Anúncio Black Friday: Assine a NordVPN com 72% de desconto

Achados e perdidos #43

Todo sábado, pego uns links que acumulei ao longo da semana e que, embora curiosos e/ou interessantes, não renderam nem notinhas, e os publico num compilado que chamo de “achados e perdidos”. É um conteúdo mais leve, curto, quase lúdico — a cara do fim de semana.

***

Uma demonstração do SerenityOS, sistema operacional feito do zero por Andreas Kling que une o poder da linha de comando à estética das interfaces dos anos 1990.

— O weeCee é um computador minúsculo e moderno criado para rodar jogos antigos de DOS e Windows. Sem emulação, direto no hardware mesmo (em inglês).

— O simpático celular Android (em inglês) com tela de 4,9 polegadas feito por uma fabricante japonesa de torradeiras. Dica do Aylons Hazzud.

— Comunidades do Orkut se o Orkut ainda existisse em 2021.

— Juntaram todas as obras vendidas como NFTs nas redes Ethereum e Solana em um torrent de 17,7 TB (em inglês). Ah, é de graça, como toda obra vendida como NFT (entenda).

— A colaboração entre Xbox e Gucci resultou em 100 kits contendo um video game e dois controles com textura estranha e uma mala feia de doer. Custava US$ 10 mil cada. Já esgotou.

— Um teclado com teclas de idiomas d’O senhor dos anéis (em inglês). Dica do Elói Quintas.

Um método “gamificado” para escolher a melhor fonte tipográfica para programar.

0xA000 é uma fonte moderna inspirada pelas limitações de outrora.

— O Winamp, que teve sua última versão oficial lançada em 2013, está prestes a voltar (em inglês). Ninguém sabe, ainda, como será o novo Winamp.

— O novo jogo da Warner Bros., MultiVersus, é uma espécie de Super Smash Bros. com os personagens da casa. Não muito original, mas deve ser engraçado ver o Batman lutando com o Salsicha. Chega em 2022 para video games e PC.

— O AppFlowy é uma versão de código aberto do Notion. Dica do Caio Volpato.

Bald Phone é um lançador para Android feito para idosos e pessoas com limitações de movimento. Gratuito e de código aberto.

Pony Messenger é um app de troca de mensagens que só envia e recebe mensagens uma vez por dia. (Lembra o Slowly.)

— Debates legais que estão rolando no post livre:
– O experimento do Android sem Google.
– Qual é a da DirecTV Go?
– Personalização do celular: você faz?
– Qual caixinha de streaming comprar?
– O melhor ep de Black Mirror é…?
– Percentual da renda gasto com aluguel.
– Quando você virou adulto?

— No podcast Guia Prático desta semana (ouça!), em que eu não participei, as indicações foram as seguintes:

  • Jacque indicou o Notas sobre o luto [Amazon, Magalu, Americanas, editora]1, da Chimamanda Ngozi Adichie, publicado pela Companhia das Letras.
  • Micael Silva recomenda a série Elementary [Globoplay, Prime Video], de Robert Doherty.
  • Daniel Auler recomenda o jogo Demon’s Souls [Amazon, Magalu, PlayStation]1, da Sony.
  • Henrique Bispo indica o livro How to: Absurd scientific advice for common real-world problems [Amazon]1, de Randall Munroe — indicação reforçada pelo Guilherme Felitti, do Tecnocracia.

— Destaques literários:

  • Tecnologia do Oprimido: desigualdade e o mundano digital nas favelas do Brasil [editora], de David Nemer, publicado pela Milfontes: “David Nemer baseia-se em uma extensa etnografia para fornecer um rico relato de como os moradores da favela apropriam diferentes tecnologias para navegar por fontes digitais e não digitais de opressão — e até mesmo, às vezes, prosperar.”
  • Forward [Amazon, Magalu, editora]1, vários autores, publicado pela Intrínseca: “Para alguns, a tecnologia é o prenúncio do fim do mundo. Para outros, é apenas o começo de uma nova era. Renomado escritor de ficção científica, autor dos best-sellers Matéria escura e Recursão, Blake Crouch convidou grandes nomes da literatura contemporânea para traçar histórias audaciosas que mergulham nos desdobramentos que os avanços tecnológicos acarretam à humanidade.”
  • E se eu parasse de comprar? [Amazon, Magalu, editora]1, de Joanna Moura, publicado pela HarperCollins Brasil: “Durante anos, ela usou o consumo como uma válvula de escape. Mas foi esse mesmo comportamento que a levou ao fundo do poço. Com a conta no vermelho, e seus sonhos cada vez mais distantes, se propôs um desafio: passar um ano inteiro sem comprar nenhuma roupa, nem um par de meias sequer.”
  • O médico e o monstro: Uma leitura do progressismo latino-americano e seus opostos [editora], de Fabio Luis Barbosa dos Santos e Daniel Feldmann, publicado pela Elefante: “Dividido em duas partes — a primeira concentrada no panorama geral do continente, a segunda dedicada ao contexto do governo Bolsonaro —, este livro procura elucidar como a política progressista fortaleceu uma lógica econômica incapaz de romper em definitivo com as práticas neoliberais e, diante disso, aprofundou as ‘fraturas sociais que suas técnicas de governo pretenderam mitigar’.”

Para fechar, uma foto do Pedro Corá no nosso grupo de fotografia no Flickr — veja as demais e mande a sua!

Foto em preto e branco de um prédio em construção, pegando bastante do céu. Em cima do prédio, duas pessoas.
Foto: Pedro Corá/Flickr.

📱 iPhone 12
📅 3/11/2021
🗺 Strzyza, Polônia

Este post saiu primeiro na newsletter do site. Cadastre-se gratuitamente para receber os próximos direto no seu e-mail.

  1. Ao comprar por estes links, o Manual do Usuário recebe uma pequena comissão das lojas. O preço final para você não muda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 comentários

  1. Uma coisa muito interessante do SerenityOS, que é tido no vídeo do Andreas inclusive, é que ele nasceu por causa da situação que ele estava na época: saído de uma clínica de reabilitação e desempregado, e isso faz toda a diferença pra mim porque cria, essencialmente, um vínculo pessoal com uma pessoa diferente do estereótipo do programador (aka, mezzo babaca, mezzo incel).

    Aliás, ele largou o emprego pra ficar em tempo integral no SerenityOS. Quem puder, teste. É bem fácil de rodar no Debian (e Debian based).

  2. Com a conta no vermelho, e seus sonhos cada vez mais distantes, se propôs um desafio: passar um ano inteiro sem comprar nenhuma roupa, nem um par de meias sequer.”

    Wow! Ela deveria ter pedido um auxílio para mim.

    1. Fiquei curioso sobre este livro pois “viver sem comprar” em um universo capitalista (e onde tu ganha dinheiro vendendo um livro sobre “como não comprar coisas”) seria equivalente a viver por si mesmo apenas de caça, pesca e artesanato e trabalhos manuais.

  3. Wow, muito obrigado ☺️

    Fico honrado de ver minha foto aqui! E confesso que gostei demais dessa foto!

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário