Post livre #285

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no domingo à noite.

284 comentários

  1. Me bateu uma dúvida aqui sobre o boleto, se eu pagar um boleto pelo “app do banco”, a loja na qual estou comprando tal produto fica sabendo meus dados ou apenas o banco recebedor?

    1. Antes disso, para gerar o boleto a loja precisa dos seus dados, não? Qualquer tipo de transação que não seja a com dinheiro vivo exige uma troca de dados. É esperado — e não necessariamente ruim — que isso aconteça. O problema é loja que pede dados desnecessários para a segurança e confiança da transação.

      1. Sim, mas esses dados solicitados inicialmente é passível de falsificação uma vez que não existe/exige confirmação deles. Mas ao pagar, como já comentado, existe uma troca de informações, e nela só é a confirmação do pagamento ou ainda é enviado os dados de quem pagou?

        1. Não é mais tão fácil gerar e fraudar um boleto, pois precisa de ‘registro’. Ali no código de barras tem o “nosso número”, com ele o banco consegue informar a loja que você pagou sem passar necessariamente os seus dados.
          Agora, quanto aos dados do pagador, que são obrigatorios, não sei dizer se é possível colocar um CPF e nome falsos.

          1. Talvez eu tenha me expressado mal, eu não quero fraudar um boleto, a questão aqui é : eu tenho um boleto onde os dados atrelados a ele não inferem a mim (CPF, nome, etc), mas tenho que pagar. Pagar pelo app do banco irá gerar alguns dados, dentre eles, os meus dados reais. Agora, esses dados são encaminhados a loja recebedora ou ela apenas recebe a confirmação de pagamento?

        2. Entendi. Eu acho que o banco vai recolher essa informação, mas duvido que a repasse. Se tiver muito receio comece a pagar em dinheiro na lotérica.

          1. Entendi, estava querendo evitar ter que sair de casa, mas consegui pagar com dogecoin, mas tive que pagar uma taxa pra rede.

  2. @Ghedin,
    como está o uso da Yubikey? Acho bem legal, mas bastante caro. E parece que muitos sites nao se beneficiam dela. Pelo que li, bancos, por exemplo, nao se valem dessa possibilidade de proteçao extra.
    Para quais serviços tem usado ?

    1. Uso bastante! Não funciona em bancos, mas mesmo os métodos de 2FA dos bancos são baseados em apps próprios, então não sei como poderia usar uma chave de segurança/Yubikey com eles.

      De resto, tem muitos serviços compatíveis. Para aqueles que não são, mas oferecem 2FA via OTP, existe a alternativa de usar o Authenticator da Yubico e vincular o acesso às senhas temporárias à chave física.

      1. Show.
        Se daqui um tempo puder atualizar o artigo anterior ou trazer um novo, seria bem interessante.

      2. Eu sempre quis usar uma YubiKey em conjunto com Bitwarden, mas é muito alto. O Authy, apesar de pessoas falarem que é inseguro, é muito prático também.

    1. Achei interessante. Vou salvar para ver com mais calma depois.

      Pessoalmente, quando fui buscar comprar minha bicicleta, busquei por alguma ajuda da @atransportista, um perfil no Instagram de uma engenheira civil especializada em mobilidade urbana. Ela me recomendou outro perfil, do @voceciclista.
      Lá eu acabei comprando um guia que o cara montou com uma lista de opções de biciletas até 7mil reais categorizadas de várias formas. Aí eu descobri um leque de opções.
      É uma merda porque vejo que no BR ficamos muito presos em MTB e lojas oferecem algumas opções, mas o vendedor vai acabar te empurrando o que está lá no estoque. E as vezes não é o tamanho certo ou exatamente o que você está procurando.
      Depois descobri que o cara tem um serviço de consultoria que te ajuda a escolher “a bicicleta ideal”. Se você não tem ideia nenhuma de bicicleta vale a pena, as vezes a gente quer algo difernete do que precisa e quem entende pode te orientar e dar um caminho mais interessante.
      Assim que encontrei minha Cosmopolitan. Eu nem conhecia a Groove, marca da bicicleta e provavelmente acabaria comprnado alguma Caloi ou qualquer coisa numa Decathlon.
      No final foi um bom investimento e ainda mantenho contato com o cara pelo Instagram e sempre acabo trocando umas ideias com ele.

  3. Galera de teclados mecânicos que tem que streamar ou muitas videoconferencias, como voces fazem com barulho? O-rings? Usar um teclado qualquer da logitech que faz pouco barulho? Grandes loucuras de lubrificar switches? (é, essa nao vou fazer não)

    1. eu e a esposa estávamos usando um mecânico cada. ficou insuportável. voltamos pro teclado de membrana. ambos estamos usando logitechs. depois de um tempo usando os mecânicos tb senti fadiga e dores nas mãos. agora tá BEM melhor!

    2. Switches lineares e leves, digitar mais devagar e usar programas para limpar o áudio em conferências (no Linux uso NoiseTorch).

  4. Depois de muitos anos longe de uma BIKE, vou voltar a pedalar. Assim que apareceu por aqui o famigerado “Acelera São Paulo”, os motoristas ficaram mais agressivos e todo o trabalho feito na administração a anterior a do então prefeito Doria, a do Haddad, foi meio que perdida com o sistemático abandono das ciclovias (especialmente com Bruno Covas), e com o fim da desaceleração das vias e, mais importante, da educação dos motoristas q estavam começando a respeitar mais os ciclistas.

    Não sei bem em que pé está a coisa hj em dia e com menos carros circulando (ainda por causa da pandemia e agora pelo preço dos combustíveis) pode ser q voltar a pedalar não seja tão bom qto há alguns anos, mas q talvez esteja melhor que na época em que havia um mané incentivando as pessoas a correrem.

    Encontrei uma bike híbrida (não é elétrica) da Caloi “perdida” numa loja de Curitiba que despacha pra SP e vamos ver no que dá! Pedalar é bom demais e sinto muita falta.

    Comprei alguns itens de segurança, mas depois acho q vale trocar alguns componentes, pq a Caloi tem a péssima postura de fazer bikes que combinam ótimos componentes com umas peças bem ordinárias…

    1. Também resolvi voltar a pedalar há algumas semanas e, também na busca por uma bike híbrida (que seja boa para rodar em trilhas e no asfalto, para quem não pegou a ideia), comprei uma Riverside 500.

      Não sou muito chegado a academia e ficar num lugar fechado suando e a compra da bike vem me ajudando a ter uma vida mais ativa. Não sou de SP (interior de MG), mas compartilho da percepção da falta de educação de alguns motoristas… Muitos veem a rua como um tapete vermelho para carros e motos e o resto das pessoas que se espremam nas calçadas. Apesar dos pesares, vem sendo uma experiência bacana voltar a pedalar e já planejo substituir o carro em alguns deslocamentos pela bike.

      1. parece bem legal essa bike! eu fui de caloi city tour. pedalar de maneira prudente me parece ainda a melhor estratégia. muitos ativistas indicam q vc deve ocupar mais o espaço dos carros, mas, em certas vias, isso é bem perigoso… alguns acabaram mortos fazendo isso, diga-se. acho q estamos bem distantes ainda de termos o devido cuidado com os ciclistas. o código de trânsito nos dá essa segurança, mas… a fiscalização ignora.

        uma coisa q notei agora: reparei q paguei quase um terço do valor da bike em imposto. outro ponto negativo, além do trânsito violento, é a falta de incentivo pra um cidadão comprar uma bike… era pra nossas ruas estarem cheias de bicicletas, mas elas ainda são caras…

        1. A city tour é maravilhosa.

          Cê vai estar muito bem servido.

          Redescobri o prazer de andar de bicicleta com ela.

    2. Sempre gostei de pedalar também, no Rio eu até tinha uma bike mas era sempre uma aventura sair ou sempre ia no mesmo caminho
      Hoje em dia moro em Berlim e pedalou uns 20km por dia
      Eu comecei com uma híbrida da Decatlhon mesmo, mas agora troquei por uma Road Bike e botei uns pneus mais largos 32mm, é mais divertida mas ainda aguenta uns terrenos mais maltratados
      Se um dia voltar ao Brasil acho que é o q eu vou sentir mais falta, e com certeza levo uma bike na bagagem de volta ou pelo menos uns componentes que sao caros aí.

    3. Eu tenho uma bike bem “podre”, uma Ozark trail que era marca da falecida Walmart. Uso diariamente para ir trabalhar, cerca de 10km totais. Acho que já fiz uns 5 mil kilometros nela. Apesar da baixa qualidade eu só troquei pneus/camaras e freios por desgaste natural e movimento central. Agora preciso trocar o cubo traseiro e pra completar também me furou o pneu…. vai ficar encostada uns dias enquanto junto um dinheiro.
      Me arrependo profundamente de não ter pego uma Caloi 10 quando tava nos patamares de 1000 reais….

    4. Desde que me mudei para Brasília eu adotei a bocicleta como meu meio de locomoção de casa para o trabalho, não me arrependo. E uso também para os parcos momentos no final de semana que me permito sair para pedalar durante a pandemia.
      Moro no Plano Piloto e o trablho também o é, isso facilita demais. São aproximadamente 6km para ir e outros para voltar, vale muito a pena.

      Depois de muita pesquisa e de alguma consultoria acabei comprando uma bicicleta urbana, Cosmopolitan da Groove. Excelente bicicleta além de ser muito bonita.
      Mas o calor que faz por aqui e o sol de meio dia o dia todo estão me indicando que talvez eu deva migrar para uma elétrica, o que permitirá uma chegada ao trabalho mais digna.
      Para isso, atualmente estou cogitando uma E-bike D da Lev. Assim eu fico com uma dobrável elétrica para ir trabalhar e minha já consagrada e bem comprada Cosmopolitan para o laser.

      1. bonita demais essa cosmopolitan. e estando em brasília dá pra usar perfeitamente uma coroa só no pedivela. nunca cogitei comprar uma elétrica… tb tenho uma dobrável e ela é bem prática, mas pra subidas, é dureza. ou tenho fazer muita força ou empurrar. fora q não não é aconselhável ficar de pé nela… é uma TERN Link C7. gostaria muito de pintá-la. ela é orginalmente preta… acho meio sem graça.

        1. Eu gosto muito dela e achei lindona também. Eu acho preto bem simples, mas ela mesmo assim chama atenção. Eu tenho contade de pintar ela de creme ou algo do tipo. Daria uma cara ainda mais vintage, o que acho que daria um ar ainda mais charmoso. Mas vamos ficando com o preto.
          Eu já vi essa bicicleta no parque quando estou voltando do trabalho, muita gente tá optando por dobráveis. O mais complicado é que dobráveis normalmente são com pneus menores e isso influencia demais. A minha, por exemplo, tem aro 700 (29) é muito melhor para pedalar. Isso é algo que eu sentirei diferença se migrar para a E-bike D que também tem aro 20. Mas a parte elétrica compensará e manterei minha Cosmopolitan.
          Veremos.

          O lance de bicicletas elétricas é para poder ir pro trabalho e chegar em condições mais dignas. Onde trabalho não tem vestiário e levar a roupa e tal numa mochila eu não curto. Vou meio arrumado e só troco a camiseta e aí dou um tapa no pouco de suor que me gera. Mas a elétrica melhoraria a situação.

      2. Em qual região de Brasília você mora? Dependendo do bairro, pode ser perigoso e o pessoal pode te render à mão armada.

        1. Bom, dependendo de onde eu more em qualquer lugar isso pode acontecer. Mas agradeço a preocupação.
          Lá em cima eu disse mais ou menos onde moro. 😁

    5. Estava pensando sobre essa discussão… acho que vou tentar consertar minha bike por conta propria. Vou comprar as ferramentas e peças e fazer aqui em casa. Ainda por cima aprendo uma possivel nova profissão. hahaha

      1. Com essa coisa de pedalar e seguir pessoas ligadas ao pedal, principalmente no Instagram que é a rede que me sobrou, eu recebo com certa drequencia propagande de curso online de mecanica de bococ;eta.
        Acho deveras interessante, mas não me interessei a ponto de ir atrás.
        Pode valer a pena, não sei se vale ir “as cegas”.
        Digo isso, porque pelo que entendi você não tem grande conhecimento prévio, estou certo?

        1. Só não faço por que não tenho as ferramentas que são específicas pra extrair o k7. Mas sempre dei conta de trocar pneus, desmontar rolamentos, trocar freios, regular câmbio. O desafio vai ser montar os raios… Vou ver alguns tutoriais na web.

  5. Boas, pessoal!

    “Caiu” em minhas mãos um Netbook Lenovo ideapad S10-3 (processador Intel Atom) extremamente bem conservado, tudo funcionando OK com o Windows 7 Starter Edition.

    Mas… estou com vontade de rodar uma distro Linux. Vocês teriam alguma sugestão? Obrigado!

    1. Caramba… 1GB de RAM…. Capaz de nem rodar sistema 64bits.
      Veja se o Mint com xfce vai rodar “bem”… Será que roda vídeos em Full HD?

      1. Na verdade são 2GB de RAM e Windows 32 Bits… mas ele roda o Ubuntu Mate 21.04 64 bits, com boot a partir de um pen drive beeem genérico.

        Vou testar o que você sugeriu ;)

        1. Wow! Então tá ryco. Eu olhei as specs na web e pelo jeito não roda nem vídeos em Full HD. Quem sabe teu modelo já é um upgrade…
          Eu tive um colega no TI que chegou a colocar até o OSX snow leopard num aparelho desses.

          1. Hehehe! Funciona bem com o Mint xfce. Aliás, funciona realmente muito bem!

            Agora vem a etapa da transformação.

            Valeu!

        2. Com 2g de RAM eu recomendaria fortemente alguma distro de 32bits.
          Nesse sentido para trabalho geral. Eu iria de MXLinux ou Linux Mint XFCE (acho que a versão 18.X ainda tem suporte a 32b até 2023).
          Ainda assim, tem alguns ajustes que podem dar um maior folego no gerenciamento de memória (earlyoom).

      2. Presumo que a tela dele não seja full hd. Então se for utilizar com um monitor externo, talvez o caminho para rodar algo full hd, seja pelo mpv ou vlc.

    2. Qual seu uso ?
      Eu consideraria como um server selfhosted interessante para coisas simples, por já ter inclusive um “nobreak” incorporado hehehe.
      Alternativamente vale dar uma pesquisada em distros focadas em PC antigos.

      1. É basicamente o uso que faço para servidores NAS/NExt Cloud e justamente pelo fator (nobreak embutido) e pelo pouco barulho se comparado a CPUs antigas.

      2. Ainda não tenho um uso definido, vamos ver em quê ele pode se transformar. Não tinha pensado em um server selfhosted, então, obrigado pela sugestão. Vou pesquisar o assunto.

        1. cara, tem muita coisa legal.
          Da uma buscada por vídeos sobre self hosted; o r/selfhosted e procure tbm por awesome selfhosted.
          Com isso dá pra pegar bastantes ideias legais :-)

    3. Não olhei as especificações do seu computador mas sugiro que você dê uma olhadinha na distro GNU (o que é erradamente chamado de Linux…) https://antixlinux.com/, caso não tenha experiência com distros GNU e queira algo super leve mas bem completinho. Outra solução é o Debian. Basta escolher a interface mais leve (LXDE, LXQT ou XFCE) ou ainda fazer uma instalação mínima e ir com interfaces ainda mais leve (que seria basicamente usar o AntixLinux).

      1. Sim, estou querendo algo bem leve mesmo, portanto, vou dar uma olhada nessa distro. Também estou considerando sair um pouco da curva e tentar algo na linha Openbox, como https://www.bunsenlabs.org/

        Obrigado pelos comentários/sugestões :)

        1. Será que o Openbox ainda é uma boa? A última atualização é de 2015. Só recentemente topei com essas interfaces minimalistas (neste post, sobre a i3). Achei fascinante, porém complicado.

          1. Olá, Ghedin. Funcionou, mas não tão bem. Não foi possível, por exemplo, ativar o bluetooth e o vídeo, eventualmente, dá umas piscadas estranhas. A instalação, pelo menos comigo, não foi trivial, mas consegui. Apesar das dificuldades, gostei da proposta Openbox, que conhecia apenas de leitura. Mas apenas eu gostei. Voltei para o Mint Xfce, que funciona muitíssimo melhor que o Windows 7 Starter Edition original. Aliás, o Windows, mesmo trocando o HD (250GB) original por um SSD (240GB), ainda parece lento, quando comparado ao Mint.

            Seja como for, vou tentar a i3 que você sugeriu e ver no que dá. Afinal, ainda estou no terreno da experimentação, a despeito de algumas ideias para uso da máquina.

            Obrigado pela dica! :)

      1. Incontestável! Simples, rápida, eficiente e leve. Muito boa mesmo. O netbook fica muito bom de usar. Decidindo, ainda…

  6. Alguém tem ou já usou aqueles óculos com bloqueio de luz azul? Qual foi a experiência de vocês? Alguma sugestão?

    1. Meu último óculos era com uma lente assim. Inicialmente foi tudo legal, realmente diminuía o “impacto” da luz das telas, porém com o passar do tempo começou a me incomodar pois parecia que estava vendo a vida através de um filtro de instagram. Era tudo meio esverdeado, nitidamente diferente da coloração da realidade sem as lentes. Não gostei e não repetiria a experiência.

      1. Eu uso a bastante tempo tanto o celular quando o pc em tons amarelados e já me acostumei. Mas esverdeado deve ser horrível mesmo.

    2. Eu uso óculos de grau com uma lente Hoya e filtro de luz azul e, como alguns colegas comentaram, nas primeiras semanas você realmente percebe que as coisas estão num “filtro de instagram” meio amarelado e vai ficar tirando e colocando a todo o momento. Com o tempo, no entanto, acabei me acostumando e hoje em dia mal reparo a diferença.

      Trabalho e estudo com telas aproximadamente 13h por dia e as lentes azuis ajudam bastante no dia a dia. Termino o dia bem menos cansado e sindo que as telas não me deixam tão cansado no dia a dia. Se você fica muito na frente das telas, eu recomendaria pelo menos fazer um teste.

      1. Eu usei um tempo atrás, naqueles monitores de tubo ainda, uma tela que bloqueava um pouco a luz. Era muito bom. Por isso, tive interesse em óculos com essa proteção.

    3. Que coincidência! Estive ontem no oftalmo e perguntei se valia a pena pedir filtro de luz azul pros óculos novos. Ele disse que não, que isso na verdade é recomendado pra quem tem degeneração macular, e que, na maioria dos casos, basta diminuir o brilho da tela ou ativar a função nativa do aparelho, como o Night Shift do iPhone. De qualquer forma, como tudo nessa vida, deve haver zilhões de posicionamentos e opiniões diferentes, mesmo entre médicos.

      1. Eu uso uns recursos de economia de energia do monitor que alteram o brilho e contraste. Sinto que isso ajuda bastante. Tenha feito uns exercícios para a visão a cada 20 minutos na frente do pc, semelhante à técnica pomodoro. Isso ajuda a descansar as vistas. O que ainda não estou usando são essas lentes e o colírio que eu vi as pessoas dizendo que é bom.

        1. Sobre o brilho no monitor, recentemente assisti a uns reviews de notebooks que eles fazem testes das telas e algumas telas, quando se diminui o brilho, elas não diminuem o brilho do led em si, mas fazem um esquema de ligar e desligar o led em uma frequência bem rápida (pesquisa pwm flicker ou algo assim). E no fim prejudica mais do que ajuda.

          O colírio é interessante para ajudar na lubrificação, muitas vezes em frente a telas piscamos menos. Tem aquele lacrifilm é um outro que esqueci o nome, mas a substância é a mesma.

          PS.: não fui eu que comentei acima hahaha

      2. Realmente, concordo com você.

        Já pensei em aderir aos óculos, mas na maioria dos aparelhos que faço uso, boto aplicativos para ter controlar isso.

        No caso do Win é o F.lux. Já no Android o próprio filtro da Xiaomi ajuda bastante.
        O F.lux tem pra Android também, mas requer root. Sem root, recomendo o Night Shift (apesar de ser pago e meio caro, vale a pena).

    4. Eu fiz óculos com filtro de luz azul há dois meses. No meu caso, fez bastante diferença, e continua muito útil. Ainda aguardando a longo prazo.
      Minhas lentes também são Hoya com filtro.

      1. Pois é. Eu gostaria bastante de ter esse resultado também. Vou fazer um teste.

    5. Ja uso esse tipo de lente a mais de 2 anos. Atualmente uso a lente da Hoya tambem.

      Eu me acostumei bem rapido, e acabei usando o filtro de luz do celular e dos pcs ativos também, de tanto que gosto dessas lentes.
      Hoje acho que nao compraria uma lente sem esse tipo de filtro, acho que ajuda bastante.

      Trabalho com tela e estudo online também, o foda é se voce trampa com tratamento de imagem, ilustração e etc, pq é um filtro consideravelmente forte.

      1. No meu caso, a coloração não faria diferença. Eu leio bastante em telas e o óculos funcionando seria para ajudar nesses momentos.

      2. sobre a coloração, acredito que depende muito da tecnologia, as minhas só da para sentir fora de casa, no sol, dentro mau da para perceber (mas confesso que eu não sei qual é, comprei nos eua sem saber ao certo a tecnologia usada, apenas que tinha filtro de luz azul)

    6. Olha, eu acho que isso depende muito da tecnologia da lente usada, alguns devem ser mais fortes (na coloração) ao ponto de incomodar, eu comprei o meu nos EUA, meio amarelada e não tem me incomodado em nada. Talvez a recomendação aqui seria poder experimentar a lente (tecnologia usada nela) antes de comprar. Mas sim, ajuda bastante.

    7. Bom, eu usei óculos durante boa parte da minha vida, dos 5 aos 28, até fazer a cirurgia PRK. Perto dos meus anos finais de óculos começaram a surgir essas lentes, mas nunca fiz.

      Minha sugestão é conversar com seu oftalmologista a respeito, sendo algo relacionado à saúde, considerando que as experiências pessoais nesse aspecto não são das mais confiáveis, tendo em vista que são individuais. Alguns podem ser pacientes que realmente se beneficiam disso, outros podem ser afetados pelo efeito placebo. É basicamente o efeito cloroquina: “funcionou pra mim”, mas não significa que seja algo realmente efetivo. E por mais debates que possa haver nessa área, a relação médico-paciente deve ser de confiança, se você não confiar no seu médico, é melhor procurar outro.

      No mais, quem eu mais vejo apregoando os benefícios dessas lentes são os fabricantes e donos de óticas. Então é pra ficar esperto. Muitos problemas relacionados à visão que acontecem tem mais relação com não piscarmos o suficiente diante de telas ou focar por muito tempo objetos perto, cansando os músculos da visão.

      É sobre a luz azul, recentemente li rapidamente sobre uma pesquisa que desmente a relação da luz azul com o sono, e que o que pode afetar mais o sono do que a luz azul do celular é a adrenalina da informação que se consome no celular, mas não tenho mais informações sobre isso, deixo no ar hahaha.

  7. Estou em Santa Isabel – SC, um distrito de São Joaquim (o lendário lugar que neva).

    Achei interessante que aqui aparentemente a internet é feita em uma espécie de “polo de distribuição”, usando um sistema satélite como comunicação com o polo distribuidor, e “rádio” (Wi-Fi ou WiMAX, não identifiquei direito) para redistribuição ao bairro.

    O sinal de celular é quase nulo (ao menos para quem tem operadora da região – tenho Claro e não funciona aqui). Em compensação tem vários pontos de Wi-Fi.

    1. Sim! Aqui na serra gaúcha também ocorre muita área de sombra para o sinal celular, mas qualquer casa de morador já conta com internet, nem que seja via rádio. Interessante como esses pequenos provedores são menos engessados e conseguiram abocanhar fatias enormes no interior.

  8. E o Windows 11 Insider Preview? Alguém se arriscou em instalar?

    1. Pelo andar da carruagem eu não chegarei a usar Win11… o negócio tá cada vez mais bagunçado e virado em telemetria.

    2. Sim, instalei a beta aqui. Build 2200.186 ou algo assim (a última versão). Tudo suave por enquanto, ainda falta algumas áreas de polimento, mas no geral eu achei o sistema mais responsivo. Eu uso muito a tecla do Windows para abrir os softwares, e no 10 tinha que ter paciência com a Busca, agora sinto que está muito mais rápido, principalmente após ligar o PC. Enfim, no final das contas é só uma skin bonita mesmo, e com algumas melhorias de UX, mas com certeza é mais responsivo que o 10.

      1. Mantiveram as fotos bonitas na tela de login do win10? Gosto muito daquilo. Torço pra terem melhorado a pesquisa do Explorer.

  9. Olá, pessoal! Gostaria de recomendação para um gerenciador de senhas.
    Atualmente uso o 1Password apenas no Android. Na época consegui uma licença vitalícia para “apenas mobile”. Quero algo que funcione no Android e no Mac.

    O que gosto no 1Password:
    – O cofre é um arquivo. Liberdade para backup e sincronização onde quiser.
    – O arquivo do cofre não fica com a empresa 1Password.
    O que não gosto:
    – Pra usar no Mac, precisaria pagar uma assinatura (mensal ou anual).

    O que eu gostaria num gerenciador de senhas:
    – desbloqueio por biometria no Android
    – não ser por assinatura
    – não precisar criar um conta / fazer login (quanto mais offline, melhor)

    O que posso abrir mão:
    – recursos avançados, como gerador de senhas aleatórias, verificação de senhas fracas, de senhas vazadas

    O quão simples pode ser:
    Na real, se fosse apenas um bloco de notas seguras, já cumpriria a função.
    Cheguei a testar um ZIP protegido por senha com um TXT dentro. O problema é editar o TXT e “rezipar”.

    Bitwarden: para “burlar” a criação de conta teria que fazer “self-hosted” e acho complicação demais.
    Swifty: ainda não tem app mobile (terá em breve) e o cofre não é um arquivo. Só vira um arquivo se você faz um backup.
    LastPass: tem que criar conta e, pelo que entendi, o cofre fica online.
    KeePass: estou testando e parece promissor. Fiquei um pouco perdido por ele ser focado em Windows e ter vários ports. Peguei a MacPass e Keepass2Android.

    1. Estava atrás de algo parecido com o que você busca. Encontrei e estou usando o KeePassXC. (É o fork mais recente e ativo do KeePass original.) Muito satisfeito até o momento.

      Cogitei usar o pass, um gerenciador de senhas para sistemas *Unix por linha de comando, com apps mobile que sincronizam via Git, mas tenho medo de me embananar com as chaves GPG e perder acesso ao meu cofre 😬 De qualquer modo, a ideia e a execução são lindas.

      1. Esse pass é interessante, mas tem uma curva de aprendizado aí, né?

        O KeePassXC parece bom, inclusive importou o cofre do 1Password diretamente, sem eu precisar exportar em CSV. Até assustei!
        Vou testar junto com o Strongbox, que o Roberto comentou abaixo.

        No celular estou usando o Keepass2Android. Não é incrível, mas parece ok.

        Obrigado!

    2. Existe um app de KeePass chamado Strongbox que parece bem interessante.

      A licença vitalícia pra macOS custa 22 dólares.

    3. Quais problemas vocês vêem nos serviços de sincronia de senhas que precisam de conta? Fui usuário do KeePassX por muitos anos até que uns três anos atrás migrei para o Lastpass e depois para o BitWarden, por pura conveniência já que não existia (existe?) extensões do KeePass para Safari. Senhas de rede e números de cartões de crédito, tenho alguns guardados no Chaves do iCloud. São ótimos serviços, mas não saberia dizer para quais necessidades um outro se encaixaria melhor. A questão online vs. offline, talvez? O formato dos bancos de dados de senha e criptografia? Privacidade?

      1. Acho que um misto de privacidade e independência.
        Se a empresa fecha ou é atacada, não tem nada meu lá.
        Senhas são bem importantes e pessoais, quero apenas um jeito seguro e conveniente de tê-as a mão. Como uso senhas fortes, quero estar seguro que o cofre é um arquivo que está em minha posse e que pode ser aberto se a empresa sumir.
        Ah, extensões para navegadores são convenientes, mas pra mim não são essenciais. Não me importo de copiar/colar as senhas.

    4. SafeInCloud acho que preenche todos os requisitos.

      O cofre é um arquivo que pode ser armazenado localmente mas o próprio aplicativo permite sincroniza por Google Drive/Dropbox e afins.

      O aplicativo móvel é pago (pagamento único), mas é gratuito pra desktop.

    5. Acho que o Enpass funcionaria para você.
      Acho que ele não tem assinatura, tem um preço fechado para usar mais de 20 registros e tem aplicativo para todos os sistemas e extensão para navegadores.
      O arquivo fica salvo na nuvem de escolha ou localmente se não quiser sincronizar entre dispositivos.
      Gosto dele e me parece atender, ele sempre aparece nessas listas de gerenciadores como o patinho feio.
      Mas é muito bom.

      1. Legal, Pedro!
        Ele tem opção de assinatura ou preço fechado.
        obrigado

    6. Felipe, tranquilo? Duas coisas.
      1) Isso de “ah… mas é online? 😐” é muitíssimo comum e o pessoal está atento a isso. Tem uma infinitude de motivos para alguém preferir uma solução inteiramente offline, mas, dependendo das suas razões, às vezes as considerações de determinada empresa dão conta de te sossegar?
      Imagino que outras têm entradas semelhantes nos seus FAQs, mas segue a da Bitwarden – que é o serviço que uso desde março de 2019:

      https://bitwarden.com/help/article/security-faqs/#q-what-happens-if-bitwarden-gets-hacked

      Particularmente, ser open source, auditada e fazer uso de criptografia foram o que selaram a minha opção pela solução da Bitwarden.

      2) Você comentou do bloco de notas. O Cryptomator não te atenderia não?
      https://cryptomator.org/
      Um cofre criptografado que você pode guardar e enviar e compartilhar em qualquer lugar, inclusive nos dropboxes da vida.

        1. Ih, Rodrigo… Hahaha acho que o mundo agora deu uma volta. Meu primeiro comentário aqui no Manual do Usuário acho que foi justamente em resposta a um seu num Post Livre e justamente falando do Cryptomator e do VeraCrypt!

          Sim, ele mesmo! A principal diferença para o usuário médio é que o VeraCrypt cria um único container no seu disco, ele reserva a quantidade de espaço que você pré-determinar e cria praticamente um disco criptografado. Perfeito se você planeja deixar o conteúdo o dispositivo local.
          Já o Cryptomator criptografa cada arquivo e cria um arquivo mestre que indexa isso tudo. Ao abrir esse arquivo numa instância do Cryptomator, ele virtualiza seu cofre num drive à parte, como se fosse um pen drive.

          Por ser mais opaco e ter um tamanho fixo, o VeraCrypt não se dá muito bem com sincronização na núvem. Imagina, você cria um diretório de 1GB e, toda vez que faz uma mínima alteração nele ou acrescenta um arquivozinho de Notepad, tem que fazer upload do bloco inteiro para a núvem. Já o Cryptomator é mais versátil e ágil nesse ponto.

          Uso os dois, só para constar. São propostas diferentes para usos diferentes.

          Mas o Cryptomator é surpreendente no quão liso que ele roda. Porque isso de sincronizar na nuvem é por sua conta, o programa em si só tem um “atalho” para a localização padrão do seu diretório local do Dropbox, Google Drive e etc. Mas acesso meus arquivos de qualquer dispositivo. O único gargalo, mesmo, é o próprio serviço de hospedagem – se seu Dropbox é mais sonso ou se é pá-pum.

          1. Opa, vou dar uma olhada nesse Cryptomator, gostei da proposta.
            Obrigado, Mario!

    7. Sigo a recomendação do Ghedin. KeepassXC. Uso a um bom tempo, completinho completinho e compre com suas preferências. Isto é para o computador.

      Para celular recomendo (e uso) e o KeePassDX que compre também com suas preferências. Tem na F-Droid e Play Store (usem F-Droid! :))

      https://keepassxc.org/
      https://www.keepassdx.com/

  10. Usuários do Firefox no Android, vocês têm problemas em preencher senhas? No meu celular o Bitwarden funciona normalmente com qualquer navegador, menos no da Mozilla.

    1. Nunca tinha tentado aqui (meu uso do Firefox ainda é pequeno), mas fiquei curioso e fiz o teste e tive sim o mesmo problema que você.

    2. Aqui no meu funciona normal o autofill com o bitwarden. Uso o firefox e o bitwarden a um tempo ja

    3. Dashlane funciona bem aqui, mas estou migrando para o Bitwarden, só falta eu instalar ele no Android, uma pena saber que não funciona:/

  11. Galera, qual a melhor forma de montar uma reserva de emergência em dólar, com liquidez fácil?

    Minha ideia não é deixar lá pra render, é ter uma reserva pra sacar (ou passar no cartão) e usar fácil em outro pais em momentos de emergência.

      1. Nunca viajei pra fora, a reserva é justamente pra esse cenário sombrio.

        Aqui no Brasil tenho sorte de ainda ter uma vida confortável e um emprego estável, mas o cenário político e econômico cada vez pior tá me fazendo pensar num plano B.

        1. Aqui o nosso plano B é o encaminhamento da cidadania italiana da minha esposa. Pra nós dois a situação não tá tão ruim, mas do jeito que as coisas vão vai demorar quanto tempo pra retomar o padrão de vida de 2015?? Mais 20 anos? Estarei com mais de 50 anos! Sem investimento em saúde e educação não há nem perspectiva de ter filhos!
          Toda essa merda que passamo no último ano… não salvaram as pessoas e nem salvaram a economia, mas tá tudo ótimo enquanto os amigos do governo federal continuam a enriquecer, né?
          Fora o fato de suportar umas pessoas que estão cegas, como se fosse uma religião!

    1. Avenue;
      Conta de banco americano;
      NOMAD;
      ETF de Bonds Americanos;

      1. como funciona o imposto de renda para esse tipo de aplicação?

        precisa declarar também nos eua como estrangeiro?

        dúvida sincera mesmo

        1. Sem ser grosseiro, mas a melhor coisa é procurar um contador.
          Hehehe passado isso, a Avenue fornece a conveniência de informes fáceis pra nós brasileiros, pois é o público alvo dela (vc não terá informes tão simples/diretos na Interactive Brokers, ou outras).

          Você também acha muita coisa na internet. Confio no Fabio Holder e no José Passos (Papo de Holder), no YT. No Insta pode procurar por eles e pelo Bruno Perini.
          Mas onde mais gosto é no site bastter.com
          É estranho de navegar no começo, mas qdo vc entende o site é ótimo.
          Dica, vai direto pra FAQ.

        2. Salvo engano você preenche um formulário de estrangeiro na corretora/banco americano (formulário W8-BEN, ou algo assim) e declara só aqui no Brasil. Mas o ideal é pegar um aconselhamento profissional.

    2. Se não me engano, você pode usar a Wise (antiga TransferWise) para isso. Eles tem uma opção que voce pode guardar dinheiro na carteira deles e depois usar como pretender. So não sei dizer se existe alguma restrição para abrir a conta do Brasil, mas ja usei a Wise bastante para transferir dinheiro do Brasil para US e vice-versa.

  12. Olá, amigos!!

    Alguém é adepto de pequenas mochilas ou bolsas? Não estou fechado a pochetes, não, mas em princípio acho que não combina comigo rsrs

    Minha mochila tradicional é muito grande, as vezes preciso carregar pouca coisa. Carteira, chave, um kindle e um elular. De vez em quando algo da minha filha pequena.

    1. Utilizo uma mochila da Puma que acho interessante. Ela está mais para porte médio, e até que cabe bastante coisa. Porém, quando preciso carregar pouca coisa, ela me serve bem e não fica incomodando. Geralmente eu carrego uma garrafa d’água, um livro ou Kindle, chaves e um guarda-chuva (dependendo do tempo).
      Outro ponto que eu gostei dessa mochila é que eu achei ela bastante resistente. Utilizo quase que diariamente já faz uns 4 anos, e ela continua em perfeito estado.

    2. Essa semana eu comprei uma pequena bolsa lateral da Nike justamente para carregar coisas pequenas do dia-a-dia, caso precise sair: celular, carteira, uma máscara PFF2 reserva e chaves. Cabe meu Kindle também, o que achei ótimo. Melhor que carregar tudo nos bolsos ou levar numa mochila praticamente vazia, com essas poucas coisas balançando dentro. O modelo é uma Nike Heritage. No site diz que é pochete, mas acho que o certo seria uma bolsa crossbody.

        1. Eu comprei na Netshoes, tava por 119. Mas acabei comprando com um cupom que o Meliuz ativou e tinha um troco no Paypal, então acabou saindo mais em conta.

    3. A Decathlon tem uma mochila de 10 litros, com dois bolsos (o maior e um menor que cabe uma carteira e/ou um celular). Ela é bem simples, mas pelo preço, acho compensa. Hoje tá 40 reais, comprei a minha faz uns dois anos por 30. A questão é ter uma Decathlon perto para poupar o frete.

      Uso a minha para levar à praia, trilhas curtas/hiking de 1 dia em média estação (cabe um anorak compacto/corta vento, até 1,5 litro de água dividido em 3 de 500ml e uns lanches tranquilo) e pro dia a dia quando vou levar pouca coisa (um casaco, celular, carteira – já cheguei a sair com ela e só celular, carteira e chave de casa). Outra questão é que o visual dela é mais esporte, não tão urbano, porém, dependendo da cor que se escolhe, dá uma disfarçada.

      https://www.decathlon.com.br/mochila-de-trilha-nh100-10-litros

      Outra dica são as bolsas estilo carteiro/capanga, tenho uma já há uns 15 anos que está se desfazendo e não é muito grande, cabe um notebook de 14 polegadas na estica, mas dá pra colocar menos coisas também, é uma alternativa.

      1. Ano passado comprei uma barraca na Declathlon…. o frete era tão caro (mais de 150 reais) que valeu mais a pena fazer ~700km (ida e volta) de moto pra buscar ela em POA.

        1. Como tem uma (agora duas) Decathlon aqui em na grande Florianópolis, pra mim acaba sendo bem fácil comprar qualquer badulaque deles, mas com esse frete aí complica mesmo.

    4. Sou adepto de mochilas, a que uso com maior frequencia eu comprei numa viagem ao exterior e é de tamanho médio (largura/altura pouco maior que um caderno A4), tenho outras um pouco maiores.
      Recomendo as mochilas da Fantagussi, uma pequena marca aqui de BH: https://www.fantagussi.com.br. Minha esposa tem bolsas e mochilas da marca, são muito resistentes, fáceis de lavar e há disponibilidade de tamanhos e estampas diversas (as estampas coloridas e/ou infantis se detacam no site, mas tem várias opções mais discretas). As “mini mochilas” ali no site parecem ser do tamanho que você procura.

      1. Adendo: comprei para carregar as coisas da minha filha bebê uma mochila que não tem o bolso lateral para levar garrafas. Erro grave, faz muita falta.

    5. Opa!

      Comprei uma mochila da (2c)² bags e foi uma das melhores compras do ano passado! Dá uma olhada lá nos tamanhos: https://www.2c2bags.com/

      Ah, o manifesto deles é muito bom: “Foda-se o que você veste, escuta, compra. Foda-se o sua conta no banco e todo o seu style. Você não é melhor que ninguém. Nem pior. Nós também não. Se você se acha especial por algum desses motivos, faça-nos um favor. Não envergonhe nossa marca. Não compre nossos produtos. “

    6. Faz anos que tenho uma “bolsa de tablet” da Targus que comprei por uns R$15 no gatry… geralmente uso ela quando saímos fazer turismo a pé.

    7. Tenho uma mochila pequena, daquelas voltadas pra caminhadas leves. Cabe bem pouca coisa nelas. Mas acabo q tenho outras duas pra situações diferentes. Uma média é uma grande pra viagens ou pra levar coisas mais pesadas, pq ela tem uma boa estrutura.

      Tb não sou fã de pochete, mas usava umas voltada pra corrida e caminhada, acho q chamam carteira de corpo ou algo assim, dá Curtlo q são ótimas pra qdo vc tem q levar só celular, chave e documentos.

      É tem tb umas bolsas, pequenas, pra usar tipo pasta carteiro. Virou meio q um item unissex. Tem vários tipos e são bem práticas. Com certeza cabem um Kindle, celular e carteira. Estou cogitando comprar uma dessas,alesar de preferir mochilas quase sempre.

    8. Ao que tudo indica, você quer uma bolsa lateral (side bag). Elas costumam ser um pouco maiores que uma pochete com uma alça tiracolo ajustável (tipo carteiro, por isso o nome). Há várias marcas, estilos e valores, então é pesquisar a que mais lhe agrada.

  13. Alguém faz uso das lentes digital comfort da lenscope (ou alguma similar)? Ajudou bem? Estou ficando com incômodos/dor de cabeça ao ficar muito tempo em frente a telas. O grau do óculos está correto, então acho que o problema é por aí mesmo.

  14. sexta-feira que vem completam 10 anos de Occupy Wall Street

    parece que foi ontem, mas ao mesmo tempo, parece que foi séculos atrás

  15. Quem aqui é adepto da iniciativa Programas Portáteis?
    Desde que a uns anos atrás descobri essa maravilha de forma de uso (infelizmente restrita apenas a Windows), não vivo mais sem.
    Em cada formatação, só preciso instalar os drivers e clientes de lojas de jogos (steam e afins), pq meus programas já estão do jeito que estavam antes (deixo em um drive separado) e os jogos só importar nos clientes.

    1. Quando usava Windows eu tinha esse costume, mas quando passei a usar Linux eu desapeguei por que geralmente as distribuições linux vêm “prontas”.

      1. Mas o que mais me fascina nisso tb é poder sincronizar meus programas num pendrive e utilizar em qq pc, como se fosse o meu.

      2. Sabe o que eu gostaria de ter nas distribuições. Uma função/app que realmente automatizasse tudo o que modifico. Algo como (logar uma conta) e então. Ajustasse as configurações que fiz, os programas que instalei, os que removi. Sei que é possível fazer scrips de automação nesse sentido, mas algo mais polido e talvez até mesmo integrado ao sistema seria uma mão na roda.

      1. Se os AppImages puderem rodar de pendrives e todas as configurações que você fizer ficarem salvos na mesma pasta do programa, seria sim.

        1. Não sei se o AppImages empacota também as configurações dos programas, mas a premissa é bem parecida. Uma pena que o AppImages não ganhou o espaço e a fama que mereciam =/

          Imagino que a ideia seja bem similar ao empacotamento de programas no MacOS

    2. pode falar mais? de como fazer? nunca tinha ouvido falar mas tenho interesse

      1. Basicamente, você baixa o programa zipado, extrai ele pruma pasta e tudo o que o programa precisa pra rodar, além das configurações que você fez no mesmo, ficam na mesma pasta. Com isso voce pode sincronizar os programas da sua maquina pessoal na nuvem, em um pendrive ou HD externo e até não precisar fazer aquela via-crucis da reinstalação ao formatar o PC.

    3. Qdo eu usava Windows, mto usei deste cara aqui https://portableapps.com
      Pra minha surpresa, procurei agora e ainda está on e aparentemente atualizado. Uma porrada de programas, até com um menu que facilita a busca e o update das ferramentas.

      1. Lá é tipo um semi portátil, onde o cara empacota os programas no padrão dele.
        A única coisa que uso de lá atualmente é o LibreOffice, pois não há versão portátil oficial.
        A maioria dos programas freeware e/ou open-source já fazem as versões portáteis por padrão.

    4. Eu uso bastante, principalmente em computadores de clientes.

      Se não me falha a memória, houve uma iniciativa voltada ao Linux, parecida com o PortableApps, por volta de 2008 ou 2009, mas não me lembro do nome agora.

  16. Gostaria de saber dos devs, onde posso encontrar frelas?
    Estou querendo fazer alguns dei uma olhada no 99freelas, mas vi muita coisa de front que não tenho tanto interesse, não tem nada mais focado em backend? Ou terei que me render aos frelas de front?

    1. Cara também estou na saga. Mas um lugar que aparece coisa de vez em quando é no GitHub FrontendBR

  17. Um tempo atrás, entrei na jornada de buscar um laptop para trabalhar com desenvolvimento (sim, mobilidade em uma pandemia não é tão prioridade levando em conta as trocas, mas a ideia é um computador que dure uns bons anos), mas qualquer pessoa que viu preço de eletrônicos recentemente deve ter chorado sangue como eu.

    Notebooks da Dell ou até mesmo da Samsung (que eu costumo fugir) estão com preços quase alinhados a um macbook M1, o que está fazendo ele parecer bem interessante atualmente, dado pego freelas de desenvolvimento mobile. Mas ainda assim não tenho coragem de pagar o preço de um carro usado num notebook. Como lidar com essa situação?

    1. Pegar notebook da linha Latitude e Thinkpad usados não é uma opção? E trazer de fora, não é uma opção? Pra mim são apenas 3 marcas/”linha de produto” de notebooks que duram e valem a pena o investimento : Latitude, Thinkpad e Macbook Pro.

      1. Quase todo o mundo que eu conheço e possui um Dell já precisou da assistência (incluindo eu mesmo). É uma marca que perdeu bastante credibilidade pra mim =/

        Conhece boas experiências com a marca?

        1. Um conhecido meu teve um Dell topo de linha (não lembro mais o modelo) e a experiência foi péssima também. Nas palavras dele Delll hoje é uma Multilaser de luxo.

          1. Caralho, chamar Notebook da Dell de Multilaser de Luxo é foda kkkkkk. Uso um Dell Inspiron N5010 a quase 8 anos e só precisei trocar a bateria uma vez. Comprei ele usado por R$800,00 de um amigo. Me surpreendo que ele ainda funcione kkkkk.

            Apesar de ele não rodar jogos médios, ele aguenta até 37 abas do Chrome abertas ao mesmo tempo. Meu uso não é pesado, apenas trabalho meus sites e de meus clientes.

            Estou querendo trocar ele por um tablet com ChromeOS, de preferência aqueles que tem capa teclado retrátil e caneta. Mas nada urgente já que ainda consigo usar o Dell de boa.

        2. Então, eu nunca tive problemas com a linha Latitude, já tive problemas com a linha Inspiron, mas é que ela é linha de entrada e mesmo precisando de assistência, eu acho que é o melhor serviço que alguma empresa poderia prestar (ir na residência para reparar o aparelho, até onde eu sei, ela é única).

          Agora, se fosse para escolher Latitude e ThinkPad, iria de ThinkPad, mas acho que eles são mais caros tb.

        3. Meu lema agora é Dell nunca mais para notebooks. Os monitores ainda são confiáveis, tanto q tenho dois e me atendem perfeitamente. Agora notebooks, rapaz… Já tive 3 e todos deram defeito. A esposa tem um q tem uma boa tela. Fiz alguns upgrades, mas fui descobrindo as limitações dele conforme fui fazendo upgrades. A última mais triste foi ver q saída hdmi dele é só de 30 MHz. Daí q o monitor q ela usa, q é de 4k de 60 MHz funciona nesse limite de 30… A Dell passou a fazer projetos ruins já faz tempo, mas tem bom marketing e muito YouTuber falando q seus aparelhos são excelentes…

          1. Essa limitação dos 30 Hz não é da Dell, é do padrão HDMI e da Intel que demorou anos e anos para atualizar a versão do HDMI dos processadores.

    2. Acho que não tem como fugir muito dessa situação, acredito que vai demorar pros eletrônicos baixarem.

      Comprei um Acer ano passado pra poder trabalhar também, com os freelas ele já se pagou. Talvez seja uma forma menos dolorida de pensar na situação, fora que deve durar um bom tempo.

    3. Trabalho com Mac e faço atividades particulares no Windows+Linux:

      Macbooks ficaram mais competitivos ainda nessa pandemia, visto que o preço pouco mudou. Sim, Macs são ótimos para programar, tem muitas funções em comum com o Linux (uso do terminal, sistema de arquivos e outras particularidades) e tudo funciona muito mais redondo que no Windows e no Linux. Outra vantagem (não sei se você é dev front ou mexe com imagem), é que a tela é absurdamente boa. A melhor que já vi na vida.

      As principais desvantagens são o fato de o computador, apesar de ser caro, não possuir uma placa de vídeo. Não vai ser o seu caso, mas eu, como cientista de dados que precisa de GPU para alguns modelos, sinto falta. Além disso eu ainda considero que a arquitetura dos M1 ainda não está tão consagrada e já vi relatos de que no início alguns pacotes Python costumavam dar pau, embora as pessoas tenham parado de reclamar a respeito.

    4. Ou paga caro sem se preocupar muito com detalhes ou compra um usado. Mas se optar pelo usado, o custo do dinheiro se transfere para a pesquisa (garimpo). Achar algo bom e confiável da trabalho.

      Eu costumo sempre comprar usados, ainda mais para trabalho. Não sei se você pretende expandir seu horizonte no mundo do desenvolvimento, mas se caso não, tu pode fazer uma pesquisa de um Dell ou um Thinkpad (modelos X e T são ótimos) usado seguindo suas necessidades.

      A uns 5 anos atrás, passei por isso. Eu precisa de algo portátil (de verdade) e com tamanho do médio para o pequeno, mas que tivesse alguma qualidade. Resumo, estou à uns 5 anos com um Thinkpad (x230) aqui e esse ano adicionei um SSD, agora ele voa. E meu trabalho mudou um pouco de lá pra cá, mas mesmo assim a máquina continua acompanhando e aguentando os trabalhos. Com os preços voando atualmente, se eu tivesse tivesse que comprar eletrônico agora, seria assim que eu faria.

    5. Esses MacBook air e mesmo o pro com o chip M1 ficaram MUITO interessantes, pq eles dão conta de trabalho pesado. E com essas incríveis baterias, acho q mesmo com preço caro eles conseguiriam bater a maioria dos aparelhos concorrentes. Se voltar a comprar um note, com certeza não será Dell e provavelmente será um M1. Mas o único problema é esse lance de ser difícil de achar o aparelho com 16gb de memória… Essa escassez o deixou mega caro e aí já não compensa tanto… Apesar do de 8gb aparentemente dar conta do recado, os com 16gb me levam a crer q vai ser possível usar a máquina por mais tempo.

  18. Por que é tão “burocrático” apagar uma conta em uma loja online? Tenho contas em lojas que não tenho mais a mínima vontade comprar nelas, mas praticamente todas não oferecem uma opção direta de apagar a conta. Em muitas, você tem que mandar um e-mail, e torcer pela boa vontade de eles responderem. Li relatos de que algumas pedem que você envie uma foto do RG para que efetuem a exclusão da conta, o que eu acho muito bizarro.

    1. Por isso uso alias e tenho um email p cada loja.
      Basta se livrar do email da loja e pronto!

      1. Capitão, está usando qual sistema pra alias de e-mail?
        Andei vendo o anonaddy e SinpleMail. Ambos me interessaram bastante

          1. gimigliano,
            estou considerando muito utilizá-lo, juntamente com um dominio próprio. Pensei em faze selfhosted, mas acredito nao ter capacidade técnica para manter um serviço desses de maneira segura.

          2. é mais prático que usar um domínio próprio? fiquei pesquisando ontem e a única vantagem que vi em relação a domínio próprio seria o custo

          3. Então @Will, usar domínio próprio entendo como implicação, uma caixa de entrada própria, o que pra mim não é vantagem, sem contar o custo para manter o domínio e o serviço de e-mail, ali com o SimpleLogin eu crio alguns domínios fixos inclusive, para Newslatter por exemplo, alguns temporários etc, que redirecionam para o meu e-mail principal ou algum outro que eu queira redirecionar.

          4. Ginigliano e Will
            Estou considerando ter domínio próprio (+- us$9/ano) + simplelogin (+- us$30/ano), encaminhando isso pra um e-mail (sem precisar divulgar essa conta pra ninguém, aumentando a privacidade pq teriam q descobrir login e a senha, não só a senha).

            Talvez eu experimente algo como domínio próprio (+- us$9/ano) com um servidor de e-mail usando catchall + alias limitados, q só crio qdo precisar responder (+- us$20/ano). A desvantagem é que se vazar um alias do catchall vc tem q “ocupar” ele com um alias e matar.

            Will, quanto a usar selfhosted seria pra não pagar a anuidade do SL, de 30 doletas. Mas fico receoso em relação à segurança.

          1. Sim,
            a minha ideia de usar AnonAddy ou SimpleLogin é evitar divulgar meu email.
            Além disso, me deparei com alguns sites que impedem o uso do “+”

          2. O duro do email+nome é que alguns formulários se enrolam com o sinal + (estou olhando para você, Folha de S.Paulo) e é relativamente fácil criar um filtro que remova tudo após o + e antes do @.

        1. Então Eloi, respondendo o que vc comentou sobre o domínio + simplelogin, nesse caso, não seria mais vantajoso trocar o simplelogin pelo anonaddy.com? em questão de custo. agora, estava vendo a possibilidade de migrar, aos poucos, do protonmail para o migadu.com e dentre as “vantagens” seria os “alias ilimitados”.

          1. Estou considerando essa hipótese também.
            Ainda não sei bem como farei.
            Pelo SL vc recebe o email e se clicar em responder, já será respondido como seu alias. Mas para iniciar uma conversa como alias, vc precisa habilitar antes no site/app
            Pelo AnonAddy, pra habilitar essa funcao de iniciar uma conversa tem uma maneira mais fácil, direto “montando um destinatario”:

            “De:

            Onde hello@example.com é o endereço da pessoa que lhe enviou o e-mail e alias@johndoe.anonaddy.com é o alias que encaminhou o e-mail.”

            Sei que o AnonAddy tem limitaçoes de banda e outras coisas que o SL nao tem, mas é um pouco mais que o dobro do preço, estou estudando essas possibilidades.

          2. Também considero bastante o migadu,
            tem um preço justo, mas me parece que eles não tem criptografia em repouso e, por hora, sem 2fa para o webmail. Embora não essencial, penso que seria interessante

          3. @Ghedin
            Bom saber :)
            O que tem achado?
            Considera trocar sua assinatura do Fastmail pra ligado? Pq?

          4. Eu vou tentar usar mais o simplelogin, mesmo pq, fica mais fácil migrar de plataforma de e-mail hehe. Agora, a questão de responder um alias é realmente mais chato mas, nos casos nas quais eu precisaria entrar em contato, tentaria manter um alias vinculado ao meu e-mail sem ser por um terceiro (tipo o simplelogin).

            Agora, sobre o migadu, o chato é escolher o domínio e claro, usar uma plataforma que acabe não expondo seus dados no domínio (whois). Aliás, nesse caso, que plataforma de registro vc pretende usar?

          5. @ Eloi

            Tanto o Migadu quanto o Fastmail eu uso via Mail.app, ou seja, na prática não existem diferenças. (Também uso o Zoho, no Manual.)

            Não pretendo migrar porque o Fastmail é mais completo. Enquanto o Migadu só oferece e-mail, o Fastmail tem calendário, contatos e até um servidor HTML estático — esse eu uso para o meu site pessoal. (Também tem notas, mas esse recurso eu não uso.)

          6. @ gimigliano

            Eu vou tentar usar mais o simplelogin, mesmo pq, fica mais fácil migrar de plataforma de e-mail hehe.

            Pode ser mais fácil, mas aí você está preso ao Simplelogin. Se eles fecharem ou fizerem algo que te desagrade, será bem difícil migrar para outro serviço do tipo.

            Por isso acho o domínio próprio mais negócio. É seu e você leva aonde quiser, ou seja, 100% independentemente do back-end.

          7. @Rodrigo Ghedin, sim, isso é algo que me preocupa mas, devo usar mais em ambientes nas quais eu quero evitar ou não vou precisar responder pelo alias/simplelogin, como lojas, onde poderia ativar as mensagens apenas nos momentos em que eu julgo necessário o recebimento de mensagens.

          8. @gimigliano
            Estou sem muita pressa pra definir isso, por isso estou olhando com calma.
            Gostei da proposta do Migadu, e talvez torne desnecessário o uso do SimpleLogin, porque você pode usar catchall com ele, e também tem uma opcao de responder como qualquer pessoa (ainda preciso estudar mais sobre). Parece me atender bem o suficiente.
            Sigo inseguro sobre questoes de criptografia e afins, mas nao posso esquecer que o e-mail é, por si mesmo, inseguro, da maneira com que foi concebido (nao pretendo trocar e-mails criptografados).
            Eu nao busco anonimato, apenas privacidade.
            Tenho que entender melhor se eles criptografam os dados em repouso e alguns outros detalhes pra me sentir seguro com o serviço, mas acho que ele será o melhor custo benefício pro meu caso (US$20/ano).

            Nao deixei de considerar o FastMail (US$ 50/ano), mas como posso hospedar o nextcloud aqui, pra fazer backup de contatos e calendário, acho que o Migadu continua atendendo.

            Outra opçao que me pareceu interessante foi o Tutanota (12 EUR/ano), que permite 5 aliases. Se necessário, podem ser compradas mais 20 aliases, por mais 12 EUR/ano.
            Fiquei com dúvidas sobre como sao computados esses aliases; me deu a impressao que mesmo ao excluí-lo, ele seria computado como em uso.*
            * eu penso que responderia por 2 aliases com mais frequencia; profissional e pessoal; e eventualmente algum outro, como pro banco, cartório, afins. Nesses casos, poderia excluir e recriar quando necessario (ja que raro), mas se conta como “usados” os aliases, mesmo que excluidos, ai acaba nao compensando.

        2. Eu vou tentar usar mais o simplelogin, mesmo pq, fica mais fácil migrar de plataforma de e-mail hehe. Agora, a questão de responder um alias é realmente mais chato mas, nos casos nas quais eu precisaria entrar em contato, tentaria manter um alias vinculado ao meu e-mail sem ser por um terceiro (tipo o simplelogin).

          Agora, sobre o migadu, o chato é escolher o domínio e claro, usar uma plataforma que acabe não expondo seus dados no domínio (whois). Aliás, nesse caso, que plataforma de registro vc pretende usar?

          1. Já sobre a “versão” do simplelogin, pretendo usar a gratuita mesmo, acredito que 15 alias deve suprir minhas necessidades tento em vista que manterei alguns fixos.

        3. Eu uso o tutanota pago com domínio próprio. Não preciso literalemente criar um email pra cada lugar, mas sempre coloco um email diferente pra cada e tudo cai na minha caixa de emails.

          1. Estou considerando esse modelo, @Matheus.

            Uma questao: você tem até 5 aliases, pra poder responder por eles; você pode excluir e criar quantos quiser (desde que mantenha “apenas” 5 ativos)?

        4. Não consigo responder o comentário mas é exatamente como você escreveu.

          1. Nesse caso, posso testá-lo, pq eu posso ter:
            1. aliaspessoal@dominio.com
            2. aliaspprofissional@dominio.com
            3. aliasbanco1@dominio.com
            4. aliasbanco2@dominio.com
            5. aliassuporteempresa1@dominio.com
            6. aliassuporteempresa1@dominio.com

            Posso excluir os alias do banco, pq quase nunca uso pra falar com eles, ai mantenho os alias 5 e 6, euquanto estiver falando com essas empresas. Depois, excluo esses alias e posso criar mais…. Parece bom.
            Lendo a documentaçao do Tutanota, me deu a entender que o limite de criaçao seriam 5, independentemente de mante-los ativos ou nao

        5. Sobre os alias, posso falar sobre o protonmail onde, eles permitem tb apenas 5 e não da para remover, apenas desativar, vou tentar entrar em contato com o protonmail para rever isso pois, se for realmente impossibilitar a remoção, não faz sentido ter ao meu ver.

          1. @gimigliano
            Andei pesquisando um pouco mais a tarde, e o Tutanota permite que você remova e adicione aliases, desde que no seu dominio próprio. No dominio deles os aliases nao sao excluídos.
            Pelo que o @Matheus Rocha escreveu, é exatamente assim.

            Sobre domínio com whois incluído, considere:
            porkbun, namecheap e namesilo

      2. Mas esse negocio de trocar o e-mail so funciona para vc não receber mais comunicações da loja, ne? Seus dados ainda estarão la, incluindo histórico de compra com o seu endereço e, em alguns casos, o seu cartão.

        1. Sim, mas isso se vc colocar dados reais, tem como gerar na internet quase tudo.

          1. Ue, mas como vc vai comprar com dados falsos? Pergunta honesta. Pelo menos aqui no meu prédio se não tiver meu nome, eles devolveriam o pacote por não ter ninguém com o nome no condomínio.

        2. O nome vc pode adicionar apenas o primeiro nome e um segundo (se possível, o mais “popular”, tipo, Silva), o CPF, caso não seja algo muito importante por conta da Nota Fiscal, pode ser falso e em vez de pagar no Cartão ou Pix, pega no boleto e paga no mercado, pronto, vc esta um pouco protegido contra rastreamento (claro, mantendo a questão do e-mail – alias).

    2. Acho um saco essa dificuldade também. Mas tô sempre tentando.

  19. Alguém usa o simulador de voo Flight Gear???
    Utilizo ele desde que migrei para o Linux e gosto de sua proposta (gratuito e Open source). Entretanto são poucas aeronaves disponíveis que realmente me transmitem uma sensação próxima com uma simulação (não sou piloto, então tiro como base checklist, acabamento da aeronave, etc). Os gráficos não são dos melhores, principalmente se comparado aos simuladores mais atuais, porém eu não acho tão ruim.
    Também percebo que os fixos estão desatualizados, deixando um pouco mais difícil navegar com as cartas reais (não consegui atualizar os fixos pelo Linux ainda).
    Mas em geral eu gosto bastante do Flight Gear. Quais são suas impressões sobre?

      1. Olá, Felipe. Consegue sim. Pelo menos na biblioteca que já vem na versão 2020.3.8, tem alguns modelos de helicópteros para instalar. Já cheguei a instalar um Eurocopter EC130, apenas para ver os gráficos do modelo.

  20. Faz uns dois anos decidi rever a trilogia Matrix, aí parei no segundo filme porque é ruim demais. O primeiro eu gostei, continua muito bom todos esses anos depois.

    Agora saiu o trailer do quarto filme, Matrix Resurrections. Fiquei com a sensação de estar vendo um daqueles campeonatos de Showbol, sacam? Em que jogadores aposentados jogam uma pelada, só pelo espetáculo. Provavelmente verei, mas com as expectativas no chão. E vocês?

    1. Eu tava com a expectativa bastante alta por confiar que a Lana Wachowski não voltaria pra esse universo sem ter alguma coisa interessante a dizer. Infelizmente, depois de ver o trailer, minhas expectativas abaixaram muito… achei que até visualmente está bastante estranho (genérico, até, o que é muito decepcionante). Espero estar errado.

    2. Mesma coisa. Expectativa baixa, pois é um tanto óbvio que a Warner apenas fez um cheque em branco para a produção do filme.

    3. Eu concordo. Matrix 1 continua sendo um excelente filme. O dois e o três são bons só por conta de algumas cenas, mas a história é ruim. Não estou empolgado para o 4. Eventualmente vou assistir. O trailer é bom, mas os trailers são feitos assim né? :D
      Coincidentemente estava discutindo no mastodon sobre a filmografia das irmãs Wachowski e acho que Matrix foi a única coisa delas que realmente curti.

    4. depois da resposta desanimadora sobre o celular ‘matrix’ e esse balde de água frria nos fãs desse grande clássico q vc está jogando gratuitamente… só te peço pra imaginar a cena do neo chamando o morpheus pra luta.

      (mas fique tranquilo, estou mais pra ‘kung-fu panda’ do q kung-fu ‘matrix’).

      vi o primeiro filme no cinema e fiquei muito impressionado em 1999 com todos aqueles efeitos e aquela salada cyberpunk q juntou baudrillard com kung-fu. as sequências foram interessantes tb, mas não superaram o efeito do primeiro (talvez por conta da idade). agora, ‘animatrix’, apesar de não ser uma continuidade, chegou bem perto.

    5. Esbarrei no trailer mais cedo e foi só decepção. Já não tinha curtido as duas sequências, mas pelo menos tinham um tom meio épico, uma fotografia que fazia sentido dentro daquela proposta.

      Esse trailer me brochou demais, sobretudo quando aparece o “neto do Morpheus”, ou seja lá o que for aquilo. Ficou tudo com uma cara meio de fan-service pra saudosista misturado com Velozes e Furiosos.

      1. Não é neto do Morpheus
        PLADDS, de onde vcs tiram isso?

        1. Calma amigo é só piada. É claro que não é o neto do Morpheus, só quis dizer que é um cara que parece o Morpheus mas não é, talvez uma espécie de avatar ou sei lá

    6. Vi a trilogia.
      Li todos os livros que servem como base para o enredo da trilogia.
      E estou bem empolgado com o trailer de matrix 4.
      Ao contrário do que se tem falado, quem leu os livros sabe que o trailer não mostra reboot, remake, repetição do matrix 1 ou coisa do tipo. Isso é a história mesmo acontecendo!

      1. Pelo trailer já dá pra perceber que não é um reboot, muito menos um remake. Eu arriscaria dizer que é apenas um novo ciclo no software, mas eu mal entendi os filmes 2 e 3.

    7. Concordo sobre a falta de sustância das continuações, mas até mesmo por ter julgado a ideia desse quarto filme desnecessária me surpreendi positivamente com o trailer. O apuro estético das Wachowski é sempre muito forte. E um trailer com uma cena do Keanu Reeves com um patinho de borracha na cabeça numa banheira não é de todo mal, vai. Hehehehe

      Com certeza verei (e não eventualmente como dito abaixo, esse falso cognato vindo do inglês que já vilipendiou o significado da palavra na nossa língua, de tanto as pessoas assistirem filmes e séries)

      1. Só por curiosidade, qual seria o significado “original” de “eventualmente”?

        1. “Eventualmente” em português é o mesmo que “de vez em quando”, algo que ocorre ocasionalmente e sem periodicidade definida. Em inglês “eventually” tem o significado de “no fim das contas”, algo que acaba acontecendo inevitavelmente após uma sucessão de atitudes ou eventos.

          É uma expressão muito repetida em diálogos na ficção e isso tem gerado conversas como “ainda não sei tocar bem violão, mas eventualmente vou aprender” e outras onde o sentido é o do termo em inglês, um resultado esperado e fadado a acontecer. É um falso cognato. No sentido real do termo, a frase perde totalmente o sentido.

          1. Olha, além de “de vez em quando” eventualmente também tem o significado de incerteza. Se eu leio essa frase do violão, o que eu entendo é:

            “Não sei tocar violão, mas possivelmente vou aprender”, “um dia penso em aprender” “quem sabe um dia eu aprenda” etc. Mais ligado ao sentido original.

            E não

            “Não sei tocar violão, mas finalmente vou aprender” (sentido do inglês)

            Não tenho visto estarem usando o eventualmente como “finalmente”, “até que enfim” etc.

    8. Estou na expectativa por ter revisto o primeiro no domingo hahahaha

    9. A impressão do trailer é que é meio que uma continuação do segundo filme e aquela conversa com o arquiteto, do reboot, dos vários “neo” etc. Se estou falando algo óbvio, é porque eu realmente não li nada sobre o filme ou sinopse antes do trailer, justamente por estar com a expectativa baixa. Eu acho que melhor que o terceiro filme vai ser. É difícil algo desse universo ser pior que o terceiro filme.

    10. Eu vou ser a pessoa nadando contra a maré e dizer que assisti aos filmes recentemente e me peguei gostando de todos eles ainda mais. Também gostei muito dos trabalhos recentes das Wachowskis. Sense8, em especial, significa muito para mim.

      (Recomendação de vídeo: The Matrix sequels are good, actually. https://m.youtube.com/watch?v=M0VnYcMHuDc)

      Lana relatou em um painel em Berlim ontem que a ideia do Matrix Resurrections surgiu após um período de luto por várias mortes na família. Que a Warner Bros pedia para as irmãs voltarem a fazer filmes todos os anos, oferencendo muito dinheiro, mas elas recusaram até que Lana sentiu a necessidade de revisitar a história como forma de canalizar os sentimentos de luto. (Lilly praticamente se aposentou de Hollywood e disse querer processar o luto de maneira diferente, por isso não está presente no filme novo.)

      Estou BEM empolgada e curiosa para ver como Lana Wachowski vai interagir com o universo de Matrix agora que é uma diretora explicitamente trans. Faz anos que não me sinto tão feliz de ver um filme novo sendo lançado. Estou muito animada de reviver o meu lado nerd de novo e me debruçar sobre lore, filmes, animações, documentários, livros.

      1. Se tivesse um botão de curtir comentário, eu teria curtido o seu com gosto!!!

  21. Um cometário breve: troquei meu notebook por um Tablet e estou BEM satisfeito. Pra estudar é perfeito. Ler pdfs (é mesmo pra ler certos e-books do Kindle q são ruins de ler no aparelho da Amazon ) é sofrível no computador (mesmo em notebooks)… Esse tablet tem uma caneta e ela é bem útil Tb. Não fui de iPad como já recomendaram, devido ao alto custo, e infelizmente perdi a possibilidade de usá-lo com apps q só existem pra iOS, mas, por ora, estou satisfeito.

    Meu note tinha uma ventoinha só e achava ele meio barulhento e quente… Se der um dia adoraria ter um desses MacBook air q não tem ventilação ativa. Acho silêncio fundamental pra poder me concentrar.

      1. o modelo do tablet? é um samsung s6 lite. vi q ele é muito usado por estudantes e estava por um bom preço. resolvi dar uma chance e gostei muito (preferiria um iPad, claro, mas pelo preço, consegui ainda comprar um pra esposa e ainda gastando menos q se compresse um único tablet da apple). o notebook q foi vendido era um Asus Vivobook X510ur. ia dar uma depenada nele e vender peças separadas, mas o comprador era um estudante prouni… achei melhor mandar os upgrades q fiz de brinde pra ele.

        1. Interessante hein. E como é a performance do tablet? Você usa algum periférico nele (teclado, mouse, caneta…)?

          Pergunto porque também já considerei fazer essa migração justamente pra um Tab S, mas tinha receio de não me atender totalmente e eu queimar uma grana com um device parado.

          1. Eu uso um tablet Samsung de 2016 com um teclado dobrável que comprei em 2018 (modelo ifold na loja online Micella), ele é bem pequeno, do tamanho de uma carteira de couro quando dobrado, bom de usar e carrega no usb. Para viagens curtas, escrever em cafés, aeroporto, etc é ótimo. Lembrando que nunca comprei outra coisa nesta loja, então não sei da confiabilidade dela. Hoje o teclado está 30 USD, a metade do preço que paguei à época em dólares, mas em reais não mudou muita coisa.

          2. a performance pra ler pdfs é ótima, agora para outras coisas não sei dizer, pq como não quero q ele se torne ele próprio uma fonte de distração. tenho um teclado pra usar com ele, um dobrável q gostei bastante. e a caneta já vem esse modelo. no fim das contas, a praticidade pra estudar come ele foi uma boa.

    1. Nesse quesito sou quadrado demais, passo muito aperto e raiva tentando usar tablets/smartphones pra funções complexas. Sou grande adepto do teclado+Touchpad/Mouse e não consigo ser funcional sem essas ferramentas. Prática talvez?

      1. com certeza! tb ando com teclado (um dobrável baratinho q comprei) e mouse (q usava com o notebook q despachei). esse tablet tem lá o modo dex da samsung (ele tem android 11), q faz ele funcionar como se fosse um notebook/desktop. ainda não precisei disso, pq estou muito tempo em casa… e creio q pro trabalho q eu faço, ele não dê conta de um modo geral (editar áudio, vídeo, imagens etc). o lance dele foi mais pra estudo e escrever alguns textos qdo for o caso e, se muito, editar uma imagem de leve ou usar pra participar de uma reunião ou mesmo organizar uma live a partir dele. uso bem leve… pra trabalhar mais pesado teria q ser um notebook, mas não quero mais saber de notebook gamer, q são uns trambolhos, a bateria não dura e são caros.

  22. Aproveitando o gancho sobre a nova interface do Gmail comparada ao Outlook… Cara, como as interfaces e o UX da MS são ruins… Outlook, Skype, Teams… Teams, q tenho usado por conta de um curso, atrapalha alunos e professores por ser muito complexo e bem pouco intuitivo. Sem falar nos conflitos qdo uma instituição usa teams e Office 365 qdo já tem sua conta 365 e vai usar o seu equipamento. Enfim, tá faltando cuidado da MS nessa área.

    1. Nem fale do Teams. Esse app é uma confusão. Estão usando aqui onde eu trabalho e eu só passo raiva. Toda aba que você abre tem um chat. Eu não me acostumei até hoje com ele.

    1. Ia falar dessa notícia também. Por enquanto, tenho usado o Firefox quase que por birra mesmo, porque me incomoda o tanto de poder que o Google tem sobre a internet através do Chromium, por exemplo.
      É meio triste ver a Mozilla começar a perder territórios mesmo dentro da comunidade Linux, que parecia ser seu último refúgio :/

      1. Eu não consigo mais usar o Firefox no meu pc velhinho. Sempre tenho travamentos, infelizmente.
        Eu gostava bastante do Firefox e por vir padrão na maioria das distros linux, me acostumei a usá-lo. Uma pena estar perdendo espaço mesmo.

    2. Vivaldi é o melhor dos navegadores Chromium disparado….

      1. Eu gosto bastante da combinação de recursos do Vivaldi. Bloqueador de anúncios, modo leitura para sites, várias abas na mesma janela, tradutor nativo (que só perde para o tradutor do Edge, minha opinião), fora uma porção de coisas que eu não uso tanto como relógio interno, ferramenta de prints, notas. É muita coisa e não sinto isso pesando no desempenho dele.

  23. Oi, pessoal! Gostaria de comprar um feature phone pra levar por aí enquanto caminho ou pedalo (vou voltar a pedalar depois de alguns anos parados depois do famigerado “Acelera São Paulo”). Meu medo nem é tanto de furto ou roubo, mas mais o fato do smartphone estar concentrando muitas coisas importantes que, se perdido, danificado ou roubado, vão gerar uma baita dor de cabeça (tive um smartphone q pifou e perdi o meu a autenticação em. Duas etapas de um e-mail, por exemplo). Sem falar que me agrada muito a ideia de passar longe de mensageiros, email e outros apps que são fonte de constante distração. Até cogitei comprar um a tenha WhatsApp, mas sei lá… Melhor sem mesmo. Vcs recomendam algum? Vi um da Nokia ou LG, mal lembro bem e era tipo uns 100 reais. E, se funcionar, acho q pretendo usá-lo até mais q o smartphone qdo estiver fora de casa.

    1. Pior que, no mercado brasileiro, não existe muita variedade. Você tem opções da Nokia, Positivo e Multilaser, algumas com KaiOS (embora isso talvez tenha menos apelo, já que não quer coisas como WhatsApp).

      O Nokia lanterninha mais recente à venda aqui é o Nokia 110, salvo engano. O preço é por aí mesmo, ~R$ 120.

      A única coisa que me preocupa com esses aparelhos é que eles só funcionam em redes 3G. Em algum momento do futuro, é bem provável que elas sejam desativadas em prol do 4G e 5G. Se bem que é mais provável que o celular morra antes disso acontecer.

      1. poxa… tem esse lado tb. se fosse 4g estaria bom. eu vi uns aparelhos legais, em especial da nokia, q seria bem bom. gosto desses modelos mais resistentes tb, sabe? eu tinha um da samsung q vc podia tacar ele no chão com vontade (não sem bem qual a razão de fazer isso haha) e ele aguentava… e ele tinha uma lanterna! acho q passei ele pro meu pai faz muitos anos. vi q a nokia tem um desses e a CAT tb, mas são bem caros…

        mas aproveitando q matrix está voltando, poderia ser um Nokia 8110 4G. o brasil tá parecendo uma matrix bugada mesmo. pelo menos poderia circular por aí com estilo.

        1. Dá para importar esses Nokia legais. Como são baratos, caso você seja taxado a paulada não será tão dolorida. (Ainda que, pensando em durabilidade/longevidade, quanto menos partes móveis, melhor, de modo que eu evitaria o celular de Matrix, por mais legal que seja.)

          1. ligeiro, me dei conta q posso usar um xiaomi a1 m1 q eu tenho aqui e estava parado por estar com a tela quebrada. eu comprei uma tela nova pra ele, mas nunca instalei e ficou aqui na gaveta (já deve ter mais de um ano isso). pra evitar transformá-lo em algo parecido com o q eu tenho hj, vou instalar aquela rom de privacidade a /e/ (o nome é esse mesmo e vc deve até conhece já). vamos ver se consigo trocar a tela (tenho as ferramentas) e se consigo instalar essa rom. q, diga-se, seria legal ver o review dela num certo site de tecnologia aí q trata de privacidade…

    2. Ou um com KaiOS (P70s da Positivo ou se não se incomoda com lentidão, o Zapp da Multilaser). Senão, um Android usado com Android 5.1 já deve resolver para ti tbm.

      1. vou dar uma pesquisa nesses aparelhos com kaiOS q já ouvi falar, mas não sei bem do q se trata.
        cogitei tb comprar um google pixel e instalar aquelas rom voltadas exclusivamente pra privacidade (q são tb bem limitantes em comparação a forma como usamos), mas acho o investimento alto demais (o aparelho seria um usado tb, mas eles são caros).

        1. O KaiOS é um sistema para “feature phones”. É bem simplório, um pouco “cru”, mas é possível acessar internet com ele.

          Pensei em sugerir que compre um antigão também. Dependendo compensa mais que um telefone simples.

    3. Se você topar comprar um usado a OLX tá cheia de gente querendo se desfazer dos seus NOKIA’s por R$ 50,00 ~R$ 100,00.

      Eu gostava muito do Nokia C3-00 e do E71, ambos com teclado QWERTY e ainda disponíveis na “praça” e com um preço bacana (inclusive tem até E71 novo, vendendo por aí).

      Tem o C2-01 com teclado numérico apenas. E se quiser algo mais “moderno” tem o Nokia 110.

      1. Nunca comprei nada pela olx, mas nada contra. Se fosse comprar algo usado talvez optasse pelo Mercado Livre mesmo. Mas acho q encontrei uma solução melhor. Tenho um Xiaomi A1 M1, q estava com a tela por trocar. Vou usá-lo pra isso com um case reforçado e o /e/ os.

    4. Sair sem o celular não seria uma opção? Claro, tem o lance de uma possível urgência, entendo. Eventualmente saio sem o celular pra essas atividades (remar, pedal), mas sinto que está sempre faltando algo, e não são atividades que fico fora um dia inteiro, claro.

      No fim, minha sugestão seria manter o custo o mais baixo possível, visto que seria um “luxo”, e de preferência usado, pra não contribuir com resíduos etc.

      Eu, hoje, se fosse atrás de algo assim, infelizmente o whatsapp seria importante, visto que hoje ele praticamente substituiu o sms aqui no Brasil, e, pra mim, entre sair com um celular sem whatsapp e sair sem celular é quase a mesma coisa.

      1. Estava prestando atenção no quanto hoje é raro achar orelhões nas ruas.

        1. Mas se for depender de celular tem que levar a agendinha com os contatos escritos à mão. Eu usava minha agenda anual, então todo ano tava lá reescrevendo, até que comprei uma agenda eletrônica e. E mesmo nos tempos de telefones sem sincronização a cada telefone novo tinha-se que gastar um tempo transferindo os contatos na unha, até à invenção do simcard.

          1. Faz tempo q não vejo um orelhão em bom estado. Nem sei se os q estão por aí ainda, dos raros que sobraram, se eles ainda funcionam…

      2. Acho difícil ficar totalmente sem o celular hj… Pelo menos pra ligação seria importante ainda. Mas o ideal mesmo seria ter pelo menos um mensageiro (o WhatsApp no caso). Ambos mais pra emergências (meus pais moram em outra cidade, meus sogros podem precisar de algo etc).

        Comentei aqui em outras três respostas, mas lembrei q tenho um Xiaomi A1 M1 com tela quebrada. Farei o reparo dela e vou de /e/ OS. Assim fico com k mínimo no aparelho e apesar de não poder brincar de Matrix com ele, pelo menos ficarei longe do Google e demais espiões.

        1. Concordo contigo. Em períodos curtos, de até 3 horas, por exemplo, ainda é sossegado, mas ficar um dia inteiro é complicado.

          Esse Xiaomi A1 M1 ainda dá um belo caldo hoje em dia. Espero que consiga trocar a tela sem maiores problemas. Meu irmão ainda o usa como celular principal dele.

          Eu tenho um Moto X de primeira geração, já pensei em usar ele nesse mesmo sentido, mas fico no aguardo do WhatsApp ser liberado para multidispositivos, aí quem sabe eu faça algo do tipo com ele.

    1. Eu viajei entre o dia 6 a 8.
      Sai na madrugada do dia 6 para 7 e fui até Curitiba. Vi as matérias sobre o fechamento das rodovias e aí acabei ligando para uma amiga e visitando ela na cidade. Fui embora na virada do dia 7 para o dia 8 para Florianópolis. Vi até a paralisação em Garuva, mas aparentemente estava bem movimentado, sem ponto de parada. Só os veículos parados da manifesfação com as faixas.

      1. O ponto alto de toda essa paspalhada foi a nota-de-rabo-entre-as-pernas que Bolsonaro soltou hoje. Um covarde.

        1. Tou adorando ver as reações sobre esta nota.

          Espero que a galera com isso entenda mais ainda de política e aprenda a discutir com cabeça.

    2. Eu e muitos milhões vibramos! Isso é o bonito na democracia 🇧🇷

  24. Olá, pessoal. Tudo bem? Recentemente comprei uma MiBand 6 sobretudo para monitorar meus exercícios e meu sono, mas o aplicativo da Xiaomi é bem, bem invasivo (nenhuma surpresa). Recomendações de aplicativos de código aberto que possam me ser boas alternativas ao padrão da pulseira? Obrigado!!!

    1. App de terceiro que se comunique com a pulseira? Acho meio difícil.

  25. Um dos assuntos do Guia Prático desta semana é organização de fotos. Peço ajuda aqui: que dica(s) você tem sobre esse assunto? Também vale explicar como você organiza suas fotos (ou se as organiza).

    1. Esse é um dos poucos campos em que abro mão da privacidade e deixo o Google cuidar disso pra mim.
      No máximo apago algumas fotos redundantes de tempos em tempos.

    2. Antes eu deixava as fotos em pastas temáticas, até dividia por pessoas, mas acabava tendo muita foto duplicada. Então há alguns anos eu tive o trabalho de adicionar data em todas as minhas fotos, dividi tudo em pastas por ano com subpastas para cada mês. Dentro dos meses eu crio pastas para ocasiões específicas, como dia das mães, para funcionar como álbuns. Tem funcionado bem para evitar a duplicação de fotos.

      1. Até comecei a fazer isso, mas haja paciência, parece que não termina nunca, hoje tudo fica salvo numa pasta sem organização alguma no dropbox, exceto pela parte do Google que faz automático, mas preciso retomar essa organização um dia.

      2. Eu fiz isso entre 2004 e 20(alguma coisa), período em que tive camera digital dedicada. Salvava tudo num HD e hoje está no OneDrive graças ao 1Tb do Office365.
        Aí o google inventou o Google Fotos e a partir de então está tudo lá.
        Não consigo sair, o serviço é muito bom.
        E acho que a Microsoft está vacilando em não apresentar um bom conocrrente agora com a chegada do Windows11. Seria interessante um app/serviço que pudesse ser nativo no WIndows junto com o OneDrive e ainda ter um app para Android.

    3. Eu crio pastas para cada ano e dentro delas subpastas para ocasiões. Como só costumo fazer isso para viagens acaba funcionando bem.

    4. Utilizo o backup automático do OneDrive e também deixo ele fazer isso para mim. Fica separado por data e se quiser posso pesquisar por “animal”, “cão”, ou “cachorro” para achar fotos do meu doguinho. A busca também vale para objetos. No máximo renomeio as coleções para “Viagem para Argentina 2023” ou algo do tipo. Essa é uma praticidade da qual infelizmente abro mão da privacidade, principalmente por causa do backup automático para nuvem. Esses tempos atrás minha esposa perdeu o celular e com ele todas as fotos, porque o backup automático não estava ativado e esse é o valor para mim quando o assunto é gerenciar fotos nos dispositivos :garantir que sempre terei backup. Foi triste perder lembranças queridas junto com o aparelho.

    5. Eu jogo tudo no meu nextcloud mesmo e uso o yaga pra acessar do celular e o lespas quando quero criar algum album, mas não faço muito mais que isso. Tem alguns projetos interessantes sobre gestão de fotos autohospedadas no r/selfhosted do reddit.

    6. Onedrive (upload automático no smartphone).
      Coloco tags, identificação, localização.
      O app Fotos no windows é excelente para pesquisas.
      3 backups em HDs.

    7. 3 backups em disco externo organizados por ano/mes/evento.
      De tempos em tempos uso o fdupes para ver se não tenho arquivos duplicados, tanto para fotos como para meus documentos.

    8. Esse Guia Prático eu não perco (na real nunca ouvi =X), tô precisando MTO disso.

    9. Acho que não sou a melhor pessoa pra responder isso, tenho pouquíssimas fotos e não costumo tirar novas, mesmo em momentos “especiais”. Ou seja, talvez as minhas dicas sejam inviáveis pra quem tem um acúmulo maior de fotos. Mas o que funciona pra mim é nomear as fotos com um “código” padrão que você entenda, acho que cada um vai escolher o melhor pra si, mas pra mim funciona com datas e siglas da pessoa, momento ou lugar. Outra coisa que me ajuda muito é ter pastas bem divididas pra cada situação. Por exemplo, costumo nomear as fotos com minha companheira com o dia que começamos a namorar e o lugar/data, então sempre posso dar um CTRL+F na data de namoro e encontrar as minhas fotos com ela.

      E antes de enviar pra nuvem, colocar em pastas e nomear, já faço uma seleção de todas as fotos que não tenho necessidade de guardar. Como disse, não tenho tanto apego, então guardar 2 fotos de um dia pra mim é mais que suficiente. Imagino que essa seleção prévia possa ser mais difícil pra outros e indicaria pular ela e fazer um outro momento de seleção posterior, quando o apego for menor, pelo distanciamento do tempo, e tenha mais tempo disponível pra fazer essa seleção e descarte.

    10. Eu recentemente fiz o download de todas as minhas fotos do Google e da Apple e migrei para o Synology NAS. Antes de concluir a migração eu usei um app para Mac chamado PhotoSweeper para limpar as fotos baseadas em algumas regras tipo duplicadas, sem foco, etc. Apos a limpeza, eu importei para o NAS usando o Synology Photos que organiza as fotos por ano e mês e tem as mesmas funcionalidades de outros apps como upload automático direto do telefone, possibilidade de tagueamento, localização, compartilhamento, etc. Tem funcionado muito bem e incrivelmente parecido com o Google Fotos.

    11. O próprio Fotos.app do Mac funciona bem pra mim, de modo que não preciso de soluções mais sofisticadas (como o Lightroom) — embora sinta falta do velho iPhoto, apesar dele ser bem mais feio.

      Tento, sempre que possível, taguear tematicamente as fotos e georreferenciá-las, mas já me conformei com o fato de ser impossível fazer isso com todas.

      O armazenamento principal acontece em um HD externo e por enquanto faço cópias automáticas no Google Fotos (sim, eu sei, isso é uma brecha de privacidade insana). Por ora não uso iCloud, mas com a mudança de armazenamento para contas universitárias do Google (atualmente com armazenamento ilimitado) posso rever isso no futuro. Falho em não ter um segundo HD local com backup sincronizado — uma vez já perdi minha fototeca inteira e só a recuperei por conta do Google Fotos.

      No momento são exatas 23.718 fotografias e 166 vídeos.

      Uma pequena seleção pública dessas imagens está aqui: flickr.com/gaf

      E se eu puder dar uma dica é: tenha uma galeria pública de imagens, mesmo que ninguém as veja. Ela serve como um lembrete muito prático, imediatamente acessível via web a partir de qualquer lugar, a respeito do restante da sua coleção por meio de uma pequena amostra dela.

    12. Aqui quando precisei organizar minha biblioteca pela primeira vez eu segui esse método do Casey Liss, adaptando a minha necessidade/realidade: https://www.caseyliss.com/2016/5/29/photo-management.

      Hoje em dia como raramente uso a DSLR pra tirar fotos acabo fazendo manualmente o processo de separar as fotos por datas e só. As tiradas no smartphone sobem automaticamente para o Google Photos, então eu só dou uma olhada semanalmente pra excluir as desnecessárias.

    13. Sempre que possível, mantenho todas off-line e organizadas em pastas por dia, mês e ano. Quando preciso usar a nuvem, uso apenas pra guardar cópias das pastas (em arquivos compactados, nunca as fotos em si). Quando usava Android, evitava o Google Fotos a todo custo e agora, trabalho pra largar o iCloud e (tentar) fazer tudo off-line no iPhone também.

    14. Eu não organizo nada não. Deixo para o app de backup da vez, que já foi o Dropbox e Google Photos; icloud E Google Photos; e hoje é o icloud + onedrive.

      Recentemente li sobre apps que organizam a biblioteca, seja removendo duplicadas ou fotos muito parecidas, limpando fotos de documentos – notas fiscais, recibos etc. Até pensei em instalar um deles, mas fiquei com receio de delegar a mais um terceiro minhas imagens (mesmo que os termos digam que as fotos em si não são lidas/compartilhadas com o app).

    15. Ah, um adendo:

      Também subo as fotos para o Amazon Glacier, nesse caso eu separo as fotos por ano e, dentro do ano, caso tenham fotos de uma viagem ou evento grande, crio uma pasta com a estrutura “aaaa-mm-dd – nome do evento”.

      As fotos da gopro sempre baixo depois de usar, geralmente após uma viagem, trilha etc. e aí é cada evento em uma pasta específica, que depois vai pro amazon glacier.

Os comentários deste post foram fechados.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário