Achados e perdidos #37

Todo sábado, pego uns links que acumulei ao longo da semana e que, embora curiosos e/ou interessantes, não renderam nem notinhas, e os publico num compilado que chamo de “achados e perdidos”. É um conteúdo mais leve, curto, quase lúdico — a cara do fim de semana.

***

Foto de um braço robótico com uma câmera acoplada na ponta, apontando para uma estrutura com partes de um sanduíche sepradas, suspensas, contra um fundo branco.
Imagem: Steve Giralt/YouTube.

— Os bastidores de um comercial de hambúrguer “desconstruído” é o vídeo mais legal que você verá hoje.

— “Compre livros de pessoas que vendem livros, não de quem quer colonizar a Lua.” O protesto é de 2020 (em inglês), mas segue válido.

— Este cara colocou um chip Apple M1 dentro de um antigo iMac G4 (em inglês).

— A Valve abriu um Steam Deck para dizer que você não deveria fazer isso (em inglês). Não tem vídeo bonitinho que compense um design hostil a reparos e cheio de componentes exclusivos/fora dos padrões…

— A Yubico lançou a Bio Series, uma versão da sua chave de segurança com sensor de impressão digital (em inglês). Lá fora, por US$ 80 (~R$ 420) na versão USB-A, e US$ 85 (R$ 450) na USB-C.

— A Canon anunciou uma lente “dual fisheye” (em inglês), a primeira do tipo, para a gravação de vídeos em realidade virtual. Sai no fim do ano, por US$ 2 mil (~R$ 10,5 mil).

— Uma olhada em como ficará o Material You na One UI (em inglês) dos celulares Samsung.

— Um rap alemão sobre o Telegram (sim, o aplicativo). “Telegram, Secret Chat, schlasu idwial djahdfjkas”!

— Antes tarde que mais tarde, o Gnome 42 terá um modo escuro nativo (em inglês).

— O TikTok lançou um app para smart TVs (em inglês). Para alívio de pais que têm filhos adolescentes em casa no Brasil, por ora está disponível somente em alguns países da Europa.

Aprenda Excel usando o Excel: uma planilha feita pelo Henrique Fialho Barbosa que guia o(a) leigo(a) por conceitos básicos e as primeiras fórmulas do Excel.

Access Guide (em inglês) é uma coletânea boas práticas de acessibilidade na web, apresentadas em cartões.

Archetype é um visualizador de fontes na web. (Este Manual recomenda o uso de fontes nativas em vez de personalizadas para sites, porém.)

— O próximo tema padrão do WordPress, o Twenty Twelve, foi revelado (em inglês). Está bonitão e parece ser bastante flexível.

Turing Complete é um jogo cujo objetivo é criar um computador completo funcional. Sai por R$ 38 no Steam.

— O novo visual do Safari no macOS é tão desastroso que alguém fez uma extensão que sinaliza melhor qual aba está ativa (em inglês). Custa R$ 10,90.

— O Google agora tem um afinador de violão embutido no buscador.

— Lançamentos literários da semana:

  • Isso nunca vai funcionar: O nascimento da Netflix e a incrível vida de uma ideia contada pelo seu cofundador e primeiro CEO [Amazon, Magalu, Americanas, editora]1, de Marc Randolph, publicado pela Planeta: “Conheça a incrível história de como a Netflix passou de uma ideia a uma empresa, narrada por seu primeiro CEO.”
  • Federer: O homem que mudou o esporte [Amazon, Americanas, editora]1, de Christopher Clarey, publicado pela Intrínseca: “Outras pessoas já tentaram contar essa história, pois não é sempre que o esporte tem um jogador como Roger Federer. No entanto, é a primeira vez que uma biografia teve acesso tão exclusivo ao atleta, à sua equipe de apoio e às figuras mais proeminentes do tênis, incluindo grandes rivais, como Rafael Nadal, Novak Djokovic e Andy Roddick.”
  • Dexter: A mão esquerda de Deus [Amazon, Americanas, editora]1, de Jeff Lindsay, publicado pela Planeta: “Nova edição do livro que deu origem à aclamada série de TV Dexter, em comemoração à estreia de mais uma temporada com o serial killer mais amado do mundo.”

— Debates legais que estão rolando no post livre:
– Apps para Linux que aquecem o coração.
– Site em vez do Zap no comércio.
– Indicações de livros.
– Kit lavagem nasal.
– Qual nuvem usar?
– Carne e ossos na dieta: bom ou nem?
– Abrindo conta na Nomad.
– Promos de notebooks e monitores.

— No podcast Guia Prático desta semana (ouça!), eu indiquei a série Cenas de um casamento (a original), do Ingmar Bergman, e ficarei devendo outra vez uma maneira de assistir à sua indicação — não está disponível em lugar algum. Jacque trouxe o livro Toda Mafalda [Amazon, Magalu, Submarino]1, do Quino, publicado no Brasil pela Martins Fontes.

Este post saiu primeiro na newsletter do site. Cadastre-se gratuitamente para receber os próximos direto no seu e-mail.

  1. Ao clicar e/ou comprar por estes links, o Manual do Usuário pode receber uma pequena comissão. O preço final para você não muda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 comentários

  1. Não tem vídeo bonitinho que compense um design hostil a reparos e cheio de componentes exclusivos/fora dos padrões…

    Não sei se entendi errado, mas pelo que eles mostraram, não tem nada que seja “desnecessariamente” proprietário e fornecerão peças para reparo. Além disso, é possível dar manutenção sem ferramentas especiais e não utilizam um monte de cola como é comum em dispositivos portáteis.

    O Steam Deck é um bom exemplo, de produto fácil de dar manutenção.

    1. É, revendo o vídeo, talvez eu tenha sido muito duro/errado a crítica. De qualquer forma, ainda incomoda-me a postura “não faça isso em casa” e a sugestão de que abri-lo pode alterar a estrutura e resistência do produto. É uma mensagem institucional muito diferente da de produtos realmente pró-reparo, como o Fairphone e o (notebook) Framework.

      Na próxima edição escreverei uma errata. Valeu pelo toque!

      1. De qualquer forma, ainda incomoda-me a postura “não faça isso em casa” e a sugestão de que abri-lo pode alterar a estrutura e resistência do produto.

        Não conheço tanto de hardware, mas o pessoal do LTT concordou com os argumentos técnicos dados. De fato, há alguns riscos não óbvios envolvidos em colocar um M2 2230 qualquer. E, dado o contexto desse produto, é super esperado que muita gente tente fazer esse upgrade por fora. Entendi mais como um “não abra, se não precisar e tome cuidado”.

        Essas outras empresas existem por se venderam assim, cobram por isso. O Steam Deck provavelmente é vendido no prejuízo, acho bem razoável a diferença de discurso.

        Aliás, o caso do Fairphone me pareceu bizarro demais, lançar um TWS descartável como qualquer outro e ainda tirar a saída de fone de ouvido. Para mim, ficou uma impressão de greenwashing enorme.

          1. Aliás, você já tinha ouvido falar dessa Iodé?

            Eles têm uma versão do Android que tenta substituir os serviços do Google sem todas as dificuldades que isso envolve. Achei o sistema muito bem pensado, incluindo Aurora Store e um “Pi Hole” nativo.

            Além de venderam Fairphone, eles também instalam em refurbished que é indiscutivelmente mais eco-friendly.

          2. @ Gabriel Arruda

            Nunca tinha ouvido falar dessa Iodé, e olha que acompanho com bastante curiosidade essa cena de sistemas alternativos. Reaproveitar celulares é mesmo um ótimo caminho!

  2. Opa Ghedin. Tranquilo? Muito boa a seleção de links da semana. Estava louco por um rap assim. kkkk
    Esse curso de Excel é realmente muito bom.

    Tive uma ideia e não sei se isso causa algum impacto no site. Os links que não são nativos do site poderiam abrir por padrão numa nova guia. Quando estou lendo eu evito ter que ir e voltar sempre que abro um link. Abrindo em uma guia, isso impediria de “sumir” com o MdU da visão.

    Não sei se já foi assim por um tempo ou se isso tem grandes impactos, apenas acharia interessante. Sucesso!

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário