Qual plataforma de streaming tem o melhor acervo? Este programador descobriu

Pessoas assistindo à TV na sala.

O aumento da oferta de serviços de streaming tem feito muita gente reavaliar os planos assinados e buscar alternativas mais baratas. Uma dessas pessoas resolveu dar uma abordagem analítica ao dilema: Sillas Gonzaga usou a programação para saber qual serviço de streaming disponível no Brasil tem o melhor acervo de filmes e séries.

A Netflix não reina mais sozinha no segmento de streaming no Brasil. Hoje, a empresa, praticamente pioneira no país, enfrenta concorrentes de peso, como a Amazon (Prime Video), a Grupo Globo (Globo Play, Telecine Play) e HBO (HBO Go), além de serviços menores e/ou especializados, como Looke e Mubi.

O tema foi debatido recentemente no Guia Prático. A fragmentação do mercado de streaming desalenta o consumidor por minar as principais vantagens do formato: a economia e a conveniência de se ter muitas opções de filmes e séries na mesma interface, ao alcance de um clique. Ouça:

Gonzaga é assinante da Netflix, mas ficou tentado a migrar para o Prime Video quando descobriu que a Amazon cobra metade do que ele paga à Netflix — e, ainda por cima, oferece um desconto ainda maior nos seis primeiros meses. Por falta de tempo, ele diz que não seria vantajoso assinar dois ou mais serviços, então tinha que fazer uma escolha.

“Pensei: ‘será que vale a pena cancelar a Netflix e passar para a Amazon?'”, disse. “Dei uma olhada no catálogo, pareceu legal, mas fiquei com essa dúvida. Então tive a ideia de coletar os acervos da Netflix e da Amazon e aí, a partir dos dados, analisar a qualidade e a quantidade dos filmes para chegar a alguma conclusão”.

Em seu blog, Gonzaga relatou toda a parte técnica da sua análise e os resultados e, em entrevista ao Manual do Usuário, deu mais detalhes do processo.

O primeiro passo foi obter os acervos dos serviços de streaming. Nenhum deles oferece APIs públicas, uma parte da programação de um sistema fechado que é fornecida a desenvolvedores terceiros para ajudá-los na criação de aplicações em cima da plataforma. Felizmente, existe um serviço agregador chamado JustWatch que acabou servindo ao propósito. Por ali, o programador conseguiu obter os acervos de 11 serviços disponíveis no Brasil: Amazon Prime Video, Claro Vídeo, Crackle, Fox Play, Fox Premium, HBO Go, Looke, Mubi, Netflix, Netmovies e Telecine Play.

Com os dados na mão, uma dúvida crucial surgiu: qual critério seria usado para definir o que é o “melhor” acervo? Gonzaga recorreu à lista dos 5 mil filmes e séries melhor avaliados no banco de dados cinematográfico IMDb, da Amazon, uma das fontes mais populares do mundo.

O passo seguinte foi confrontar as listas de cada serviço ao top 5 mil do IMDb e, enfim, analisar os resultados.

Qual o melhor streaming do Brasil?

Gráfico mostrando a presença de filmes e séries da lista dos 5 mil melhores do IMDb nas plataformas de streaming disponíveis no Brasil.
Gráfico: Sillas Gonzaga/Paixão por Dados.

“A Netflix ainda é bem melhor”, sentencia Gonzaga. Segundo sua análise, a Netflix possui pouco mais de 40% das melhores séries segundo o IMDb. Em filmes, a plataforma também lidera, oferecendo cerca de 14% dos melhores.

Nas séries, duas rivais correm atrás da Netflix: Prime Video e Claro Vídeo, cada uma com cerca de 10% das melhores disponíveis. Nos filmes, a segunda colocação é do Telecine Play, com cerca de 11% dos títulos disponíveis.

A conclusão mais chocante é a de que mais da metade dos melhores filmes, segundo o IMDb, não está disponível em nenhuma plataforma no Brasil.

Gonzaga fez ainda outros recortes a partir dos dados.

No primeiro, ele analisou a incidência de filmes e séries melhor avaliados em cada plataforma. Embora tenha um acervo menor, o Prime Video concentra a maior quantidade de filmes com notas entre 9 e 10 (máxima) no IMDb, seguido pelo Telecine Play. A Netflix amarga o terceiro lugar. Quanto o assunto é séries, a Netflix reina absoluta, com mais de 70% das séries 9–10 segundo o IMDb.

Gráfico mostrando a distribuição de filmes nas plataformas de streaming disponíveis no Brasil pelas notas do IMDb.
Gráfico: Sillas Gonzaga/Paixão por Dados.

E quanto aos exclusivos? Novamente, vitória da Netflix e seus 979 títulos que não se vê em nenhuma outra plataforma. O número é maior que a soma dos dois serviços seguintes, Prime Video (316) e Telecine Play (306). Na verdade, apenas 17 títulos estão disponíveis nas três plataformas.

Gráfico mostrando qual plataforma de streaming disponível no Brasil tem mais títulos exclusivos.
Gráfico: Sillas Gonzaga/Paixão por Dados.

