Festa!!Hoje é dia de festa! 🎉🎉 O Manual do Usuário completa seis anos no ar. Venha celebrar com a gente →

A incrível estupidez da geração que glamourizou o excesso de trabalho

Mulher em uma sala de escritório mexendo em um notebook à noite, com tela atrás escrito "Faça o que você ama" em inglês'.

Existe um mito na física chamado “máquina do movimento perpétuo”. Uma máquina do movimento perpétuo seria capaz de, após começar, criar sem ajuda externa uma quantidade de energia suficiente não apenas para garantir seu funcionamento, mas também para fornecer o extra para consumo externo. Em outras palavras: uma fonte de energia infinita que não precisa de nenhum estímulo além daquele no começo.

“Ah, Guilherme, mas uma usina hidrelétrica produz energia [no caso, elétrica] suficiente para cobrir o próprio consumo e iluminar uma parte considerável do país”. Sim, mas a energia não aparece do nada. A hidrelétrica transforma energia cinética em elétrica — a água represada desce por um cano gigantesco com a velocidade de um cavalo em direção às hélices gigantescas, que, ao rodarem, acionam um gerador que produz corrente alternada. Já as usinas termoelétricas queimam carvão para fazer a água virar vapor, que, por sua vez, aciona turbinas e o processo segue o mesmo.

“Ah, mas a energia solar independe de sistemas externos como o desnível do terreno e a queima de carvão”. Sim, mas o Sol é considerada uma fonte de energia externa para um sistema do tipo. Assim como o universo está acelerando, o Sol está na metade da sua vida estimada de 10 bilhões de anos e, daqui a alguns bilhões de anos, entrará num processo de decaimento onde inchará a ponto de atingir a órbita terrestre. Nessa hora, a Terra será engolida pelo Sol. Sua crosta vai derreter e o manto começa a vaporizar, uma cena bastante desagradável para quem estiver na fila para comprar um sorvete de casquinha. Mas você não precisa se preocupar: a esta altura, não apenas a humanidade já vai ter empacotado como você e todos seus conhecidos vão ter se transformado numa fina camada de sedimento na lasanha geológica que é o planeta Terra.

Ah, nada como começar um podcast com otimismo.

Enfim, a máquina do movimento perpétuo. Há séculos, pesquisadores e cientistas intrigados pela premissa buscaram soluções que nos dessem a fonte definitiva de energia renovável. No século 12, o matemático indiano chamado Bháskara II criou o primeiro conceito hipotético de uma máquina do tipo: uma roda repleta de tubos enchidos até a metade de mercúrio que, dado o primeiro empurrão, conservaria seu movimento eternamente pela ação do mercúrio nos tubinhos em relação ao eixo central.

A Roda de Bháskara é, até hoje, um dos experimentos mais usados para mostrar a impossibilidade de máquinas do perpétuo movimento. No papel, funcionaria, já que um lado da roda estaria sempre mais pesado que outro e, por isso, haveria movimento na tentativa de se equilibrar. Na prática, os movimentos da roda e do mercúrio dentro dos tubinhos mudam o centro de massa do sistema, o que faz com que, após algumas giradas, a roda pare completamente. Esse Bháskara não é aquele que você estudou nas aulas de matemática do colégio — o Bháskara da Fórmula de Bháskara viveu cinco séculos antes na mesma Índia, o que torna o Bháskara da Roda de Bháskara uma espécie de Matrix Reloaded, a continuação de um filme excelente que é mais lembrada pelo que não conseguiu entregar.

O problema da máquina do movimento perpétuo é que seu funcionamento quebraria a primeira e a segunda leis da termodinâmica, o ramo da física responsável por estudar a relação das diferentes formas de energia entre si. A primeira lei da termodinâmica define que, dentro de um sistema isolado como é a máquina do perpétuo movimento, energia não pode ser criada ou perdida, ou seja, você não consegue extrair mais energia do que coloca. A segunda define que, num sistema isolado, a entropia total não pode diminuir com o passar do tempo — um lado frio e um lado quente tendem a trocar energia na forma de calor até que ambos compartilhem a mesma temperatura.

Eu não vou me aprofundar além disso na física. O ponto é que máquinas do movimento perpétuo soam como ideias excelentes quando você está na mesa do bar, mas, na prática, nunca tendem a funcionar. Se você ainda assim duvida, pode fazer um experimento agora: tente flutuar agarrando o próprio nariz com os dedos, como se o levantasse em direção ao teto. Conseguiu?

Falando em mesa de bar, eu vou dar um cavalo de pau na discussão agora para falar do assunto preferido das pessoas em happy hours: que série de TV você está assistindo. Tem uma série do Netflix que você já deve ter passado chamada The Good Place. (E eu já vou deixar claro que eu vou dar um spoiler monstro sobre o fim da primeira temporada de The Good Place, então se você está assistindo ou pretende assistir, eu te sugiro parar o Tecnocracia, acabar de ver e depois voltar. “Mas precisava deste spoiler para fazer seu ponto, Guilherme?”. Precisa sim e você logo logo vai entender.)

A série parte da premissa de que, durante a vida, um sistema computa pontos a cada boa ou má ação que fazemos na Terra. Ações boas rendem pontos, ações ruins tiram pontos. Depois de empacotar, um sistema contábil do além faz as contas e manda as pessoas ou para o céu — o tal “Good Place” — ou para o inferno — o “Bad Place”. Lá vem spoiler e não diga que eu não avisei: a primeira temporada se desenrola divertidinha, com quatro personagens tentando se adaptar ao paraíso, até o último episódio, quando o grupo descobre que não está no paraíso, mas dentro de um experimento conduzido pelo inferno para tentar transformar o sofrimento e a tortura eterna num processo autossustentável.

Kristen Bell dizendo que este é o lugar ruim, como no meme.
Ahhh, daí que vem o meme… Foto: NBC/Reprodução.

O inferno deu nas mãos do personagem do Ted Danson a responsabilidade de criar um versão inovadora em que os próprios humanos torturem os outros. A seleção dos quatro protagonistas não foi aleatória: cada um tinha um comportamento ou um hábito que tornava um outro miserável. A ideia era testar a possibilidade de automatizar as torturas no inferno. Eu já dei spoiler demais e, por isso, não vou falar se o experimento deu ou não certo. The Good Place melhora muito depois desta revelação e eu te aconselho fortemente a ver. A quarta e última temporada começou na semana passada e está no Netflix.

Os mais atentos já juntaram lé com cré e perceberam que as duas histórias — a máquina do movimento perpétuo e o argumento por trás da The Good Place — envolvem a criação de algo capaz de gerar uma quantidade suficiente de algo (energia na física, desgraçamento mental na ficção) não apenas para alimentar o próprio sistema, mas também para exportar. O Tecnocracia de hoje vai partir deste conceito para falar sobre trabalho, mais precisamente sobre uma mudança na forma como minha geração (lembrando, eu tenho 36) encara o trabalho.

Trabalhar muito é não apenas é ótimo, é desejável, uma medalha de honra que mostramos para todo mundo. O excesso de trabalho se glamourizou. Mas nem sempre o trabalho produz algo relevante. Muitas vezes, o motor do carro gira sem que a embreagem esteja engatada. É energia pura jogada fora. O que isso tem a ver com tecnologia? Tudo.

Do mundo agrícola às startups

Vamos recapitular um pouco como a gente chegou até o atual formato do mercado de trabalho. Até o século XVIII, cerca de 80% dos trabalhadores do mundo estavam no campo, cultivando as plantas e tocando o gado e o porco que alimentariam o resto da humanidade. Até então, a economia era dominada pelo setor primário.

A Revolução Industrial, em 1750, mudou radicalmente o cenário ao introduzir novas fontes de energia (carvão e vapor, por exemplo) e novos métodos de trabalho (a linha de produção do Ford, para começo de conversa) que aumentaram consideravelmente a produtividade, o que criou alguns setores novos para comercializar e adequar aquela quantidade enorme de novos produtos na rotina da população da época. Durante mais de dois séculos, o setor secundário foi o maior empregador do planeta. Hoje a gente olha para trás e se choca com algumas condições insalubres, mas ainda era melhor que a agricultura porque os salários eram muito melhores.

Isso começou a mudar a partir das décadas de 1960 e 1970, com o aumento na produtividade e a crescente mecanização das indústrias. Sem a capacidade de manter aquela multidão de trabalhadores industriais, o setor terciário começou a crescer. É nesta fase em que estamos. Em 2016, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estimou que, do PIB brasileiro, o setor primário é responsável por 5,5%, o secundário por 18,5% e o terciário por 76%. Em termos de mão de obra, os números são parecidos: agricultura 10%, indústria 19% e serviços 71%. Em 1940, segundo o IBGE, mais de 60% da população economicamente ativa do Brasil (tira idosos e crianças) trabalhava no campo, na roça. Desde então, o setor de serviços dobrou. Esses dados estão em um estudo que o IBGE divulgou em 1990 chamado Estatísticas Históricas do Brasil. Lá estão dados de áreas brasileiras como trabalho, eleições, produtividade e tráfico de escravos.

Quem está no setor terciário? Provavelmente você. Programadoras, publicitárias, jornalistas, executivas, vendedoras de loja, engraxates, cozinheiras, podcasters, youtubers, empregadas domésticas, cientistas, gerentes comerciais, pedreiras, enfermeiras, cirurgiãs, trapezistas, baristas, vendedoras de água na área da milícia, vendedoras de apartamentos construídos ilegalmente na área de milícia, ex-policiais co-optados para fazer segurança e executar pessoas que desafiem os planos dos chefes da milícia, deputados ligados aos controladores da área da milícia… Todo mundo mesmo.

É fácil notar como o setor terciário foi o principal responsável pelo crescimento do PIB no Brasil nas últimas décadas, o que mostra um desenvolvimento econômico da sociedade. O crescimento do setor de serviços está atrelado a uma melhora tanto no PIB per capita como na educação da população. E isso não é exclusividade do Brasil: o setor de serviços na China correspondia a pouco mais de 20% da economia local em 1983. Trinta anos depois, a participação mais que dobrou, segundo o Banco Mundial, e isso durante um período em que a China passou por uma industrialização pesada. O processo de globalização fez com que a maioria das empresas globais repassasse a fabricação de tênis, computadores, cadeiras de praia, smartphones, roupa de festa e anéis penianos para fábricas chinesas pela questão do preço.

É nesse setor de trabalho que estamos: os serviços dominam a economia brasileira e não há indícios que isso vá retroceder. Se for mudar de alguma maneira será na automatização do setor terciário num nível parecido com o que as máquinas de grande porte fizeram no setor secundário há mais de 50 anos. A galera que trabalhava em fábricas e foi substituída por robôs acabou encontrando guarida no setor de serviços. É o famoso empreendedorismo brasileiro do “se vira”, algo que você pode ver facilmente nos últimos anos pelas ruas de qualquer cidade brasileira. Pegue um Uber e encontre um engenheiro. Compre marmita e descubra que quem vende fechou a loja de material de construções que tinha. Contrate um pintor de paredes e descubra que ele tem diploma de jornalismo. Olhe atentamente aquela fila enorme de desempregados de um novo processo seletivo e encontre graduados em diferentes áreas. Todas essas histórias são reais.

O trabalho na fábrica foi sendo regulamentado para vetar, por exemplo, crianças trabalhando 12 horas por dia. Preste atenção: não estou defendendo que o trabalho da indústria é 100% seguro e humano — é só lembrar os casos da Foxconn na China e suas redes para evitar suicídios de funcionários. O ponto é que, de maneira geral, a regulamentação ajudou a dar qualidade de vida ao trabalhador, o que, segundo alguns estudos, impactou a produtividade e, consequentemente, o lucro do dono da fábrica.

A mudança do trabalho na fábrica para o trabalho criativo, principalmente aquele permitido pela proliferação da tecnologia pessoal, tirou uma parte dessas amarras, já que, com um celular na mão, os horários de trabalho e descanso se misturam. Aquela fronteira clara entre quando é hora de trabalhar e quando é hora de descansar, já que as ferramentas todas são muito boas, não existe mais. Mas só ter as ferramentas não significa muita coisa se a cultura do trabalho ainda pertence ao modelo tradicional das fábricas — tocou o apito, você larga a caneta e vai viver a sua vida, já que o empregado já dedicou as horas que a empresa pagou.

Ainda faltava algo para completar a glamourização. Era preciso uma mudança de cultura. É aí que entra uma das maiores caipirices do atual mercado de tecnologia — e eu digo caipirice com a experiência de quem cresceu em Jundiaí (SP), um dos possíveis cenários da Família Buscapé se a Família Buscapé tivesse nascido no patropi.

Lee Iacocca é um dos executivos que criou o Mustang, carro que deu à Ford um novo gás e tirou a Chrysler das portas da falência na década de 80. Em 1984, ele escreveu uma autobiografia focada no seu histórico corporativo que vendeu que nem pão quente. Entre em qualquer sebo hoje que você vai encontrar o livro com ele na capa com os braços levantados.

Lee Iacocca com os braços atrás da cabeça, como na capa da sua autobiografia.
Lee Iacocca na capa da sua autobiografia.

A projeção que Iacocca ganhou com o livro foi enorme para a época, mas hoje é fichinha perto da idolatria que a sociedade desenvolveu por executivos de tecnologia. Isso começou, principalmente, com o Steve Jobs, um sujeito tecnicamente brilhante, mas que, pessoalmente, se negou a reconhecer a paternidade da sua filha Lisa mesmo quando ele já era multimilionário na década de 1980. Jobs abriu a porteira e daí vieram Brin, Page, Musk, Bezos, Zuckerberg, Systrom, Spiegel… (Eu deixei o Bill Gates de fora já que a imagem de bom moço não acompanhou o Gates até ele se aposentar da Microsoft. Até então, ninguém queria ser Bill Gates.)

A história do empreendedor que começou do nada na sua garagem e construiu um império digital se tornou um farol, um objetivo de tão constante que virou na nossa rotina. Todo mundo quer ser esses caras. Ainda que essas narrativas não tenham muita relação com a realidade. Jobs efetivamente começou a Apple numa garagem (lugar que, inclusive, virou roteiro de peregrinação moderna), mas longe está o tempo em que um sujeito cheio de boa vontade e conhecimento técnico consegue construir uma multinacional em casa.

Uma parte do tecno-otimismo que o Tecnocracia se propõe a desmontar nasce de uma narrativa extremamente positivista que defende que a internet é a terra de todos, que qualquer um poder ser um “selfmade billionarie” só fazendo um serviço que todos gostariam de usar. “Só não ganha dinheiro na internet quem não quer”. A narrativa sempre foi fortemente calcada na iniciativa própria e histórias globais foram engrossando o caldo: o sujeito que abandona a faculdade e cria a maior rede social do planeta, o sujeito que abandona a faculdade e cria a maior distribuidora de softwares, o sujeito que abandona o banco de investimento para criar a maior loja online…

A cada novo milionário saído da internet, a narrativa calcada na pura iniciativa própria se fixava cada vez mais na nossa cabeça. Para entrar nos ramos petrolífero ou siderúrgico é preciso uma montanha de dinheiro. Essa barreira não existe na internet, prega o mito do empreendedor digital, essa atualização da Ayn Rand para o século XXI. O limite da sua riqueza é a o limite da sua imaginação e da sua capacidade de executar.

Não só isso. Se não conseguisse inventar algo, você poderia muito bem arrumar um emprego nas maiores empresas de tecnologia do mundo, usufruindo de escritórios com redes, mesas de sinuca, videogames, happy hours de graça, viagens e o escambau. A mídia adorou essa abordagem. Quantas reportagens você não viu enaltecendo o ambiente descontraído, sugerindo que, ali, trabalhar era quase igual a brincar? Foi uma escolha que balizou a estratégia de comunicação de todas as empresas de tecnologia. Todas. Afinal, era uma forma efetiva de atrair talentos. Quando o sujeito com potencial entrasse e percebesse que raramente ia jogar videogame ou sinuca pelo volume de trabalho e que a academia dentro do prédio e o serviço de lavar roupas eram apenas para deixá-lo completamente livre para trabalhar mais, já seria tarde demais. Ele já estaria acostumado.

A cultura das startups vive de workaholics motivados. Os salários costumam ser uma merda e tem muito trabalho, mas há a “orgulho” de ostentar o crachá nos almoços de família e a auto-ilusão de estar contribuindo em nome de um bem maior. Que bem? As respostas são genéricas. A historinha contada pela empresa não se aprofunda muito.

Eu não estou entrando no mérito se essas premissas estão corretas (lá na frente você vai ver que não). Meu ponto é identificar as colunas que justificam essa cultura segundo a qual não basta trabalhar para pagar contas. É preciso trabalhar muito — e com orgulho — tendo em vista um objetivo inicialmente inatingível. É preciso sofrer pelo trabalho. Quando alguém te pergunta como você está, a resposta certa é sempre um “nossa, tô trabalhando muito”, o que lhe confere uma falsa impressão de ser importante por estar tão atarefado.

É o que o filósofo alemão Byung-Chul Han chamou de “sociedade do desempenho”. Byung-Chul Han é autor de um livro sobre o qual você já deve ter ouvido falar chamado Sociedade do cansaço. O livro virou um surpreendente best seller no Brasil, o que fez com que sua editora, a Vozes, passasse a publicar até bula de remédio escrita pelo Byung-Chul Han.

O argumento do Byung-Chul Han é absolutamente coerente. A sociedade regida pelo dever e pela disciplina, tão bem explorada pelo Foucault, virou a sociedade do desempenho, em que todos buscam, incessamente, a automelhoria independentemente do custo. Se antes havia a necessidade de uma interação entre dominador e dominado, o excesso de positividade junta ambos na sociedade do desempenho. Escreve Han:

A queda da instância dominadora não leva à liberdade. Ao contrário, faz com que liberdade e coação coincidam. Assim, o sujeito de desempenho se entrega à liberdade coercitiva ou à livre coerção de maximizar o desempenho. O excesso de trabalho e desempenho agudiza-se numa autoexploração. Essa é mais eficiente que uma exploração do outro, pois caminha de mãos dados com o sentimento de liberdade. O explorador é, ao mesmo tempo, o explorado. Agressor e vítima não podem mais ser distinguidos. (…) Nessa sociedade coercitiva, cada um carrega consigo seu campo de trabalho.

A humanidade conseguiu criar uma paranoia sustentável de produtividade, onde o próprio escravo se explora sozinho. É uma das razões pelas quais The Good Place não é tão bobinha como parece à primeira vista.

A adoção dos pioneiros de tecnologia como ídolos, lubrificada pelo discurso de que, se eles conseguem, qualquer um pode repetir, fez com que minha geração em diante criasse a incrível realidade em que se ferrar no trabalho é glamouroso, digno de repetir a plenos pulmões para todos. Quem não está cheio de trabalho até a tampa, com certeza, competente ou bom sujeito não é. O excesso de trabalho, as horas e horas no escritório, a conversa de bar que, inevitavelmente, cai nas metas do trimestre viraram medalhas, badges de honra para provar nossa importância. A gente é o burro na carroça e o sujeito com o chicote ao mesmo tempo.

Na tentativa de espremer mais uma tarefa numa rotina fraturada, viramos sommelieres de ferramentas de produtividade, achando que a nova técnica será capaz de tomar ainda mais tempo. A obsessão que temos com cadernetas, GTD e notificações coloca uma camada extra de complexidade e coordená-la vira uma nova tarefa em si, o que faz a pilha de obrigações aumentar em vez de diminuir.

Baseado nesse positivismo de que é possível fazer tudo, a crença na autocapacidade se aproxima do culto. Se a coisa não dá certo, o único culpado é você. E dá-lhe ignorar a culpa que inevitavelmente aparece para impedir uma queda no desempenho e na produtividade. Dopa-se para se esquecer das limitações humanas. Nem sempre dá certo. “Essa autorreferencialidade gera uma liberdade paradoxal que, em virtude das estruturas coercitivas que lhe são inerentes, se transforma em violência”, diz Han. “Os adoecimentos psíquicos da sociedade do desempenho são precisamente as manifestações patológicas dessa liberdade paradoxal”. Sem barreiras para as horas de trabalho e motivado pela positividade que faz do excesso de trabalho algo lindo aos olhos dos outros, o corpo da gente não aguenta e quebra. E dá-lhe síndrome de pânico, estafa profissional, burnout, ataque de pânico na mesa de trabalho… Ninguém é máquina, ainda que a gente tente, de alguma maneira, trabalhar como uma.

Quando a onipotência se encontra com as limitações humanas, vem o burnout, uma doença tão séria que foi chamada de mal do século pela Organização Mundial da Saúde e ganhou seu próprio CID, o código internacional usado para classificar doenças. Uma pesquisa da International Stress Management Association estima que 32% dos trabalhadores brasileiros já sofreram ou sofrem de burnout. Um terço! É coisa para cacete.

A positividade que embala a glamourização do excesso de trabalho se baseia também na premissa de que a internet permite a qualquer um virar um bilionário da noite para o dia. Eu cobri o mercado de tecnologia no Brasil durante 13 anos, então deixa eu te falar uma coisa: é balela.

São raríssimas as empresas de internet no Brasil que nasceram da mente de um gênio sem qualquer apoio — e eu falo que são raríssimas por dar a vantagem da dúvida. Na primeira fase da internet no Brasil, até tinham alguns malucos que deram certo depois de serem alvo de chacota alheia. A história do Jack London é exemplo disto. O cara fundou a Booknet para vender livros online, as editoras deram risada na cara dele e, anos depois, o GP Investimentos comprou a startup e a transformou no Submarino, que existe até hoje. O Jack foi tocar a própria vida e cuidar dos filhos — um deles virou o Jimmy, vocalista do Matanza.

A partir do momento que começou a entrar dinheiro na internet brasileira, acabou essa história do louco desvairado que cala os críticos. O mercado ganhou estrutura. Ganhou “stakes”. Hoje, todas essas startups enaltecidas e festejadas vieram de uma maioria de homens com carreiras de sucesso e ótimas conexões para levantar capital.

A 99 veio de uma dupla de amigos que já tinha outro negócio lucrativo e um deles passou pelo Google. O fundador do Nubank era o responsável por buscar negócios para a Sequoia, o fundo mais tradicional da história do Vale do Silício. A Easy Taxi só foi para dezenas de países por fazer parte da Rocket, uma aceleradora alemã com operações nesses países. O Mercado Livre nasceu da cabeça de um argentino em Stanford, com o apoio e o dinheiro de alguns dos caras mais bem conectados do Vale. O iFood é o produto de uma consolidação em série por uma empresa capitalizada e versada na estratégia 3G de comprar e integrar. E nem estamos falando das empresas que implodiram totalmente no meio do caminho. O que você mais encontra é engenheiro que cansou de consultoria e banco de investimento e resolveu empreender. Está entendendo a toada?

As pessoas se esquecem que os grandes de tecnologia hoje são os pioneiros. A maior rival da Amazon era o Walmart, o maior varejo analógico do mundo. A próxima Amazon não vai enfrentar uma empresa tradicionalmente analógica, mas a própria Amazon, uma empresa nascida online, com bilhões em caixa, milhares de programadores excelentes, uma máquina de lobby poderosa e comandada por um dos caras que mais entendem do mercado no mundo.

“Ah, Guilherme, se aconteceu com eles, pode acontecer comigo”. Pode. Mas a saída aqui não é acordar às 5h da manhã para ver “live” ou adoçar café com óleo de coco. O sucesso de todos esses caras não foi decorrência do estilo de vida. Você não vira modelo de passarela por que vai jantar no Spot1 — o caminho é o inverso. Esse ambiente da glamourização do excesso de trabalho é o ideal para a proliferação do discurso do coach, um movimento que prega mais a motivação que a capacitação.

A maioria dos coaches engrossa esse discurso de ser workaholic sem um objetivo claro em mente. Ao dizer que o segredo está sempre dentro de você, o discurso de coach sugere que você se basta. Você desfaz das “amarras mentais” e se atira no que quer fazer. Onde está o preparo? A dedicação? Os anos de prática? Há um termo em japonês para definir um artesão, o sujeito que passa a vida dedicado a uma atividade para dominá-la: “shokunin”. É algo diametralmente oposto ao discurso coach — é a prática, o exercício no lugar da motivação.

O dia em que você tiver caído no discurso coach, vai assistir Jiro Dreams of Sushi2, um documentário sobre o sushiman mais premiado do mundo e veja o funcionário que passou quatro meses fazendo um sushi de ovo até que Jiro decidiu que, finalmente, a comida tinha qualidade suficiente para ser servida. Quatro meses, mais de 200 no lixo. “Eu fiquei tão feliz que chorei”. Não estou defendendo que você vá para o outro extremo — diga não aos movimentos pendulares na vida para não eleger um Trump depois de um Obama. A questão é: para que atividade você está investindo seu tempo esperando dominá-la totalmente em anos? Em marcar evento pelo Google Calendar, fazer “live” no Instagram para cem pessoas, preencher PowerPoint com nome de cliente?

Por que a gente faz parte da sociedade do cansaço? O que estamos produzindo de tão importante para deixar todo mundo esgotado? Qual é o grande objetivo? Há uma diferença enorme entre estar ocupado e fazer alguma coisa útil. Com tanta distração, tanta ferramenta, estar ocupado hoje é babinha. Qualquer um consegue. Qualquer um consegue explorar essa ideia caipira de “se é ocupado deve ser importante” se enchendo de tarefinhas irrelevantes.

Mas para resultar no quê? Qual é o fim deste caminho, o que ele produz? Abraçar esse movimento de glamourização do excesso de trabalho, de trabalhar a toda hora, e essa crença semirreligiosa de que “tudo é possível, basta eu querer muito e trabalhar muito” tem suas consequências, principalmente para a nossa saúde mental. Algumas coisas não são possíveis. Eu, por exemplo, jamais vou ganhar o concurso de “Mister Postura” ou vou fazer parte de uma equipe olímpica de ginástica artística. É da vida. Acontece. A possibilidade infinita é discurso publicitário — e você pode tudo, então você não atingiu esse tudo por incompetência tua; você está ferrado na vida por culpa tua. Boa sorte em lidar com a autoculpa galopante que vai chegar.

O trabalho tem um espaço na vida. Se você não é bilionário, você tem que trabalhar. Afinal, os boletos continuam chegando. Num momento de crise econômica prolongada como essa que o Brasil vem passando há cinco anos, nem todo mundo tem o privilégio de poder escolher o que fazer. Se você pode, pare, dê dois passos para trás e se pergunte no que você está dedicando as horas da sua vida. Periga a gente ficar tão ocupado, preenchendo cada horinha do dia com tarefas, que sejamos incapazes de perceber que, nessa inércia, nada importa. Nada.

Foto do topo: Eugene Kim/Flickr.


  1. O Spot é um restaurante cool em SP em que modelos masculinos e femininos frequentam e atendem as mesas. Só tem garçom bonito, é impressionante.
  2. Na data da publicação deste post, o documentário estava disponível na Netflix e no Amazon Prime Video.

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

22 comentários

  1. Essa coisa “coachzeira” de “a resposta está em você, padawan” me lembra a explosão dos blogs no Brasil. Aquele pessoal que nem merece citação vendendo — literalmente, em alguns casos — a ideia de que bastava querer e se dedicar, e você montaria um blog e ganharia muito dinheiro do Google, de afiliados e sabe-se lá quem mais. Publicavam prints (às vezes falsificados) com rendimentos fantásticos, vendiam “cursos”, palestras, etc.

    Eu fui um dos abobados que caíram nessa. Passei os anos seguintes dedicando quase 100% do meu tempo livre à produção de conteúdo. E não que eu fosse um aleatório completo: já tinha alguma experiência na parte técnica, sempre gostei de escrever. Parecia perfeito. Me auto-escravizei com um sorriso na cara.

    Resultado? Meus sites são fracassos financeiros e se dependesse deles pra viver, estaria vendendo água em área dominada pela milícia ou algo do gênero… Mas aí vejo as vagas vindas dos Linkedin da vida e penso que poderia ter sido ainda pior, um escravo em tempo integral. Menos mal se quem tinha o chicote era eu.

    1. Exato, Daniel. A ideia de que bastava querer para fazer um blog de sucesso se transformou na ideia de que basta produzir conteúdo para ser um influenciador digital. Produzir conteúdo para a internet desafia qualquer sanidade mental – a internet é um bicho que quer sempre mais. Vai ser um dos Tecnocracias futuros.

      Abs,

  2. Muito tempo que não lia um texto que não artigo jornalístico ou científico tão bom.

    Acho que vale aprofundar os efeitos dessa discussão na periferia do capitalismo, onde se superexplora a mão-de-obra, principalmente devido aos ofícios penosos, que envolvem a força física, ao invés do conhecimento abstrato e valorizado. Aqui, estamos configurando essa “ética da produção” (entre aspas porque não sei qual o termo acadêmico para esse tema) para tratar motorista de Uber e entregador de bike como uma espécie de empreendedores, que pode flexibilizar seu período de trabalho a gosto para tirar uma grana a mais. Daí, temos essa situação terrível de entregadores de bike pedalam 13 horas por dia, dormindo em praça pública quando tem uma janela de folga dentro do período de trabalho.

  3. Todo esse podcast me deu um gosto de nostalgia quando eu estava na UFRGS, mais precisamente cursando matemática. Nessa época de curso de exatas era normal as pessoas (alunos) estarem sempre ‘na correria’ e exibirem isso como um grande troféu. Eu, um largado que fazia o que eu achava sensato, era deixado de lado junto com mais alguns colegas que não partilhavam da ideia torpe de se matar de estudar e trabalhar. Hoje em dia alguns colegas ainda estão nessa tocada de se achar melhor do que os outros por estarem sempre estressados e sem tempo pro causa de trabalhos em empresas de TI que sugam a vida deles.

    Como eu sempre digo: a vida não é uma competição pra ver quem se mata de trabalhar primeiro.

    A última coisa é que enquanto eu ouvia o podcast me veio na cabeça a frase do George Costanza: “I always look annoyed. Yeah, when you look annoyed all the time, people think that you’re busy. Think about it.”

  4. Guilherme / Ghedin, o podcast Tecnocracia está com link desatualizado no app Pocketcasts para Android, não está mostrando o Tecnocracia #22.

  5. O seriado da Netflix citado no podcast (não assisti) parece exatamente uma versão atualizada da peça teatral “Entre Quatro Paredes”, do filósofo Jean Paul Sartre, que é uma peça tese onde ele expõe as bases do existencialismo e do conceito de que “o inferno são os outros”.

    Fora isso, parabéns por mais um excelente episódio.

    1. A audiência do Tecnocracia é outro nível: eu trago The Good Place, a galera traz Sartre. Não conhecia, Kemel. Muito obrigado! Abs,

  6. Essa introdução ta ‘braba’ de ler hein? da pra cortar o texto na metade, muita enrolação, parei no segundo parágrafo.

    1. Carlos, esse é o formato do Tecnocracia. Se não quiser ler, pode ouvir nas plataformas de streaming. Abraços,

  7. Mais um excelente texto, e excelente episódio no podcast, Guilherme.

    Eu encontro algum reforço nos dados do setor terciário que você apresentou no episódio no livro “O Mito da Classe Média”, de Márcio Pochmann, que basicamente é um relatório de estatísticas explicando a formação das classes médias mostrando a distribuição de renda, investimentos sociais e história do mercado de trabalho na Europa e Américas desde o pós-guerra.

    Dá um pouco de desconforto de pensar no que vai acontecer quando surgir uma automação do setor terciário porque, como você apresentou no podcast também, houve um movimento de transferência do setor industrial para a Ásia e crises globais também contribuem nesse processo. Ou seja, aparentemente nós por aqui não teremos muitas opções de se recolocar.

    Embora a gente ainda não tenha respostas tão nítidas sobre o que fazer, mesmo que o caminho seja subverter o sistema, a lógica meritocrática só atrapalha. Obrigado por sempre trazer estes choques de realidade lúcidos, embasados.

    1. Tenho seríssimas restrições ao conteúdo do Márcio Pochmann. Não foram poucas as vezes em que a ciência e as estatísticas ficaram atrás da crença política, numa espécie de Mises do sinal trocado. Tenha cuidado.

      1. Obrigado pelo aviso! Talvez sejam os mesmos motivos pelos quais eu tenha restrições sobre as concepções dele e da Marilena Chauí, que fez o prefácio desse mesmo livro em questão, sobre classe média e elites.

        O ponto que pra mim foi bom do livro é justamente o embasamento, são várias estatísticas de fontes sérias (IBGE, UFRJ, IPEA e outras bibliografias). Mais uma vez citando o livro em questão, para avaliação da história econômica das sociedades ao longo do século XX é muito bom.

        Foi publicado em 2014, e embora ele não entre em detalhes defendendo programas econômicas (mostra apenas os resultados factuais) acho que é importante perceber e se resguardar de um certo grau otimista que ele aponta para os índices da década de 2010.

        Eu não esperava receber retorno aqui no comentário, quanto mais logo seu. Fico muito grato, Guilherme, aprendo muito com o Tecnocracia!

  8. Ótimo texto.

    Apenas uma pequena correção: o Universo não está desacelerando, mas sim se expandindo a uma velocidade crescente. Ainda não há uma explicação conhecida para este fato, atribuindo-se esta aceleração à chamada “energia escura”.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!