Dois balões de diálogo.

Post Livre #59


28/10/16 às 8h01

O post livre é um post sem conteúdo, publicado apenas para abrir o espaço de comentários para conversarmos sobre quaisquer assuntos. Começa agora e vai até domingo à noite. Valendo!

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

258 comentários

  1. Eu ia jogar no grupo, mas vou experimentar deixar aqui.

    Alguém viu o último episódio do “The 8 Bit Guy”, que ele compra um “Boombox MP3 com toca fitas” e tem uma participação especial bacana? Com direito a uma fita que atravessa o oceano pacífico só para uma experiência? :)

    https://www.youtube.com/watch?v=GNgm8Cn-HpY

    1. Bem observado, mas acho q vem de longe o interesse pelo urbanismo pelo menos nos cadernos culturais. E se o MdU não já abordou o assunto direta ou indiretamente, talvez em algum momento o faça. No aguardo.

    2. Bem observado, mas acho q vem de longe o interesse pelo urbanismo pelo menos nos cadernos culturais. E se o MdU não já abordou o assunto direta ou indiretamente, talvez em algum momento o faça. No aguardo.

      1. Uma abordagem já feita pelo Ghedin foi do assunto de caronas, mas no âmbito legislativo (aliás, muitas vezes ignorado quando se fala em urbanismo).

        Algo que sempre quis ver (nunca pesquisei, se pá alguém já fez) são comentários acerca do uso da tecnologia para o transporte público em diferentes cidades (para fugir do protagonismo carioca ou paulista).

        1. Os sites atualmente que leio sobre urbanismo e mobilidade pública são:

          – Diário do Transporte (www.diariodotransporte.com.br)
          – Outra Cidade (www.outracidade.com.br)
          – Via Trolebus (www.viatrolebus.com.br).

          Existem vários outros, alguns são bem enviesados ( O Via Trólebus é um pouco demais dependendo do assunto).

          1. Cara eu tinha um de transporte público focado no DF, Entorno (regiões do GO que limítrofes ao quadradinho que são mais DF que GO) e GO que era top demais, mas perdi o link :(

            Fica a sugestão do http://www.mobilize.org.br
            Adoro teoria do urbanismo, mas nunca seria urbanista na vida

    3. O problema de falar de urbanismo é que noto que dentro mesmo da discussão, há muito desentendimento interno.

      Urbanismo, mobilidade pública, moradia, etc… é tudo um pacote. E não é bem tratado como tal. Fora que lidar com isso também lida com opiniões contrárias ácidas de pessoas que ao lerem textos sobre “desigualdade social e habitação” ou “redução do trânsito”, atacam o texto com toda raiva do mundo.

    4. O problema de falar de urbanismo é que noto que dentro mesmo da discussão, há muito desentendimento interno.

      Urbanismo, mobilidade pública, moradia, etc… é tudo um pacote. E não é bem tratado como tal. Fora que lidar com isso também lida com opiniões contrárias ácidas de pessoas que ao lerem textos sobre “desigualdade social e habitação” ou “redução do trânsito”, atacam o texto com toda raiva do mundo.

      1. Me parece natural as pessoas se envolverem. É um assunto q mexe com a vida de todo mundo pra valer… As pessoas se enfurecerem por determinados aspectos do q se fez ou do q será feito é consequência do impacto q eles terão em suas vidas. Algumas, claro, exageram e não sabem ponderar e não estão lá muito preocupada com outros outros… mas é assim em outros aspectos da vida. Sem falar q milhões de pessoas vivendo em cidades desconjuntadas (sendo o caso da maioria das cidades brasileiras) me parece nos levar justamente a isso: conflitos diários nas ruas e nas internets…

      2. Me parece natural as pessoas se envolverem. É um assunto q mexe com a vida de todo mundo pra valer… As pessoas se enfurecerem por determinados aspectos do q se fez ou do q será feito é consequência do impacto q eles terão em suas vidas. Algumas, claro, exageram e não sabem ponderar e não estão lá muito preocupada com outros outros… mas é assim em outros aspectos da vida. Sem falar q milhões de pessoas vivendo em cidades desconjuntadas (sendo o caso da maioria das cidades brasileiras) me parece nos levar justamente a isso: conflitos diários nas ruas e nas internets…

        1. O que noto é que as pessoas querem tentar seguir um mínimo padrão de qualidade para moradias. Só que isso só é possível se as pessoas seguem, e não quando elas esperam que um poder público o façam.

          Estava assistindo um documentário sobre moradias na Globo News, e uma frase da urbanista Raquel Rolink me pareceu legal: “No Brasil, as cidades nasceram sobre ocupações”. O Brasil per si nasceu como uma ocupação, e desde então é tratada como tal.

          Quem já tem um lugar estável, com infraestrutura mínima funcional e condições de moradia, não quer que haja movimentos que o tirem de lá.

          Quem não tem, sofre com o temor de ser retirado a força, de não ter um documento que lhe assegure que o lugar é dele, sofre com a falta de qualidade de vida e infraestrutura local.

          Só que isso também lida em como o país lida com a questão da propriedade. No mesmo documentário que citei, achei interessante contar a história das ocupações que ocorreram em alguns lugares do país. Ao menos me elucidou um pouco como é as ocupações em São Paulo e hoje dou um pouco mais de valor a elas (apesar de achar que o método ainda não é o ideal).

          Uma das ocupações achei legal terem falado como ela foi formada (era um prédio inacabado que fora abandonado pelos donos) e como cresceu (inclusive com atitudes de colaboração como a de estudantes de engenharia por exemplo).

          E é disso que falo: se não há atitudes da própria população para colaborar com a infraestrutura, não adianta esperar que o poder público o faça. Há uma coisa na mente de muitos de esperar sentado o governo ajudar em algo.

          Não é bem assim. Até porque governos tem outras prioridades, e ficar só ajudando é um gasto que acaba inclusive prejudicando justamente a própria população que espera algo. Já que um dinheiro a ser investido em uma nova moradia ou na infraestrutura dela também tem a opção de ser revertido na instalação de um posto de saúde ou no pagamento de funcionários da saúde, abrangendo um público maior.

          1. Ligeiro, lamento… mas o seu “ideal”, além de refletir uma recorrente insensibilidade social, criaria uma lei paralela e desobrigaria os governos de suas obrigação constitucionais! Leia o artigo sexto da nossa tão mal tratada CF e veja:

            “Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, A MORADIA, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.”

          2. Não é meu ideal, mas sim o que noto quanto a população quer relativo a moradia. As pessoas querem tudo, e querem do jeito delas, mas sonham com uma coisa maior do que elas querem e podem ter.

            E se no país as pessoas seguissem as leis, não teríamos nada, já que muitas vezes as leis são contraditórias e dão mais valor para documentos (mesmo que falsos) do que para a necessidade social. As próprias leis são as que também regulam demais e não agilizam a ocupação em um imóvel novo construído pelo governo, resultando em invasão por criminosos, por exemplo. lei demais é burrocracia.

            A obrigação de um governo, ao meu ver, é dar condições e orientações para que uma população se organize em um lugar. Se a própria população se oferece para montar sua residência, ótimo! Se a própria população precisa de ajuda do governo, ok.

            O problema aqui é que em uma condição ideal, a própria população teria que ter educação de como é ter uma moradia e as condições de segurança para construi-la. Nos anos 80-90 houve muita ação de “mutirão” – governos cediam áreas e até insumos, e a população construia sua habitação.

    5. Não é propriamente um tema novo. O que me parece ter ocorrido é uma mudança de foco: o urbano foi definitivamente incorporado no discurso marqueteiro da economia criativa. Isto explica blogs bem problemáticos como “Outra Cidade” e semelhantes. Pautas progressistas como a reforma urbana acabam sendo ofuscadas por esse novo discurso descolado.

        1. A Duty Calls é quase um mantra de reflexão, toda vez que entro em discusões que eu sei que eu não deveria ter entrado (como a do Gab por exemplo :p )

        2. A Duty Calls é quase um mantra de reflexão, toda vez que entro em discusões que eu sei que eu não deveria ter entrado (como a do Gab por exemplo :p )

          1. de maneira geral tenho evitado entrar em discussões na internet (pelo menos em discussões longas, geralmente paro de responder logo), porque, na real, não leva a nada , só deixa a gente estressado, porque praticamente ninguém aceita ceder em seu ponto de vista…agora, acho isso até normal, é uma característica humana, embora seja muito irritante pra todo mundo :)

          2. de maneira geral tenho evitado entrar em discussões na internet (pelo menos em discussões longas, geralmente paro de responder logo), porque, na real, não leva a nada , só deixa a gente estressado, porque praticamente ninguém aceita ceder em seu ponto de vista…agora, acho isso até normal, é uma característica humana, embora seja muito irritante pra todo mundo :)

          3. não, obrigado. Admito que tenho algum preconceito com o samba, pagode e afins…

          4. Do site do artista: “Compositor e cantor de samba do Rio De Janeiro”

          5. Ouça por curiosidade apenas.

            Não se tem notícia no cosmos de alguém q tenha morrido por ouvir Paulinho da Viola…

          6. Nem de alguém que tenha morrido por não ouvir.

            Sei que Paulinho da Viola é meio que um “Chico Buarque” do samba. Mas ultimamente não tou para escutar outras músicas…

    1. Bom, no meu uso, atualmente, tenho um DAS na rede, para armazenamento. Não consigo lembrar a última vez que conectei meu celular num computador, a última vez que o fiz, foi com meu Milestone. Meu backups estão todos na nuvem. Então de fato não sei qual é o problema.

  2. Novos Mac, Touch Bar, o que acharam?

    Achei revolucionário. Gostaria muito de um assim no Windows.

    1. Não sei a touch bar, teria que testar. A principio não achei prático, porque não sei como seria a coordenação motora. Talvez seja questão de costume.

      Porém fico pensando se isso não seria um prenuncio de notebooks virando uma espécie mais aprimorada de Nintendo DS.

      1. Essa solução me pareceu mais interessante que a dos notebooks híbridos, que sugerem movimentar as mãos do plano horizontal para o vertical o tempo todo. O surgimento de funções contextuais ao alcance dos dedos, enquanto se digita ou se usa o trackpad, sem tirar as mãos do plano horizontal é mais engenhosa. Mas pode ser realmente apenas mais uma firula — embora funções como zoom, linhas do tempo e similares já a justifiquem. Aliás, por mais criticável que seja a apple, é de se reconhecer o esforço em sugerir soluções de interfaces baseadas em gestos muito simples em seus produtos (como a pinça para zoom — que agora fica muito mais fácil com a barra — ou o movimento de dois dedos para voltar páginas no navegador, sem falar em todos os movimentos do mission control, que me fazem detestar ser obrigado a usar windows quando não há macs disponíveis).

      2. Essa solução me pareceu mais interessante que a dos notebooks híbridos, que sugerem movimentar as mãos do plano horizontal para o vertical o tempo todo. O surgimento de funções contextuais ao alcance dos dedos, enquanto se digita ou se usa o trackpad, sem tirar as mãos do plano horizontal é mais engenhosa. Mas pode ser realmente apenas mais uma firula — embora funções como zoom, linhas do tempo e similares já a justifiquem. Aliás, por mais criticável que seja a apple, é de se reconhecer o esforço em sugerir soluções de interfaces baseadas em gestos muito simples em seus produtos (como a pinça para zoom — que agora fica muito mais fácil com a barra — ou o movimento de dois dedos para voltar páginas no navegador, sem falar em todos os movimentos do mission control, que me fazem detestar ser obrigado a usar windows quando não há macs disponíveis).

        1. Acho mais interessante a tela toda ser touchscreen. Meu notebook não é, mas queria que fosse, mas não faço questão que seja híbrido.

          Na verdade eu queria que o Macbook adotasse touchscreen porque tenho certeza que as softhouses tirariam proveito maior e a própria apple traria algumas boas ideias iniciais.

          1. Eu não vejo o MacBook ganhando tela sensível a toques em momento algum. Nem faz sentido. A interface é toda voltada para o uso com mouse e teclado (alvos pequenos que demandam precisão) e, se mudar, o macOS acabaria virando o iOS, ou seja, se tornaria redundante.

          2. Eu não vejo o MacBook ganhando tela sensível a toques em momento algum. Nem faz sentido. A interface é toda voltada para o uso com mouse e teclado (alvos pequenos que demandam precisão) e, se mudar, o macOS acabaria virando o iOS, ou seja, se tornaria redundante.

    2. A touch bar é um OK pra mim, o que me interessou foi o Thunderbolt 3, 4 portas, isso me deixou pirado.

    3. Eu achei interessante. Mas a a Apple foi fortemente ofuscada pela Microsoft

      1. Concordo no quesito criatividade. Mas a Apple sabe vender o peixe como ninguém. A barrinha touch deles invadiu todos os sites de tecnologia e fez desaparecer as 28″ touch da Microsoft. Osso…

    4. Não achei revolucionário, mas, pode se tornar algo que faz diferença desde que os desenvolvedores façam um trabalho de qualidade.

    5. Não achei revolucionário, mas, pode se tornar algo que faz diferença desde que os desenvolvedores façam um trabalho de qualidade.

  3. Falando sobre o Surface Studio e o Surface Dial, me lembro do filme A Ilha (recomendo), onde o chefe e diretor de tudo tinha uma mesa touch onde abria menus no sistema apenas com um objeto que ate então parecia apenas decorativo. Ficava imaginando aquilo como realidade e que seria o futuro. Agora, chegamos nesse futuro e acredito que o Dial será apenas o começo, e que a MS tem um enorme potencial para liderar, já começou com o Hololens, vai abrindo novas vias, e o Windows 10 como sistema unificado será a base de tudo isso. A relação homem x maquina chegará a outro patamar, e ela (MS) superara a Google, sendo que ja superou a Apple.
    Dissertem se concordam ou discordam.

    1. O HoloLens é um beta ainda, assim como o GoogleGlass, e ele não está sendo desenvolvido para o consumidor geral, ao menos nesta primeira geração. E sim profissionais. Pelo seu discurso você realmente acredita no potencial de tudo que a microsoft faz. O Windows 10, precisa vingar numa área fundamental, que é o mobile, e lá ela fracassou miseravelmente . O Dial é de fato uma proposta interessante, mas a questão é, não tem funcionalidade, até o momento, para o público geral, nem para empresas, os dois mercados que é possível faturar. É ótimo para criadores de conteúdo que precisam de certas funções na mão o tempo todo. Mas para um escritório é inútil, para um usuário doméstico, também inútil. E em que aspecto ao Microsoft já superou a Apple, e qual aspecto acredita que a M$ pode superar o Google?

    2. “Windows 10 como sistema unificado será a base de tudo isso. A relação homem x maquina chegará a outro patamar”
      discordo. não tenho argumentos suficientes, mas discordo.

  4. Acabei de fazer root no meu redmi 2 PRO, vou mudar a ROM e queria dicas de apps diferentes que usem root.

    tipo: greenify, titanium backup, cerberus, além dos básicos, quais vocês indicam?

    Tem algum para poder usar a tela em 180º e ligar a câmera mexendo o celular (igual o Moto X1)

    1. Sei que o Nova Launcher permite configurar o uso da tela em 180° (e não precisa de root).

    2. Você usou algum tutorial específico? Estou passando muita raiva com o hábito da miui de fechar apps em segundo plano é eu não receber nunca mais as notificações deles. Quero instalar algum cyanogen no meu Redmi 2 pro…

  5. Galera, o que estão achando da segunda temporada de Black Mirror? Alguém aí concorda ou tem uma visão diferente das propostas de futuro apresentadas na série?

    1. A segunda temporada foi bem boa, mas a terceira foi espetacular! As temporadas estão indo numa admirável crescente de qualidade.

    2. Eu realmente gostei dos temas trazidos pela temporada, mas alguns episódios foram meio chatos (?). A qualidade é só crescente, no entanto.

    1. Adoro esse: papers.co e tem tbm o Flickr.Tem muitos álbuns com fotos diversas legais lá.

    2. Adoro esse: papers.co e tem tbm o Flickr.Tem muitos álbuns com fotos diversas legais lá.

    3. Pra Android? Dia desses o próprio Google lançou um app com os wallpapers oficiais do sistema.

      1. Na verdade desktop, mas boa, celulares tem tanta resolução hoje que é de boas ver uns tb

    4. No Android uso o app Minimalist Wallpaper. Toda semana tem novos wallpapers e o visual fica ótimo. Ele é gratuito e traz a possibilidade de baixar as imagens, além de aplicar diretamente.

    1. É triste,mas a coisa tá feia.Vine morreu(alguém se importa?)…Disney voltou a se interessar nele.Só quero que o Google ñ compre…

    2. É triste,mas a coisa tá feia.Vine morreu(alguém se importa?)…Disney voltou a se interessar nele.Só quero que o Google ñ compre…

      1. Vine era bom pra ver replay de gols e lances de futebol nos poucos minutos que ficava ao ar antes de serem removidos.

        Aliás, twitter pra mim é a segunda tela do esporte

        1. Vine tava morto faz tempo…quem matou ele foi o Snapchat,o Instagram e o próprio Twitter(que tem/suporta vídeos do tipo agora).

      2. a Disney já largou de mão. o Twitter é famoso por polêmicas e é tudo o que a Disney não precisa.

      3. a Disney já largou de mão. o Twitter é famoso por polêmicas e é tudo o que a Disney não precisa.

    3. Acho que dura algum tempo ainda. A base de usuários é muito grande, dá sim pra monetizar de alguma forma. Porém, acho que alguma outra empresa vai acabar comprando o Twitter e fazendo isso (ou obrigando a fazer).

    4. Alguns acham que sou tolo por falar isso, mas penso que o Twitter vai morrer em breve.

    5. Acho que o twitter tem dois grandes charmes:
      1. Supera a bolha criada por algoritmos como os do facebook — ou pelo menos situa o usuário em uma bolha um pouco mais ampla que a do facebook.
      2. Em decorrência disso, é excelente para eventos ao vivo.

      Não por acaso a metrificação de alcance de hashtags é feita sempre pelo twitter. Um programa popular de grande alcance como o masterchef adorava marquetear o quanto era mobilizada a hashtag deles, por exemplo.

      Além disso, o twitter torna certos eventos ao vivo mais palatáveis. Foi bem menos doloroso acompanhar a votação do impeachment na câmara com o twitter ligado, onde tudo é levado menos a sério.

      Entre o textão rabugento do facebook e a zoeira never ends do twitter, é pena que ganhe o textão.

  6. E mais outra:Quem conseguiu aproveitar a liberação geral que a tim fez do TIM BETA nessa semana(ufa,que correria viu rsrs)?Eu consegui…tô animado para usar o plano.

    1. Eu to meio puto com isso…

      POis há 3 anos eu era beta, mas fui assaltado e deixei o número pra lá e acabei perdendo, e nessa promoção agora não consegui pegar, daí quando minha portabilidade terminar vou ver o que consigo na Anatel.

    2. Eu to meio puto com isso…

      POis há 3 anos eu era beta, mas fui assaltado e deixei o número pra lá e acabei perdendo, e nessa promoção agora não consegui pegar, daí quando minha portabilidade terminar vou ver o que consigo na Anatel.

      1. Comprei o meu Beta no mercado livre, valeu cada centavo.

        Recomendo :)

          1. O do atendimento é o Beta Basic, com 1,5GB de internet. Já o da promoção tem até 10GB. O Basic não vale a pena o esforço quando a Tim tem pacotes de 5GB no pré.

