Perfil de Rodrigo Ghedin aberto no app Creator.

O novo app do Facebook é ótimo para quem detesta o Facebook


21/11/17 às 14h43

Muita gente está no Facebook por não ter outra opção. São profissionais liberais, sites de conteúdo, pequenos estabelecimentos comerciais e pessoas que têm ali um importante, ou até o único canal de comunicação com gente que importa. Manter um perfil lá dentro sem se perder nas muitas distrações e/ou ser subjugado pela vigilância pesada que a rede social faz não é fácil, mas às vezes o próprio Facebook facilita. Um novo app oficial, chamado Creator, ajuda nesse sentido.

O Creator é a atualização do Mentions, app que era exclusivo para páginas e perfis verificados. (Falei do Mentions aqui.) Agora, ele pode ser usado por qualquer um, com selo de verificação ou não, e está mais direto. E é aí, na sua proposta mais simples e sem firulas, que reside o seu apelo para quem não gosta do Facebook, mas não tem como excluir seu perfil ou página.

Se tiver seu perfil pessoal cadastrado, ao abrir o Creator você verá as suas publicações mais recentes. É nisso que consiste a tela principal. Na fileira inferior, há botões para publicar conteúdo, ver as notificações e uma aba de estatísticas de vídeos. E só.

Três telas do Facebook Creator mostrando diferentes áreas do app.
Telas de divulgação do Facebook Creator. Imagem: Facebook/Divulgação.

Notou uma ausência? Sim, o feed. Ele ainda é acessível, tocando na aba “Seguindo” da tela principal, mas é algo tão discreto que levei dois dias para reparar que ela existia. Para todos os efeitos, o Creator permite fazer as duas coisas mais essenciais do Facebook, publicar conteúdo e ver as notificações, sem tentar o usuário com o buraco do coelho que é o feed.

Mas… por quê?

Há motivos de sobra para manter um pé atrás em relação ao Facebook. Das táticas usadas para manter os usuários “engajados” à sua dinâmica de funcionamento, que corrói o debate público, evitar o feed pode ser uma boa para perder menos tempo rolando-o a esmo.

Um dia talvez usemos ferramentas menos agressivas, mais preocupadas com os usuários para a maior parte da comunicação em rede. Coisas como o Signal ou newsletters pessoais (tenho uma, aliás!). Enquanto isso, a dosagem de Facebook no dia a dia depende muito da ação dos usuários; esperar algo do próprio Facebook no sentido de dar aos usuários um uso mais harmônico e comedido da rede é uma espera em vão.

O problema do feed do Facebook é que ele é muito bom em nos fisgar. Caso você sinta que está ficando muito tempo ligado nele, existem extensões que o escondem no computador e, no caso do celular, talvez valha a pena desinstalar o app e, quando necessário, acessá-lo do navegador — de quebra, a bateria durará mais.

E, aí sim, com esse controle posto, escolher momentos específicos para acessar o feed e se atualizar com os eventos de familiares e amigos.

“Tempo bem gasto”?

Obviamente, o Creator não foi feito para diminuir o uso do feed. Ele é destinado a criadores de conteúdo, especialmente de vídeo, e oferece alguns extras exclusivos para esse perfil, como estatísticas detalhadas e filtros e introduções para as lives, transmissões ao vivo feitas na plataforma.

Um aspecto curioso em torno dessa investida em vídeo no Facebook é que Mark Zuckerberg, na última conversa com investidores, se referiu a ela como “time well spent”, ou “tempo bem gasto” em tradução livre. É o nome da organização sem fins lucrativos lançada por Tristan Harris para conscientizar empresas de tecnologia que desenvolvem apps e redes sociais de que tornar suas criações viciantes gera implicações ruins às pessoas.

Talvez seja coincidência, mas pode ser uma apropriação do termo com o objetivo de esvaziá-lo ou deturpá-lo, algo similar ao que começa a ocorrer com “fake news”, cada vez mais usado indiscriminadamente para atacar notícias incômodas, porém legítimas.

Facebook Creator

O Facebook Creator é gratuito e pode ser usado para perfis pessoais e páginas, quando ganha mais funções como a caixa de mensagens unificada.

Até o momento, só está disponível para iOS — e, estranhamente, ele ainda aparece na App Store como “Facebook Mentions”. De acordo com o TechCrunch, a versão para Android está prevista para “os próximos meses”.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *