Post livre #288

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no domingo à noite.

159 comentários

  1. Gente, indicações de blogs de viagem (ou destinos também)?

  2. Primeiras impressões prestes a completar 24 horas no Linux (Debian 11):

    – Configurar o Evolution (e-mail, calendários, contatos) é moleza. Tem uma vibe Thunderbird, meio retrô, mas funciona.
    – Achei um app nativo que conversa com o cofre do KeePassXC, o Password Safe. Funciona bem, pena que não tem integração com o Firefox.
    – O GPaste é mais desengonçado que o Maccy, que uso no macOS, mas quebra o galho.
    – O Gedit é tudo o que eu sempre quis em um editor de texto — sem tirar nem por.
    – Inserir caracteres especiais com Ctrl + Shift + U é confuso e instável (às vezes aparecem caracteres esquisitos).
    – O emoji picker padrão (Ctrl + Shift + E, barra de espaço) é muito ruim. E não funciona no Firefox, porque esse atalho também abre alguma coisa das ferramentas de desenvolvimento. O Emote não está nos repositórios do Debian, infelizmente.
    – Ao voltar da suspensão, o sistema congela e só volta forçando o desligamento. Zero ideia de como arrumar isso.
    – O gThumb parece suficiente para as pequenas edições de imagens do dia a dia.
    – Por que as pessoas ainda usam Windows?

    1. Duas respostas:

      – Reseta a BIOS para deixar “zerada” as configurações de energia da placa mãe para ver se ele se comunica com o Debian aí. Em último caso, deixe apenas para desligar a tela por enquanto (viu porque falei que implico com hibernação?) até achar a solução da suspensão.

      – Pessoas ainda usam Windows pois foram ensinadas a usarem o Windows. E ao menos no BRBR, ” ” ” ” ” É de ‘grátis’ ” ” ” ” ” ;)

    2. “Por que as pessoas ainda usam Windows?”

      Jogos.

      1. E softwares de Design, que não rodam em Linux (mas tem pra Mac também)

        1. E softwares de produção musical que não tem versão para Linux (mas tem pra Mac também).

    3. -Porque as pessoas ainda usam o Windows?

      Praticidade, embora distros Linux como o Debian sejam bem user friendly, Windows é mais preparado pro usuário final: jogos,pacote office etc.

    4. Ainda usam por costume? Alias, teve algum motivo especifico para você optar pelo Debian?? Eu teria te recomendado o MX Linux.

    5. Eu uso o KeePassXC no Ubuntu, tem pra Debian e integra com Firefox – precisa rodar o script da página deles.
      Via snap instala a última versão (tem snap no Debian?)

    6. Meio irônico ler “Por que as pessoas ainda usam Windows?” logo depois de reclamar de um bug na suspensão do sistema.

  3. O email Achados e Perdidos # 36(de hoje) disse que lançaram o BlueStacks X.
    Ao entrar na página do mesmo, li a FAQ e mesmo assim não entendi o que o diferencia do Bluestacks padrão. É igual?

    Cliquei no topo pra baixá-lo. Na tela de instalação vi que iria ocupar mais de 3 GB, então pelo visto não se assemelha a uma extensão de navegador. Cancelei a instalação.

    Pensei que fosse um novo recurso pra rodar aplicativos no navegador. Seria muito bom pra mim que tenho um PC antigo e preciso de um emulador de Android, mas todos consomem muita memória. Uso o Nox Player que me serve apenas pra usar o Whatsapp(não gosto de ficar refém de um smartphone físico o dia todo rodando o Whatsapp pra permitir que eu digite no Whatsapp Web).

    O ideal seria uma das opções:
    1) um Whatsapp pra Windows;
    2) um emulador de Android muito leve. Já instalei vários, e o ‘melhorzinho’ é o Nox, ainda que com certa lentidão. Exige tanta memória que às vezes os áudios que me enviam pelo Whatsapp, nele, param de tocar na metade;
    3) rodar aplicativos de Android no navegador.

    1. Ele vai rodar no navegador, mas ainda está em “coming soon” por isso você não conseguiu. O que você estava baixando era o instalador “normal”

  4. Pessoal, alguém tentou recentemente levar algum produto da Apple para reparo na própria loja da Apple? Estou tentando há alguns dias agendar atendimento na loja da Apple aqui em São Paulo para trocar a bateria do meu MacBook, e toda a vez aparece sem data disponível.

    Aliás, alguém aí já levou um MacBook pra serviço em autorizada da Apple? Não confio muito em levar computador pra reparo em lugar que não conheço…

    Meu computador tem desligado sozinho faz um mês mais ou menos. Ele já tem 5 anos, e uso bastante com atividade pesada (edição de foto) faz um ano, e acho que a bateria deteriorou muito rapidamente.

    1. Levei a uma autorizada em Curitiba, em março de 2020, para trocar a bateria. Acabaram trocando quase tudo, bateria, carcaça, teclado e tela, e não custou nada, a Apple cobriu tudo numa espécie de recall.

      Foi bem tranquilo — agendamento, acompanhamento etc. A única parte meio zoada foi eles terem pedido a minha senha de usuário. Recusei-me a dar, aí sugeriram criar um novo usuário com privilégios de admin.

      1. será q tem como descobrir se meu computador faz parte de algum recall desses antes de levar?
        eu to pra trocar a bateria do meu tbm (macbook air 2014) e tava pensando em levar numa assistencia tradicional pra apple daqui, mas q não é autorizada, pq fica uns 200 mais barato.
        mas se ele entrar num programa desses, vale mais levar na autorizada msm.

        1. joga no seu buscador “recall apple” pois não duvido que tenham sites que falam dos recalls com mais precisão.

    2. a bateria do meu MBP mid2014 estava visivelmente estufada no início desse ano

      eu fiz a troca em uma loja da santa ifigênia especializada em computadores da apple — mas nada indica que seja autorizada

      o reparo deve ter durado umas duas horas, se muito

      o resultado me pareceu ok: a bateria está muito boa agora e o computador funciona bem

      também me pediram a senha e na hora fiz um usuário novo para eles testarem o que fosse preciso

  5. qual foi a última vez que você comprou um dvd, blu-ray, cd ou qualquer outro tipo de mídia física?

    passei hoje por uma unidade das lojas americanas — depois de um ano e meio quase totalmente isolado — e me achei interessante isso: https://www.flickr.com/photos/gaf/51539831082/

    até uns dez anos atrás a gente ficava garimpando a seção de dvds em busca daquelas pérolas baratinhas e hoje isso está tomado por agendas e cadernos

    curiosamente, DVDs infantis ainda resistem

    hoje sequer tenho onde botar pra tocar um dvd ou cd

    1. Eu costumo ir em brechó, então eventualmente compro algum jogo ou programa que me chama a atenção.
      Trabalhei um tempo para alguém que mexia com “Yar Har”, e o cara acabou saindo do ramo pq o custo para manter (inclusive pagar propina para polícia) não compensava. Ainda eventualmente perguntam para ele se ele mexe com DVDs Yar Har.

    2. imagem muito simbólica! eu ainda compro dvds de coisas q me dariam muito trabalho de achar na internet por diversas vias. mas eu gostaria muito de ter algumas coleções de alguns cineastas q me interessam ou algumas temáticas específicas, pq esses conteúdos nos streamings são muito voláteis. hj eles estão disponíveis, mas amanhã não estão mais…
      tenho saudades do tempo em q era possível comprar ou mesmo alugar os itens fisicamente. apesar da logística complicada…

    3. Última vez foi em 2009, com o meu primeiro salário de estagiário, comprei um CD dos Serranos para dar de presente ao meu padrinho. De lá pra cá, nem escutar música via CD.

    4. Faz mais de 6 anos que não compro mídia física. Sinto falta das fitas VHS, pois muitos filmes bons nunca foram lançados em DVD e não se encontra em serviços de “streaming”, pois a atenção deles é só para conteúdo recente.

      1. Por isso eu sou tão evangelista sobre pirataria e cultura. Quando não encontra-se em meios legais vai encontrar alguem com o arquivo para compartilhar. Têm muito filme e música velha que não vai mais trazer grande lucro para seus criadores, mas são excelentes!

    5. Me lembrou as lojas Multisom…. Havia várias bancadas repletas de CDs e DVDs a venda. Ainda tenho algumas mídias aqui, mas se quisesse reproduzir teria que ligar um velho Pentium D que tenho aqui.

    6. Que coisa! Lembro mesmo que lá pra 2009, 2010, sempre gostava de dar uma olhada na seção de DVDs pra ver se tinha coisas interessantes. Mas agora, parando pra pensar, nem lembro da última vez que fiz isso, apesar de ainda frequentar as Lojas Americanas. Nem mesmo por curiosidade de saber se ainda eram vendidos. Algum dia eu visitei a seção de DVDs sem perceber que aquela seria a última.

    7. Eu nem lembro mais a última vez que comprei, mas lembro de ter parado quando me toquei que eu comprava e nem reproduzia o disco. Eu cheguei a importar box de séries (sdds, libra em conta! Sdds, dólar barato!) que eu nunca vi!! Eu ainda tenho alguns guardados, mas só porque tenho dó de jogar fora. :P

      PS: parece que tem um aparelho de DVD funcionando na minha casa, mas eu nunca usei. XD

      1. com certeza tenho vários DVDs perdidos em algum lugar na casa de meus pais que eu talvez sequer tenha tirado daquele plastiquinho

  6. Oi, pessoal! Comprei um iPhone 12 mini. Depois de alguns dias de espera, hoje ele finalmente chegou. Realmente é um telefone MUITO pequeno e leve. Parece de brinquedo e com capa parece o iPhone 5. Eu adorei! Estava cansada das telas grandes… além disso é uma excelente máquina. Câmera perfeita (pra mim), muito rápido e prático.
    Alguém aqui tem um tb e gostaria de falar da experiência?
    Aos que desejam comprar, super recomendo, mas saibam, é realmente pequeno. Rsrs

    1. Um pouco maior que o primeiro SE que uso. Cabe no bolso do cowboy? Talvez seja meu próximo celular, daqui uns 5 anos :).

    2. Como está a duração de bateria? Acho o tamanho do 12 mini perfeito pra andar com ele no bolso, mas tenho medo da duração da bateria.
      Tive um Zenfone 5Z e quando era novo já tinha que carregar todo dia, depois de 1 ano era carregando 2 vezes por dia, muito ruim.
      Se puder falar um pouco sobre a bateria do 12 mini, agradeço muito!

      1. Então, hoje é o 2º dia com ele, ainda estou observando.
        Ontem terminei de carrega-lo as 18h e só agora (11:12h) chegou aos 50% depois de ter passado a noite ligado, ficado quase 2h em ligação + Waze e uso bem leve de mensagens.

    3. A série Mini de iPhones realmente me chama a atenção. Atualmente possuo um Galaxy Note 10 que é gigante e mal cabe no bolso (em algumas bermudas nem cabe mesmo). Sem falar que, ao meu ver, o incremento de tela nem traz tantos benefícios… Ou é pequeno pra caber no bolso, rodar mensageiros, email, etc ou grande o suficiente pra rodar PDF e ser uma boa tela multimídia (tablets e notebooks).

    1. Fui ver alguns trechos. É tipo “podólogo bovino”, né? Nojento por causa obviamente que lida com feridas, sujeira e sangue, mas realmente interessante de ver.

      Nisso me fez pensar como estes canais que a gente “se hipnotiza” fazem este trabalho.

      Achei interessante o jeito que o cara vai narrando e mostrando (bem focado) o seu trabalho. Algo similar é visto no canal do Edd China (manutenção de veículos) por exemplo: a narração das atividades aliado a demonstração das mesmas sempre chama a atenção, cativa devido a dedicação ao mesmo. Joe Malovich é outro exemplo (isso falando no caso de vídeos sobre turbinas de geração de energia por pressão de água).

      Eu peguei gosto pelo “Ônibus na Rodagem” por causa da narração que o responsável gera, como se ele tivesse conversando de boa “com você” na cabine do ônibus. Não tem uma edição perfeita, mas a gente sente que o cara se esforça em fazer um bom trabalho nos vídeos.

  7. Galera, boa tarde.
    Já dei uma fuçada no google e não encontrei uma maneira simples de proteger o email no Android. Uso o aplicativo nativo do Gmail e gostaria de colocar uma camada de segurança que não somente a senha do celular. Alguém manja como fazer isso sem a instalação de apps de terceiro?

    1. Uso o Avast, adicionei o Gmail e outros apps a uma lista de bloqueio, quando abro ele, pede uma senha.

      1. Senti essa necessidade também, ainda mais depois de ver os golpes envolvendo pix. iria utilizar a opção de Pasta segura da Samsung, mas como seria necessário ativar novamente todos os apps de banco deixei pra fazer isso quando trocar de celular no ano que vem.

        Como paleativo, instalei o AppLock pra pedir senha/biometria ao acessar alguns apps (bancos, redes sociais, email, apps que contenham dados sensíveis)

    2. Se você tiver um Samsung recomendo o uso da Pasta Segura.
      Uma função que dá uma camada de proteção, como um cofre ou caixa de areia, com acesso por senha.
      Você instala apps lá e eles funcionam de forma isolada ao resto do sistema. Tenho meus apps de banco e a maioria de apps em que o cartão de crédito estão salvos.
      Talvez outras fabricantes tenham alguma solução semelhante, mas desconheço.
      Aliás, depois que aprendi a usar essa função e uma killer feature Para mim e fica difícil largar os Samsungs.

    3. Creio que não existe. O próprio app não tem essa funcionalidade, e se você estiver procurando uma funcionalidade nativa do sistema para bloquear apps, vai depender de qual customização/marca do Android vc estará usando. Acho que os da Asus, Samsung e Xiaomi tem isso por padrão.

    4. Obrigado pelas interações pessoal… acho que vou ter que recorrer a apps de terceiros mesmo, visto que não tenho as marcas citadas! Valeu mais uma vez!

  8. Algum leitor desse querido espaço na internet já conseguiu superar o vício de roer unha? Tô com quase 40 e não consigo parar, parece até que tá no sangue (minha mãe tem o mesmo problema). Como se o hábito já não fosse insalubre o suficiente, veio a pandemia pra mostrar que isso tem que acabar. Então é isso, aceito sugestões. Algumas dicas que vi por aí: hidratante pras cutículas, esmalte amargo pras unhas, app Streaks (se alguém souber de uma alternativa pra Android, gostei do conceito). Valeu!

    1. Tenho um problema parecido, mas com as cutículas. Quando cometo um estrago, fico uns dias sem arrancá-las, mas acabo sempre tendo recaídas. Algumas semanas atrás, comprei um fidget cube na esperança de que, tendo algo à mão, eu me veria impedido de me auto-destruir, mas não funcionou muito bem — o fidget cube acabou abandonado rapidamente.

      1. isso do fidget eu dei uma pesquisada pq tava quase comprando um cube desses. (eu não roo unhas mas mordo o dedo ou fico mexendo no cabelo, ou me distraio da reunião completamente vendo outra coisa da internet)
        aí notei que quando estou entediada ou concentrada, não costumo me distrair com coisas de mexer em botões (tipo click de caneta), então um desses cubes não ia me atrair.
        acabei comprando dessas correntes aqui, até q é gostosinho de mexer. se vai resolver não sei, mas tem funcionado como algo pra ocupar as mãos
        https://pt.aliexpress.com/item/33017130627.html?spm=a2g0s.9042311.0.0.56a2b90a4ksbDt

    2. Já tive esse problema. Resolvi em grande parte carregando comigo um cortador de unha. Se eu noto que estou começando a ficar com a unha grande, vou lá e corto e isso me inibe de roer. Claro que ainda tenho recaídas, mas é bem menos frequente.
      Mas as cutículas ainda sofrem um pouco. Mas a frequência também é bem menor.
      Ansiedade é uma merda…
      Quero tentar um fidget cube que usa aquelas teclas mecânicas “clicky”. Enquanto eu estava com umas aqui na minha mesa, cada vez que eu ficava ansioso, começava a apertá-las (especialmente as gateron blue e green😬). Mas acabei tirando elas numa limpeza pois não fazia mais sentido tê-las na mesa, do ponto de vista de trabalho. Tirando serem algo anti-ansiedade, claro…

    3. Vou contar como eu consegui parar, mas tenho ciência que não vai funcionar para todo mundo:
      Sabe a nossa geração que aprendeu inglês com videogames? A gente não aprendeu inglês só por aprender, tínhamos um objetivo e o obstáculo era a língua, por isso nos motivamos a aprender.
      Recentemente comecei a passar esmalte de vez em quando e não podia passar se tivesse com as unhas roídas e machucadas. Daí parei de roer hahaha.
      Mas eu assino embaixo na dica do Felipe, ter um cortador de unhas sempre por perto ajudou e muito num período pré-pandemia quando saia de casa sempre com uma bolsa.

    4. Também resolvi o problema com a dica do Felipe. E com o uso de máscara neste 1a7meses, praticamente perdi o vício.

      1. Eu parei na raça mesmo, sem usar nada. Não recomendo pra todo mundo fazer isso porque é bem difícil. Tô perto de fazer um ano e meio sem roer e a unha tá mais firme e até mais bonita 😂

    5. Compro caixas de chiclete (minha preferência é o trident). Tenho ansiedade demais, e acaba ajudando nisso tbm

    6. Perdi esse vício na marra, no início da pandemia. Simplesmente parecia muito errado roer as unhas com toda aquela neura sobre higiene das mãos, álcool em gel, não comprimentar ninguém fisicamente etc. Hoje em dia já é natural para mim não roer as unhas e cortar somente com o cortador.

    7. Meu deus! Tenho o mesmo problema. Usei aparelho e o pessoal falava que todo mundo que usa para de roer. Já tive esmalte amargo e nada. Veio uma pandemia e nada.

      Meu problema é o tempo que estou ‘desligado’, por exemplo, assistindo filme. Esse cubo de estresse também não me serviu. Quando vejo, estou com ele numa mão e roendo a unha da outra.

      Esse mês estou de mudança e deixando o serviço. Nem preciso dizer que não tem nem um farelo de unha nos meus dedos. É um terror!

    8. Na verdade eu costumo meio que tentar “fazer a unha” na boca. Não fico roendo, tento é meio que cortar a unha com o dente mesmo. Uso o dente para puxar o excesso de unha (a unha cresce em camadas, por isso da para meio que tentar puxar a camada extra).

  9. Pessoal tava falando esses dias de tablet substituindo laptops mas perdi a meada…

    Meu macbook velho finalmente abriu o bico e eu preciso de alguma coisa pra ler pdfs e produzir algumas coisinhas leves quando estou fora de casa.

    Alguma sugestão na casa dos 1000 cruzeiros? A linha galaxy tab S é só um sonho pra mim, então estou pensando num A7, A8, mas será que prestam ou é melhor procurar um usado mas melhor, de repente instalar um android mais novo?

    1. Tenho um A8 Pen, é um bom tablet pelo custo, mas o desempenho não é nenhuma maravilha, pro meu uso funciona muito bem. Uso para leitura de HQs, artigos web e PDFs (livros eu leio no kindle). Além de youtube e cifraclub.

      Usar ele com um teclado para anotações ou powerpoint funciona bem tbm.

      Uma dica que melhorou em muito a performance, foi deixar os botoes de menu e voltar na tela ao invés de ocultos por gesto.

      Pensa bem nos possíveis usos que você tem com o notebook, pode ser uma opção. Porém se puder pegar um TAB S, seria a melhor opção.

      1. Parece uma boa, embora um pouco acima do orçamento, vou pensar, obrigado!

    2. Um laptop conversível usado, tipo Surface ou similar, será que lhe serviria? Tenho visto uns na faixa de 800 reais.

      1. Tenho medo, capaz de passar raiva se pegar um windows rt, não tô podendo passar raiva nesse momento. Mas é minha segunda opção pegar algo usado mesmo.

        1. O Surface, dependendo do modelo, não é o RT . Creio que os i5 ao menos não o são.

    3. Estava há algumas semanas justamente procurando algo do tipo. Cheguei à conclusão de que consigo fazer meu trabalho quase todo usando um tablet. Daí vi o Dex rodando num Tab S6 Lite, com case com teclado e trackpad e me empolguei. Aí vi os preços do aparelho por aqui…

      1. O Tab S6 lite é até bonzinho, cheguei a comprar um mas o devolvi porque a relação preço vs desempenho não empolgou.
        Se fizer um uso bem leve, multitarefa com 3 aplicativos no máximo, vale a pena. Pro meu uso não valeu, OU se fosse mais barato, eu não devolveria hahaha

        1. So por curiosidade, qual foi seu tipo de uso?? Estou cogitando pegar um tab s6 lite para leitura de pdf, video aula, e anotacoes de estudos/faculdade, a princípio seria so isso mesmo.

    4. O que acha dos Chromebooks?
      Possuem hardware parecido com o S6 lite, já vem com teclado e mousepad integrado e possuí suporte até 2026. Acredito que pra essa finalidade pode te atender.

      O modelo da Acer está em torno de 1500 nas magazines da vida aí.

      1. Chromebook sem google, rola? rs. Mas estou vendo aqui, é uma saída também.

  10. voltando ao assunto das bicicletas. recomendo a todos algo q eu sempre fazia, mas, por excesso de confiança deixei de fazer: usar luvas e capacetes. por sorte, no tombo q levei domingo, só a luva fez falta, pois ralei a mão e não bati a cabeça. ralar a mão, a palma, dói de mais. ah, de bônus fraturei uma costela… coisa q tb dói demais, pq vc não pode imobilizar e fica convivendo com a dor. foi uma fratura simples, tem coisa pior q acontece nessa região…
    com certeza um dos tombos mais bestas q levei na vida: estava devagar, sem grandes obstáculos à frente, apenas uma valeta, na qual eu já passei várias e várias vezes, mas pressionei o freio dianteiro forte demais em algum momento e dei quase uma pirueta com ela. não estava habituado com freio hidráulico e dancei…

    1. Isso me lembrou uma história que aconteceu de forma similar, mas com outro veículo – uma scooter.

      Eu fiquei creio que uns 6 meses arrumando uma scooter que eu tinha feito troca em uma placa de vídeo, isso há uns 20 anos atrás. Quando rodei com ela as primeiras vezes, peguei um dia de chuva . Eu só tinha o freio dianteiro funcionando.

      Fui pegar uma estrada de terra e freei de forma brusca. Perdi o controle e ralei todo o braço. Cheguei na época na casa da minha (ex-)namorada e ela ficou embasbacada. E eu “ah, mas não foi nada”.

      Dias depois vendi a scooter para comprar um berço para meu futuro sobrinho que estava para nascer.

    2. Cara, luvas e capacetes são fundamentais. A segurança que as luvas transmitem é algo. Sem contar que só o fato de vesti-las já é bem legal, passa uma sensação boa.

    3. Eu ainda recomendo as luvas completas, estilo de mountain bike, que cobrem os dedos também. Eu sou teimoso e uso as que deixam os dedos de fora, que obviamente deixam os dedos expostos a ferimentos.

  11. Existe um aplicativo chamado Sleep Cycle. Ele monitora o nosso sono. Achei ele bem interessante. Alguém sabe de alguma alternativa FOSS para ele? Procurei no F-Droid e não achei nada. =\

    1. Se você possuir uma dessas pulseiras fitness ou relógio smart e ela for compatível, o gadgetbridge (https://gadgetbridge.org/) dá esse tipo de suporte. Tenho uma mi band 5 e ele faz o acompanhamento de sono (embora não seja tão completo e preciso quando o app oficial da Xiaomi.

  12. Pessoal, estou pensando em trocar o HD do meu note por um SSD e, apesar de ser algo teoricamente simples, eu não me sinto muito seguro de fazer por conta própria (não tenho experiência nenhuma com hardware).
    Então, pensando em uma instalação através de uma loja de assistência técnica, queria saber de algumas dicas ou coisas importantes que posso fazer para evitar que alguém acesse meus arquivos de alguma forma.
    Uma opção que me veio foi formatar o HD, mas mesmo assim é possível recuperar os arquivos se a pessoa estiver com intenções maliciosas (estou sendo paranoico, talvez ??? ahaha)

    1. Instala Ubuntu. Ele não vai dar-se ao trabalho de fuçar pra recuperar arquivos. Qual o modelo do notebook?

    2. antes de instalar o ssd, dê uma pesquisadinha no modelo do seu computador e qual tipo de ssd é compatível. se tiver uma entrada m2/nvme, será mais simples pois o hd poderá ficar lá quietinho na dele e o ssd será instalado na m2, no macio no gostoso.

      caso não tenha a entrada m2, você precisará de um ssd sata. aqui, existem duas opções: 1) você pode substituir o seu hd pelo ssd 2) caso seu notebook tenha driver óptico, você pode retirá-lo e usar a entrada sata onde ele estava para o armazenamento. para isso, você precisa comprar um adaptador que chamam de caddy. existem dois tamanhos, é possível encontrar essa informação com alguma facilidade. o ssd novo vai dentro desse adaptador.

      minha recomendação é: ao deixar o computador na assistência, peça para que retirem o hd e entreguem em suas mãos. eles podem instalar o ssd sem precisar do seu hd tranquilamente. depois que instalarem, no dia que for retirar, leve o hd e peça para instalá-lo ali na sua frente, no balcão de atendimento. é um processo que vai levar 10 minutos no máximo, pois consiste de remover alguns parafusos, remover a tampa interna e encaixar o hd. se eles quiserem cobrarem a mais por isso, aí você já sabe que não é um lugar tão legal assim pra deixar seu computador.

      caso você use ssd e hd em paralelo e queira resolver a parte de software em casa ao invés de pedir pra assistência instalar o sistema operacional, você precisa tomar cuidado pois o seu computador pode “confundir” por qual dispositivo de armazenamento ele deve inicializar, já que antes ele “dava o boot” pelo hd. se for possível, faça backup daquilo que você tem no hd e é relevante e na sequência formate-o sem instalar nada, como se fosse um pen drive. depois instale o sistema operacional no ssd e você conseguirá ver o hd como opção de armazenamento. se estiver no windows, você pode desabilizar a opção de inicializar pelo hd utilizando aquele painel que eu não me lembro o nome de cabeça mas que é acessível via “iniciar > executar > msconfig”.

    3. Se for tranquilo você fazer backup dos arquivos em uma nuvem ou em um HD externo, eu recomendaria formatar mesmo. Até porque nesse processo a gente acaba fazendo uma limpa no que realmente é útil guardar.

      Se você está preocupado com a recuperação dos dados, pode fazer uma formatação “zero fill”, que escreve 0s em todos os bits do disco rígido.

      Só com um cuidado extra: não confie o backup a apenas 1 HD externo. O ideal é que salve os arquivos em uma nuvem também, ou em 2 HDs externos.

    4. Na verdade não é tão difícil fazer uma troca de hd por conta própria. No caso de notebooks, a dica de ouro é a seguinte: se tiver portinhola de acesso ao HDD, é mamão-com-açucar – basta abrir, tirar o HDD, trocar pelo SSD e voilá!

      Se for laptop inteiriço (unibody), o que tem sido bem comum nos últimos tempos, existem bons tutoriais online ensinando a desmontar com calma. Basta uma chave philips pequena, algo para guardar os parafusos e algo de plástico para ajudar a abrir a carcaça do notebook (cartão de crédito velho, palheta de violão/guitarra, ou até mesmo comprar um kit de abertura de celular, que é na faixa de 20 reais).

      1. Eu fiz isso recentemente, com meu notebook que estragou, ferrou a placa mãe e depois de levar numa assistência que não tinha o modelo (aquela em que fiz a cagada de fornecer a senha do meu outro comentário), fiquei monitorando no mercado livre até que apareceu uma igual (mas com i5 ao invés do i7) o que no fiz foi comprar a placa e aproveitei e comprei um kit desses de celular, mesmo já tendo um kit “de relojoeiro”.

        Foi minha primeira vez trocando uma placa mãe inteira de notebook, até então só havia feito coisas simples – instalar ssd m.2, trocar memória ram, hd. E foi relativamente simples até. Atesto que o serviço foi bem feito, pois tô digitando dele agora, inclusive, hahaha.

        Vale a pena tentar se arriscar.

    5. Como muitos outros já falaram, isso costuma ser relativamente simples se seu notebook tiver as “portinhas”.

      Uma coisa que pensei que poderia ajudar seria ter compania para “dar pitaco” enquanto você faz isso. Eu normalmente faço a minha própria manutenção aqui, pois não confio muito em assistência com coisas críticas, vide uma reportagem que saiu aqui no Manual por esses dias.

      Será que não seria interessante usar um Discord, ou coisa do tipo, com você filmando o processo e os interessados opinando e guiando?

  13. O que vocês acharam do novo Fairphone 4? (https://shop.fairphone.com/en/buy-fairphone-4)
    Me parece um bom aparelho, com excelentes especificações, mas me decepciona um pouco o fato de precisar de um adaptador usb-c para poder plugar fones de ouvido de 3,5mm. Outra coisa que decepciona é o preço (ainda mais levando em conta que é em euros!), mas dada a proposta do telefone, é até compreensível.

    1. Mas acho que vale a pena pra quem mora na Europa… Afinal são 5 anos de garantia

    2. Olha, eu ainda sou meio cético. Às vezes me soa como o tal do greenwashing.

      Porém, algo positivo é que ele aparenta ser mais fácil de consertar.

      “Fairtrade Gold
      We’re the first and only smartphone company to be certified.”

      Quem é o fairtrade gold? Que tipo de comprovação essa certificação tem?

      Até essa questão de certificação às vezes é bem obscura.

      No doc Seaspiracy na Netflix fala um pouco sobre isso.

      Mas ainda acho a intenção boa, porém, no meu ponto de vista é algo direcionado a quem tem poder aquisitivo para isso, e não para alguém que tem a grana contada (mesmo lá) e que se viraria bem com um telefone de 300 euros, por exemplo, mesmo que tenha toda essa preocupação.

      Enfim, ainda acho que essa coisa do “cada um fazendo a sua parte” é um conceito liberal demais pra mim, colocando na conta do capitalismo e das empresas para terem essa preocupação. E quando isso viraliza, surgem os charlatães às pencas.

      É tipo aquela, tomar banho de 5 minutos pra economizar água, e a indústria gastando água a rodo.

      Fica um cheiro de estar sendo feito de otário, sabe.

      Acho que a gente acaba fazendo mais pressionando e elegendo congressistas para fazerem esse papel.

  14. Estudando a possibilidade de investir em um console, atualmente jogo no PC (Windows) mas estava querendo um console para jogar na sala e deixar o escritório mais para trabalhar mesmo. A princípio meu maior interesse é pra jogar coisas mais indies, não me apego muito a triple A e a qualidade dos gráficos é importante, mas o valor do investimento pesa mais. Tava olhando algo como Xbox Series S, mas sou bem aberto a outras possibilidades. Dicas?

    1. Se você não tem apego aos exclusivos, que é algo que a Microsoft é mais fraca, vai de Xbox. Gamepass (e agora o XCloud) valem muito a pena.

      1. Não sabia desse lance do Cloud Gaming e me interessei bastante, já que as vezes a TV da sala tá ocupada e tenho um iPad. Vou dar uma esmiuçada nisso!

    2. Hoje a Microsoft lançou por aqui o Cloud Gaming, que permite jogar via nuvem direto no navegador, sem a instalação dos jogos. Testei aqui e fiquei muito feliz de ver que funciona muito bem (pelo menos na minha conexão)! Acho que é uma opção que vale demais pra quem, como eu, não acha que vale a pena investir num console no momento.

      1. Ia dar a mesma sugestão: pela sua descrição, o Series S parece ser a melhor escolha mesmo, levando em conta que a criação de ambientes separados de diversão e trabalho é um dos objetivos.
        Um bom jeito de testar se isso se adequa do ponto de vista de jogos é o Xbox Cloud Gaming – você consegue testar a experiência do modelo Xbox de jogos. Se se adequar ao que você que, compraria o Series S, que considero ter uma relação custo X qualidade da experiência de uso melhor do que a alternativa (um PC qualquer rodando Xcloud).

      2. Qual a velocidade da sua conexão? Usou cabo ou Wi-Fi?
        Fiquei tentado a experimentar também.

      3. Testei o Cloud Gaming tanto no iPad quanto no iPhone. Simplesmente sensacional! Vale muito a pena!

    3. Indico o Series S mesmo, em sites de promoções já aparece por 2,1K e até um pouco menos. Na pior hipótese, se vc não curtir, é só vender pelo preço que pagou.

    4. com um ps4 é diversão garantida. tem muito jogo por preço bom, físico ou digital. mas o game pass é realmente bem interessante… depende muito dos jogos q vc quer jogar. eu tenho um acervo legal no stem, mas é isso, não me agrada muito jogar no escritório, no qual fico o dia todo… então curto mais jogar no ps4 mesmo. as jogatinas q faço no pc são mais pra jogos q exigem mouse e teclado (apesar de ser possível ligar mouse e teclado tb no ps4).

    5. Se Triple A não é a sua, já cogitou um Switch? Além de ter bastante RPGs, tem muito indie por lá também, além de o serviço de assinatura te dar uma série de jogos de Nintendinho e ser um videogame muito bacana pra multiplayer local.
      A maior desvantagem: jogos de 2, 3 anos atrás a 300 conto

      1. Considerava muito, muito fã de vários jogos da Nintendo, mas os preços dos jogos por lá me afasta bastante, qualquer jogo mesmo os indies tem um preço mais salgadinho que outras lojas.

  15. Alguém já viajou por aqueles pacotes do Hurb? Eu morro de vontade, mas me falta coragem. O preço atrai muito, mas vejo pouquissímas pessoas falando que já viajaram por eles.

    1. Conheci algumas pessoas que viajaram com eles, algumas tiveram problemas em relação à marcação da data; por outro lado, foram relativamente flexíveis na pandemia, adianto o que fora contratado (para além do que determinam as leis e afins).
      Penso que pode ser uma boa se você tiver flexibilidade de data.

    2. Também tenho conhecidos que viajaram e foi tranquilo.

      A única questão é em relação a data, que se não tiver mudado, tem o seguinte esquema: Você escolhe 3 datas dentro do período da promoção em que diz estar apto viajar. Até 45 dias antes da primeira data escolhida, eles retornam informando em qual das 3 datas será a sua viagem.

      É necessário uma certa flexibilidade.

  16. postei no “o que li de bom” mas não sei se encaixa lá, e como queria comentar com vcs, trouxe o comentário pra cá:

    alguns serviços que uso costumo acompanhar o blog, e terça o fastmail anunciou sua função de emails aleatórios junto com o 1password, como não o uso, nem me animei, mas indo nas configurações vi que qualquer um pode usar, só não se integra a um gerenciador de senhas como faz com quem tem conta no 1password.

    eu gostei bastante, facilita minha vida, pois um dos motivos de usar o fastmail era por causa do alias, pois eu crio um alias pra cada serviço que me cadastro, mas acabo seguindo um padrão (e é um processo chato, pois sempre que crio um preciso inserir a senha e verificar se o email está disponível), já no email aleatório é muito mais prático e rápido.

    https://fastmail.blog/privacy-security/masked-email-from-fastmail-and-1password-protects-your-identity-online/

    coincidência ou não, depois que postei lá o tecnoblog falou a respeito, segue: https://tecnoblog.net/499170/1password-fastmail-email-aleatorio-alias-login/

    1. Olha, sinceramente, dessa parte eu já abri mão. Eu tento manter uma conta de e-mail mais restrita e com mais segurança, mas de resto… Prefiro evitar fazer muitos cadastros. As lojas já vão ter meu endereço e minha forma de pagamento, o e-mail é o de menos.
      É aquela discussão que tivemos uns posts passados: até onde a gente abre mão da praticidade pela segurança. Pra mim, não acho prático criar um alias pra cada conta (mas ter um diferente da conta principal e não permitir que o login seja feito por ele, acho interessante).

    2. Uso o Firefox Relay para isso. Recentemente o DuckDuckGo também liberou (em beta ainda) um serviço parecido, sendo que no caso do serviço do DuckDuckGo, eles removem scripts de tracking nos emails.

  17. Um colega aqui do post livre mencionou algumas semanas atrás uns DNS para bloqueio de propaganda…. Olha, testei aqui e funciona até certo ponto. Ainda preciso de ublock, mas os anúncios simples em apps sumiram.

        1. Eu não consegui usar o AdGuard no notebook e no celular ele bloqueou músicas no Youtube Music. E tipo, tinha música que nem era marcada como “explicit”.
          Os anúncios, eu não senti diferença porque já uso navegadores voltados pra esse bloqueio e os apps que uso não têm (só o leitor de pdf – aliás, se alguém tiver uma dica de um leve e confiável, aceito).

          1. Leitor de PDF para PC (Windows) ou Android?

            Windows – Sumatra PDF
            Android – PDF Viewer Plus (F-Droid)

          2. O Sumatra eu tinha visto a dica naquele site que o Guedin postou dia desses com programas free/open source para o Windows e já estava querendo testar mesmo porque até o Foxit tá insuportável!

            Era pra Android; vou ver na PlayStore, obrigada!!

          3. As ordens, Andrea.

            Prefiro sugerir que puxe pelo F-Droid ( http://www.f-droid.org) pois no PlayStore geralmente vem versões de programas com propagandas.

            No F-Droid, ele lhe indica se o app tem alguma propaganda ou não.

          1. Esse aí que ele mencionou mesmo. Não bloqueia muita coisa, mas sabe aqueles anúncios que aparecem em alguns apps (oi rastreamento correios)? Sumiram aqui em casa.

      1. Tem o NextDNS, que é quase um PI-HOLE na nuvem. Acho mais prático, pois não preciso instalar um aplicativo, extensão etc. Todo bloqueio funciona a nível DNS

    1. Uso o NextDns, dá pra configurar muita coisa! Tirar todos os logs, colocar lista branca, tem filtros automáticos pra coisas e aplicações específicas.

  18. Eu tava reparando o quanto hoje é bem mais difícil achar um orelhão nas ruas, ainda mais funcional. Parece que perdemos de vez o costume de usa-los.

    Só que quando estamos sem bateria no celular, é uma alternativa necessária, não? Lembro-me que tempos atrás a bateria do meu celular acabou e foi tentar ver um orelhão perto. Não achei fácil, nem cartões telefônicos para vender, diga-se. E os que achei, boa parte sem sinal.

    Aviso – o link deixado direciona ao grupo de fotografia do Manual do Usuário no Flickr. Passa lá e se quiser, participe! :D

    1. Deve ser mais fácil você entrar numa loja e pedir um carregador emprestado do que achar um orelhão, lembrar o número de quem quer conversar, ter um cartão com crédito disponível… não é à toa que os orelhões estão desaparecendo. São anacrônicos e só não sumiram antes porque havia um entrave legal que impedia as operadoras de desativá-los.

      1. Exato, até pouco tempo lembro que orelhões da Oi realizavam ligações para telefones fixo se não me engano sem necessidade de cartão por entrave judicial eles tinham q disponibilizar, mas agora encontrar um q funcione é raro, é como querer encontrar um bonde q atividade. Como Ghedin mencionou, mais pratico pedir um carregador emprestado ou até alguém que empreste o aparelho para realizar uma ligação.

    2. Olá Ligeiro,
      Quando estava na faculdade, e não tinha o pós-pago(controle) ainda, usava direto o orelhão que ficava no prédio, e o melhor, não pagava nada. Acho que em toda Porto Alegre tu consegue usar os orelhões de graça. Mas com a popularização das ligações infinitas via celular, imagino que não tenha muita procura mesmo.

      1. Acho que a Oi tinha uma multa para pagar e por isso os orelhões permitiam ligações gratuitas.

    3. Os orelhões e as caixas de correio estão indo juntos para o céu dos meios de comunicação do passado :D

      1. As caixas de correio ainda recebem contas e alguns tipos de aviso. Em tempos: até pensei em criar um grupo de criar e enviar cartões postais, mas sem grana para isso agora.

        Estava pensando aqui: quando fui dias atrás para uma região erma de Santa Catarina, minha tia falou que lá eles não tem visitas dos Correios. Achei estranho pois geralmente os Correios passam em locais ermos, talvez minha tia tenha se equivocado.

        E onde eu estava, era só UMA operadora de celular (que falhava) e o acesso a internet era feito via rede compartilhada via satélite ou via ponto alto de wifi com origem em fibra ótica.

        1. Minha sogra mora na região rural de Joinville e o correios não passa lá. Semanalmente ela tinha que passar na agencia do correios mais próxima para buscar as contas, mas agora que está em débito automático, deve ir com menos frequência.

          1. Eu jurava que SC era bom de Correios. Agora estou entendendo o porque de vários reclamarem ainda. Fico chateado.

        2. Conhece o postcrossing? Já usei muito no passado para enviar e receber cartões postais do mundo inteiro.

          Sobre os Correios, é isso mesmo, tenho casa na praia do Siriú, em Garopaba, SC (vale a pena conhecer!) e lá, desde criança, os correios só entregam no centro do município, quem mora em outras localidades precisa ir à agência para retirar cartas, encomendas etc.

          1. Eu costumo ir em Palhoça, que é bem próximo. Espero muito ter a oportunidade de visitar Garopaba.

            Não sabia que também tinha problemas aí. Como falei acima, agora entendo um pouco mais do porque de alguns reclamarem dos correios, e fico chateado com isso. Sempre ouvi falar que o serviço fazia entregas em locais bem remotos – e de fato imagino que o procedimento tanto na região que o Tobias falou quanto na sua se aplica em locais em outros Estados.

            Quanto ao crossposting não sabia não, grato pela dica! Irei atrás!

      2. nossa, caixas de correio na rua ainda existem? há anos que não vejo!

        1. Na rua em si, mais comum em condomínios ou casas antigas que deixam de enfeite (em bairros abastados). Geralmente a caixa de correio fica no portão ou muro hoje, integrado.

    4. Não sei como é essa questão de “orelhões sumindo”, mas sei que é um serviço que deve ser oferecido por uma tele “escolhida” e elas têm que dar manutenção e oferecer uma determinada “densidade de orelhões” na zona urbana (exemplo: 1 orelhão a cada 1km de raio). Na última palestra que vi da ANATEL (há uns 3, 4 anos atrás) eles falaram que estavam cogitando flexibilizar essa norma e diminuir a densidade de orelhões exigida, pelo falo de não ser mais algo usado pela população.

      Acho que uma alternativa a essa mudança de hábito da população seria a modernização dessas plataformas, oferecendo carregadores para celular, quem sabe até um hotspost de wifi de baixa potência (pro cidadão só poder usar dentro da cabine, por exemplo). Acho que a ideia de ter terminais de comunicação públicos não poderia ser simplesmente descartada, mas deveria ser modernizada.

      1. O Ghedin já mencionou – a lei que define o número de aparelhos foi modificado e agora permitiu a redução do número de aparelhos.

        A ideia que tu falou, que eu me lembre sempre foi mencionado no passado mas nunca botaram em prática.

  19. “Resgatei” um computador antigo, que já foi meu e estava abandonado na casa dos meus pais. Objetivo: ressuscitá-lo para experimentar Linux. Ontem dei uma limpada (estava cheio de teias de aranhas e insetos mortos) e achei… quase bonito?

    A configuração é defasada, mas em poder de processamento não deve ficar devendo para o notebook que uso no dia a dia. O processador do desktop é um Core i5 2500; o do notebook, um Core i5 5257U. Apesar de separados por três gerações, o mais antigo/do PC tem desempenho similar em processamento por núcleo e ganha em multi-thread — ainda que gaste o triplo de energia. (Comparativo.)

    Algumas pendências — é aqui que eu peço ajuda a vocês:

    • Ele está com um HDD de 500 GB, o que é meio impraticável depois que se acostuma com SSD. A placa-mãe não tem slot para M2/NVMe, então vou pegar um desses SanDisk SATA mesmo, de 120 ou 240 GB, o que tiver melhor custo-benefício. Alguma contraindicação?
    • Pela divisão de cômodos do meu apartamento, terei que morrer em uma antena Wi-Fi. Numa rápida pesquisa, encontrei a TP-Link TL-WN881ND e, até onde vi, ela conversa bem com Linux. Alguma outra indicação nessa faixa de preço?
    • Será que perco muito dispensando uma placa de vídeo? Devo ter uma Radeon 7770 perdida por aqui, mas fico na dúvida porque, apesar do ganho em desempenho, ela aumentaria o barulho e o consumo energético. (E tem que ver se tem drivers também, né?).
    1. Você vai usar só para experimentos com Linux ou já vai virar o equipamento de backup (pelo que sinto no tom do seu comentário)?

      – Creio que com Linux dá para usar o HDD de boa, ele carrega mais rápido que o Windows. Em um segundo momento você investe em SSD (veja como está a cotação de preços de SSD). Tenho comprado SSDs mais baratos (tipo LifeData ou Lexar) e até agora tudo Ok, sem reclamações (a quem repasso).

      – Vai pelo WiFi que caiba no seu bolso. Lembre-se que não adianta ter um receptor bom de WiFi e o sinal não chegar bem onde está. Teste o sinal e veja se não precisará de um repetidor.

      – Placa de vídeo será bom APENAS em tarefas de renderização de vídeo ou jogos. Se for para inicialmente experimentar o Linux, a onboard vai dar conta. Caso queira instalar (vai que tu se interessa em fazer edição de vídeo e imagem por Open Source / Linux), de boa. Agora quanto a compatibilidade, acho que quem entende mais de Linux pode falar melhor, mas não sei se AMD é 100% boa (fiz uma pesquisa rápida e aparentemente é ok usar se fazer uma instalação limpa).

      Uma coisa que me veio a mente: se conseguisse mais um HDD antigo, criar um sistema de testes para OSs, tipo já instalar o Windows 11 ou alguma distro que tu se interessa.

      1. A AMD tem contribuído nos ultimos anos diretamente no kernel do Linux com drivers para suas placas de vídeo. Acredito que as NVIDIA dão mais trabalho atualmente por precisarem de drivers proprietários.

    2. Eu acho que essa questão de consumo energético é mais complexo (e um tanto sobrevalorizado). Em uso comum ou espera, CPU/GPU ficam longe de consumir o máximo especificado, é mais relevante para saber refrigeração necessária (e barulho decorrente).

      O TDP da Intel é quanto o processador consome para funcionar no clock base especificado, mas consome muito mais nos picos e a duração desses picos depende da dissipação e calor e configuração do fabricante. Por exemplo, um processador de 65W da Intel pode rodar a 125W continuamente se a placa-mãe suportar e tiver resfriamento adequado.

      A forma como cada plataforma gerencia consumo muda, a AMD apesar de processadores mais eficientes, tem problemas de consumo exagerado nos chipsets. Além disso, tem a própria fonte que possui diferentes níveis de eficiência.

      Talvez, o ideal fosse comparar na saída de energia o consumo, para ter um parecer mais claro se for motivo de preocupação.

        1. Legal, parece ótimo mesmo, o meu fica por aí também quando tá uma temperatura ambiente média (25-30 graus celsius).

          Agora é só testar na tarefa mais pesada que, no caso de uso comum, suponho seja ver vídeos em 4k no YouTube ou algo assim. Normalmente tem decodificação por hardware, mas é um processador bem antigo e Linux é o pior OS para lidar com isso.

          Se quiser algo extremo, para testar o máximo mesmo, o s-tui é uma mão na roda. Só deixar rodando e acompanhar.

    3. Depende muito do uso. Se você for usar, por exemplo, como um servidor para backup de dados, não vai precisar nem do monitor e do teclado :D
      O HD também entra nessa conta. O ideal é experimentar, mais um SSD sata deve dar conta do recado. Você pode comprar um adaptador PCI-NVME para utilizar um hd desse tipo.

      1. Eu pensei no adaptador, mas aí me veio uma coisa em mente: é possível “dar boot” com ele? Creio que até a 2a Gen, os pcs não tinham a possibilidade de usar um NVMe (ou se tinham, eram bem específicos).

        1. Ih rapaz, é uma boa pergunta! Se o adaptador tiver uma bios própria, como se fosse uma adaptadora scsi, acredito que seja possível, mas é bom consultar a documentação.
          Talvez o fabricante da Bios tenha alguma atualização para dar suporte, quem sabe.
          Mas, na minha opinião acho que o SSD via sata já daria uma excelente turbinada na performance da máquina. NVME também tem problemas. Já perdi um hd nvme com dois anos de uso :(

          1. É, não precisa ser NVMe nem nada do tipo. É só para testar, ver se conseguiria me virar com Linux no dia a dia, então qualquer coisa que não seja letárgica já resolve.

          2. @Ghedin veja se acha um SSD de uma marca que você sinta confiança, ou como já falei, se só é experimental mesmo, joga um SSD de marca mais simples (Husky, LifeData, Lexar, etc…) Existem até SSDs de 64GB vendendo por aí, talvez um pouco mais barato que os de 120GB. Só evitaria Colorful, Wejinto, Multilaser, pois desconfio que eles tem via útil menor.

          3. Ah sim, fica a dica para comparar o desempenho de SSDs ssd.userbenchmark.com

      2. Você pode comprar um adaptador PCI-NVME para utilizar um hd desse tipo.

        Só um ponto de atenção: os adaptadores mais simples só suportam o protocolo SATA mesmo, convertem M2 para o cabo SATA e conector de energia, mas não funcionam com NVME.

        Em outras palavras, funciona só se você tive um M2 padrão SATA e não um M2 padrão NVME.

    4. O teu PC antigo é melhor que o meu Notebook que até uns meses atrás minha esposa estava usando pra dissertação dela (o notebook novo tinha estragado) – que é um Pentium Core 2 Duo, uma geração antes da primeira geração Core i

      Sobre o SSD, concordo com o Ligeiro. O Linux não tem aquele monte de processo em segundo plano. Mas, é claro que um SSD ajuda. Em meu desktop atual principal, sem entrada m.2 na placa mãe, uso um SSD sata já faz uns 5 anos e tem funcionado tranquilo, a velocidade melhor só é perceptível se faço algum benchmark. Então investiria num desses sem problemas, acho que sairia mais barato do que comprar um m.2 e um adaptador PCI (que até pode inviabilizar o boot pelo ssd)

      – Sobre o wifi, uso o meu com cabo, nunca usei esses adaptadores.

      – Sobre a placa de vídeo, uma saída é, em conseguindo os drivers para Linux e tal, tentar mexer na curva de fans, não sei se no linux tem essa possibilidade, mas, se for só para tarefas de escritório, com 1 monitor apenas, creio que a onboard dê conta.

    5. acredito que qualquer SSD irá te servir bem. se não tiver pressa, eu compraria um SSD na China que sairia a metade do valor.

      sobre placa de vídeo, só valeria comprar, ao meu ver, se vc for trocar o processador por um melhor mas que não tenha vídeo integrado (acho que a linha K não tem)

      agora, sobre o processador, ele deve te atender super bem, e se fizer um upgrade (para um i7 ou um Xeon) ele durar mais alguns anos

      1. Gimigliano, tava vendo que um SSD no Shopee ou ML via China é quase o mesmo preço que pegar no BRBR direto. Onde tu consegue tão barato?

        1. de uma olhada no Aliexpress, a uns 3 meses atrás eu comprei um SSD 480GB por R$215 (isso claro, com vendedor com mais de 20k de vendas)

          uma dica é, ficar de olho no Gatry, principalmente no Pelando, vire e mexe postam SSD 120GB por uns R$60

        2. dependendo da sua sorte, vc consegue juntar cupom do Aliexpress + cupom do vendedor.. a umas duas semanas atrás ganhei US$11 de desconto em qualquer produto acima de US$20 se eu não me engano (acabei pegando um fone que me arrependi kk)

          1. Obrigado pelas dicas. Vou tentar segui-las quando estiver melhor de dinheiro. :D

      1. Vi lá seu twitt. Acho que vou lhe imitar e se eu for botar um pc para funcionar aqui, vou experimentar o Debian.

    6. Em casa, há uma máquina na mesma situação, parada há anos. Tentar usá-la hoje é inviável, devido à memória cheia e ao software defasado. Valeria a pena fazer algo similar só para tornar o computador usável?

      1. Sim, Edu. As distribuições Linux hoje são bem mais amigáveis. E ainda mais, dado o fato que hoje boa parte do uso de um computador é online, geralmente nem vai se ligar no sistema operacional. Procure uma distribuição no Distro Watch que lhe agrade. Ou procure tutoriais no YouTube se tem alguma dúvida.

    7. Eu rodo Kubuntu em um Lenovo X61, com 3g de ram.
      Não posso abrir muitas abas no navegador, e para apps de videoconferência fica lerdo demais, mas para qualquer outro uso funciona bem.
      Está com um SSD de 250g mas não notei muita diferença em relação ao hd anterior de 100g no desempenho.

Os comentários deste post foram fechados.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário