iPhone sobre mesa com mensagem pró-privacidade escrita por cima da imagem.

A Apple deveria mudar este detalhe do iOS para manter seu discurso pró-privacidade coerente


16/4/19 às 8h45

A nova campanha de marketing da Apple ressalta a privacidade que a empresa garante em seus produtos (veja o vídeo). Não é de hoje que a Apple transformou a privacidade em argumento de venda — e item de luxo — em contraponto ao Android do Google e a praticamente toda a indústria de tecnologia. Por isso, ao ver a nova campanha da Apple, a Fundação Mozilla trouxe à tona um questionamento pertinente: e o IDFA?

IDFA é a abreviatura em inglês de “identificador para anunciantes”. Trata-se de um número único que todo iPhone tem e que pode ser acessado por aplicativos e anunciantes a fim de traçarem perfis de consumo e comportamento dos usuários. “É como um vendedor que te segue de loja em loja enquanto você faz compras e registra cada produto que você olha”, compara a Mozilla.

Embora o iOS e o tvOS (do Apple TV) ofereçam uma opção que, ativada, anula o IDFA, a Mozilla argumenta que ela não deveria ser opcional, mas sim vir ativada por padrão. Dada a ênfase com que a Apple ressalta a privacidade dos seus produtos, parece um pedido razoável.

A opção fica em Ajustes > Privacidade > Publicidade. Ali, ative o seletor de Limitar Publicidade Rastreada.

Print das configurações do iOS onde é possível anular o IDFA.
Ative esta opção para não ser monitorado. Imagem: Apple/Divulgação.

Não encontrei confirmação, mas aparentemente o iOS retorna à opção padrão do IDFA toda vez que é atualizado. Então, lembre-se de reativar a limitação sempre que atualizar o sistema.

Esse recurso já teve uma melhoria importante em 2016, no iOS 10. Até então, ao limitar o compartilhamento do IDFA, o sistema enviava a apps que o requisitava um “alerta”. Desde então, passou a mandar um IDFA padronizado (uma sequência de zeros). Desse modo, fica mais difícil a anunciantes conseguirem identificar um aparelho por outros sinais. Bom, mas de nada adianta esse cuidado se a maioria dos usuários jamais descobrir que esta opção existe.

A Mozilla colocou no ar um abaixo-assinado para pressionar a Apple a mudar o comportamento padrão do iOS em relação ao IDFA. A fundação propõe um meio-termo: que a Apple altere automaticamente o IDFA dos aparelhos mensalmente. Desta forma, os usuários ainda receberiam anúncios personalizados, mas ficaria mais difícil aos anunciantes criarem perfis detalhados.

A Mozilla reconhece que a Apple tem um “histórico notável de proteção da privacidade do usuário” e diz que, além de alinhar discurso e prática, a mudança na configuração do IDFA tem o potencial de reverberar em toda a indústria. “Se a Apple fizer essa mudança”, diz a Mozilla, “não seria apenas a privacidade do iPhone que melhoraria — ela enviará ao Vale do Silício a mensagem de que os usuários querem empresas que resguardem sua privacidade por padrão”.

O mesmo no Android

Por incrível que pareça, o Android tem uma opção similar. Para desativar o identificador de publicidade, acesse as configurações, entre em Google e, depois, em Anúncios. Ali, ative a opção Desativar a Personalização de anúncios. Note que, em alguns modelos de Android, o caminho para se chegar a essa configuração pode ser levemente diferente.

Prints mostrando como desativar o ID de personalização de publicidade no Android.
Caminho na One UI, interface dos celulares Android da Samsung.

É uma boa ideia, caso o seu intuito seja limitar a exibição de publicidade segmentada, desativar essa personalização em sua conta Google também. Para isso, acesse a página de configurações de anúncios, certifique-se de estar logado em sua conta e, nessa tela, desative o grande seletor de personalização de anúncios.

Apenas para reforçar: em ambos os casos, Android e iOS, desativar a personalização não significa bloquear os anúncios. O que muda é que, em vez de os sistemas automatizados de entrega de publicidade terão menos sinais de interesses e gostos na hora de servir as peças publicitárias.

Imagem do topo: Apple/Divulgação.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês