Talvez seja a hora de desinstalar o app do Facebook


15/10/15 às 14h15

No momento em que escrevo isto, o app oficial do Facebook é o segundo mais baixado entre os gratuitos para iPhone e o terceiro na lista correspondente do Android, na Play Store. Tamanha popularidade pode sugerir a interpretação de que se trata de um app bem feito. Porém, não é o caso. Mais que isso: é um app tão ruim e, em certo aspecto, desleal, que talvez desinstalá-lo represente um upgrade gratuito no seu smartphone.

O Facebook vive da coleta e processamento de dados do usuário, então não é de espantar que ele tenha uma gula incessante por mais dados. Tudo, até o que a gente escreve e não publica, é captado pelos servidores da rede social. Em dispositivos móveis a lista de permissões dos apps oficiais é grande e isso acaba impactando o desempenho do smartphone.

Tomemos o Android como exemplo. No final de 2014 a AVG liberou um estudo sobre o impacto de apps em smartphones com esse sistema. Foram analisados dados anônimos de mais de um milhão de usuários de apps da AVG para Android a fim de detectar, entre os apps mais populares do sistema (+1 milhão de downloads), aqueles que mais impactam o desempenho e os consumos de bateria e de espaço disponível no celular.

Sem surpresa, o app do Facebook foi o que mais afetou o desempenho geral. Nos outros rankings, de consumo de bateria e de armazenamento, ele ficou na terceira posição.

Ranking de apps mais gastões para Android.
Fonte: AVG.

O Android, pelo menos até a versão 6.0 “Marshmallow”, carecia de controles rígidos sobre as permissões dos apps. No iOS esse tipo de controle existe há mais tempo e vai além, permitindo, também, escolher quais apps podem ficar atualizando em segundo plano.

Em tese, essa possibilidade barra a atividade frenética do app do Facebook quando ele não está em uso, algo que, como efeito colateral, afeta a autonomia da bateria e o desempenho do iPhone. Mas parece que mesmo desmarcando o app para fazer atualizações em segundo plano, ele não para.

A denúncia foi feita por Matt Gilligan, ex-CEO do finado Circa. Gilligan reparou que mesmo expressamente proibido de fazer atualizações em segundo plano, o app do Facebook continuou ativo o dobro do tempo em que foi efetivamente usado. Nisso, em sete dias cerca de 15% do consumo de bateria do seu iPhone se deveu ao Facebook — o mais gastão, acima até do Safari.

Prints mostrando consumo exagerado de bateria do Facebook no iPhone.

Por que isso acontece? Outros estão tentando entender. Nick Heer aponta algumas teorias que sugerem táticas no mínimo questionáveis do Facebook para manter seu app ativo, atualizando em segundo plano, mesmo com a opção correspondente desmarcada nas configurações do iOS.

Entre elas, manter o sistema de áudio ativo após a visualização de algum vídeo (algo que apps de música fazem para continuar tocando quando o usuário abre outro app) e sobrecarregar o sistema de notificações, que “acorda” o app e permite que ele baixe e envie dados dentro da janela de entrega das notificações.

Quaisquer que sejam os meios e as justificativas, é no mínimo ultrajante que um app passe por cima tão descaradamente de diretrizes estabelecidas pelo usuário. Além de toda a distração que o Facebook representa (e contra isso recomendo a Kill News Feed), ele ainda acaba com a bateria do seu smartphone mais rapidamente.

Ao TechCrunch, um porta-voz do Facebook declarou que a empresa analisará esse problema a fim de resolvê-lo:

“Soubemos de relatos de que algumas pessoas estão tendo problemas com a bateria em nosso app para iOS. Estamos analisando isso e esperamos ter uma correção em breve.”

Como para alguns o Facebook é importante (para trabalhar, por exemplo), é complicado se privar dele no celular. Não precisa ser o caso, já que há alternativas menos funcionais, mas mais amigas da bateria. O Facebook Lite, embora passível dos mesmos problemas, é reconhecidamente mais leve que o app principal. Outra opção, essa mais garantida, é recorrer ao navegador na hora de verificar o feed ou ver as notificações do Facebook.

Em qualquer caso, especialmente se você só usa o Facebook para lazer e contato com os amigos, é de se pensar se não vale a pena desinstalar o app. A bateria do seu smartphone agradece.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês