O papel da big tech nas elei√ß√Ķes brasileiras de 2022, parte 1

Perto das 19h30 do dia 1¬ļ de dezembro de 2022, o coronel Jean Lawand Junior, subchefe do Estado-Maior do Ex√©rcito, abriu o WhatsApp e gravou uma mensagem de √°udio para um colega do Ex√©rcito. Nela, n√£o existe espa√ßo para subjetivo: Lawand clama para que ‚Äúele d√™ a ordem que o povo t√° com ele‚ÄĚ.

O ‚Äúele‚ÄĚ na mensagem se referia ao ainda Presidente da Rep√ļblica, Jair Bolsonaro, a um m√™s de sair do Pal√°cio ap√≥s ser derrotado nas urnas cinco semanas antes pelo agora presidente Lula. O destinat√°rio da mensagem de Lawand era o tenente-co¬≠ronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro. Cid era uma esp√©cie de bra√ßo direito, faz-tudo do ex-presidente ‚ÄĒ onde estava Bolsonaro, estava Cid a tiracolo carregando pasta, celulares e afins.

Continue lendo “O papel da big tech nas elei√ß√Ķes brasileiras de 2022, parte 1”

A sangria da tecnologia √© consequ√™ncia de um ‚Äúnovo normal‚ÄĚ que nunca chegou

Queremos conhecer quem ouve o Tecnocracia. Se puder, tire dois minutinhos para responder a primeira pesquisa demogr√°fica do podcast. Ajuda bastante e n√£o custa nada.

Em janeiro de 1953, estreou no Th√©√Ętre de Babylone, em Paris, a nova pe√ßa de um dramaturgo irland√™s chamado Samuel Beckett. Na pe√ßa, dois mendigos passam dois atos conversando sobre a vida, interagindo com outros tr√™s personagens e esperando um sujeito que s√≥ conhecemos pelo nome. Dado que em janeiro de 2023 completaram-se 70 anos da estreia, n√£o tem por que se preocupar com spoiler, n√£o √© mesmo? Ent√£o um leve spoiler para voc√™: no fim, o tal Godot n√£o aparece e os mendigos, Estragon e Vladimir, terminam a pe√ßa revoltados com a aus√™ncia, mas im√≥veis, incapazes de se movimentarem. Ambos, em outras palavras, se mant√™m Esperando Godot, o que vem a ser o t√≠tulo da pe√ßa. Esperando Godot √© um cl√°ssico do teatro moderno, reencenado centenas de vezes com diferentes abordagens e panos de fundo e dissecada atr√°s de significados pol√≠ticos, psicol√≥gicos, filos√≥ficos, sexuais‚Ķ

Continue lendo “A sangria da tecnologia √© consequ√™ncia de um ‚Äúnovo normal‚ÄĚ que nunca chegou”

Descanso não é luxo, é necessidade

E a√≠, descansou? Certeza? Todo fim de temporada do Tecnocracia eu sugiro em tom assertivo usar o recesso de fim de ano para parar e descansar a cabe√ßa. Em 2022 o conselho foi ainda mais assertivo, dado o qu√£o exaustivo foi o ano, tanto do excesso de trabalho como da pedreira emocional com as elei√ß√Ķes de maior impacto desde a redemocratiza√ß√£o.

A democracia sobreviveu (todos suspiram de al√≠vio) e o segundo semestre produziu material para d√©cadas de disserta√ß√Ķes e teses de pol√≠tica, ci√™ncia sociais e psiquiatria, mas terminamos o ano em frangalhos. Usamos, logo, o pouco tempo de recesso e as f√©rias que foram se encavalando frente a tanta coisa urgente para parar tudo, sair da rotina, nadar no meio da tarde, passear quil√īmetros com o cachorro e usar outras partes da cabe√ßa que n√£o as que a rotina se acomoda.

Depois de tanto tempo fazendo sempre tanto e adaptados a rotinas em que o excesso de atividade eliminou a contempla√ß√£o, como reaprender a n√£o fazer nada? Mergulhados numa cultura que incentiva de forma quase doentia a produtividade at√© mesmo nos nossos hobbies, como parar e usar o tempo de que dispomos com a cabe√ßa vazia? Perceba que essa no√ß√£o de produtividade √© t√£o profunda que meu instinto foi usar o verbo ‚Äúdesperdi√ßar‚ÄĚ tempo, trocado por ‚Äúusar‚ÄĚ ao notar a ironia. Essas n√£o s√£o perguntas ret√≥ricas e para explicar eu vou lan√ßar m√£o de uma hist√≥ria pessoal.

Continue lendo “Descanso n√£o √© luxo, √© necessidade”

O ano da implos√£o

Dois mil e vinte e dois n√£o foi um ano bom para aquela sensa√ß√£o tecno-ut√≥pica que nos tomou nas √ļltimas duas d√©cadas. Quem defende a certeza quase religiosa de que tecnologia s√≥ serve para o bem teve que dar piruetas argumentativas dignas de Daiane dos Santos. Por outro lado, quem encara a quest√£o com ceticismo ‚ÄĒ eu e toda a galera envolvida no Manual do Usu√°rio ‚ÄĒ termina o ano com uma sensa√ß√£o de surpresa, de n√£o esperar algumas implos√Ķes t√£o r√°pidas e definitivas como vistas em 2022.

Continue lendo “O ano da implos√£o”

LGPD, LAI e o blecaute de transparência do Governo Bolsonaro

Conta o mito que cerca de 750 antes de Cristo dois g√™meos foram abandonados pela m√£e nas margens do rio Tibre, na It√°lia, ap√≥s o pai mandar mat√°-los. Segue a lenda que aquele rio tinha um deus espec√≠fico chamado Tiberino que salvou os g√™meos da morte e permitiu que, mais tarde, uma loba os encontrasse no meio do mato e os alimentassem. O leite da loba garantiu que R√īmulo e Remo sobrevivessem at√© que um pastor os adotassem.

Continue lendo “LGPD, LAI e o blecaute de transpar√™ncia do Governo Bolsonaro”

Se a internet revolucionou como consumimos sexo, por que estamos transando menos?

Em 1903, dois imigrantes que chegaram aos Estados Unidos fugindo do Imp√©rio Russo deram √† luz a um sujeito chamado Gregory Pincus. Ningu√©m sabia ainda, mas Pincus seria considerado, d√©cadas mais tarde, um g√™nio. Depois de se formar em biologia na Universidade de Cornell e defender com sucesso seu mestrado e doutorado na Universidade de Harvard, Pincus encontrou a grande √°rea da biologia que o interessava: a reprodu√ß√£o e o papel dos horm√īnios nela.

Continue lendo “Se a internet revolucionou como consumimos sexo, por que estamos transando menos?”

Como chegamos até aqui?

Nota do editor: Este √© um Tecnocracia diferente, gravado ao vivo pelo Guilherme Felitti durante a Python Brasil, evento que rolou em Manaus (AM) no √ļltimo s√°bado (22). O texto abaixo foi levemente adaptado para facilitar a leitura. Se preferir, veja no YouTube e acompanhe os slides.

Quando me convidaram [a palestrar na Python Brasil], fiquei muito honrado e pensando por que que me chamaram. N√£o foi exatamente pela minha capacidade de programar em Python. Tem seis anos que programo ‚ÄĒ eu era jornalista e fiz uma mudan√ßa de carreira.

Meu n√≠vel t√©cnico √© muito melhor do que era, mas tem algumas coisas do Python que ainda n√£o consigo entender, como decoradores. Aquilo para mim um grande mist√©rio. O ponto principal √© eu n√£o estou aqui para falar de quest√Ķes t√©cnicas, mas para ‚Äúdesanimar‚ÄĚ voc√™s um pouco. Quero conversar sobre as consequ√™ncias da tecnologia, porque falar das consequ√™ncias da tecnologia √© falar tamb√©m do trabalho de voc√™s e como ele est√° impactando a sociedade.

Começo dizendo que nenhuma tecnologia é isenta, nenhuma tecnologia age no vácuo. A partir do momento que ela sai da mente humana, ela sempre é adaptada e impacta outros seres humanos. De uma maneira um pouco menos etérea, isso significa que as tecnologias, quando são introduzidas na sociedade, têm consequências que quase ninguém é capaz de antever.

Continue lendo “Como chegamos at√© aqui?”

Como o TikTok acabou com o maior trunfo das redes sociais comerciais

Tecnologia cria h√°bitos e h√°bitos criam mem√≥rias. Um dos h√°bitos alimentados por tecnologia que a juventude brasileira de classe m√©dia na d√©cada de 1990 tinha era, na sexta √† noite, ir at√© uma videolocadora. Na √©poca, a m√≠dia ainda era f√≠sica e, consequentemente, limitada ‚ÄĒ hoje, a m√≠dia √© um apanhado de dados gravado num disco r√≠gido (na sua m√°quina ou num servidor na nuvem), o que a torna ilimitada pela reprodutibilidade. Quando o videocassete se tornou barato no fim da d√©cada de 1970, explodiu o fen√īmeno do homevideo e os apocal√≠pticos de ocasi√£o juraram que o reprodutor dom√©stico mataria os cinemas. Na real, os cinemas ficaram bem e os est√ļdios encontraram uma nova forma de recuperar o investimento na produ√ß√£o dos filmes. Mas como comprar m√≠dia f√≠sica original era caro, surgiu um modelo do aluguel. As locadoras de v√≠deo dominaram a maneira como consum√≠amos multim√≠dia ‚ÄĒ n√£o apenas filmes, mas games tamb√©m ‚ÄĒ na d√©cada de 1990.

Continue lendo “Como o TikTok acabou com o maior trunfo das redes sociais comerciais”

O metaverso proposto pela Meta/Facebook j√° nasceu morto

Vamos come√ßar o epis√≥dio com um exerc√≠cio. Eu vou ler tr√™s declara√ß√Ķes e voc√™ vai me dizer quem falou aquilo e quando. Vamos l√°:

  1. ‚ÄúO tablet expande o poder da computa√ß√£o pessoal em empolgantes novas √°reas. Combinar a simplicidade do papel com o poder do computador tornar√° as pessoas ainda mais produtivas. Ele torna o computador uma ferramenta ainda mais valiosa para executivos que gastam tempo em reuni√Ķes e longe de suas mesas.‚ÄĚ
  2. ‚ÄúEu imagino lev√°-lo a reuni√Ķes, mas tamb√©m me deitar com ele √† noite para ler meus e-mails e um livro. Quando meu marido me lembrar que um fim de semana especial est√° chegando, eu posso fazer as reservas [do hotel] online.‚ÄĚ
  3. ‚ÄúO tablet representa a pr√≥xima grande evolu√ß√£o de design e funcionalidade do computador.‚ÄĚ

Continue lendo “O metaverso proposto pela Meta/Facebook j√° nasceu morto”

Luta contra sindicatos exp√Ķe o lado retr√≥grado da Big Tech

Terminado o primeiro semestre, 2022 já trouxe algumas novidades técnicas bastante relevantes em tecnologia: o chip M2 solidificou a Apple como um player cada vez mais poderoso no setor de chips, o DeepMind decifrou a estrutura de quase todas as proteínas conhecidas e o telescópio espacial James Webb produziu as imagens mais detalhadas do Universo, enquanto o metaverso, tal qual um carro a álcool numa manhã gelada de julho na década de 1990, dá várias partidas em falso com a esperança de pegar no tranco.

Como a gente j√° falou aqui, nos √ļltimos anos os assuntos mais interessantes que acontecem no mercado de tecnologia n√£o t√™m rela√ß√£o necessariamente com chips, c√≥digos e placas de sil√≠cio. S√£o not√≠cias que mostram como a tecnologia saiu do caderno de inform√°tica dos jornais1 para adentrar nas coberturas pol√≠tica e policial. √Č desse certame que, ao meu ver, vem um dos assuntos mais interessantes em tecnologia em 2022. Envolve um tipo de organiza√ß√£o inventada n√£o na √ļltima d√©cada e nem mesmo no √ļltimo s√©culo. A Mesopot√Ęmia e a Babil√īnia j√° experimentavam essa tecnologia 2 mil anos antes de Cristo. Ap√≥s a Revolu√ß√£o Industrial, com o fim do vassalagem e a emerg√™ncia de uma economia baseada na ind√ļstria, o movimento ganhou ainda mais for√ßa e os tra√ßos que observamos at√© hoje. Essa “tecnologia” n√£o envolve necessariamente c√°lculos. √Č mais uma forma de mobiliza√ß√£o e intera√ß√£o humana do que uma tecnologia naquele sentido cl√°ssico da acep√ß√£o de tecnologia como uma ferramenta externa que lhe permite melhorar algo j√° poss√≠vel ou executar algo imposs√≠vel.

Continue lendo “Luta contra sindicatos exp√Ķe o lado retr√≥grado da Big Tech”

Em 2022, vontade política não significa necessariamente engajamento online

Corujas n√£o s√£o exatamente exemplos de for√ßa. Uma coruja pesa, em m√©dia, dois quilos, sendo que as penas que cobrem seu corpo correspondem a uma parte relevante do peso. M√ļsculos? Quase nada. Como qualquer bicho que n√£o as orcas, as corujas t√™m predadores naturais. Linces, cobras, √°guias e falc√Ķes adoram um galetinho de coruja nas refei√ß√Ķes. O que faz a pobre coruja para se proteger? Existem algumas t√©cnicas, mas a estrat√©gia tradicional de defesa das corujas passa por projetar uma ilus√£o. Tome o exemplo do coruj√£o-orelhudo, conhecido no Brasil tamb√©m como jacurutu. Quando um predador ou uma amea√ßa se aproxima, a jacurutu adota uma postura espec√≠fica ‚ÄĒ baixa a cabe√ßa, encolhe o corpo e abre as asas para cima. Assim, a coruja tenta passar a impress√£o de que √© muito maior do que efetivamente √©. Caso o predador n√£o se sinta amea√ßado, a jacurutu emite sons agudos e, por fim, d√° um salto para frente com a inten√ß√£o de agredir a amea√ßa com as garras afiadas. As garras afiadas s√£o o que lhe resta, j√° que, atr√°s da plumagem, n√£o existe nada al√©m de ar.

Continue lendo “Em 2022, vontade pol√≠tica n√£o significa necessariamente engajamento online”

Tadao Takahashi, o sujeito que montou a internet no Brasil

A hierarquia corporativa tem alguns cargos de enorme proje√ß√£o e outros nem tanto. O mais conhecido voc√™ certamente conhece: o CEO, Chief Executive Officer. As tr√™s letras representam a forma mais popular de denominar quem √© respons√°vel pode liderar a empresa: tomar as principais decis√Ķes e arcar com as consequ√™ncias, sejam elas boas ou ruins.

Continue lendo “Tadao Takahashi, o sujeito que montou a internet no Brasil”

O que é: A Zona Franca de Manaus

A Hevea brasiliensis √© uma √°rvore nativa da bacia hidrogr√°fica do Amazonas que vive d√©cadas e atinge entre 20 e 30 metros de altura. A √°rvore cresce com facilidade em terrenos argilosos ou alagados, como √© o caso das v√°rzeas, e sua copa √© composta de folhas trifolioladas. ‚Äú√Č uma planta que possui os dois sexos, mas em flores separadas. As flores s√£o pequenas e t√™m tonalidade amarelada ou bege‚ÄĚ, segundo descri√ß√£o do Museu Paraense Em√≠lio Goeldi. Mas n√£o estamos falando da Hevea brasiliensis pela copa ou pelos frutos, e sim pelo seu tronco. Com espessura que varia entre 30 e 60 cent√≠metros, o tronco da Hevea brasiliensis verte um caldo branco e pegajoso quando voc√™ produz cortes diagonais pequenos. Os cortes atingem os vasos latic√≠feros, onde est√° armazenado o l√°tex. Voc√™ n√£o precisa ter pego goiaba no p√© para entender que se trata da seringueira1.

Continue lendo “O que √©: A Zona Franca de Manaus”

Reação do Telegram alivia, mas não resolve desinformação eleitoral no Brasil

Todo ser vivo vive para reproduzir e n√£o existe reprodu√ß√£o consentida que n√£o envolva lubrifica√ß√£o1. O objetivo √© sempre levar o gameta masculino ao encontro do gameta feminino. Quando a coisa fica quente, todo corpo animal tem m√©todos bastante eficientes de facilitar a reprodu√ß√£o. No homem, um dos principais s√£o os chamados corpos cavernosos. Quando ele se excita, os corpos cavernosos se enchem de sangue, o que resulta na ere√ß√£o. Nas mulheres, quem faz o papel de facilitar a penetra√ß√£o e, consequentemente, a fecunda√ß√£o s√£o as gl√Ęndulas de Bartholin, duas gl√Ęndulas alveolares do tamanho de ervilhas localizadas na entrada da vagina. Quando a mulher se excita, as gl√Ęndulas de Bartholin secretam muco que lubrifica a entrada e o corpo vaginal, como forma de facilitar a penetra√ß√£o.

Continue lendo “Rea√ß√£o do Telegram alivia, mas n√£o resolve desinforma√ß√£o eleitoral no Brasil”