Apple Watch no Manual do Usuário.

Pergunte o que quiser sobre o Apple Watch a Pedro Burgos


28/4/15 às 9h54

Pedro Burgos, editor do Oene e velho amigo deste Manual do Usuário, está em Nova York usando um Apple Watch há alguns dias. Ele está escrevendo uma matéria para a Superinteressante e quer saber quais as suas dúvidas sobre o smartwatch da Apple.

A dinâmica é similar à dos nossos posts livres, ou seja, comentários abertos para interagirmos. A única diferença é que desta vez temos uma pauta, ou um assunto pré-definido. Se você está familiarizado com o Reddit, pense nisto como um AMA (Ask Me Anything): de agora até o fim da tarde, o Pedro estará por aqui respondendo perguntas sobre o Apple Watch.

A gente ajuda ele com a matéria, ele nos ajuda a entender melhor qual é a do relógio da Apple, todo mundo ganha. Valendo!

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

59 comentários

  1. Gostaria de saber se é possível localizar ou apagar um Apple Watch depois que ele foi emparelhado em outro iPhone?

  2. Obrigado por todas as ótimas perguntas e comentários, povo. Espero ter esclarecido algumas coisas pra vocês também. Do meu lado, vocês me ajudaram a pensar outros ângulos interessantes pra discutir sobre esse novo gadget (e relógios/wearables em geral). Espero voltar mais vezes. ;)

  3. Quantos dias dura a bateria? É verdade que ele é a prova d’água? O vidro é de safira de “verdade”?

    1. Hoje eu tô usando desde 7:30, mexendo um bocado (até pra responder perguntas aqui), e tá em 79%. Acho que dura seguramente um dia, tranquilo. Dois para a maior parte das pessoas, eu diria. E, sim, ele é mais à prova d’água do que pensado antes. Dá pra nadar com ele, ao que todos os testes indicam.

    2. Hoje eu tô usando desde 7:30, mexendo um bocado (até pra responder perguntas aqui), e tá em 79%. Acho que dura seguramente um dia, tranquilo. Dois para a maior parte das pessoas, eu diria. E, sim, ele é mais à prova d’água do que pensado antes. Dá pra nadar com ele, ao que todos os testes indicam.

    1. Não consigo imaginar. A posição do seu corpo enquanto interage, de o braço levemente estendido (pra você ver detalhes), não-apoiado, é meio incômoda por muito tempo. Há muitos poucos pixels, se usar o dedo na tela bloqueia uma parte grande da ação, a bateria pode sofrer… Enfim, acho que não compensa algo acima do nível tamagotchi, ou dos jogos de trivia. Imagina que você entra em um bar que tem umas competições tipo “Master”. De tempos em tempos, aparece uma pergunta no seu pulso e você responde. No fim da noite, melhores respostas ganham um chopp (eu participei de um desses, ANALOGICAMENTE, quando tava na faculdade).

      Acho que o real potencial está nos “companion apps”, e eles já começaram a aparecer. http://toucharcade.com/2015/04/27/apple-watch-impressions-game-companion-apps/

      Eu jogava Destiny há um tempinho, e se eu pudesse mudar, sei lá, o loadout de armas, ou ver mensagens de companheiros, só de levantar o braço, poderia ser mais rápido do que usar o console. Acho que é possível fazer uma combinação interessante, ter um HUD extra no pulso. Mas vamos ver o que os desenvolvedores aprontam.

    1. É claro que isso é extremamente pessoal, mas acho o Apple Watch mais bonito/bem construído/bem acabado. E por isso a experiência é bastante diferente. Parece bobagem, coisa de gente fútil ou sei lá, mas a gente tá falando de um negócio que fica o tempo todo visível, no seu braço. Então quando a gente compara, sei lá, dois sapatos, e discutimos como a “experiência difere” não estamos só falando de como é a passada ou a ergonomia, mas como nos sentimos com um negócio mais bonito ou não no braço. Acho que isso é bem importante pra “experiência”, e não senti isso nos Android Wears da vida (muito menos no Pebble).

      Em relação à interface: eu usei o Moto 360 por um mês, e achei a interface bastante confusa, e eram necessários muitos “swipes” pra coisas muito simples, só era possível fazer coisas muito simples, e como sempre não há tanta gente desenvolvendo coisas legais para o Wear como há para o Watch. Achei o Apple Watch também significativamente “mais rápido”, já que normalmente estamos reagindo a alguma coisa que aparece na tela. É só levantar o braço e já tem a mensagem e opções de resposta, por exemplo. Ou dá pra atender o telefone, ver o resultado do jogo, etc. O fato de ter o “handoff” (comece a ler uma manchete no relógio e continua no iPhone) é bem legal também.

      Hoje acho que a diferença é muito, muito grande (da mesma forma que o primeiro iPad era significativamente superior a todos os outros). Ao mesmo tempo ele também é bem mais caro. Isto posto, estamos falando de coisas não-essenciais, que ainda não são muito “úteis”, então tudo é difícil fazer uma comparação perfeita.

      E acho que ainda estamos bem no começo da disputa. No fim acho que as coisas mais “simples” do Watch vão ser as mais úteis, e isso o Android Wear pode fazer com qualquer atualização, sem mudar radicalmente. Acho que o Pebble é melhor resolvido, talvez até que o iPhone e os Android Wears, porque tem uma interface muito simples. Mas tenho certeza que ele ficará pra trás — a empresa não tem dinheiro para competir. Acho que as principais vantagens competitivas do Pebble (a bateria e os botões físicos) vão ser irrelevantes no médio prazo.

  4. Qual seus pensamentos a respeito dessa corrida por nossos corpos e biometria?
    Fazendo um exercício de futurologia: Não me parece muito distante um app que funcione como “detector de mentira” no pulso, por exemplo. Imagino discussões onde o interlocutor possa requerer o compartilhamento de uma avaliação dessas. Que impacto social isso teria! Talvez antes disso venha algo como “Emotional tags”, dados de nosso corpo (pulso, temperatura, análise de suor/cheiro, etc) que possam ser mapeados com emoções a serem compartilhadas nas redes sociais junto às nossas fotos (como Geotagging). A impressão é que não precisarão mais nos perguntar “Como você está se sentindo?”, já saberão. Com potencial para mapear nossas emoções em relação a marcas/produtos/ideias e serem ainda mais eficientes em nos seduzir…

    1. Cara, isso que você descreve é bem assustador e ao mesmo tempo bem possível com tecnologias que temos hoje. Mas acho que nada “comercial” teria essas funções, certamente não da Apple (a maior parte das informações “sensíveis” não são compartilhadas, ficam no Watch e no iPhone, ao contrário de Androids). E mesmo se o Google fizesse, haveria um backlash muito grande.

      Isto posto, acho que há espaço para desenvolver melhor “emotional tags” sim, para fins específicos. Seguindo a sua onda, imagino uma avaliação psiquiátrica de um cara que acabou de ser preso, a primeira coisa seria “coloca essa pulseira, por favor”. Acho que todas essas aplicações “de nicho” são possíveis, mas não consigo vê-las em apps mainstream. É um pouco como o Google Glass. Ele pode ser tremendamente útil para profissões específicas em algumas atividades, por um período limitado de tempo. Mas ficar o tempo todo com aquilo é problemático.

      Não sei se respondi a tua pergunta, mas acho interessante pensar (e monitorar) nesses outros potenciais cenários de uso da tecnologia. Isso é fundamental.

  5. A navegação funciona como deveria? Dá realmente para fazer uma rota caminhando sem olhar para a tela? Falando em resposta háptica, já testou a interação com outras pessoas usando o Apple Watch? Tem um troço equivalente ao “cutucar” do Facebook, né?

    1. A resposta háptica é talvez o negócio menos falado e mais tecnologicamente impressionante do Watch. Há um “vocabulário” grande de tremidinhos, e é claramente diferente do encontrado em smartphones. Vou dizer que dá uns SUSTOS no início, porque é preciso se acostumar à resposta háptica.

      Eu testei isso logo no primeiro dia: queria ir correndo até um parque aqui perto, mas não sabia o caminho. Coloquei no app do mapa antes, liguei o app de corrida e segui. Quando chegava perto de um entroncamento, ele dava uma tremida para virar. Se eu levantasse o pulso perto da curva, ele aparecia imediatamente uma seta grande e a distância até a mudança de curso. Se eu levantar o pulso durante uma reta, as informações que aparecem são da corrida em si — velocidade, ritmo, tempo, calorias, distância, música, etc.

      E ainda não experimentei interagir com outras pessoas usando o Apple Watch. Tem esse POKE sim, deve ser ESQUISITO. Vamos ver. =)

  6. Burgos, duas questões que não vi ainda:

    – Já comparou o Apple com outros smartwatchs, como o Pebble (mesmo que ele tenha um estilão diferente) e o Samsung Gear? Não, não tou querendo aqui fazer rivalidades, mas sim ver se no final cada um tem seu foco ou se no final todos são nada mais que “computadores de pulso”.

    – O que você sente falta, tipo app ou função? Tipo, mapa GPS, indicativo de transporte público?

    Sucesso sempre :)

    1. Eu acho que é muito difícil fazer muitas comparações, não é tão trivial quanto um smartphone. Eu usei o Moto 360 por um mês e já vi ao vivo e mexi em todos os outros concorrentes. Eu não consigo ver um único aspecto que algum smartwatch do Android Wear seja superior, fora o preço. Eles são muito mais simples e limitados em funcionalidade, e acho que isso deve mudar bastante. O Android Wear em dois anos vai ser muito mais diferente do que é hoje do que o Apple Watch 2.0, acho.

      Me lembra um pouco o iPad em 2010 versus os primeiros tablets Androids, tipo o Galaxy Tab de 7”original. O Tab usava um Android 2.3, não havia qualquer app feito para rodar em tela maior, ele parecia sensivelmente pior construído, etc etc. Naquele ano e no seguinte, o iPad era significativamente superior em forma e função.

      Acho que o Apple Watch hoje em dia é o único smartwatch que de alguma forma realiza bem a ideia de um smartwatch, e abre bastante espaço para o futuro (pelo ecossistema, hardware, etc). Isto posto, acho que NENHUM deles é indispensável, ou mesmo “muito útil” como um smartphone ou mesmo um tablet (pré-smartphones com tela grande) é. Talvez seja, não é ainda.

      E a utilidade depende muito de quão dentro do ecossistema você está, e como o resto da cidade mesmo está dentro do ecossistema da Apple. Eu pago café com o Apple Watch, eu sou avisado de quando o ônibus está chegando porque o app é bom (E o sistema de trânsito tá melhor integrado), eu uso ele como controle remoto porque tenho uma Apple TV e um Macbook, etc etc.

      Eu honestamente não sei o que FALTA, é uma boa pergunta. Guenta aí que respondo mais tarde. =)

    2. Respondi ali comparando melhor com o Gabriel Arruda. Mas essa é uma questão que preciso me aprofundar mais, obrigado pelas perguntas. =)

    1. Ele funciona perfeitamente bem nisso, marcar. As várias faces ajudam. Agora, “mostrar” é um pouco diferente. Em uma em cada 10 vezes, mais ou menos, ele não “acende” de primeira quando você vira o pulso. E isso é uma experiência pior que um relógio.

      1. ‘d Gerente’ foi ótima. É disso que estou falando, acho que só vou comprar um desses quando for possível ficar com a tela ligada o tempo todo.

  7. Apenas uma curiosidade que “tenho” que perguntar.
    O que pensa sobre os Drop Test que estão fazendo, e ainda vão fazer muito, de algo que deveria ficar amarrado no seu pulso.

    1. Acho meio sem sentido, um pouco pelo que você falou, de ser algo que não vai cair no chão por design. Esse é meu problema com boa parte desses drop tests: não há uma metodologia, então o ângulo da queda, por exemplo, pode variar muito o resultado, e isso não é controlado. De todo modo, eu acho os testes de resistência dos materiais (risco na carcaça ou no vidro) bem importantes. E o Watch tem se saído bem até agora. http://www.consumerreports.org/cro/video-hub/featured/featured-videos/apple-watch-consumer-reports-first-test-results/17387256001/4195405484001/

  8. Faz mesmo sentido usar uma tela tão pequena e de maneira tão incomoda quando se tem alternativas que cumpririam melhor estes papeis (fones)? Até que ponto isto não passa de um transe coletivo que quer enxergar esse treco como algo mais que uma simples pulseira que conta as horas?

    NÃO. NÃO. E NÃO.
    LIXO!
    .
    .
    .
    QUERO!

  9. Faz mesmo sentido usar uma tela tão pequena e de maneira tão incomoda quando se tem alternativas que cumpririam melhor estes papeis (fones)? Até que ponto isto não passa de um transe coletivo que quer enxergar esse treco como algo mais que uma simples pulseira que conta as horas?

    NÃO. NÃO. E NÃO.
    LIXO!
    .
    .
    .
    QUERO!

    1. Sim! Mas acho que isso depende do mostrador que você escolhe. Na foto lá em cima, o fundo preto com mostrador branco, mesmo no contra luz tem uma legibilidade bem boa.

  10. Você falou mais abaixo (em resposta ao Ghedin) que você parou de pegar tanto o iPhone do bolso por causa do watch. Aí eu te pergunto: o quão bom ou ruim você acha isso? Porque é um dos principais argumentos de quem é adepto dos smartwatches, ele diminui a necessidade de interagir sempre com seu smartphone e tirá-lo do bolso.

    Outra questão: o quanto o conjunto microfone + alto falante ajuda nessa dinâmica de pegar menos o smartphone? O Apple Watch tem muita opção de interação diretamente com o relógio, sem necessidade de pegar o smartphone, pra responder uma mensagem ou algo do tipo?

    1. Eu particularmente acho algo bem bom esse negócio de “tirar a ansiedade de pegar no telefone”. Acho uma vantagem, e entendo que você consegue atingir mais ou menos resultado apenas se reeducando para não prestar atenção em tantas notificações, ou achar coisas que são menos “fábrica de ansiedade” como o Twitter, email e Facebook. Mas o relógio definitivamente ajuda.

      E sobre a segunda parte da pergunta, acho que vai de perfil de uso. Alguém (não me lembro quem) disse que o Apple Watch serve primordialmente pra você decidir se vale ou não pegar o telefone. =) E, por exemplo, quando você recebe uma mensagem (iMessage), ele já tem todo um vocabulário de respostas “contextuais” baseadas na pergunta e no tipo de resposta que você dá. Então, sim, diria até que é mais rápido responder uma mensagem no Watch do que no smartphone.

      Até agora, eu tenho usado bastante também para controlar a música no iTunes ou a Apple TV, ligar alarmes ou lembretes, responder mensagens, malhar, ser avisado pelo app de transporte público que parada eu devo descer… Então quando você “interage” é sempre muito rápido — a Apple quer que ninguém gaste mais de 10 segundos mexendo no Watch. E acho isso bom.

      1. Muito obrigado pela resposta, Pedro. Definitivamente muito esclarecedora. Eu penso em comprar um smartwatch e fico me perguntando se o fato dele essencialmente ser um hub de notificações vale a pena o valor investido.

        Só mais uma pergunta: por aí eles acham muita doideira você ficar conversando com seu relógio? Hahaha

        1. Não sei se eles acham. EU acho. Ontem eu tava na estação do metrô e meio que fui pro cantinho pra “falar” alguma coisa. (Algo simples: “take me home”).

          Mas é bem esquisito mesmo. Em alguns casos é sim mais rápido do que pegar o celular, desbloquear, entrar no app (ou no widget) e digitar alguma coisa. Mas ainda assim é esquisito. Não sei se a galera vai se acostumar. Falar no Bluetooth nunca foi exatamente bem visto.

  11. A questão do watch ter muitos ícones e me parecer um iPhone numa tela menor é real? Por que tantos ícones? Nesse ponto o Android me parece mais tranquilo. Estou muito errado?
    A coroa é confortável no uso? Pergunto por que em relógios tradicionais não é uma coisa confortável e usamos pouco a coroa, mais para acertar o dia do mês após meses com 30 dias.

    1. Vou te dar um exemplo de todas as maneiras possíveis de interagir com o Watch:
      1) “Puxa” a tela do topo pra baixo, aparecem as notificações
      2) Mesmo movimento, de baixo pra cima, aparecem os “glances”, que é meio que um widget, rolando no background (dá pra configurar 20 deles, e a ordem com que eles aparecem, no app do Watch no iPhone)
      3) Apertando uma das 4 ou 5 “complicações” que tem na tela inicial (na imagem da foto do post. Se eu toco no próximo evento do calendário, ele abre o app do calendário. Temperatura, a previsão do tempo.
      4) Apertando fundo (ele sente a força), você faz outras coisas. Na tela de notificações, ele limpa todas. Na tela do relógio, você configura outras faces.
      5) Apertando o botão lateral abaixo da coroa, você vai pra uma lista de 12 contatos favoritos — ali dá pra ligar ou mandar mensagens.
      6) Apertando e segurando a cora, você chama a Siri.
      7) AÍ FINALMENTE você tem a interface com todos aqueles ícones pequenos. Honestamente é a parte que eu menos gostei no Watch, e por enquanto eu não me vejo mexendo em nenhum app a partir dali. Mas percebe quantas maneiras diferentes você tem de interagir? Dá pro Watch ser bem útil e legal sem que você tenha que passar nunca por aquela nuvem de ícones minúsculos (é comum errar o que você quer apertar).

      Nesse sentido, eu acho que o Android Wear tem uma ideia mais bem-resolvida do que quer ser — uma central de notificações, mas significativamente mais limitado em customizações e potencial (quem diria — o Apple é cheio de opções e com curva de aprendizado e o Android é o minimalista fácil de usar). O Apple Watch ainda não se decidiu. Acho que a Apple jogou um monte de opções para os desenvolvedores, e aí depois, dependendo do que for mais usado.

      E, ufa, a coroa não incomoda, é bem bonita e, olha, ideia genial de interface. Já usei bastante para estar configurar um monte de coisa que precisa de ajuste fino.

    1. Sim e sim. Não sei se é porque eu também instalei bem mais apps que tem notificações e usam a geolocalização o tempo todo, mas o resultado dos primeiros dias do Watch é que ele chega ao fim do dia com ~40% de bateria e o iPhone 6 pede água 5 da tarde, e isso não acontecia antes. Como eu ainda tô fazendo muitos testes, é difícil precisar como vai ser pro futuro, mas realmente bateria não é um problema (se você colocar o carregador do lado da cama e tirar o relógio de noite, que é o que a maior parte das pessoas que tem relógio fazem). Para comparação, eu usei o Moto360 por um mês, e a bateria dele é certamente pior. Mas o Watch não é um Pebble também.

  12. 1) Tem muito mistouch pelo fato da tela e ícones serem bem menores que um smartphone?

    2) O relógio precisa ficar muito próximo do rosto para que seja possível ler algo ou fica na mesma distância que você segura o iPhone? Pessoas ao redor conseguem ver o que você está vendo no seu relógio?

    3) Sou daqueles que não tirava o relógio nem para o banho. Para mim, tirar sempre ao final do dia para carregar parece incômodo. E para você? Já fez algum teste sobre a bateria acabar no meio do dia?

    1. Oi, Frederico, eu respondi partes das suas perguntas ali pro Pedro ali em cima (sorry, xarás tem prioridade). Mas:

      1) Tem dificuldade assim. Tirei essa foto agora. A solução é deixar os principais apps no centro (aí os ícones ficam maiores), aí funciona, mas não é ideal. Como eu falei ali em cima, acho que o grid de ícones não é a principal interface.

      2) Não. Até agora eu ainda não precisei chegar mais perto pra ler. Quer dizer, teve um app especificamente, de notícias, que achei a fonte pequena. Mas isso é de app para app, e as nativas dá pra ler confortavelmente à distância. Mas é um desafio para os desenvolvedores. Vai ter que haver uma preocupação com brevidade que antes eu só via jornalista de jornal de papel ter, com o tamanho do título. =)

      3) A bateria não acaba no meio do dia, eu monitoro ele bem menos que o iPhone. E eu não tirei pra tomar banho já também, dá pra “esquecer” que ele tá ali. Eu acho que ter algo no pulso na hora de dormir é meio incômodo, mas isso tem mais a ver com a minha posição na cama (OVERSHARING). Acho que você se acostumaria, mas entendo totalmente que no sentido de ser PARTE DE VOCÊ qualquer relógio tradicional é melhor.

  13. As pessoas perceberam que você está usando um smartwatch ou é algo que passa despercebido? Digo isso pelo fato de achar que seja algo que chame muita atenção, e isso não ser muito bom tanto pelo fator de segurança quanto esteticamente.

    1. Só uma pessoa percebeu até agora, mas porque eu tava mexendo nele de uma forma que pessoas não mexem no relógio. =) Eu tô com o de 38mm, o menorzinho, de aço (não o Sport, de alumínio) e acho ele bem discreto, mais que outros smartwatches e certamente mais que a maior parte dos relógios. Ele não “dá pinta” mais que os outros, enfim.

  14. A principio meu único interesse num smartwatch a principio seria eliminar o celular nas corridas/atividades físicas, na propaganda da apple no anúncio, a corredora lá corria com o gigante Iphone no braço, você já pegou a ideia certo? rsrs Ele funciona sem o celular por perto para esses registros de atividades?

    Só curiosidade mesmo, é um preço proibitivo pra mim!