    3. Eu não consegui porque aquele link do wifi killer redirecionava para o Facebook, e não tenho conta lá.

    4. Fiz o cadastro na madrugada de sábado e meu chip foi habilitado na segunda. Daí, já paguei logo os 50 temers pra migrar pro plano de 10GB com Deezer.

      Só menciono que apresentei meu TCC ontem, e, se não fosse o plano do Beta, teria ido tudo pro vinagre kkkk

    5. Eu mesmo. kkkk

      O plano é mesmo ótimo. Fora que não desconta um centavo para usar o Deezer Premium.

      Sinceramente, odeio a interface do Spotify (no Android, já mandei até e-mails e eles não dão a mínima e ainda pedem para só mandar mensagens em inglês) e o Deezer é muito superior nesse sentido. Antigamente ele tinha um problema de não iniciar a música instantaneamente, mas, felizmente foi resolvido.

      Só sei que não vou conseguir a oferta bônus de 20 gb, pois, não sou muito de usar redes sociais.

      1. No Beta você também ganha pontos fazendo ligações, usando a internet, fazendo recargas e mandando SMS:

        https://www.timbeta.com.br/timbeta/regras

        E concordo sobre o Deezer, além de quebrar um senhor galho não descontando na franquia, o catálogo de músicas parece ser melhor que o Spotify (achei vários álbuns nele que não tem no Spotify).

        Mas o app de Android… Meu Deus do céu, que negócio nojento!
        É lento, confuso, vive dando pau ao sincronizar as músicas offline, não carrega as músicas, mas mostra o tempo delas correndo algumas vezes, e, por algum motivo nefasto, não funciona com o Moto Tela, literalmente travando o aparelho numa tela preta ao tentar desbloquear com uma música rodando.

        Estou tentando desapegar do Spotify e fazendo vista grossa dos problemas do Deezer, mas tá difícil, viu… Pelo menos, se eu não sair do Spotify, tenho os 10GB do plano pra ouvir à vontade sem dor de cabeça.

      2. No Beta você também ganha pontos fazendo ligações, usando a internet, fazendo recargas e mandando SMS:

        https://www.timbeta.com.br/timbeta/regras

        E concordo sobre o Deezer, além de quebrar um senhor galho não descontando na franquia, o catálogo de músicas parece ser melhor que o Spotify (achei vários álbuns nele que não tem no Spotify).

        Mas o app de Android… Meu Deus do céu, que negócio nojento!
        É lento, confuso, vive dando pau ao sincronizar as músicas offline, não carrega as músicas, mas mostra o tempo delas correndo algumas vezes, e, por algum motivo nefasto, não funciona com o Moto Tela, literalmente travando o aparelho numa tela preta ao tentar desbloquear com uma música rodando.

        Estou tentando desapegar do Spotify e fazendo vista grossa dos problemas do Deezer, mas tá difícil, viu… Pelo menos, se eu não sair do Spotify, tenho os 10GB do plano pra ouvir à vontade sem dor de cabeça.

        1. Tenho um S6 Edge e não tenho esses problemas com o Deezer. Mas, passei por isso com o Spotify. Infelizmente os dois tem sérios problemas na tela de bloqueio (o Spotify se destaca pelo botão de fechar o app, que já me causou muita raiva).

          1. Meu caso é o inverso no Moto X Play kkkk

            Espero que seja coisa do aparelho, mesmo. Vou pegar um Z Play na Black Friday, espero que não tenha problema com ele.

  7. Bom dia povo!
    Obviamente essa semana foi quente:APPLE e MS apresentaram produtos,mas uma conseguiu OFUSCAR totalmente a apresentação da outra com apenas um produto:Surface Studio.Ñ que os novos Macbooks ñ foram nada,mas apenas barrinha OLED como novidade ñ foi lá essas coisas(AHÁÁ,eles ñ mataram o jack,qual é a deles afinal?Faltou coragem? kkk) .
    A MS realmente arrebentou.Aqui o link do vídeo(excelente,aliás) de apresentação para quem ñ viu:
    https://www.youtube.com/watch?v=BzMLA8YIgG0

    Digam o que vcs acharam de ambos os produtos.

    1. O Studio é sensacional. Tem apelo visual e tem funcionalidades. A questão é se os softwares realmente utilizarão das potencialidades.

    2. O Studio é sensacional. Tem apelo visual e tem funcionalidades. A questão é se os softwares realmente utilizarão das potencialidades.

    3. O Studio é sensacional. Tem apelo visual e tem funcionalidades. A questão é se os softwares realmente utilizarão das potencialidades.

      1. Eu acho que ao menos os da Adobe e da Autodesk(a maior parte dos softwares da área,são delas) estão garantidos nesse aspecto,ambas parceiras fortíssimas da MS.

    4. Os novos Macbooks eu achei fraquinhos em termos de inovaçõa. Quer dizer, não sabemos o real potencial da Touch bar, mas me soou meio estranha.
      O Surface Studio é lindo de morrer, mas é um produto tão distante que nem vou emitir juízo de valor sobre ele.

      1. Não ia ser um teclado ink e tal? Daí eu poderia configurar o cedilha…

    5. E nada do Surface Phone né?

      E aquele mouse redondo, sinto muito, fadado ao fracasso…

      1. Aquilo não é e nunca será um mouse.Vc não viu o vídeo?É uma coisa tipo nada a ver MSM com um mouse. E vc achando a barra touch do MBP revolucionária (tecnologia velha q a MS já tinha apresentado num conceito antigo)

    6. Não gostei do Studio, como computador, no design é belo com certeza. Mas é bem fraco em hardware, e seu IO deixa a desejar. Mas é claro, não faço parte do público alvo, então não sei. Sei que não comprarei.

      1. Não entendo quando vc diz “hardware fraco”. Sendo que ele tem a msm resolução de tela do iMac 5K(diferença mínima no ppi, que no iMac é de 218 e no Surface 198), processador e gpu melhores.

        1. Na verdade, o hardware é fraco. 4200 USD para a versão com a GPU 980M, é muito caro pelo hardware oferecido. Um iMac com specs similares, custa 3200 USD, então veja a diferença. Claro que o touch é um bom atrativo. Mas nicho que que o studio foi feito, as pessoas já trabalham com os Macs, simplesmente por ser um sistema melhor para as atividades deles. E você fala da touchBar, de fato tanto a Microsoft apresentou um protótipo que nunca saiu do laboratório, quanto a Lenovo, tentou com seu X1 Carbon uma vez, o segundo, que foi o único a chegar no mercado. Falhou e no ano seguinte, voltaram com as teclas função. A diferença é que no da Apple, foi bem executado, e já conta com parceiros grandes envolvidos.

          1. fora que muitta gente que desenha já usa uma Wacon…., ou por menos que 4 mil dólares compra uma Wacon e um bom hardware.

          2. Além que o aspecto da tela de 3:2 não é favorável para a edição de vídeos.

          3. Por quê? Se fosse para assistir ao vídeo, concordaria (com ressalvas; o iPad é 3:4 e isso nunca foi problema, tanto que “assistir a vídeos” é uma das principais atividades que ainda se faz em um. Para produzir, melhor ainda que não seja 16:9 — sobram espaços para controles em tela cheia sem sobrepor o vídeo.

          4. Na parte de edição de vídeo, os softwares aproveitam mais os espaços na horizontal, assim, um aspecto mais alto, não apresentará uma melhora no espaço ocupado.

    7. Uso e gosto do Windows 10, mas, até hoje ele tem sérios problemas como o Edge (de vez em quando começa a travar e dar erros do nada) e o próprio OS (desde que meu notebook atualizou o bluetooth sumiu – sim, os drivers estão atualizados diretamente do site do fabricante).

      Pelo próprio histórico da linha antiga Surface (2015), que tiveram problema de bateria e wifi fico com um pé atrás com a Microsoft por usar produtos da empresa e ver que sempre apresentam algum problema que não resolve – meu Xone, por exemplo, tem erros quando está na rede de 5 GHz e não funciona o streaming (preciso alterar para 2,4 GHz para poder utilizar certos serviços).

  8. Bom dia povo!
    Obviamente essa semana foi quente:APPLE e MS apresentaram produtos,mas uma conseguiu OFUSCAR totalmente a apresentação da outra com apenas um produto:Surface Studio.Ñ que os novos Macbooks ñ foram nada,mas apenas barrinha OLED como novidade ñ foi lá essas coisas(AHÁÁ,eles ñ mataram o jack,qual é a deles afinal?Faltou coragem? kkk) .
    A MS realmente arrebentou.Aqui o link do vídeo(excelente,aliás) de apresentação para quem ñ viu:
    https://www.youtube.com/watch?v=BzMLA8YIgG0

    Digam o que vcs acharam de ambos os produtos.

  9. Em outra discussão, me dei conta de como é mais fácil elogiar os que estão distante (no sentido proximidade pessoal) do que os próximos a nós.
    Isso só acontece comigo? Ou tem mais gente aqui que sente o mesmo? Qual seria a razão para isso?

    1. Creio eu que seja pq você está com a pessoa toda hora, daí você não presta tanta atenção na pessoa ao seu lado, diferente de quem está longe, que você consegue prestar mais atenção nas suas ações.

    2. Que tipo de elogio? Coisas do dia a dia, como quando alguém faz algo bom ou está mais arrumado? Ou serviços e trabalho realizados com precisão?

    3. Que tipo de elogio? Coisas do dia a dia, como quando alguém faz algo bom ou está mais arrumado? Ou serviços e trabalho realizados com precisão?

  10. Em quais condições ambientais vocês trabalham ou estudam melhor?
    Por melhor entendam qualidade, eficiência, prazer etc

    1. CATP! hahahaha
      Eu rendo mais quando estou ouvindo música, com temperatura na casa dos 21 graus (normalmente artificialmente) e quando tá sol!
      Mas tudo varia muito de acordo com meu humor. Tem dias que eu acordo inspirado, começo a trabalhar e só paro no almoço. Daí vem o meu maior problema, engrenar depois do almoço é extremamente complicado para mim. O sono bate, a preguiça impera, e o trabalho emperra.
      Me sinto melhor trabalhando de manhã também, que a noite. Mas no fim das contas, acho que meu período mais forte seria de madrugada e de manhã, e dormir a tarde. Sei lá!

      1. Nossa, ser produtivo depois do almoço é trash. Gostaria muito que minha empresa/universidade entendesse isso e me deixasse produzir de madrugada haha

      2. Amigo, eu era um pouco assim também (não tanto quanto vc falou rs), passei a tirar uma soneca de 20 minutos depois do almoço (nem mais, nem menos), na própria mesa de trabalho (em dias de frio vou no carro). Coloco um abafador no ouvido, deito a cabeça na mesa em cima de uma blusa. Rapaz, isso faz uma diferença tremenda no meu dia, carrega a pilha para o resto da tarde. Quando não posso tirar a soneca, fico capenga o dia todo.

        Já estou tão acostumado a dormir esse tempinho que normalmente sonho.

        1. Já pensei em fazer isso… O tempo é tranquilo, 20 minutos já ajudam… Mas ainda não consegui dormir apoiado na mesa! hehehe
          To tentando convencer o chefe a criar uma sala de descanso/recreação aqui na empresa! Ia ser top!

        2. Já pensei em fazer isso… O tempo é tranquilo, 20 minutos já ajudam… Mas ainda não consegui dormir apoiado na mesa! hehehe
          To tentando convencer o chefe a criar uma sala de descanso/recreação aqui na empresa! Ia ser top!

    2. Eu prefiro estudar à noite, entre as 23:00 e 06:00 da manhã; ouvindo música ou podcast quando to fazendo mecânico como programar ou contas. E prefiro um certo frio, nem que seja utilizando ventilador; fica melhor pra tomar café haha,

        1. Acho que pareceu mais dramático do que eu queria:
          Frio: Acho difícil raciocinar e me concentrar no calor. Acho mais tranquilo carregar tijolos do que programar no calor do verão do Rio de Janeiro.
          Silêncio: Não precisa ser silêncio total. Muitas vezes uso música. Mas ruídos atrapalham muito.
          Isolamento: Pessoas fazem barulho. Só por isso. Muitas pessoas não conseguem ficar mais de um minuto sem emitir uma quantidade relativamente elevada de decibéis.Não sinto necessidade de realmente estar sozinho, mas é que eu sofro demais com os colegas cantarolando, assoviando e batucando na mesa.

    3. Silêncio, mas não silêncio total. Distrações desativadas (sem celular, obviamente), e ambiente confortável.

    4. Silêncio, mas não silêncio total. Distrações desativadas (sem celular, obviamente), e ambiente confortável.

    5. Se for sozinho: Em casa, na cozinha, depois das 20h. Antes disso, parece que meu cérebro ainda não “pegou no tranco”.

      Em grupo: Casa ou trabalho, com no máximo umas 2 pessoas estudando comigo. Percebi recentemente que consigo fixar melhor as coisas quando estudo e discuto junto com alguém sobre o assunto.

      E ambos no frio e sem café (porque costumo me perder nas ideias com cafeína no sangue)

    6. Se for sozinho: Em casa, na cozinha, depois das 20h. Antes disso, parece que meu cérebro ainda não “pegou no tranco”.

      Em grupo: Casa ou trabalho, com no máximo umas 2 pessoas estudando comigo. Percebi recentemente que consigo fixar melhor as coisas quando estudo e discuto junto com alguém sobre o assunto.

      E ambos no frio e sem café (porque costumo me perder nas ideias com cafeína no sangue)

    7. Logo que acordo, com todas as notificações desativadas. Adotei a filosofia do 5am miracle e me adaptei melhor do que imaginava.

    8. Logo que acordo, com todas as notificações desativadas. Adotei a filosofia do 5am miracle e me adaptei melhor do que imaginava.

    9. Se for um estudo/trabalho muito “pesado” eu prefiro silêncio absoluto e os períodos de manhã e noite, preferencialmente sozinho…se for algo do dia-a-dia eu gosto de colocar uma música de fundo.

    10. O silêncio da madrugada é bom pra colocar as ideias em ordem e produzir um pouco… Pq o resto do dia é uma batalha pra atender a tudo e a todos.

  11. Em quais condições ambientais vocês trabalham ou estudam melhor?
    Por melhor entendam qualidade, eficiência, prazer etc

    1. Microsoft sempre fez ótimos hardware, teclados, mouses… Mas nunca tinha ido ao PC para não criar concorrência com as fabricantes de PC, agora que mercado de pc ta minguando, ele entrou nele, acho o Surface melhor notebook e agora desktop da linha windows os únicos que batem de frente com apple, mas em celular morreu.

      1. Morreu não. Brevemente será lançado o Surface Phone que terá o mesmo impacto do Surface Studio — Book.

      2. Morreu não. Brevemente será lançado o Surface Phone que terá o mesmo impacto do Surface Studio — Book.

        1. É diferente, a microsoft já tentou com o windows phone e não conseguiu desenvolvedores, é um mercado já abandoinado

        2. É diferente, a microsoft já tentou com o windows phone e não conseguiu desenvolvedores, é um mercado já abandoinado

          1. Olha, eu tive varios windows phone, meu primeiro foi um da htc, depois samsung, e dois nokias o ultimo o lumia icon o 930 no Brasil, nessa epoca o windows era promessa de ser um sistema grande, hoje a microsoft parou de lançar celular, o market share dele é irrisório, e a google lançar o pixel é a maior prova que o mercado hoje tem só dois players.

          2. Olha, eu tive varios windows phone, meu primeiro foi um da htc, depois samsung, e dois nokias o ultimo o lumia icon o 930 no Brasil, nessa epoca o windows era promessa de ser um sistema grande, hoje a microsoft parou de lançar celular, o market share dele é irrisório, e a google lançar o pixel é a maior prova que o mercado hoje tem só dois players.

          3. se a MS lançar alguma coisa meio “mágica” (tipo, “mágica” mesmo, coisa como VR, realidade aumentada, etc, não “mágica” estilo Apple rs) ela pode mudar o mercado, sair na frente de uma nova onda…agora, em matéria de smartphone “convencional” já era, não tem como a MS recuperar o mercado

          1. Ótima argumentação, só disse provei para você que nem o Book nem o Studio são grandes produtos em termos de venda, mas se prefere seguir religiosamente tudo é apenas o que a Microsoft diz, seja feliz. Não perderei meu tempo discutindo com alguém que não possui a capacidade para contra-argumentar.

    2. Cara desculpa te desiludir:ñ vai rolar.
      PARA com esse sonho de Surface Phone.Apenas ñ vai rolar.A MS jogou a toalha.Inclusive teve declaração disso do Satya nesses dias.

      1. E você acreditava no surgimento do Surface Studio ou Surface Book? Não né. Pois bem, o fato é que sim, o SP será uma nova categoria de smartphone.

        1. Nos computadores a ms domina. Não podemos dizer o mesmo dos smartphones

    3. Esperei tanto o Surface Phone, não vi nada. O que será que aconteceu/

      1. Supostamente acredito que você não é acostumado a ler o Windows Central e outros. Hater é assim mesmo, mas tudo bem.

  12. Galera, vou levar meu celular numa loja para trocar a tela, e gostaria de tomar o máximo de cuidado para ninguém mexer nele, mas não quero formatar, irei adotar os seguinte procedimentos:

    -Tirar os chips
    -Tirar micro SD
    – Trocar bloqueio de tela de padrão para senha
    – Bloquear barra de notificação e acesso rápido a configurações (aquela de deslizar o dedo de cima para baixo)

    Quais outros procedimentos posso adotar?

    1. Bom dia!

      Cuidado amigo, o meu Moto X2 foi trocar a tela em garantia e eles zeraram o celular. Já ouvi outras historias também que isso é uma pratica comum, então já esperava que fizessem isso.

      Se eu fosse vc não arriscaria perder tudo e faria um backup, e já entregaria zerado.

      1. Na verdade não é numa assistência oficial, já que nela me cobraram 400 reais para troca de tela, é com o amigo de um padrasto, e eu tenho tudo em backup, sempre, mas não quero formatar agora..

    2. Diga para eles terem extremo cuidado. Uma vez o cara botou o auricular do meu celular pra perder porque o cara não teve cuidado nenhum.

      1. Diga para eles terem extremo cuidado.
        E com certeza eles vão levar isso em consideração né. :)

        1. Quando vc virar as costas usam seu celular de trave e fazem uma bolinha de papel com as recomendações q vc deixou por escrito. Depois de cair na gargalhada, claro.

    3. Cara, desculpa a pergunta, mas tem algum motivo especial pra você não querer formatar o celular?

      Nas vezes que levei meus aparelhos pra assistência, sempre formatava antes pra evitar dor de cabeça. Hoje, todos os meus arquivos, músicas, perfis, etc, estão na nuvem, então só mando restaurar tudo no primeiro boot do Android e, em meia hora, ele está no mesmo estado que deixei antes de formatar.

      1. Era mais o trabalho mesmo, hehe, e todos os meus arquivos também estão na nuvem, fiz isso depois de ser assaltado…

        E vou mudar a ROM hoje, então perderei tudo mesmo, daí aproveito e dou uma limpa, mas era só para garantir também xD

      2. Era mais o trabalho mesmo, hehe, e todos os meus arquivos também estão na nuvem, fiz isso depois de ser assaltado…

        E vou mudar a ROM hoje, então perderei tudo mesmo, daí aproveito e dou uma limpa, mas era só para garantir também xD

  13. Bom dia galera, queria saber a opinião de vocês sobre paywall dos jornais. Em minha opinião, é uma cobrança válida já que eles precisam gerar renda pra se manter; mas acho que o valor anda meio incompatível. Por exemplo, a Folha cobra quase R$30,00 pela assinatura; só que não quero me informar só por lá. Imaginem assinar 3,4 jornais se o valor for esse?
    Eu pagaria numa boa por vários jornais se fosse mais barato.

      1. Seria uma boa.
        É a mesma coisa que vejo com Netflix e serviços de Canais(HBO GO, Watch ESPN, etc..); imagina pagar 30 reais por cada canal?
        Se se juntassem seriam mais fortes ao meu ver.

      2. A ideia é boa, mas fragmenta demais o faturamento e, no fim, acaba privilegiando os maiores (com mais acessos), o que não é uma medida muito saudável para financiar o bom jornalismo. Vide os serviços de streaming: pagam uma mixaria e só são significativos para artistas mais estabelecidos. Sem falar que, dessa forma, os jornais cederiam mais um naco da sua operação a um terceiro. Eu, fosse dono de um, não entraria nessa; parece-me um barco furado a médio ou longo prazo.

      3. A ideia é boa, mas fragmenta demais o faturamento e, no fim, acaba privilegiando os maiores (com mais acessos), o que não é uma medida muito saudável para financiar o bom jornalismo. Vide os serviços de streaming: pagam uma mixaria e só são significativos para artistas mais estabelecidos. Sem falar que, dessa forma, os jornais cederiam mais um naco da sua operação a um terceiro. Eu, fosse dono de um, não entraria nessa; parece-me um barco furado a médio ou longo prazo.

        1. Não acho que a ideia é tão descabida, financeiramente falando. A GoComics.com faz isso com tiras de quadrinho. Eu assino, escolho o que quero ler e recebo por e-mail. Acho um serviço bem interessante.

          1. Mas pense, quantas pessoas vão querer ler o jornal do João, quando podem ler a mesma matéria da Folha ou do Estadão. E como nesse modelo de inscrição se ganha de acordo, jornais grandes acabam ganhando mais, e assim tirando um faturamento de um jornal menor, tornando difícil seu crescimento.

          2. Mas tiras de quadrinho é um tipo de trabalho, muitas vezes oferecido de forma individual.

            Jornais padronizados como Folha e Estado oferecem “um pacote de notícias”. E não os separam.

    1. A Nexo, um jornal pequeno mas que anda fazendo um trabalho muito bom, recentemente adotou a mesma medida, cobrando 12 reais mensais. Achei o valor bom, e eles enviam também uma newsletter bem bacana com o resumo do dia!

      1. Tenho acompanhado a Nexo, ontem me apareceu o paywall deles. Achei um valor bom, provavelmente vou assinar.

      2. Nexo é espetacular mesmo. Notícias de verdade, não tendenciosas, que mostram todos os lados da moeda e te deixam tirar conclusões.
        Penso seriamente em assinar!

    2. Pela qualidade das notícias publicadas pela Folha, ela é que teria que me pagar por tanta notícia tendenciosa, falsa ou então notícias que publicam sem fonte.
      Uma alternativa ao paywall poderia ser a cobrança por notícia lida, pagar por aquilo que realmente é interessante para cada um.

    3. Pela qualidade das notícias publicadas pela Folha, ela é que teria que me pagar por tanta notícia tendenciosa, falsa ou então notícias que publicam sem fonte.
      Uma alternativa ao paywall poderia ser a cobrança por notícia lida, pagar por aquilo que realmente é interessante para cada um.

      1. Isso iria forçar ainda mais os Click-baits, quando mais você ler, mais eles ganham.

          1. Você acha que algum jornal, caso cobre por matéria, irá limitar a quantidade de matérias que podem ser vistas?

          2. Não disse isso…

            Digamos que cobre 0,10 por matéria, e só pode cobrar o máximo de 15,00, então para bater o teto, você pode ler 150 páginas, depois disso eles não te cobram a mais.

          3. Quem em sã em consciência vai limitar a quantidade de dinheiro que pode entrar?

          4. Quem em sã em consciência vai limitar a quantidade de dinheiro que pode entrar?

          5. Que limite? Se é pago por matéria, aonde existiria um limite, é um sistema pré-pago, você põe créditos e vai usando, quando acabar, põe mais, aonde que existe um limite nisto?

          6. Que limite? Se é pago por matéria, aonde existiria um limite, é um sistema pré-pago, você põe créditos e vai usando, quando acabar, põe mais, aonde que existe um limite nisto?

    4. Tava conferindo uns jornais internacionais hoje, por curiosidade, e vi justamente isso. O The Boston Globe (sim, de Spotlight) começa a assinatura por “99 cents”. É algo extremamente viável, se for pensar. Concordo que cobrar R$30,00 é um pouco forte, considerando que diferente de música ou filme, você pode e deve consumir informação de fontes diferentes. Um valor mais acessível com vantagens aos assinantes parece mais interessante.

      1. Só um adendo: é US$ 0,99 nas quatro primeiras semanas. Depois, o valor sobe para US$ 3,99/semana (ou seja, US$ 15,96/mês) e, depois de um ano, para US$ 6,93/semana. A partir do segundo mês, a assinatura sai quase R$ 50/mês, o que é bem mais caro que o preço cobrado pela Folha.

        Esse preço especial para o primeiro mês é meio padrão. New York Times cobra US$ 0,99/semana nas quatro primeiras depois sobe para US$ 3,75; Washington Post cobra US$ 1/mês no primeiro mês e depois sobe para US$ 10 e assim por diante. Inclusive a Folha faz isso também, cobrando só R$ 1,90 no primeiro mês: https://secure.folha.com.br/folha/assine/320617

      2. Só um adendo: é US$ 0,99 nas quatro primeiras semanas. Depois, o valor sobe para US$ 3,99/semana (ou seja, US$ 15,96/mês) e, depois de um ano, para US$ 6,93/semana. A partir do segundo mês, a assinatura sai quase R$ 50/mês, o que é bem mais caro que o preço cobrado pela Folha.

        Esse preço especial para o primeiro mês é meio padrão. New York Times cobra US$ 0,99/semana nas quatro primeiras depois sobe para US$ 3,75; Washington Post cobra US$ 1/mês no primeiro mês e depois sobe para US$ 10 e assim por diante. Inclusive a Folha faz isso também, cobrando só R$ 1,90 no primeiro mês: https://secure.folha.com.br/folha/assine/320617

    5. Como não sou um consumidor digamos “hardcore” de jornais (que lê jornais todo dia e sempre da mesma fonte) eu prefiro acessar gratuitamente, mesmo que seja com propagandas. Ou seja, sim, apoio quando alguns sites de notícia exigem que seja desligado o adblock para ver a matéria – já que vejo somente de vez em quando, através de links, na maioria das vezes – então a propaganda não me afeta muito.

      1. Concordo, e o faço. Não uso adblock em nada. Entretanto, admito também que os formatos de anúncios e a abundância deles em alguns portais têm me incomodado… No UOL mesmo, o sistema de vídeos que abrem de surpresa no meio da matéria que você está lendo e as vezes nem conseguimos tirar o som é horrível…

    6. Eu entendo. O problema é que eu saio perdendo, mas fazer o quê? Jornalista tem que ganhar o seu, né?

      E o pacote de assinatura de jornais seria meio que uma espécie de “clipping”. Na verdade isso existe mais com revistas (a Abril costuma fazer isso), e pelo que sei, os 30 reais da Folha também dão direito a acesso a alguns outros sites dentro do UOL.

      1. Mas o que você está perdendo? Está consumindo conteúdo, criado por outras pessoas assalariadas, nada mais justo que pagar por isso. Ainda mais considerando a história do Jornal, este foi um brevíssimo período que não foi cobrado para consumi-los

          1. Esse tem sido o maior problema com a internet. Num primeiro momento todos embarcaram, sem saber como ganhar dinheiro com a internet. Logo após, começaram a monetizar através de publicidade, ai se descobriu que não se paga as contas apenas com a publicidade, se não for um site enorme. E nesse tempo, as pessoas se acostumaram a consumir coisas de graça, claro que isso tem mudado em algumas áreas, veja NetFlix e Steam como exemplos. Mas ainda hoje, o streaming de áudio não está resolvido, todos sangram dinheiro, pois a conta não fecha.

          2. é a mudança de paradigma…pode ser complicado, mas não tem mais volta…o segmento de vídeo está começando a estabilizar, daqui a algum tempo o segmento de música também acha seu modelo… agora, quanto aos jornais eu acho que vão morrer, porque são lixo e merecem morrer…me surpreendo em ver gente bem informada se preocupando em ler coisas da Folha ou do Estadão (Estadão, meu deus!!! só faltou citarem a Veja…)

          3. E o que você acha que deve substituir os jornais? E porque tanto ódio com os jornais?

          4. E o que você acha que deve substituir os jornais? E porque tanto ódio com os jornais?

    7. Embora não exista “almoço grátis”, penso que os grandes jornais poderiam exigir o paywall apenas pelo conteúdo produzido por colunistas da casa. Não considero a assinatura cara (R$0,92/dia) pelo conteúdo produzido por essa.
      EDIT: fiz o cálculo com base na promoção de R$1,90 no primeiro mês, pelo período de um ano.

    8. Bom, todo jornal é caro, o WSJ me custa USD32.99 só pelo on-line todo mês.

    9. 30 reais por dia, dá o valor de 1 real por dia, é mais barato que o jornal em si. E pro jornal compensa mais, já que seu gasto é de manutenção e pessoal apenas, acho justo.

    10. Dependendo do porte do jornal, o custo operacional é grande. Mas os jornais faturam com propaganda. Faturam menos… Mas me parece q a receita advinda de assinantes nunca foi a mais relevante e não creio q um dia seja. A Folha de SP, por exemplo, tem um custo operacional altíssimo… Seus assinantes teriam q paga r bem mais do q hj pra manter o jornal. O q eu não vejo mais sentido é em imprimir jornais… A gráfica tem um alto custo e não tem mais razão de ser…

      1. As gráficas hoje tem um custo razoável, porém ainda alto.

        Há uns 20 anos, trabalhava com “negativos” e “quadricromia”. Hoje trabalha-se com impressão jato de tinta normal, transformando uma antes impressora off-set em uma impressora gigante “normal”.

    1. Quais os desafios e potencialidades de conduzir um blog de tecnologia afastado geograficamente dos grandes centros Brasileiros?

    2. Para você, é fácil se dedicar a um site trabalhando de casa? Você faz “horários fixos”? Ou é tipo: “Ah, hoje to com preguiça, não vou escrever.” ou “Hoje eu to inspirado, vou escrever 7 posts”?

    3. Para você, é fácil se dedicar a um site trabalhando de casa? Você faz “horários fixos”? Ou é tipo: “Ah, hoje to com preguiça, não vou escrever.” ou “Hoje eu to inspirado, vou escrever 7 posts”?

    4. Essa é boba, mas não sei: por que .net e não .com.br?
      E já teve dilema de ter que recusar boa oportunidade de trabalho (prestígio, financeiro, etc) para manter a dedicação ao MdU?

        1. Sacanagem, podia ter postado o resultado! hahaha
          Para quem ficar com preguiça, o .com.br é dele também!
          Obrigado.
          De nada.

        2. Sacanagem, podia ter postado o resultado! hahaha
          Para quem ficar com preguiça, o .com.br é dele também!
          Obrigado.
          De nada.

          1. Chuto que o Ghedin se esquece de fazer. Fora que muitas vezes redirecionar do .com.br para um .com dá alguma zebra.

        3. O tecnoblog é .net também. Não sei se é algum código de conduta ou é sonoridade, economia de dígitos, sei lá

          1. O tecnoblog acho que é preguiça mesmo, já faz mais de quatro anos isso :p

            (Ah, isso talvez possa interferir nas barras de patrocínio).

      1. Pode ser também o custo do domínio ou outras questões (pedir poucos dados na hora de registrar e com isso ser “mais privativo”).

        1. O .com.br o Rodrigo tem. Quanto a direcionamento, acho que ele explicará no vídeo :p

    5. Gostaria de sugerir um “Frankenreview” sobre tantos lançamentos na semana. Um abraço!

    6. Como as outras pessoas mais próximas (família, amigos, conhecidos) vêem o seu trabalho (no sentido de emprego mesmo), visto que, teoricamente, você trabalha num site (blog?) independente?

    7. Como está a experiência de trabalhar em vídeo, seja no seu canal do MdU ou na coluna semanal do programa Conectado?

    8. Como está a experiência de trabalhar em vídeo, seja no seu canal do MdU ou na coluna semanal do programa Conectado?

    9. Podcast dá dinheiro, ou é só uma forma de atrair o público para o site?

    10. Podcast dá dinheiro, ou é só uma forma de atrair o público para o site?

    11. Olá Ghedin. Como o MdU é um site que traz uma proposta diferente dos outros veículos da área, como é o contato com as empresas para divulgação dos produtos e parceria de propagandas?

    12. Essa pergunta vai para a galera: por que vocês não vão ali à direita e mudam a ordem dos comentários para “os mais novos” primeiro? :)

Os comentários estão fechados.