Etc

Bloco de notas 20#18: Polarização no Facebook; julgamento do bloqueio do WhatsApp no STF; e pesquisa TIC Domicílios 2019

Uma curadoria semanal de notícias, curiosidades e esquisitices da tecnologia pessoal.


🗞 Notícias

Desde pelo menos 2016, o Facebook sabe que contribui para a polarização da sociedade. Estudos internos apontavam à direção o papel dos algoritmos na recomendação de grupos extremistas e viralização de discursos divisionistas no feed, mas iniciativas para combater o problema foram suprimidas porque, nos Estados Unidos, tais práticas eram mais comuns entre conservadores do que entre progressistas e, aparentemente, o Facebook não quer desagradar o grupo atualmente no poder. [Wall Street Journal, em inglês e com paywall]

Livros recomendados pelo Manual do Usuárioo

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar a validade dos bloqueios judiciais de aplicativos como o WhatsApp. O expediente, já usado no Brasil, é uma resposta da Justiça embasado no Marco Civil da Internet frente às negativa do Facebook em colaborar com investigações que envolvem o WhatsApp. O problema é que o bloqueio em todo o território nacional afeta dezenas de milhões de pessoas que usam o app. Até o momento, apenas a ministra Rosa Weber deu seu voto: para ela, a suspensão só pode ocorrer nos casos de descumprimento da parte da legislação sobre o armazenamentos dos dados. [Agência Brasil]

Um em cada quatro brasileiros (26%, ou 47 milhões de pessoas) não têm acesso à internet no Brasil. O dado é da pesquisa TIC Domicílios 2019 do Cetic.Br. Outra constatação é de que pela primeira vez mais da metade das camadas mais pobres (classes D e E) e da zona rural está conectada. Por outro lado, a presença de computadores conectados nas casas das pessoas segue tendência de queda iniciada em 2016. Dos brasileiros conectados, 58% acessam a internet exclusivamente pelo celular. [Cetic.Br (PDF)]

O Twitter finalmente agiu contra tuítes falsos de Donald Trump.Dois tuítes do presidente norte-americano questionando a lisura da proposta de votação remota — via correios — para as eleições deste ano ganharam um selo em que se lê “Obtenha informações sobre as cédulas por correio”, linkado para um compilado de mensagens de checadores de fatos em uma página do próprio site do Twitter. Apesar disso, as mensagens foram retuitadas, ao todo, quase 60 mil vezes. [Folha]

A Anvisa liberou os recursos de saúde dos Apple Watch Series 4 e Series 5 no Brasil. São dois — Recurso de Notificação de Ritmo Irregular (RNRI) e Eletrocardiograma (ECG) — que “destinam-se apenas ao uso informativo”, ou seja, não têm validade clínica. Ainda não se sabe quando eles serão ativados. [MacMagazine]

O golpe do pedido de dinheiro via WhatsApp ganhou uma variação perigosa. Em vez de “clonar” (roubar) números de telefone para se passar por outra pessoa, golpistas goianienses criaram números novos e colocaram fotos de médicos e dentistas — pessoas de “credibilidade social” — no perfil do aplicativo para extorquir seus familiares. Eles dão a desculpa de que trocaram de número e, em seguida, solicitam depósitos. Duas pessoas tiveram prejuízo de R$ 20 mil cada. [G1]

Em termos de receita, a ByteDance está entre o YouTube e o Instagram. Considerada a startup mais valiosa do mundo no momento (~US$ 100 bilhões), a dona do TikTok faturou US$ 17 bilhões em 2019, quase no meio do caminho entre os faturamentos de YouTube (US$ 15 bi) e Instagram (US$ 20 bi) no mesmo período. [Bloomberg, em inglês]

As cinco maiores empresas de tecnologia têm mais dinheiro em caixa que muitos fundos soberanos, coisa de quase meio trilhão de dólares. Mesmo com os impactos da pandemia do coronavírus, as cinco — Facebook, Alphabet, Amazon, Apple e Microsoft — já disseram que continuarão investindo pesadamente em pesquisa e desenvolvimento, porque é isso o que garante hegemonia e as ajudam a encontrar novas galinhas dos ovos de ouro. Difícil competir assim, né? [@mims/Twitter, em inglês]


📕 E o livro de maio vai para…

Os assinantes pagantes do Manual do Usuário concorrem, todo mês, ao sorteio de um livro escolhido por mim e que dialoga com as pautas abordadas no site. O de maio é o ótimo Homo Deus: Uma breve história do amanhã, do Yuval Noah Harari.

O sortudo que leva este livro para casa é Junior Cruz. Parabéns! 🥳

Para concorrer aos livros dos próximos meses — e, de quebra, ajudar a manter esta newsletter funcionando —, assine o site. Custa a partir de R$ 9 por mês e a assinatura pode ser feita no Catarse ou PicPay. Mais detalhes nesta página.


🗣 Uma frase

As empresas afirmam que estão atendendo a “demanda do consumidor” por produtos rápidos e baratos, mas na verdade elas estão moldando e criando o que as pessoas acham que é possível ter e comprar. No processo, o trabalhador e os impactos ambientais estão escondidos atrás de narrativas reluzentes de conveniência.

— Veena Dubal, da Universidade da Califórnia [@veenadubal/Twitter]


📱 Apps

A Microsoft liberou a atualização de maio do Windows 10, a primeira das duas grandes programadas para o ano. Poucas novidades práticas, com destaques para o Windows Subsystem for Linux 2 e a separação da Cortana do sistema. Por ora, a atualização só será instalada caso o usuário explicitamente a solicite nas configurações. Dado o fiasco gravíssimo da de outubro de 2018, quando arquivos pessoais foram excluídos inadvertidamente, talvez seja uma boa esperar. [Microsoft, em inglês]

O Zoom desativou a integração com o Giphy preventivamenteapós este ter sido comprada pelo Facebook. “Quando medidas técnicas e de segurança adicionais forem implantadas”, disse a empresa, “restabeleceremos o recurso”. Em março, o Zoom foi duramente criticado por enviar dados dos usuários ao Facebook devido a um recurso de login presente em seu app móvel. [Zoom, em inglês]

O Spotify removeu o limite de 10 mil músicas que podiam ser adicionadas à coleção por alguém. Dado que o ato de adicionar músicas à coleção consiste, em essência, apenas em um link para arquivos na nuvem, era um limite meio inócuo. Atente que o teto ainda existe para playlists individuais e músicas baixadas. [Spotify, em inglês]

Um app: Rectangle, para macOS. Relutei muito em instalar um desses apps que melhoram o gerenciamento de janelas no sistema da Apple. Resolvi experimentá-los e optei pelo Rectangle, o mais novo do tipo (e de código aberto). Faz uma boa diferença. É inacreditável que a Apple tenha demorado tanto para copiar um recurso que a Microsoft oferece no Windows desde 2009 — e copiado mal, quando o fez. O Rectangle é superior à solução nativa do macOS, gratuito e pode ser baixado aqui.


💡 Dicas e curiosidades

Quadro do jogo brasileiro baseado nos Correios.
Imagem: Leonardo Henrique/Divulgação.

O manauara Leonardo “senpaivanilla” Henrique criou o jogo Destinatário ausente, que altera levemente a atmosfera do cultuado Death Strandingpara incluir o carteiro Gerson Pontes (brincadeira com o protagonista do jogo original, Sam Bridges) e todo o aparato da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, os nossos Correios. Existem duas versões: uma em que Gerson começa fazendo entregas a pé e só depois libera moto e van dos Correios, e outra com os veículos liberados já de início. Gratuito, para Windows. [@senpaivanilla/itch.io]

O Google Maps está sendo usado para espalhar arquivos piratas.Os “locais” têm título, palavras-chaves e links, e são colocados ali porque aparecem bem posicionados nos resultados do Google, o que gera tráfego. Cuidado: alguns são iscas para golpes. [Torrent Freak, em inglês]

Impressionante a velocidade da escrita por voz no Pixel, celular com Android do Google. A precisão da transcrição também chama a atenção, e tudo fica ainda mais notável porque ao lado do celular há um iPhone tentando fazer a mesma coisa e falhando miseravelmente. [@jamescham/Twitter, em inglês]

Um piloto de Formula E da equipe da Audi foi suspenso por trapacear em um jogo de videogame. Devido à paralisação da competição real, a Formula E está fazendo uma virtual com os pilotos reais. Numa dessas, o alemão Daniel Abt, da Audi, colocou em seu lugar um jogador profissional de videogame. Abt foi desqualificado do torneio, condenado a pagar € 10 mil a uma instituição de caridade e ainda corre o risco de ser expulso da equipe. [Reuters]

Sabe o jogo do dinossauro que o Chrome exibe quando não há conexão à internet? O Edge, navegador da Microsoft, ganhou um parecido,porém mais requintado. É um jogo de surfe, todo colorido e com suporte até a controles de videogame, e que lembra muito o clássico SkyFree, outro jogo da Microsoft de 1991. Para jogá-lo conectado, basta acessar o endereço edge://surf — estando no navegador Edge, obviamente. [Windows/YouTube, em inglês]

Este homem colocou LEDs em sua máscara facial que formam o desenho de uma boca que acompanha a sua fala — e dá até um sorrisinho :) [@TylerGlaiel/Twitter, em inglês]


Se você curtiu este Bloco de notas, assine gratuitamente a newsletter do blog para recebê-la semana que vem, gratuitamente, direto no seu e-mail:


Edição 20#18

A melhor maneira de acompanhar o site é a newsletter gratuita (toda quinta-feira, cancele quando quiser):

Acompanhe também nas redes sociais:

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!