Por fim, a idade dos filmes disponíveis. Gonzaga comenta:

O formato da curva referente à Netflix é muito interessante. Note como ela cresce numa velocidade muito maior a partir de 2010. Olhando para este ponto no eixo vertical, nota-se que 70% dos filmes e incríveis 80% dos seriados foram lançados a partir de 2010. De todos os 3 serviços de streaming, a Netflix é a mais enviesada para produções recentes. Note também como 70% dos filmes que não estão presentes em nenhum serviço por assinatura foram lançados antes de 2010. Na verdade, Netflix e Amazon Prime Video não possuem nenhum filme lançado antes de 1960.

Gráfico mostrando a distribuição dos títulos nas plataformas de streaming disponíveis no Brasil pelo ano de lançamento.
Gráfico: Sillas Gonzaga/Paixão por Dados.

A visualização por décadas é mais fácil de compreender:

Outro gráfico mostrando a distribuição dos títulos nas plataformas de streaming disponíveis no Brasil pelo ano de lançamento.
Gráfico: Sillas Gonzaga/Paixão por Dados.

O acervo é um dos critérios na hora de escolher um serviço de streaming. E dos mais importantes, mas não é o único e nem um objetivo, ou seja, pode ser que o seu gosto seja diferente do ranking do IMDb.

Alguém que tenha um Chromecast (leia a análise da terceira geração), por exemplo, precisa atentar ao fato de que o Prime Video não conversa com o aparelho, limitando o acesso ao serviço pela TV. Outras questões, como a localização, também podem ter peso — o Mubi, que prestigia filmes alternativos e antigos, carece bastante de legendas em português. A qualidade dos apps também deve ser levada em conta.

Resolvendo problemas com programação

Nascido em Aracaju (SE), mas atualmente morando na capital paulista, Sillas Gonzaga tem 25 anos, é formado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), trabalha com ciência de dados na Samsung SDS e ensina programação em R no Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD).

Embora tenha tido uma disciplina de programação na faculdade, conta ao Manual do Usuário que aprendeu mesmo a lidar com códigos e análise sozinho: “Aprendi pela internet, por iniciativa própria. É um hobby que acaba me ajudando profissionalmente, porque toda essa programação e análise de dados eu também faço no trabalho”.

Seu blog contém outras análise úteis ou apenas curiosas. Ele lembra de duas que chamaram mais a atenção. A primeira, da youtuber de finanças Nathalia Arcuri. Ele fez uma análise textual a partir das transcrições automáticas que a API do YouTube gera para determinar quais os temas mais comuns dos vídeos do canal (renda fixa e economia doméstica).

A outra foi do Big Brother Brasil, feita no início de 2018, em que, com a ajuda da chamada “técnica de grafos”, Gonzaga coletou notícias do portal oficial do programa no site da Globo, extraiu as citações aos participantes e conseguiu identificar quais eram os mais centrais e como eles se relacionavam entre si. “Eu não assisto [ao BBB], mas quando compartilhei os resultados com quem assistia, as pessoas disseram que faziam sentido”, relembra.

Sobre a opção pela linguagem R, conta que, embora tenha aprendido a programar em Python, prefere a outra porque “precisa de menos etapas para fazer algo muito legal”. Veja outros projetos de Gonzaga em seu blog, o Paixão por Dados.

Foto do topo: Netflix/Divulgação.

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 comentários

  1. Eu uso o cliente de streaming gratuito via P2P, Popcorn Time. Tem muitas séries e filmes de qualidade. Séries novas, sempre atualizadas.

  2. Como já falaram, nada supera a baia dos piratas
    Acho q ainda compensa ter um acervo digital e fisico em casa, com direito a dvd e blu ray
    Não ter os classicos de um gênero disponível é estranho e esquisito

    Abs

    1. de maneira geral, acho que nem vale a pena manter cópias em casa, quando dá vontade de assistir alguma específica é caso de procurar pra baixar

      para mim existem 2 questões pela qual não assino nada:

      (1) não assisto quase nada, porque, vamos ser realistas, no mundo das séries e dos filmes quase tudo é repetição, é fórmula , assim como novela, então raramente aparece alguma coisa que me interessa…eu até chego a dar uma olhada em algumas coisas, mas é raro eu persistir e assistir

      (2) não consigo entender como as pessoas acham tempo para ficar assistindo séries e filmes…tá certo, uma vez ou outra dá pra assistir, mas na maior parte das vezes paga-se um valor flat por um serviço que no fim das contas vai ser pouco usado, já que temos o trabalho, a família, os estudos, a diversão, muita gente joga videogames, e quase todo também tem seus sites e redes sociais preferidos na internet…com tudo isso o nosso tempo de maneira geral torna-se raro, e não dá vontade de gastá-lo assistindo alguma série que é um re-hash de 50 outras séries que já passaram

      eu acho que para a maioria das pessoas que a pirataria digital nem é uma questão econômica, é simplesmente uma questão de comodidade…ou, vista de um outro ângulo, é uma maneira de suprir uma demanda que o mercado não atende: não quero ficar preso num contrato (ou mais contratos), eu quero simplesmente ver alguma coisa de vez em quando, ou dar uma olhada em alguma coisa para ver se gosto

      no fim acaba sendo muito, muito mais prático eventualmente baixar uma série ou filme para assistir, do que ter ficar gerenciando a escolha de serviços de streaming

      1. Só mantenho os físicos pelo prazer de ser um acumulador

        Procurar e baixar ficou fácil demais. Colecionar dá trabalho e é interessante

        No brasil, onde a maioria ganha salário minimo ou menos, qualquer vintém faz uma baita diferença no orçamento, por isso netflix, dvds piratas, youtube, baia dos piratas e outros ajudam pacas a esse pessoal

        Para a classe media tanto faz e a classe alta nem sabe da discussão

        Abs

      2. Estou na mesma pegada, cancelei Netflix, Xbox Gamepass e Amazon Prime (mesmo tendo o Fire stick Alexa)
        Quando quero ver algo eu apenas baixo pirata os mais difíceis de encontrar.
        Queria assistir a série The Wire (HBO) e não achava em lugar nenhum recorri ao torrent mais próximo.
        Netflix pra mim é igual uma tirinha que vi a um tempo “Feito para pessoas que não sabem o que é torrent nem Popcorn”.
        Os clássicos que se assiste sempre eu tento comprar mas o Brasil é fraco até para comprar blu-ray original.

        1. “Feito para pessoas que não sabem o que é torrent nem Popcorn”.

          Ou feito para pessoas com ética diferente da sua e que se importam em respeitar regras, convenções, direitos de propriedade. Pense nisso. Não estou julgando ninguém, apenas sugerindo uma reflexão.
          Se tal se pelo menos você evitasse incentivar a pirataria. O que vc gaha incentivando a pirataria? Na verdade, vc perde. Vc faz com que a pirataria aumente, desestimulando a produção, o que diminui a oferta de conteúdo inclusive PRA VOCÊ.

  3. A Amazon por ter The Expanse e Jack Ryan já vale meu dinheiro. A Netflix lança série de forma frenética. Dentre 5, uma se destaca.

  4. Olá
    Quase não tenho para visualizar e analisar conteúdos desse nível,mas me chama muito a atenção. Gostaria de ter mais tempo p degustar esses comentários, são relevantes as abordagens. Têm muito a ver com nossa cotidiano. Agradeço a esses canais porque ampliam nossa visão no sentido de de nós esclarecer,ou e nos um campo auto crítico. A informação é um alimento para o curioso. Quanto mais se come “VC” fica esbelto. Atualizado. Grato pelos dados transmitidos ampliando a minha visão como consumidor de entretenimento. Sou assinante atual da Netflix.

  5. O único porém desta análise é que ela é fria, apenas cruza dados – mesmo tendo produções recentes (sendo sei lá, uns 75% de conteúdo original) o Netflix tem um catalogo bastante fraco quando o assunto são produções que estavam em cartaz no cinema nos últimos meses. Neste ponto o Telecine Play é uma opção mais interessante por exemplo.

    Atualmente meu dilema é não ter tempo para séries, dedicar 13h a uma história. Isto me afasta cada vez mais do conteúdo da Netflix e Amazon Prime. Por contar com filmes mais recentes, minha escolha atual é assinar esporadicamente Telecine Play e HBO Go, montar uma playlist e assistir.

  6. Eu gosto bastante de filmes cult, clássicos e antigos, mas tô quase cancelando minha assinatura da Netflix pela ausência desse tipo de filme. Também me incomoda que a Netflix nunca investiu em colocar bons filmes brasileiros na plataforma, tanto antigos quanto atuais. Nos últimos meses acho que assisti mais filmes via torrent do que por streaming.
    Em relação a séries, acho o catalogo da Netflix razoável hoje, mas já foi maior e melhor para mim. Das originais, assisto Narcos, The Crown, Better Call Saul, Merlí, Black Mirror (que anda perdendo a qualidade), Altered Carbon (que eu espero que melhore na segunda temporada) e a finada Demolidor :'(
    Acho que o grande diferencial da Netflix hoje são os documentários, tem muita coisa boa e interessante lá sobre vários assuntos, tanto originais quanto de terceiros.
    Os documentários são, de fato, o que ainda me mantém como assinante da plataforma, mas não sei por quanto tempo vão conseguir.

  7. Excelente análise. Quanto a minha experiência pessoal, já me contentei em apenas assistir o que essas plataformas me empurram pois toda vez que penso em assistir a algum filme, não encontro ele (talvez com a única exceção do poderoso chefão).

    Vale lembrar que o Criterion Collection lançou o serviço de streaming deles lá fora, não ficaria surpreso se ele tiver a maior concentração de obras primas do cinema.

    Enquanto isso, estamos em 2019 e a melhor plataforma de streaming continua sendo a baía dos piratas (com 100% do top 250 do IMDb no acervo). 🤭

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!