam os outros elementos que tornaram a GoPro e seus genéricos um sucesso, como a resistência a condições adversas e os muitos acessórios que permitem grudá-los a praticamente qualquer coisa. O preço sugerido é de R$ 1.799.

***

A Anatel revelou [Anatel, em português] que, em 2018, 30 mil produtos de telecomunicações foram retidos nos recintos alfandegários dos Correios ou de outras empresas de courriers. A importação de celulares via Correios é proibida no Brasil [Manual do Usuário]. A agência também informou que 200 mil produtos não homologados prestes a serem vendidos ou já em uso foram lacrados ou apreendidos no mesmo período.

***

Se você usa o Twitter apenas para falar o que está entalado na garganta e fazer o equivalente digital de gritar sua indignação com as injustiças do mundo — o que não tem faltado ultimamente —, o Stream pode ser uma boa alternativa. Ele se identifica como um “micro-diário”, tem uma interface que lembra a do Twitter, mas em vez de disparar suas mensagens ao mundo, as guarda para você mesmo. Todo o conteúdo é armazenado localmente, sem conexão com a nuvem, e além de texto escrito ele também aceita áudios. Depois, com a cabeça mais fria, se ainda achar que a mensagem deve ser lida por mais gente, pode publicá-la facilmente no Twitter arrastando-a à direita. Gratuito, em inglês e apenas para iOS.

***

Instalada em 1994 para monitorar o clima no campus da Universidade de San Francisco, a “Fogcam” é a webcam mais antiga ainda em funcionamento do mundo. No próximo dia 30 de agosto, ela será desativada [SFGate, em inglês]. “Achamos que era hora de deixar isso de lado”, disse um dos dois responsáveis por instalar e cuidar dela nesses 25 anos.

***

Uma comissão da Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei 2537/19, do deputado Juninho do Pneu (DEM-RJ), que obriga lojas a informarem seus clientes sobre o uso de sistemas de reconhecimento facial [Câmara, em português].

→ É uma boa ideia, especialmente porque é muito difícil se esquivar desses sistemas. Entre as técnicas eficazes para não ser identificado por câmeras, estão um par de óculos ridículos [The Guardian, em inglês] e esta maquiagem estranha [YouTube] que te transforma em uma pintura cubista (dica do @CinemaEnfim via Twitter).

→ Comecei esta sexta deprimido com uma reportagem local [G1, em português] de uma cidade no interior do Paraná, Cambé, que instalou câmeras de vigilância em uma escola infantil. Que ideia doentia. Imagine quão saudável mentalmente será uma geração que cresce sob esse tipo de vigilância constante.

***

A Mad Pony, hospedagem usada pelo Manual do Usuário, está crescendo. A empresa abriu um programa para hospedar cinco projetos feitos em WordPress a um custo baixíssimo — € 15 por mês — com os mesmos recursos que tornam o Manual um site extremamente rápido e privado aos leitores. Interessados em participar devem mandar um e-mail ao James no endereço help@madpony.co.

***

Se você curtiu este Bloco de notas, assine gratuitamente a newsletter do blog para recebê-la semana que vem, gratuitamente, direto no seu e-mail:


O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 comentários

  1. Por isso é importante utilizar e apoiar outros player como a Mozilla(e outros navegadores que utilizem motores distintos) e não deixar que o monopólio dos navegadores de internet passem para a mão de uma gigante como a Google. Senão as regras vão ser escritas por apenas um com interesses.

  2. Sou morador de São José dos Campos. Não utilizo transporte público com frequência, pois, a empresa onde trabalho arco com o custo do fretado. Contudo, a minha esposa utiliza diariamente o transporte público e me conta como é a experiência. Por isso, embora reconheça que não seja saudável para a cidade o aumento do uso dos aplicativos de transporte, gostaria de apontar alguns motivos que colaboram para a popularidade dos mesmos:
    1 – O preço da passagem por aqui está entre os maiores do Brasil, com reajustes acima da inflação (R$4,20 para usuários comuns, R$4,84 para empresas que compram vale transporte, https://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2019/04/24/tarifa-de-onibus-sobe-para-r-420-a-partir-de-segunda-em-sao-jose.ghtml)
    2 – A quantidade de ônibus disponibilizados, principalmente para os bairros mais periféricos é insuficiente
    3 – Nos horários de pico (e sei que isso ocorre em praticamente todos os lugares) os ônibus estão mais do que lotados.

    Comparando o preço e o conforto, e dependendo se vai conseguir utilizar a integração ou não (pagar somente o valor de uma passagem no intervalo de duas horas), o carro de aplicativo acaba por se tornar uma opção mais atrativa.

    1. Acho que em nenhuma cidade brasileira a situação é ideal. Aqui em Curitiba, ainda tida como modelo para o resto do país, também temos o problema da lotação de algumas linhas nos horários de pico, passagem cara (R$ 4,50) e tudo mais.

      Imagino que falte investimento e boa vontade dos governantes no fomento ao transporte público. Em geral, usa quem precisa e não tem outra alternativa — o que torna o preço elevado ainda mais problemático. É só uma conjectura, mas imagino que se as classes mais abastadas usassem e/ou dependessem dos ônibus, a situação seria muito melhor. Com mais demanda, talvez teríamos mais veículos nas linhas, mais corredores exclusivos, mais pontualidade, menos sufoco na hora de pegar o ônibus para voltar do trabalho às 18h.

      Utópico, eu sei, ainda mais com o lobby e a publicidade incessante e apelativa das montadoras. Mas que o caminho para solucionar o trânsito das cidades passa pelo transporte público, disso não há dúvida.

        1. A máfia dos transportes públicos é real. Não se esqueça que a “mudança” do cenário político brasileiro se iniciou com um protesto por conta de 20 centavos na passagem de ônibus de Porto Alegre.

          Não adiante o governo ter planos de melhoria de malha, corredores de ônibus ou mesmo de integrações de linhas. Aqui em POA tem tudo isso, mas, as empresas operadoras das bacias da cidade e da Região Metropolitana estão sempre embargando o inicio dessas operações pela via judicial. Depois disso teve uma licitação fria com acordos que nunca foram cumpridos (tanto de tabela de preços como de melhorias na frota) e tudo segue como antes.

          Aqui em POA pra distâncias curtas o Uber é a melhor saída de longe (quando saímos aqui em casa são 3 pessoas, pagando R$4,30 de passagem de ônibus; poucos locais que frequentamos dá mais do que isso de Uber).

          A saída é um sistema de transporte 100% público operado sem contrapartidas privadas e sem interesses de lucro por bacias/locais, afinal, outra coisa comum por aqui é termos ótimos carros fazendo as linhas dos bairros ricos (carros novos com GPS, AC e assentos preferenciais e acessibilidade completa) enquanto os bairros de periferia tem a frota velha e sucateada (e com horário mais espaçados).

          Capitalismo sempre gera esse tipo de imperfeição.

          1. Paulo concordo com você, mas tem uma coisa que reparei e não sei se é 100%.
            Todo mundo está comprando um carro, nem que seja semi novo ou usado, e utilizando sempre que possivel e antes/depois correndo para tirar a CNH rsrs.

            Percebo que nas grandes metrópoles é praticamente obrigatório ter uma CNH. Eu nunca me interessei por carro e pessoalmente não gosto muito. Depois de muita pressão tirei minha Carteira de habilitação, depois dos 30, e somente uso para o trabalho.

            Prefiro andar ou pegar um transporte do que dirigir. Acho isso um “mal necessário ” hehehe

            Chuto que daqui uns anos vai ter mais carro do que gente nas grandes cidades.

    2. Aqui em Niterói o ônibus normal custa 4,05, e a cidade é relativamente pequena. Os trajetos são curtos. Se forem duas pessoas indo juntas o Uber X já praticamente empata no preço.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!