A sina do Brasil é exportar commodity e a internet não vai mudar isso

Xícara com grãos de café sobre mais grãos de café.

No final do século XVII, Portugal tinha um problemão nas mãos.

Em 1695, ano da morte de Zumbi dos Palmares, o outrora grandioso, aventureiro e rico Império Colonial Português parecia estar com os dias contados. Sessenta anos de União Ibérica (a fusão com a Espanha por falta de herdeiros do trono português) e quase um século de guerra contra os holandeses haviam dilapidado os recursos, aniquilado o comércio de especiarias no Oriente e reduzido substancialmente a vastidão dos territórios ultramarinos do reino. A economia do açúcar no Nordeste brasileiro (até então a maior fonte de receita na colônia) estava em crise devido à concorrência dos novos engenhos ingleses, franceses e holandeses na região do Caribe. Os preços caíam em virtude do excesso de oferta. Havia também novos concorrentes no tráfico de escravos, atividade na qual Portugal tinha sido virtualmente monopolista até um século antes. Por toda a costa da África despontavam agora novas fortificações e feitorias de outros povos europeus, incluindo até mesmo suecos, dinamarqueses e alemães.

O trecho vem de Escravidão, um livro fundamental em que Laurentino Gomes mergulha no processo que mais profundamente impactou e moldou a sociedade brasileira. O livro deveria ser leitura obrigatória a todos os brasileiros.

Açúcar era um negócio economicamente maravilhoso. A substância era tão rara que monarcas, quando morriam, colocavam em seus testamentos quantos blocos de açúcar tinham armazenados. Com a concorrência de engenhos de outros países, a Corte portuguesa precisava de um milagre para conseguir repor o cofre depenado pelas guerras e manter o alto nível de luxo dos monarcas e aristocratas.

O milagre apareceu numa região montanhosa que era o foco de algumas bandeiras saídas da vila de São Paulo do Piratininga em busca de índios.

As descobertas nas Minas ocorreram (…) quase simultaneamente em diferentes lugares, mas sempre ao longo da linha que se estende entre as atuais cidades de Ouro Preto e Diamantina. Aí, o ouro estava esparramado em quantidade espantosa no leito dos rios e riachos. (…) Qualquer que fosse o tipo ou a cor, era ouro farto: por todo lado havia punhados que durante milhões de anos se soltaram das fendas rochosas daquele maciço, a antiquíssima formação geológica de Minas Gerais.

Começa aí o ciclo do ouro. A descoberta de jazidas gigantescas de ouro e outros metais preciosos serviu para compensar a queda na receita com o açúcar e encher, de novo, os cofres do Império. Portugal, quase por um passe de mágica, puro golpe de sorte, voltava a ser rico.

Se você quiser entender mais a fundo esse momento da história brasileira, tem um livro excepcional chamado Brasil: Uma biografia, de Heloisa Maria Starling e Lilia Schwarcz, de onde eu tirei a frase acima. Como diz o título, a obra traça uma biografia do país desde antes do descobrimento até as manifestações de 2013. É um livro que amarra muito bem os diferentes episódios que a gente estudou desde sempre na escola, com a vantagem de que agora você pode entender por prazer, sem a obrigação de lembrar para tirar nota.

A partir da descoberta de que as montanhas de Minas Gerais guardavam uma quantidade monstruosa de metais valiosos, a região começou a ser povoada e dali se seguiram exploração do ouro, o derrame, Aleijadinho, a Inconfidência Mineira, Tiradentes picotado pela cidade e por aí vai. O ponto aqui não são os episódios detalhados da história, mas a maneira como o Brasil, frente à crise do açúcar, se beneficiou de uma milagre para manter sua relevância econômica explorando, taxando e exportando um recurso natural. Assim como o resto das economias — mais as desenvolvidas, menos as em desenvolvimento —, o Brasil acompanhou os trens econômicos que se seguiram: a industrialização mais pesada no século XIX e a digitalização da economia atualmente são alguns dos exemplos mais recentes.

Depois da cana e do ouro, o Brasil ainda passou por outros ciclos econômicos como o do café, o da borracha e o da agropecuária, que a gente pode considerar nosso atual, junto ao digital. Todos esses ciclos seguiam, mais ou menos, o mesmo roteiro: o financiamento para construção de grandes operações, o uso de mão de obra de graça (escravos) ou extremamente barata (imigrantes), a ascensão de alguns barões e a exportação como foco. Em todos esses ciclos também, o país manteve a mesma sina: a de exportador de commodities.

A força da nossa economia é tirar do chão alguma coisa, seja uma planta ou um animal criado ou barris de petróleo, e vender para quem tenha interesse em comprar. Os bons resultados da economia brasileira a partir de 2010 e a rápida recuperação do país frente à crise mundial desengatilhada pelo estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos em 2008 são consequências diretas de uma economia chinesa super aquecida que comprava o que o Brasil produzia: soja e proteína animal para alimentação, principalmente. Sempre que o mercado global passa por um momento de aquecimento em que precisa de commodities, a economia brasileira, provedora de commodities, tende a ir bem.

O roteiro é sempre parecido: sem uma indústria nacional calcada em pesquisa capaz de transformar aquelas matérias-primas em produtos de maior valor agregado, resta ao Brasil vender a commoditie e comprar, por preços maiores, o produto transformado de países desenvolvidos. É uma lição que todos tivemos enquanto estivemos na escola. Há um exemplo bastante recente sobre o fenômeno: o café.

Desde o século XIX, com o esgotamento do ciclo do ouro em Minas Gerais, o Brasil se focou em ocupar grandes terrenos com terra roxa em São Paulo para plantar o grão que era o bicho no mercado internacional de então, assim como a açúcar tinha sido séculos antes. O mundo queria beber café e, como era o maior produtor global, o Brasil tinha a capacidade de influenciar diretamente no preço do grão para tornar os ganhos ainda maiores. Na virada para 1900, nenhuma atividade rendia tanto dinheiro como a exportação de café e assim o cenário se manteve até a crise mundial de 1929. Enquanto durou, o ciclo do café foi tão relevante que determinou a cúpula da República brasileira por quase 25 anos. Os barões do café paulistas se aliaram aos barões do leite de Minas Gerais para formar a política do café com leite: mineiros e paulistas se alternavam na presidência e nos principais ministérios do Brasil.

O ciclo do café foi relevante também a ponto de grudar no Brasil a imagem de país do café. É uma imagem que não se segura mais. Na ponta do lápis, o país do café nas últimas duas décadas é, na verdade, uma nação pouco menor que o Estado do Rio de Janeiro: a Suíça.

Desde a década de 1970, o conglomerado Nestlé, que já dominava o setor de café solúvel, passou a investir em máquinas que fazem café espresso. A ideia decolou na Europa a partir da década de 1990, com máquinas baratas, café em cápsulas vendidas pela internet e lojas dedicadas à plataforma. A Nespresso virou uma divisão independente e, nos últimos 20 anos, se tornou o padrão para café de luxo no mundo todo. Entre em algum hotel 4 ou 5 estrelas na Europa e você encontrará máquinas sofisticadas da marca com um batalhão de cápsulas. Entre numa casa de classe média baixa no Brasil e existe uma chance de você encontrar uma máquina simples com algumas cápsulas, mesmo que não originais.

A história da Nespresso é impressionante por algumas razões. Para começo de conversa, a Nespresso pisou nas pegadas da Apple para transformar uma máquina de café em um gadget que mesmo gente não muito apaixonada pela bebida tem em casa. É uma evolução do iPhone na capacidade de convencer gente de fora do setor a pagar para ter o gadget. Ao mesmo tempo, o elã de glamour e sofisticação fez da Nespresso uma bebida que atravessa classes sociais — a classe média abraçou com fervor as cápsulas, o que não fez com que os hotéis de luxo, por exemplo, as abandonassem. Por fim, a máquina fez tanto sucesso que virou um padrão de mercado. Quando as patentes começaram a expirar, rivais diretos foram obrigados a criar cápsulas sob as especificações da Nespresso. Entre em qualquer mercado hoje e veja a parede de cápsulas de outras marcas que não a original. Até a Starbucks entrou na onda. Uma das vantagens de ser uma plataforma é determinar o que seus rivais podem fazer ali dentro — Apple, Facebook e Google que o digam.

O que mais me chama a atenção na história da Nespresso é como a Suíça virou o novo hub global para café. Em exportações, o país está atrás só de Brasil, Colômbia, Vietnã e Alemanha. Mas o principal aqui está nos números crus. Os três primeiros são exportadores clássicos de saca, o café bruto. A Alemanha se notabilizou por importar, processar e exportar café sem esse grande esforço de marca. O grande dado a se analisar aqui é o volume necessário para fazer essa receita. Em 2013, por exemplo, a Suíça vendeu quase US$ 2 bilhões em um volume de quase 48 mil toneladas. A Alemanha faturou US$ 1,13 bilhão em 183 mil toneladas, quase metade do valor para um volume quase quatro vezes maior.

A margem do café suíço é muito maior que qualquer outro café no mundo: o site Quartz calcula que, enquanto uma libra (ou quase meio quilo) de café bruto custava US$ 2, o exportado pela Suíça saía por US$ 18,75. Essa é a mágica da Nespresso: você fazer um país minúsculo que planta pouquíssimos pés de café ganhar muito mais dinheiro com o grão do que países que estão há mais de um século na labuta. Nessa gangorra, o Brasil está para baixo.

Voltamos à lição escolar: o Brasil vende commodity para comprá-la processada — mais cara — lá adiante. A gente pode ver esse fenômeno do café nos dados de importação e exportação do Ministério da Economia. Comecemos com as exportações: em valor, o filé mignon das exportações de café do Brasil é o grão não descafeinado não torrado. Ele é responsável por mais de 90% do valor das exportações nacionais de café. A curva de crescimento mostra que o ápice foi em 2011, mas parece mais um ponto fora da curva, já que ela cresce muito em comparação a 2010 e cai muito em comparação a 2012. Desde 2014, porém, a curva só aponta para baixo.

Gráfico de exportação de café do Brasil, 1997–2018.
Dados: Ministério da Economia. Gráfico: Guilherme Felitti.

Se a exportação de café parece estar numa fase ruim, vamos ver como estão as importações de máquinas e cápsulas. O comércio exterior global usa vários sistemas de códigos para classificar fiscalmente os produtos. O Brasil usa o sistema do Mercosul, chamado de Nomeclatura Comum do Mercosul (NCM). Estou explicando isso porque não dá para você buscar nos dados por Nespresso. Você tem que, primeiro, descobrir o NCM do produto. O NCM de reatores nucleares é 84011000. Com essa informação, você pode ver que o Brasil já importou 550 reatores nucleares em 2019. O número só perde para os 1.003 importados em 2007. Para fazer o quê? Não tenho a menor ideia. O NCM das máquinas de café e chá, o assunto aqui, é 85167100. É um dado que exige a “grain of salt” (falaí, Luciana Gimenez), já que engloba todas as máquinas de café e chá, não apenas a de um fabricante, ainda que existam formas de extrair essa informação. Nós vamos nos focar aqui no mercado de maneira geral.

Gráfico de importações de máquinas de café e chá, 1997–2019.
Dados: Ministério da Economia. Gráfico: Guilherme Felitti.

Na categoria “Aparelhos para preparação de café ou de chá, eletrotérmicos”, o crescimento acelera a partir de 2007. A curva é parecida com a de exportação de café bruto, com uma diferença: ela se mantém depois do ápice. O ápice da importação de máquinas de café no Brasil foi em 2015, quando os gastos eram mais de quatro vezes maiores em comparação a 2007.

Gráfico de importações de cápsulas de café, 1997–2019.
Dados: Ministério da Economia. Gráfico: Guilherme Felitti.

Se considerarmos as cápsulas, o movimento é idêntico: a partir de 2007, a curva de crescimento aponta para cima. O ápice, aqui, é mais tarde que o das máquinas, 2017. Se os dois dados ainda não te convenceram da responsabilidade da Nespresso nesse movimento, outra observação: o valor médio de cada máquina no mesmo período triplicou. Nesse volume, não foi chaleira eletrônica ou máquina de espresso italiano quem causou a onda.

Depois que o mercado europeu estagnou, a Nespresso virou suas atenções para os países de quem compra o café bruto. Maior exportador de café bruto do mundo, o Brasil gasta uma parte do dinheiro ganho na exportação importando um produto manufaturado que custa nove vezes mais que o vendido.

O sucesso local da Nespresso é um exemplo claro de como, no fundo, o Brasil mantém sua sina de trocar pau-brasil por espelhinho. Isso até em áreas onde não temos produtos ponderáveis. Segundo os dados do Ministério da Economia, soja, minério de ferro, petróleo e açúcar continuam puxando a fila dos produtos exportados por aqui, mas o brasileiro virou uma grande força exportadora de um bem extremamente valioso na economia digital: a atenção.

Colonialismo digital

No dia 29 de setembro de 2009, um conglomerado sul-africano chamado Naspers divulgou um fato relevante ao mercado — uma obrigação a qualquer empresa de capital aberto que fazia alguma movimentação relevante —, informando que tinha fechado a compra de um comparador de preços brasileiro chamado Buscapé. Pelos acordos do negócio, a Naspers pagaria US$ 342 milhões por 91% da empresa, o que lhe conferia um valor total de mercado de US$ 375,8 milhões.

Durante mais de uma década, a transação foi o segundo maior negócio da internet brasileira. Fundado uma década antes por quatro colegas de faculdade, o Buscapé ganhou relevância por ser tornar o ponto de partida de muitos brasileiros na hora de pesquisar um produto antes de comprá-lo. Na época, ninguém do mercado se assustou com o valor. Vamos lembrar que estávamos em 2009, prestes a entrar naquele momento de altíssima euforia da economia brasileira, pré-capa da The Economist com o Cristo Redentor decolando.

Nos anos seguintes, dada a chegada de vários fundos focados em tecnologia ao Brasil com fome de encontrar bons negócios, houve quem defendesse que a compra do Buscapé tinha sido uma pechincha para a Naspers. De qualquer forma, o negócio inaugurou uma nova era de prosperidade na tecnologia brasileira. A compra, fechada após meses de negociação, seria a primeira de uma série.

A Naspers foi ágil. Antes que todos os rivais chegassem, ela se fixou no Brasil e escolheu alguns dos mais relevantes players. Era uma estratégia que a holding mantinha também em outras regiões do mundo além da África, como a Ásia, por exemplo. Havia, porém, uma dúvida na cabeça dos mais atentos: por que um conglomerado de mídia da África do Sul comprou uma das principais startups brasileiras, e não o contrário? Em 2009, o Brasil tinha mais internautas (~56 milhões) do que a África do Sul tinha população (~51 milhões).

Aquele negócio não foi uma exceção, como se nota facilmente hoje. Abra seu celular e veja os aplicativos instalados. Aposto meu braço direito (e eu sou destro) que a imensa maioria dos apps que você tem são de empresas estrangeiras ou fundadas no Brasil, mas compradas por gringos. Para começo de conversa, Facebook, Instagram, WhatsApp e todos os serviços do Google (Maps, Waze, Photos, Gmail, Drive) são norte-americanos. No transporte, deve ter a 99 (fundada no Brasil e comprada pelos chineses da Didi), a espanhola Cabify (que englobou a Easy Taxi, fundada no Brasil mas financiada e administrada pela alemã Rocket Internet) e a norte-americana Uber. Para entretenimento, o YouTube, parte do Google, a norte-americana Netflix, a sueca Spotify e a outra norte-americana Apple. Para mensagens, os norte-americanos Facebook Messenger, WhatsApp, Instagram, Snapchat e iMessage e o chinês TikTok, que vem bombando nos últimos meses. Que mais? Quase todos os serviços que usamos nos smartphones são de empresas estrangeiras. Na chamada “economia das apps”, o Brasil participa praticamente só como plateia.

Existem algumas exceções, como os aplicativos de bancos ou de planos de saúde. Esses apps, porém, são canais de serviços que não nasceram na internet. É muito mais fácil pagar conta usando o código de barras e procurar um oftalmo baseado na sua localização (aliás, preciso lembrar de marcar o meu) usando o telefone, mas nem o banco nem o plano de saúde surgiram por causa da internet. Conglomerados de mídia nacionais também entram nessa categoria — você usa os apps para ler e ouvir a Folha de S.Paulo, o Estadão, a CBN, o Valor e as novelas da Globo no Globoplay. A exceção de serviço online de sucesso fundado no brasileiro e (ainda) nas mãos de investidores e empresas brasileiras é o iFood, fruto de uma estratégia agressiva de compra e fusão feita pela Movile, o unicórnio brasileiro nascido em Campinas (SP) para oferecer serviços a operadoras de telecomunicações. A diferença entre a popularidade desses apps e de Google e Facebook, porém, é gigantesca.

Por que é importante discutir a posse de serviços que usamos diariamente? No começo de setembro, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) divulgou um relatório alertando para os perigos que essa concentração de poder nas mãos de poucas empresas representa, principalmente para os países onde seus serviços são muito populares. Segundo o relatório, sete companhias da China e dos EUA — Microsoft, Apple, Amazon, Google, Facebook, Tencent e Alibaba — concentram dois terços do valor total do mercado digital, num total de assombrosos US$ 7,1 trilhões. Para atingirem essa cifra astronômica, todas replicaram pelo mundo uma abordagem parecido aos ciclos do açúcar e do ouro. Como bem resumiu à BBC Brasil Pilar Fajarnes, uma das autoras do estudo:

O perigo que vemos para o Brasil e outros países é que essas grandes empresas de dados operam como as indústrias extrativistas, que retiram os minerais, o petróleo, refinam, vendem de volta e se beneficiam desproporcionalmente dessa troca.

O bem explorado desta vez são os nossos dados pessoais. Ter pouco controle sobre a coleta e o fluxo dos dados pessoais é uma atividade que não acaba em si. A inteligência artificial é uma área que só funciona bem quando é alimentada com dados granulares (ou seja, não agregados) e atualizados. Quem tem acesso às fontes de dados tem também uma vantagem monstruosa para treinar e colocar em prática algoritmos capazes de fazer predições exatas. Conforme o volume de dados cresce (pense no Facebook, que já sabia muito sobre você quando comprou o Instagram e o WhatsApp), a ficha corrida que o serviço tem de você cresce, assim como a probabilidade de indicar possíveis produtos ou serviços que possam lhe interessar. Mas e se o pessoal não consegue pagar por uma internet móvel? Entendeu agora por que o Facebook tentou implementar internet gratuita pelo FreeBasics, antigo Internet.org, inclusive no Brasil? Com esse perfil traçado, a empresa consegue dinheiro de anunciantes interessados em saber quem tem maior probabilidade de engajamento com peças publicitárias. Inteligência artificial é uma área que já começou, mas ainda está engatinhando e suas consequências deverão ser profundas e sentidas pelas próximas décadas, sem ter qualquer sinal de reversão.

Quem controla os dados, controla os algoritmos de inteligência artificial e canaliza para si, sem intermediários, futuras valorizações na bolsa. Bingo. Quem só fornece os dados continua no papel de plateia. “Ao pagar às plataformas estrangeiras para ter acesso à inteligência gerada com base na sua própria população, suas empresas nacionais, menores, não conseguem se desenvolver. E o país acaba dependente desse comércio deficitário de modo praticamente irreversível, diz a ONU”, diz Fajarnes. É uma prática que a UNCTAD chama de “colonialismo digital”. Até quando? Longuíssimo prazo. Essa disputa não acaba ano que vem ou na próxima eleição presidencial. Os efeitos deste ciclo serão sentido por décadas, talvez séculos.

Os pontos cegos brasileiros

Entenda o que eu não estou falando aqui. Chamar atenção e analisar o “colonialismo digital” em curso no Brasil não significa personificar o Aldo Rebelo, esse Policarpo Quaresma da política brasileira que tentou proibir anglicismos e forçar a inclusão de farinha de mandioca no pão francês, ou defender que o governo deveria se intrometer. Convenhamos, o cenário não é uma exclusividade brasileira: Google e Facebook dominam todos os mercados onde entram. Nos países em que há grandes players locais brigando contra ambos, houve ação do Estado para facilitar esse embate: o buscador Yandex na Rússia e todo o ecossistema digital da China, por exemplo.

Em algum momento na última década, com o surgimento de uma cena vibrante de startups, o Brasil acalentou a ideia de que seria capaz de quebrar essa sina de exportador de commodities. A tecnologia, repetiam muitos dos Policarpos Quaremas digitais, seria o caminho para o Brasil, finalmente, virar o país do futuro. Naquela euforia, parecia óbvio que, dado o potencial do brasileiro em usar e se apropriar de ferramentas online, o próximo Facebook poderia muito bem sair de alguma periferia brasileira. A gente já falou sobre isso em outro Tecnocracia: é balela. A estrutura de capitais do Brasil para tecnologia ainda engatinha em comparação à de outros países. Assim como a Naspers passou o rodo no mercado há uma década, a Tiger, o SoftBank e a GP Investimentos fizeram o mesmo em outras épocas. Dessas, a única com capital brasileiro era a GP, primeiro grande fundo a investir em internet no Brasil. O homem por trás da GP daquela época é o mesmo por trás da Innova Capital, que lidera investimentos na Movile junto com a Naspers: Jorge Paulo Lemann, o brasileiro mais rico da atualidade e sócio do 3G Capital, que tem fatias generosas de empresas como AB InBev, Kraft Heinz e RBI (do Burger King).

A teoria de que o Brasil quebraria esse ciclo não anteviu dois pontos cruciais.

O primeiro: commodity não é, necessariamente, palpável. Não precisa ser algo que você tira de uma mina ou planta. A atenção da centena de milhão de internautas no Brasil é uma commodity extremamente abundante que exportamos diariamente para servidores nos Estados Unidos, na Europa e na China.

O segundo ponto crucial: a exploração de commodities não prepara, necessariamente, a indústria local para saber transformá-las em produtos ou serviços de maior valor agregado. O Brasil ainda é o maior exportador de café do mundo, mas nunca chegou perto de parir uma Nespresso. Da mesma maneira, ter uma multidão de pessoas grudadas no celular durante horas todos os dia e usando ferozmente serviços gratuitos não significa que esse público terá os incentivos e condições ideias para criar os mesmos serviços que consome.

“Ah, Guilherme, você é muito azedo. Muito brasileiro ficou rico com os apps, ainda que sejam de empresas estrangeiras”. Sim, assim como havia barões do café e donos de engenhos no ciclo do açúcar. O ponto não é a criação de riqueza, mas a construção de um ecossistema que possa evoluir de maneira sustentável pelas próximas décadas, que dê uma posição mais relevante ao Brasil frente ao cenário global. O Brasil é um mercado importante para empresas de internet da mesma maneira como as Minas Gerais foram fundamentais para que Portugal saísse do buraco financeiro no século XVIII. A hora que não for mais interessante, tchau e bênção. E ficamospara trás nós, numa sociedade profundamente impactada pelo modelo escravocrata de trabalho, minas exauridas de minérios e multidões de pessoas com síndrome do pânico por não conseguir desgrudar do celular.

“O Brasil está na lanterna da corrida digital. Em 2017, segundo dados da União Europeia citados no relatório da ONU, o impacto direto do valor da indústria da informação na economia brasileira foi de apenas € 6,3 bilhões, com plataformas como iFood e NuBank. No Japão, por exemplo, o impacto direto da economia da informação chega a quase € 30 bilhões, na Europa a € 65 bilhões e nos Estados Unidos a € 113 bilhões”, segundo a BBC Brasil. No Ranking Global de Competitividade Digital, o professor Arturo Bris, da Universidade de Lausanne, da Suíça, elenca 63 países baseado em eficiência. O Brasil ocupa a longínqua 57ª posição. O discurso pode ser de império, mas a realidade é de colônia.

Foto do topo: andivander/Pixabay.

Acompanhe

Newsletter (toda sexta, grátis):

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 comentários

  1. Hoje saiu um bom vídeo no canal do Átila (Nerdologia) sobre o valor das coisas. Ele dá bons exemplos sobre vários aspectos, mas, o que mais me chamou atenção, sobretudo porque dialoga com o seu texto/podcast, é a história da invenção e descoberta do Captopril.

    O Captopril é um remédio pra hipertensão que tem como base um peptídeo encontrado no veneno das cascavéis e que foi descoberto pelo pesquisador brasileiro Sergio Ferreira (USP) que isolou esse composto do veneno das cascavéis do serrado brasileiro depois de perceber que quem era picado pela cobra apresentava uma baixa acentuada de pressão arterial. O problema é que aqui no Brasil, nos anos 60, quando o Sérgio estava pesquisando esse composto, se instaurou a ditadura civil-militar e ele, perseguido como a maior parte dos professores e pesquisadores da época, pediu asilo político e foi trabalhar e morar no Reino Unido. Lá ele continuou a pesquisa sobre o Captopril e acabou publicando o seu trabalho pela universidade estrangeira. Esse trabalho, posteriormente, rende um Nobel e uma empresa farmacêutica inglesa transformou a patente do Captopril em um remédio comercial (depois de muito desenvolvimento com base na pesquisa de base do brasileiro e da sua equipe a empresa conseguiu sintetizar o composto sem precisar mais extrair veneno das cascáveis). Esse remédio salvou milhares de vidas desde então e, além disso, rendeu bilhões em patentes e vendas pelo mundo todo. E tudo começou com uma pesquisa de base no Brasil advinda da nossa fauna/flora.

    No final do vídeo o Átila faz um comparação com o que se ganha vendendo carne, soja e o que se ganha vendendo remédios (entre eles o Captopril das cascáveis). A diferença é na casa da centenas de bilhões de dólares.

    Não vejo muito saída, contudo, pro Brasil como país. Nossas elites lucram muito transformando-nos numa fazendo e uma mina de exploração. É muito mais fácil queimar a floresta, serrado e mata atlântica em troca de alguns bilhões para famílias que exploram o país desde as sesmarias (né Itaú) do que se preocupar em gastar dinheiro (muito) para ganhar muito mais dinheiro depois (muito mesmo) com patentes e tecnologia. O apelido do Brasil não é “Sogil” por nada. Por isso mesmo, acho que o Brasil não tem uma “sina” de ser assim, isso é um projeto de quem manda. De quem tem dinheiro.

    Quem quiser ver o vídeo (~31 minutos) vale a pena: https://www.youtube.com/watch?v=ymMVm7Rnaak

  2. A cada final de episódio é sempre esta mistura de sentimentos: uma empolgação com a explanação com propriedade sobre o tema, e a ‘bad vibe’, dado o foco na parte não-tão-legal-assim da tecnologia, mas é necessário.

    Com relação ao tema desta quinzena, acredito que saída precoce do país de grandes talentos tem muito a ver no impacto na área de pesquisa e desenvolvimento feita por aqui.

    O desenvolvedor do kinect é brasileiro, fez sua carreira fora (fun fact: o nome do projeto antes de virar Kinect era ‘Natal’, referencia a cidade, não o feriado); O monstro da ciência o Palmeirense emérito Miguel Nicolelis só avançou suas pesquisas – e tocou seu polo de educação também no Rio Grande do Norte – após fazer carreira na Universidade de Duke, nos EUA.

    Sem pesquisas avançadas de base, não tem whatsapp, nem joguinho, nem app de entrega, nem match na madrugada.

    Uma pena, temos ótima cabeças pensantes e MUITO jogo de cintura para resolver problemas seja eles quais sejam, mas estamos ficando para trás.
    De novo.

  3. Eu postei o link desse tecnocracia lá no Reddit, mas vou aproveitar para comentar aqui também.

    As grandes empresas digitais possuem os nossos dados, mas parece que a nossa economia e o nosso governo ainda não conseguem entender isso direito. Falta uma discussão mais rebuscada sobre os nossos direitos na internet, sobre a importância da privacidade, mas também falta originalidade no empreendedorismo brasileiro, e aproveitar melhor a inovação criada nas universidades.

    Imagino que aqui não há muito sobre o que se fazer, mas de dar um diagnóstico preciso ao Brasil de hoje, frente ao “otimismo” de outras publicações com o espírito empreendedor brasileiro, mas que fica focado nas franquias de alimentação ou de cópias mal feitas de startups californianas.

    1. Acho bastante ingênuo dizer que o Estado não entende isso direito. Os entes do governo entendem muito bem desse tipo de política e de problema. A questão é que estamos sob a tutela de um governo neoliberal predatório que vai nos usar como moeda de troca ou mesmo produto.

      Algum tempo atrás o Dória pretendia vender os dados dos usuários do bilhete punico em SP. Poucos dias atrás o Bolsonaro assinou um decreto (?) que criava a base de dados universal do Brasil, reunindo boa parte dos nossos dados – que agora está sendo questionada pelo MP.

      Com que objetivo esses governos, amplamente capitalistas, criaram ou tentaram introduzir esse tipo de base de dados/venda de dados?

  4. Curioso: meu estado, Mato Grosso, quase nunca é lembrado quando se fala sobre o ouro. Foi tão importante quanto Minas.

    1. É verdade, Bruno. O ciclo do Ouro também envolveu Mato Grosso e Goiás, mas MG é sempre mais citada, provavelmente pelo desenvolvimento de Vila Rica e cercanias. O “Brasil – Uma Biografia” explica bem como Vila Rica era a São Paulo da época. Abs,

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!