Google continua armazenando a localização do usuário mesmo com essa opção desativada

A opção que o Google oferece para não armazenar dados de localização do usuário a partir do smartphone não funciona. A empresa a ignora e continua guardando dados do tipo quando o usuário realiza ações triviais, como abrir o Google Maps, fazer pesquisas no buscador web ou consultar a previsão do tempo.

A descoberta foi feita pela Associated Press e confirmada por pesquisadores da Universidade de Princeton a pedido da agência. Os testes foram feitos em smartphones Android e, no caso da AP, no iPhone com o aplicativo do Google instalado.

O Google oferece uma opção chamada “Histórico de localização” nas configurações da conta. Ela pode ser “pausada” (terminologia usada pela empresa).

A AP descobriu que mesmo quando esse histórico está pausado, o Google continua armazenando dados de localização do usuário. No comunicado enviado à imprensa em resposta à reportagem, o Google diz que garante que “os usuários entendam que quando eles desativa o produto [Histórico de localização], nós continuamos usando sua localização para melhorar a experiência Google”.

É uma resposta incompreensível. Espera-se que ao desativar uma opção chamada “histórico de localização” em sua Conta Google, a empresa deixe de armazenar todos o histórico de localização, sem exceção.

No caso do Google, para que isso tenha efeito é preciso desmarcar também outra opção, a “Atividade da Web e de apps”, que não cita o histórico de localização em sua descrição. Ela diz apenas que “salva sua atividade em sites e apps do Google para oferecer pesquisas mais rápidas, melhores recomendações e experiências mais personalizadas no Google Maps, na Pesquisa e em outros serviços do Google”.

Note que ao desativar a “Atividade da Web e de apps”, algumas comodidades no uso dos serviços Google deixam de funcionar e os anúncios perdem um pouco a personalização com base no seu hábitos e gostos. Parece um preço baixo — e uma vantagem — em troca de não ser monitorado, mas o ideal seria que a opção correspondente funcionasse de primeira.

LEIA TAMBÉM: Veja (e apague) tudo que o Google sabe de você

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 comentários

  1. A opção ainda é conveniente pra mim. É muito considerável o combustível e o tempo que o Google me poupa com a possibilidade de reprogramação da minha rotina com antecedência graças as notificações com o app fechado (fora o caminho em si, já que o Mapas e o Waze estão anos luz a frente da concorrência). As informações pessoais de rotina são uma pechincha nesse sentido. É uma boa troca.

    Mas….

    A postura do Google com essa resposta cretina é ridícula. Desabilitou tem que desabilitar e PRONTO. Fim. Nada de “veja bem, desabilitou mas não desabilitou tá”;

    Dá uma certa vontade de “me desligar” do Google olhando essa postura. Mas a concorrência tbm peca e ninguém entrega um serviço tão bom de localização.

    1. Eu mantenho o Waze instalado no celular, mas sem permissão de acesso à minha localização quando o app não está em uso. Na hora do rush, ele é realmente imbatível. (Quando o trânsito está normal, uso o HERE WeGo sem muito prejuízo.)

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!