    1. Aparentemente ele precisa de umas poucas corridas pareado com o iPhone para “entender” a sua passada e medir certinho. Mas depois de um tempo, sim, ele funciona sozinho pra correr (para medir distância, ritmo e calorias — não para fazer a geolocalização da sua corrida, como outros relógios fazem).

      Quando ele tá sozinho, ele mede corridas de maneira bastante precisa (http://www.consumerreports.org/cro/news/2015/04/first-test-results-of-apple-watch-and-apple-watch-sport/index.htm). E Cabe 1 GB de música nele, é só escolher uma playlist pra parear. Obviamente você precisa de um fone de ouvido bluetooth (mais $!) pra brincadeira funcionar, mas eu já experimentei e é bem mais legal do que correr com o bagulho no braço.

      1. Pena que é só 1GB. Já estou sonhando com o dia que o smartwatch vai substituir meu iPod Nano!

        1. Bom, é o mesmo espaço das primeiras gerações dos iPod nano e Shuffle :)

          Não dá para carregar todo o seu acervo de músicas, mas um podcast ou mesmo alguns álbuns completos, rola.

      1. Sobre suor: os caras lá da loja da Apple aqui recomendaram usar a pulseira esportiva para praticar esportes — a minha é a de couro, e há um problema comum, bem, de cheiro, se você suar demais. Ainda não senti porque aqui continua frio, mas imagino que possa ser um problema, como qualquer pulseira de couro.

        Mas se você pergunta sobre a questão de ser ou não à prova d’água (ou se a humidade atrapalharia o funcionamento), acho que ele é até um pouco mais resistente do que o anunciado. http://bgr.com/2015/04/24/is-the-apple-watch-waterproof-video/ Não precisa temer por causa disso.

  15. O controle de notificações do relógio é eficiente? Ou acaba virando um inferno de bips e vibrações no pulso?
    Aliás, o relógio consegue se desgrudar dessa imagem de apenas um “dispositivo de notificações”?

    1. Pra quem não usava muitas notificações, de maneira geral, como eu, ele não atrapalha. Mas certamente há um certo nível de notificações que são DE BOA no smartphone e terrivelmente chatas quando a coisa tá tremendo no pulso. Acho que temos uma tolerância maior se a notificação significar só ver um aviso na tela bloqueada.

      Sobre o controle, varia muito. Alguns apps fazem isso muito bem, vou dar dois exemplo: no Mail (o app padrão de email), você pode configurar pra receber notificação apenas se receber emails de contatos “VIPs” ou de threads que você escolheu para seguir. Um outro app de notícias esportivas, o TheScore, pode dar notificações apenas do placar do jogo do time que você torce, e nada mais.

  16. Começando os TRABALHOS: faz uns quatro ou cinco dias que você está usando o Apple Watch (corrija-me se estiver errado). Até agora, ele já mexeu na sua rotina e nos seus hábitos? Se sim, no que, exatamente?

    1. Sim! Eu posso desenvolver isso mais adiante, mas as duas primeiras coisas mais óbvias é que certamente pego bem menos no iPhone e sinto uma certa obrigação de me movimentar/levantar/me exercitar mais. A parte de “fitness” dele é bem feita pra você se sentir obrigado a fazer alguma coisa.

        1. Eu faço isso meio que naturalmente, então não atrapalhou — só recebi o aviso uma vez. Mas imagino como pode ser bem irritante. Aliás, o Apple Watch parece que REALMENTE quer ser o seu amigo chato que fala “BRÓDER, bora fazer uns exercícios”. O app de atividade tem ene notificações de fábrica, e costuma ficar te lembrando que faltam X calorias pra meta, ou que você andou o suficiente, etc.

  17. Começando os TRABALHOS: faz uns quatro ou cinco dias que você está usando o Apple Watch (corrija-me se estiver errado). Até agora, ele já mexeu na sua rotina e nos seus hábitos? Se sim, no que, exatamente?

  18. Começando os TRABALHOS: faz uns quatro ou cinco dias que você está usando o Apple Watch (corrija-me se estiver errado). Até agora, ele já mexeu na sua rotina e nos seus hábitos? Se sim, no que, exatamente?

  19. Começando os TRABALHOS: faz uns quatro ou cinco dias que você está usando o Apple Watch (corrija-me se estiver errado). Até agora, ele já mexeu na sua rotina e nos seus hábitos? Se sim, no que, exatamente?