Uma olhada nos melhores smartphones que não são vendidos no Brasil

A tela infinita do Mi Mix 2, da Xiaomi.

Entre trambolhos com o novíssimo Snapdragon 845, protótipos feitos pela própria Qualcomm para apresentar os recursos do seu chip recém-anunciado, havia uma bancada em formato de prancha — pois Havaí — com alguns smartphones da geração passada, com Snapdragon 835. Foi uma boa oportunidade de ver alguns dos melhores aparelhos atualmente à venda e que não chegaram (nem chegarão) ao Brasil.

Dali, apenas o Galaxy Note 8 e o Xperia XZ1 são comercializados aqui. Os demais, não. O mais concorrido era o Razer Phone, um smartphone com ângulos retos, todo “quadradão”, que se destaca pela tela com taxa de atualização de 120 Hz, mesma frequência da do iPad Pro e, por ora, algo único em smartphones.

Detalhe da tela do Razer Phone.
Quadradão e enorme: este é o Razer Phone. Foto: Rodrigo Ghedin.

A imprensa especializada fez bastante barulho por conta desse recurso. Nas configurações, é possível alterar a taxa livremente, dos 90 Hz (padrão) para menos ou o máximo (120 Hz, que consome mais energia). É notável a diferença: a rolagem de tela não distorce os textos. Mas não é uma mudança tão grande quanto a leitura de análises do Razer Phone e do iPad Pro sugere.

Muitos desses textos dizem que é difícil voltar a um smartphone convencional, com taxa de atualização a 60 Hz. Talvez seja após um período maior que os poucos minutos que tive ali para usá-lo. Ou talvez não. Se não, é o tipo de tecnologia que é legal ter, mas que não justifica a compra de um novo.

Detalhe na parte superior da tela do Mi Mix 2, da Xiaomi.
A tela infinita do Mi Mix 2 é linda. Foto: Rodrigo Ghedin.

Outro que se destaca é o Mi Mix 2, da Xiaomi. Em 2016, o modelo anterior dessa linha inaugurou a onda de “telas infinitas”, ou seja, praticamente sem bordas frontais. Ele é, de fato, muito bonito. Essa beleza aparenta cobrar poucos comprometimentos, sendo o mais óbvio deles a câmera frontal na borda inferior, uma posição bem esquisita.

A tela infinita aparece também no Pixel 2 XL, do Google, e no OnePlus 5T, do conglomerado chinês BBK. Elas trazem pelo menos um benefício real, que é o de diminuir o tamanho físico dos smartphones mantendo as telas enormes. E são lindas.

Detalhe do OnePlus 5T.
A OnePlus faz smartphones potentes, discretos e funcionais. Foto: Rodrigo Ghedin.

A outra vantagem é competitiva e de percepção. Quase toda a indústria se mexeu para lançar celulares do tipo em 2017; as fabricantes que não acompanharam, caso da HMD Global e seu Nokia 8 (também exposto ali), ficaram com produtos com cara de “antigo”.

De qualquer forma, seu Galaxy S7 ou iPhone 7 não precisa ser trocado porque o ganho que as telas infinitas trazem é marginal. Quando chegar a hora de trocar de aparelho por outros motivos, é bem provável que o mercado já esteja inundado de modelos com telas infinitas e isso deixará de ser um fator de decisão.

Estar em contato com tantos aparelhos de ponta ao mesmo tempo reforçou a sensação de que nunca estivemos tão bem servidos pelas empresas e que a escolha entre um e outro passa aspectos mais subjetivos do que objetivos. O maior risco que se corre é o de acabar com uma unidade defeituosa, um cenário anormalmente comum com o Pixel 2 XL.

Pixel 2 XL com a tela ligada.
Esta unidade, pelo menos, aparentemente estava sem problemas. Foto: Rodrigo Ghedin.
Detalhe da câmera do Pixel 2 Xl.
Mesmo com uma câmera, o Pixel 2 XL faz bonito em fotografia. Foto: Rodrigo Ghedin.

Gosta de iOS? Qualquer iPhone à venda te satisfará. Quer uma câmera sensacional? Pelo menos quatro smartphones oferecem câmeras incríveis com diferenças em pós-processamento — ou seja, gosto pessoal. Por fim, você confia na tradição das empresas veteranas do ramo como Apple e Samsung; nas novatas, caso da Razer; ou está disposto a apostar no desconhecido e aproveitar o custo-benefício imbatível de chinesas como a Xiaomi?

Rodrigo Ghedin viajou a Maui, Havaí, a convite da Qualcomm e segurou seu celular por quase 10 minutos apontando para o horizonte a fim de registrar um timelapse do pôr do Sol no Pacífico.

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 comentários

  1. Na verdade o primeiro a ter uma tela 120 Hz foi um Sharp, coincidentemente também foi essa marca a lançar o primeiro aparelho com bordas mínimas no topo e laterais. Mas são protótipos basicamente, servem para outras lançarem, vide Xiaomi, que popularizou o conceito.
    Eu ficaria eufórico de ter uma bancada dessas na minha frente, assim como de estar no Havaí (e o timelapse ficou lindo).
    Agora te faço uma pergunta, Ghedin, essas tecnologias todas não te dão vontade de trocar o iPhone por algum top de linha completo?

    1. Obrigado pelos lembretes da Sharp! Pelo jeito, ela é quase a Xerox dos anos 1970: inventa, mas tem dificuldade em comercializar e capitalizar em cima das suas criações.

      Quanto à pergunta, não tenho vontade, não. A tecnologia de smartphones é muito homogênea (em parte, pelo trabalho que a Qualcomm faz no seu SoC que quase todas as OEMs usam). O iPhone se distingue nesse aspecto (só ele tem o SoC da Apple) e em software (só ele tem o iOS).

      Não que o Android não me serviria; usaria sem muito problema. Mas, no conjunto da obra, ainda prefiro a oferta da Apple e a integração que ela traz de carona.

  2. Estou realmente tentado a comprar um celular na Gearbest. Ou algum da Xiaomi ou o último lançamento da Oukitel, o Mix 2.
    Alguém aí tem alguma experiência sobre comprar celular de sites chineses para comentar?

    1. Eu comprei um Xiaomi Redmi 3S do vendedor-loja “Fantacy” no Aliexpress em agosto de 2016, e em setembro último comprei um Redmi Note 4 na Gearbest.
      Vale muito a pena importar, o Aliexpress tem um ótimo serviço de intermediação entre comprador e vendedor, de modo que é muito dificil um cliente ser lesado por algum vendedor mau caráter. Já a Gearbest cobra pelo seguro, mas não é nenhum valor abusivo, é até barato na minha opinião.
      Geralmente os produtos chegam ao Brasil, mais especificamente em Curitiba, entre 15 a 20 dias, e é aí que o bicho pega. Um smartphone sempre é taxado, geralmente é um taxa de R$200 + R$12,00 dos Correios.
      Sugiro que procure grupos no Facebook como o “Xiaomi 2.0”, “Importa Mais -Simples e Fácil” e “Operação Pega Leão” para ver mais experiências sobre importação e aparelhos chineses.

    2. tente a banggood e evite a gearbest. tenho visto muitas pessoas que estão recebendo pacotes detonados da gearbest. só q tambem não sei se são os correios br (talvez). por via das dúvidas, compre da banggood que é tão boa quanto.

    3. Obrigado pessoal.
      Como esse Mix 2 da Oukitel é lançamento, vou aguardar um tempinho, até as primeiras reviews aparecerem no site e ver qual é a dele. Porque as especificações estão realmente animadoras.
      No mais, eu compro dos sites chineses há pelo menos 8 anos, só celular que nunca comprei. Mas bugigangas em geral, HD externo, caixas de som bluetooth etc, já comprei muito. E vale muito a pena.

    4. Comprei um Redmi 4 Pro na Aliexpress. Levou 1 mês e meio pra chegar em minha casa. Taxado em 315. Sou de Santa Catarina. Pelo jeito têm estados que cobram menos.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!