Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.
Não somos mais um aplicativo de compartilhar fotos.

— Adam Mosseri, líder do Instagram

A declaração de Mosseri foi dada no contexto das apostas do Instagram na disputa com TikTok e YouTube. Ele prometeu (ameaçou?) que a plataforma fará muitos experimentos nos próximos meses com vídeos em tela cheia e recomendações algorítmicas.

Se o chefão do Instagram falou, está falado. Via CNBC (em inglês).

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

11 comentários

  1. Só mantenho a conta no Instagram pela praticidade de guardar alguns vídeos das cerimônias de casamento que eu toco de vez em quando.
    Geralmente a noiva ou a cerimonialista pedem alguns vídeos para saber como é o nível da equipe que estão contratando, daí basta enviar o link do perfil do Instagram e pronto, elas tem uns 20 vídeos para avaliar e decidirem se querem ou não nos contratar. O Instagram é uma excelente vitrine.
    Eu posso colocar no Youtube, mas tenho a impressão que lá eu preciso entregar uma qualidade muito maior do que eu tô disposto a colocar ou tenho equipamento para gravar o vídeo e o áudio. Por enquanto continuo no Instagram.

  2. O Instagram já teve seus dias de glória. É, junto com o Twitter, as duas redes que ainda tento manter um perfil. Depois que se viu afrontado pelo Tik Tok, Snapchat e similares, perdeu seu brilho.

  3. Sou ilustrador, e abri uma conta no Instagram em 2016 para divulgar meu trabalho e fazer algum networking com artistas daqui e do exterior. Santa ingenuidade!!! Hoje, sinto que estou no Instagram apenas para ser iludido por algoritmos e exposto a propagandas. Não joguei a toalha (ainda) em respeito aos meus (poucos) seguidores… mas, com essa “TikTokização” ou “YouTubezação” do Instagram, talvez esteja chegando a hora de voltar para o bom e velho blog…

  4. Eu só não deleto porque muitos artistas que eu sigo publicam as coisas deles só no insta e twitter, e eu sempre achei o twitter muito ruim. Se o pessoal tivesse um site ou blog e atualizassem com suas publicações de tempos em tempos, eu já teria deletadoo insta tem tempos.

  5. Nossa, eu acho o insta uma m*rda. eu sou animador e lembro que quando comecei ainda tentava usar profissionalmente, mas ver o alcance caindo a cada novidade e o foco em quantidade me fez jogar a toalha, prefiro catar na unha meus contatos profissionais do que ter que trabalhar de graça pra eles.

    1. Aqui também. Desde o ano passado eu e meu irmão estamos investindo no Instagram. Contratamos um cara para fazer nosso marketing e tudo mais. Mas o que mais notamos é uma queda absurda no alcance das publicações, desde claro, que paguemos. E mesmo assim, mesmo desembolsando uma quantidade razoável por mês, ainda assim estava bem ruim. Eu sempre fui contra investir ali, ele queria, tentamos, agora em julho jogaremos a toalha, também.

        1. Ahahahaagah bem que eu queria… sério.

          Mas não dá, agora é hora de corte total de custos, afinal estamos há 6 meses fechando no vermelho. =\

  6. Já tem mais ou menos um ano que eu encerrei a minha conta no Insta (meses depois de ter encerrado no Facebook, aliás). De lá pra cá não tive nenhum motivo pra me arrepender disso, e os chefões desses “serviços” só vêm alimentando essa falta de arrependimento. Obrigado, Mosseri.

  7. Então, tá.
    Sei que sou um nada para eles, mas se é assim, o dedinho de apagar conta está quase, quase lá. É uma pena, pois, gostava do Instagram antes desse carnaval que virou.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário