Post Livre #96


4/8/17 às 21h37

Hoje o dia começou corrido, com uma reunião longe, um evento de lançamento onde tive a sorte de encontrar os colega da tecnologia, Rodrigo Ghedin, inclusive, e terminou com uma entrevista bacana com o Marcel Campos, da Asus, que logo deve resultar em mais um vídeo feito em parceria com o Tecmundo e Showmetech. Mas post livre é para conversar sobre o que vocês quiserem e não sobre o meu dia ou noite, então bora trocar ideia durante o final de semana também?

 

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

56 comentários

    1. Não entendo nada da tecnologia por trás da coisa, mas pelo menos do ponto de vista do posicionamento da identidade visual, acho que a mozilla está num caminho arriscado mas muito interessante: a nova identidade é deliberadamente datada (pois parece o produto de um designer dos anos 90 e 2000 para um cliente “pontocom”), sobretudo com aqueles “dois pontos, barra, barra” no logotipo, mas ela vem aplicando essa identidade de uma maneira competente e contemporânea, com uso adequado de tipografia, etc. É como se estivessem tentando passar uma mensagem do tipo “nossas origens estão no imaginário da web aberta e na comunidade hacker de antigamente, mas estamos completamente imersos no mundo atual”. Quando vi o novo logotipo, meses atrás, achei que era um retrocesso, mas a identidade como um todo está interessante.

      https://uploads.disquscdn.com/images/4d6fe332179427c293146a991b56011325ef07034b458f76ce069ed43731e233.png

      1. Eu acho que faz parte da estratégia mesmo essa linguagem mais “hacker”, eles sabem que não podem ganhar do Google divulgando seu browser, mas podem reconquistar o público geek e também nos interessados em questões da internet atual que você comentou (neutralidade de rede, padrões web, jardins murados, etc..)

    2. Torcendo pra que o Firefox volte pra brigar de verdade com o Chrome. Não aguento mais tanto Google na minha vida. Hoje me sinto como se tivesse utilizando o LibreOffice… usando só pq é livre e fingindo pra mim mesmo que é igual o MSOficce.

      O que acham do Opera controlado pelos chineses? Testei aquele Brave mas desinstalei pq o dono vota do Bolsonaro, é antigay, antiimigrante.

      1. Eu uso o Firefox no trabalho e acho ele bem decente. Não entendo do que o pessoal refém do Chrome sente tanta falta (pode me dizer?).

        Em casa, uso o Safari. Acho que ele está na frente do Chrome em vários aspectos e não é de agora…

        1. Eu também não me importo muito com browser, mas o Firefox eu acho meio sofrido usar no MacOS pela sua falta de fluidez comparado aos concorrentes. No Linux, eu gosto bastante de usar o Firefox, sinto pouca ou nenhuma diferença em relação ao Chrome.

          E concordo em relação ao Safari: acho mais bonito, mais rápido e mais leve. Desde que eles implementaram o multi-thread nele, no Mavericks, tenho optado por ele.

        2. – Trocar de computador/celular e quando logar com sua conta Google ter todos os seus favoritos, histórico e cache de onde vc parou.
          – Maior quantidade, qualidade e segurança de extensões. No Firefox sempre estão desatualizadas e ainda não informam as permissões que concedo.
          – Maior compatibilidade com sites. Em 2017 tem site que não abre no Firefox, Safari, Edge…
          – Busca Google com o botão direito. Clicar numa imagem ou numa palavra e encontrar o que vc queria de primeira é uma baita ajuda. Faça isso com com algum filme de nome genérico e veja a mágica acontecer.
          – O Chrome gerencia melhor as abas. Nunca travou aqui ao contrário do Firefox ou mesmo Opera que sempre dao uma engasgada.

          Eu tbm uso o Firefox no trabalho, mas ele parou no tempo. Dê uma olhada nos foruns sobre ele e veja o descontentamento geral até mesmo dos fireboys. Quanto ao Opera é por causa dos donos chineses e o almoço farto gratis, e sobre o Safari… fora da realidade de 99% das pessoas.

          1. 1. usando safari isto também acontece, de uma maneira que me parece mais fluída e sem precisar logar no google

            3. sim, é verdade

            4. os três dedos do safari funcionam muito bem com isso (ou o force touch dos modelos mais recentes), oferendo uma prévia de pesquisa para expressões e links. Parece-me uma implementação mais “elegante”.

            enfim: entre vender a alma completamente para a google, talvez seja o caso de dividi-la em pedacinhos entre essas empresas todas…

          2. Quase tudo que você citou o Firefox faz, da sincronização (Firefox Sync) à busca por termos selecionados com o botão direito do mouse. As principais extensões ele tem, também.

            O problema me parece ser mais de bastidores (tecnologias mais modernas para lidar com os sites) do que de interface de usuário. E sensação de velocidade. O Firefox 54, que deu suporte a múltiplos processos, melhorou bastante esse aspecto, e o 57 deve colocá-lo a par com os outros navegadores.

            A essa altura, me parece que a hegemonia do Chrome é mais por hábito do que por qualquer fator lógico. Tipo quem usa macOS e Chrome — não faz muito sentido.

        3. Faço o mesmo (safari em casa e firefox no trabalho).

          Tem uma bobagenzinha no Safari que eu adoro (e é implementada de uma maneira grosseira e inutilizável no chrome) que é o uso de dois dedos na horizontal para voltar e avançar páginas. Às vezes preciso ler alguma coisa em uma página anterior e uso os dois dedos como se fosse uma “cortina” (ao invés de voltar à página anterior, você move a da frente só até a metade da tela para ver o que precisa, sem de fato recarregar a anterior). Esses detalhezinhos de interface ainda me fazem preferir o safari.

        4. É estranho vc dizer isso sobre o Safari. Muita gente q eu conheço q usa macOS, ñ usa ele(Devs então…) por achar ”simples” demais e por ter problemas com sites(G1 e alguns web players segundo o que me falam, por exemplo). É só uma solução nativa(e que COM CERTEZA sempre foi melhor que a nativa do Windows; hahaha). Mas vc poderia citar esses aspectos só pra efeito de comparação? Não precisa citar o de bateria, já q qualquer browser perde pro Safari nesse aspecto nos Macbooks.

          PS: Achei isso quase a msm coisa do pessoal que fala do iWorks, que é nativo, gratuito e ”suficiente” em alguns aspectos para muitos. Mas ninguém ousa comparar com o MS Office, por exemplo… E não q faça diferença pra os leigos(da plataforma) ou no uso diário, mas o Safari perde até pro Edge em alguns benchmarks(quem diria, ñ?).

      2. ” …Hoje me sinto como se tivesse utilizando o LibreOffice… usando só pq é livre e fingindo pra mim mesmo que é igual o MSOficce… ”
        Adorei essa parte. Já passei por essa fase tbm. Mas o MS Office é um caminho sem volta(ñ sei se isso é bom ou ruim). Kkkkkkk
        Sobre o Opera: Chineses? CORRAM!

    3. Eu acho que é um caminho sem volta pra Mozilla.
      Não que o navegador seja ruim, mas falta marketing e simplicidade.
      O Chrome é tão facil de instalar e logo de cara pede pro usuario fazer login. Ainda por cima ele era oferecido já na pagina principal do Google. O fato de sincronizar os dados com o Android tambem ajuda….
      Não me julguem por hater ou coisa similar…., apenas não sou tão otimista…

      1. Eles parecem bem cientes dessa realidade, quererem alcançar uns 20% do mercado e estão com 12% estáveis desde o começo do ano. Em termos financeiros, eles parecem tranquilos e estão melhorando continuamente ano a ano, e isso parece ser suficiente para manter o desenvolvimento do browser.

        Supondo que eles realmente consigam fazer um ótimo browser, o que é uma tarefa complexa competindo com Microsoft, Google e Apple, acho que já é vitória manter os usuários atuais e ganhar alguns geeks e “ativistas” no mercado de PCs.

        O browser não voltará a relevância de anos trás, eles não têm força e nem os PCs são tão relevantes mais, mas acho que o pessoal é meio 8 ou 80 com mercado: ou você engole o mercado, ou você perdeu.

        Concordo que seja verdade para alguns mercados, redes sociais e SOs dependem de apoio de uma grande massa para se viabilizarem, mas browser é tranquilo enquanto o Google não forçar padrões proprietários. Usei Opera por um bom tempo nos idos de 2009-2012 com um motor próprio, salvo eventuais problemas pontuais, a irrelevância dele no mercado nunca foi um problema para o meu uso.

        Em resumo, eles não devem voltar ao market-share que tiverem, mas devem voltar a ser uma boa alternativa para os interessados o que deixarem de ser nos últimos anos.

        1. é possível que o Firefox volte a ser interessante no desktop caso eles consigam um navegador com menor consumo de memória, isso se vingar o uso da linguagem Rust, também criada pela Mozilla, e que é bem considerada tecnicamente

      2. Eles compraram o Pocket, lançaram o Focus e tem umas coisas em teste bem legais como o filho do megaupload com o snapchat. Não acho que seja marketing, pois nunca vi anuncio do Chrome e o coitado do Edge paga até a mãe pedindo pra o usarem. Deve ser a coisa da simplicidade e onipresença mesmo. O Chrome quase não tem botoes e eu sei que vou conseguir facilmente usar ele aqui, no trabalho, no android, no iphone, no linux…
        Sou ateu mas vou rezar pro Firefox.

    4. sempre usei Firefox (e antes disso, o Netscape), nunca suportei o Internet Explorer, que chegou a quase 90% de participaçao no mercado de browsers…acho que o uso maciço do Chrome é resultado de um bom navegador, mas principalmente da força maciça da marca Google…e além disso, claro, uso o Thunderbird,tanto em casa como no trabalho…além de ser simples e fácil de configurar, é muito fácil fazer backup dos emails…já troquei de computador uma porção de vezes, e sempre copio os emails do Thunderbird de uma máquina prá outra sem traumas

      1. Creio q ñ tem muito a ver com marca Google, é que o Chrome REALMENTE mudou tudo pra melhor. O IE com 90% de participação era um verdadeiro horror, se o browser ao menos fosse usável, mas ñ, era uma total piada. A MS dominando total, nunca se importou em melhorar o IE(MAS NUNCA MSM!). Veio o Firefox e deu um respiro, pois finalmente ia ter uma alternativa viável ao IE. Anos depois o Chrome…
        O Chorme tá onde tá hje por pura INCOMPETÊNCIA da MS e da própria Mozilla tbm(claro que o Google tem pontos aqui, pois sempre esteve aperfeiçoando o browser), pq ñ importava se o Chrome era ou ñ do Google, as pessoas só queriam algo que funcionasse bem e que fosse prático. Não tínhamos algo equilibrado antes do Chrome. Agora, com o W10, a MS foi se ”redimir” com o Edge, que de fato é bem superior ao IE(muito msm), mas demorou demais pra fazer isso. Resultado: Msm o Edge sendo um browser decente e com tecnologias totalmente atuais(diferente do IE), as pessoas ainda têm na cabeça a péssima lembrança do IE e nem se quer ao menos testam o novo navegador.
        Eu gosto muito do Firefox, espero que o msm ao menos cresça seu market share, pq passar o Chorme, ninguém consegue mais a essa altura do campeonato. É a msm coisa do Android pro Mobile e Windows pro PCs.

        PS: Engraçado que tinha o Safari para Windows, mas ninguém nunca se importou, o q resultou na descontinuação do msm em 2011.

  1. Falando da ASUS, eu até que tô bem satisfeito com a política de atualizações deles, apesar do sistema ser bem modificado. O Zenfone 3 está no Android 7.0 (podia estar no 7.1, mas nem tudo é perfeito), e ainda ontem recebi uma atualização com o patch de segurança mais recente do Android, de 1º de Agosto. Não é algo que a gente encontra com frequência nas marcas mais comuns, especialmente se não forem de intermediários pra cima.

  2. É impressão minha ou a quantidade de conteúdo no MdU vem sendo atualizado com uma menor frequência ? (Com exceção da Mostre sua mochila/mesa e o Post livre que continuam firme e forte)

    1. Fazendo uma critica construtiva: os posts são muito iguais, me sinto como se estivesse olhando um catálago das lojas de móveis/material de escritório que entopem a minha caixinha de correio. Se fosse publi ou os objetos mostrandos tivessem uma história, um contexto, um review, uma comparação… mas é só “olha o que eu tenho tchau”… até revista de policial deve ser mais profunda.

      Comecei a ler um pouco mais o Tecnoblog desde então. A quantidade de posts poderia ser menor, eles escrevem muita nota de atualização irrelevante, mas tem coisa bem legal, principalmente nos posts do Higa.

    2. Também estou sentindo falta de mais artigos para leitura, como nos tempos do Ghedin. Espero que se resolva.

    1. O cara se forma em jornalismo e das duas uma: ou vai atrás do dinheiro, ou vai atrás de seus interesses. Se juntar os dois em um…

        1. Generalização tende a ser burra, mas do jeito que vejo hoje a informação online, acho que estou certo.

  3. Tem algum site que vocês acompanham os eventos de TI que acontecem em SP (Tirando rede social que não costumo entrar ou ter conta.)? Estou estudando em SP já faz um ano e não fui em nenhum evento não porque não quis, mas porque não fiquei sabendo.

    1. Tem o aplicativo Meetups, lá dá para se cadastrar em diversos grupos, na área de Big Data a maioria dos eventos importantes são divulgados por lá.

    2. teve um grande evento esses dias em SP chamado TDC, voltado para o público técnico, e realmente houve pouca divulgação

  4. Assunto: Filmes.
    Pretendo ir ao cinema assistir Planeta dos Macacos – A Guerra. Os trailers me convenceram de que esse filme tem que ser visto na telona, e todas as críticas que eu vi por aí são muito positivas. E verdade seja dita, Andy Serkis é um baita de um ator, Oscar é pouco pra ele. Já deveria ter ganhado, aliás, tanto por Planeta dos Macacos – A Origem quanto por Planeta dos Macacos – O Confronto.
    Assisti Mulher Maravilha, tem um tempo já. Desculpa Warner, mas nesse caso Oscar não vai rolar não.
    Não que o filme não tenha qualidades: a cena da “Terra de Ninguém” é foda pra caralho, com uma direção que exalta a mulher como potência, não apenas pelos poderes divinos da Mulher Maravilha, mas principalmente pela forma como a cena foi filmada. Me explico: um diretor homem (pleonasmo se fez necessário) teria feito uma cena brutal e destruidora. Como trata-se de uma diretorA, a ação se desenrola como uma dança muito intensa, a um só passo com força e delicadeza. E em alguns momentos da história essa sensibilidade feminina da direção de Patty Jenkis se faz presente com força, como na cena em que a Diana peita um bando de militares burocratas, considerando absurda a postura de homens velhos que mandam milhões de jovens morrer no campo de batalha como se manda um empregado ir lavar a louça. Há também a cena na qual Diana convida apenas com o olhar o Trevor a entrar e ficar no seu quarto, sem nenhuma palavra proferida por ambos os personagens, e apenas com os inconvenientes sons da porta se fechando e das respirações nervosas da atração. Só quem teve algum relacionamento minimamente intenso vai entender totalmente as emoções envolvidas nessa simples e bem dirigida cena, e quem nunca teve se sentirá tentado/a a descobrir. Outro momento em que essa força feminina se faz presente é na hora em que Diana toca com delicadez na foto do Trevor e se detém fitando a imagem, e mais uma vez sem nenhuma palavra transmite um amor e uma saudade de cortar o coração. Mulher Maravilha, como pude notar pessoalmente, é um filme que fala da força da mulher sem levantar uma bandeira reacionária de “morte ao falo”, mas que expõe de forma excelente o quão absurdo é ignorar uma pessoa e suas opiniões por causa do seu sexo, como acontece no filme várias e várias vezes.
    Ainda falando em Oscar e qualidades que poderiam levar alguns filmes a ter um reconhecimento por qualquer meio, incluindo a citada premiação, há filmes que considero subestimados. Dois que me vem sempre a mente são Rambo e Tróia. O primeiro tem uma história simples mas muito bem contada, com um Stallone mandando bem e mostrando que pode sim ser um ator dramático. Assisto sempre que possível, e sempre tenho uma nova impressão de Rambo quando o revejo.
    O segundo, Tróia, tem uma pegada mais épica. Infelizmente o filme pecou em alguns aspectos técnicos: os figurinos poderiam ser mais convincentes e a trilha sonora apenas ensaia uma pegada épica, sem entregar de fato tal resultado. Ainda assim, a história é fantástica. Gosto desse filme pois eu me identifico com dois dos personagens, Aquiles e Heitor. Eu sempre me vejo como Aquiles quando analiso minhas falhas como homem – minha relutância em pedir desculpas quando devo, meu nervosismo com falhas alheias, minha aparente arrogância. E eu sempre tenho como meta ser um Heitor – um bom pai, um bom marido, um bom amigo, um homem calmo, sensato, racional e confiante mesmo diante de grandes desafios ou de problemas corriqueiros.
    E sim, eu recomendo todos os citados filmes para vossas coleções ☺

    1. Planeta dos Macacos é um baita filme! Tive a oportunidade de assistir no último sábado pois estava esperando ônibus chegar e gostei muito muito mesmo!

      1. Felizmente muitas pessoas no Brasil estão gostando desse filme. Espero que a bilheteria aqui o “salve”, pois ele não anda arrecadando muito bem não.

    2. Também estou no interesse pelo PdM. Fazia tempo que não ia aos cinemas, mas essa semana emendei Baby Driver e Dunkirk e agora quero ver pelo menos 2 filmes por mês em cinema. Quem sabe até 4

        1. Gostei de ambos. Baby Driver muda um pouco a partir de um determinado momento, ficou um pouco estranho, mas é bem legal. Gostei bastante do protagonista

          Dunkirk me pegou de surpresa porque não sabia como seria. Achei um baita de um filmão

    3. O primeiro Rambo, baseado no livro, é muito bom. É um Stallone ainda na pegada do Rocky (querendo ser ator de “facto” e não um brucutu dos anos 80 estilo Arnold).

  5. Estou nesse momento preparando uma atividade para um processo seletivo que vou participar amanhã. Ou pelo menos deveria estar preparando… Alguém aí já viu processo seletivo de emprego no sábado?

    1. Meu emprego anterior teve a etapa inicial do processo seletivo em um sábado de manhã. Foi uma prova teórica, onde compareceram cerca de 1 dúzia de candidatos, dos quais 4 foram contratados. Mas as etapas seguintes (entrevista, etc) foram durante dias úteis mesmo.

      1. Acho que mais estranho que fazer processo seletivo no sábado é receber a resposta no domingo. Mas o gostoso mesmo é que eu passei o/

        1. Ainda que você recebeu uma resposta … dos últimos que eu fiz, uns anos atrás, 2 foram no sábado e eu jamais recebi resposta alguma …

    2. Rapaz, eu já tive entrevista de emprego até no domingo, o que foi bem constrangedor: estava de boa em casa dormindo após o almoço e o dono de uma microempresa me ligou, se identificando rapidamente (eu ainda com muito sono) e pedindo para eu comparecer novamente lá para conversarmos (havia sido preterido no processo seletivo original). Problema: não lembrava o nome dele! Quando cheguei lá fui tentando conduzir a conversa de forma a não ser pego no flagra da memória. Porém a nova proposta era tão ruim que nossa conversa foi curta e educadamente recusei. Fim. Pelo menos já faz uns bons anos isso, hehehehe.

    1. Acho que a Emiliy, diferente do Ghedin, ignora travar os comentários.

      Sinceramente, por mim, transferiria o “Post Livre” para uma comunidade (tal como foi feito há algum tempo no Disqus).

      Mas vai do perfil. Aqui já tá panela.

Os comentários estão fechados.