Eventos

O dia em que Dr. Rey me ensinou a ser feliz e bem-sucedido

Dr. Rey com a mão na boca.

Ontem fui conferir a palestra do Dr. Robert Rey, o cirurgião plástico das estrelas de Hollywood, garoto-propaganda da PoliShop, apresentador de TV e, agora, político com o sonho de mudar o Brasil. Ufa! Onde ela arranja tempo e disposição para fazer tudo isso!?

Entre seus muitos empreendimentos, Dr. Rey já teve um pezinho na tecnologia. Em 2009 ele uniu forças com a rede social QuePasa, para onde levou sua comunidade online de fãs e lançou um joguinho de Facebook, o que rendeu este momento memorável no Lektronic com Erik Gustavo:

Livros recomendados pelo Manual do Usuárioo

Ok, era só uma desculpa para aparecer lá e conferir o que essa figura tinha a dizer. A palestra não era sobre tecnologia, e durante a fala ele sequer chegou perto disso. Intitulada “A arte de ser feliz e bem-sucedido na vida e nos negócios,” a promessa do Dr. Rey era contar os segredos e estratégias que o levou a ser, nas palavras do próprio, o cirurgião plástico mais famoso da história.

Antes de começar tivemos um pequeno imprevisto. A última de uma série de palestras feitas no Paraná, a caminho de Maringá Dr. Rey teve uma indisposição e atrasou em quase uma hora. Pelo menos curtimos uns PowerPoints inspirados ao som de Alan Jackson com fotos de c@v@los ao fundo nesse meio tempo:

c@v@lo

Quando ele chegou, soltaram um vídeo com Dr. Rey atendendo pacientes, Dr. Rey com a família, Dr. Rey lutando kung fu, Dr. Rey… bem, Dr. Rey sendo Dr. Rey. E, depois, surgindo do fundo do salão, em carne, osso e bronzeado artificial, de óculos espelhados, estetoscópio no pescoço e seu característico uniforme decotado, o Dr. Robert Rey entrou sob aplausos da plateia!

O mote da sua fala era valorizar a auto-estima do brasileiro. Para ele, a falta disso é o pior problema do nosso país, à frente até da corrupção na política — política, aliás, que veio a se tornar um ponto bastante recorrente em sua fala. Citando inúmeros inventos revolucionários assinados por brasileiros, ele queria provar que nós não somos pior que ninguém, que nenhum “gringo,” como costuma falar.

Entre (muitas) histórias da infância, formação e de como chegou à sua posição atual, Dr. Rey deu algumas dicas de como ser feliz e bem sucedido. Entre elas, escolher bem o cliente (ele se gaba de ser o médico que mais rejeita pacientes, 90% de quem o procura) e buscar o sucesso antes do dinheiro, já que esse é consequência daquele (“se você gosta de dinheiro, vire banqueiro,” disse).

A afetuosidade e o amor são características imprescindíveis para o sucesso e, para a nossa sorte, inerentes ao povo brasileiro. (Discordo um tanto, mas divago.) Temos um carisma especial que, segundo Dr. Rey, o mundo inteiro aprecia. Não só: ele diz que o trato com os pacientes é o que lhe destaca dos médicos americanos, sempre frios e distantes emocionalmente. Para ele, o toque humano cura 40% dos casos, como o remédio que mais cura no mundo, a aspirina.

Fã tira foto do Dr Rey.

Outros números foram proferidos pelo palestrante. A parceria com a PoliShop? Com 22 produtos, a faixa do Dr. Rey teve faturamento de US$ 100 milhões. Quer consultar com ele? Entre na fila de espera, de dois anos. E prepare o bolso: meia hora custa US$ 5 mil. Ele também contou algumas histórias da sua vida na academia, e dos colegas que teve — herdeiros dos Kennedy, o ex-presidente mexicano Felipe Calderón, princesas, príncipes e até o ator Brad Pitt num curso de dramaturgia. Ah sim, Dr. Rey também é ator.

Depois de ganhar muito dinheiro como médico, empreendedor e apresentador de TV, seu sonho atual é vencer uma eleição no Brasil e engrenar na carreira política. Ano passado ele concorreu a uma cadeira no Congresso, para Deputado Federal, por São Paulo. Filiado ao PSC, o tema política foi bastante recorrente em sua fala. E, nessas horas, ele revelou uma faceta que eu realmente desconhecia.

Dr. Rey é um cara bem conservador.

Para Dr. Rey, a vida deve ser levada numa boa, com bom humor e descontração para evitar rugas, exceto em momentos profissionais — no seu caso, quando está com o bisturi na mão ou lutando por uma vaga no governo. Sua candidatura, que se orgulha em dizer ter sido paga do próprio bolso, sem doações corporativas, nem compra de votos, fracassou. Ele parece irritado com o fato do seu concorrente do PR em São Paulo, Francisco Everaldo Oliveira Silva, vulgo Tiririca, ter sido eleito. “Votar não é brincadeira, e votar em palhaço, não é engraçado,” disse.

Dr. Rey parece contrário à vinda de médicos cubanos ao Brasil, é contra o desarmamento da população civil e reclamou da onda de inflação deflagrada nos últimos meses. Acredita, também, estarmos vivendo uma espécie de crise moral nos últimos anos, e acha que o sucesso depende diretamente do temor a Deus (e do pagamento do dízimo), a ponto de permitir a saída “aos três ateus que sempre aparecem nas palestras,” porque nada ali funcionaria sem a religião. (Era a minha deixa, mas continuei.) Tinha a imagem do Dr. Rey da TV, aparentemente equivocada, como a de um cara mais liberal, por isso a surpresa quando notei que na minha frente estava alguém bem conservador.

Apesar de tudo, o Dr. Rey clássico da TV estava ali. Ele interagiu o tempo todo com a plateia, pedindo a pessoas aleatórias para que se levantassem e recebessem salvas de palmas. E, com seu jeitão galanteador, mandava cantadas indiscriminadas às mulheres, maioria na plateia, tocava o cabelo de algumas, elogiava, pediu a uma médica que lhe fez uma pergunta que subisse ao palco e desse uma rodadinha… enfim, Dr. Rey. Uma hora ele parou a palestra para elogiar os seios de uma mulher! “Já fiz 33 mil pares de peitinhos, então quando vejo um perfeito feito por Deus, é uma emoção,” ou algo assim.

A melhor maneira de acompanhar o site é a newsletter gratuita (toda quinta-feira, cancele quando quiser):

Acompanhe também nas redes sociais:

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

64 comentários

  1. O cara tem uma pegada cômica em volta dele, é um meme de carne e osso. Mas na real, é um bom profissional e sem dúvida pode contribuir com suas palestras.

  2. Fiquei surpreso com o currículo dele, graduado em Bioquímica e Medicina, e mestrado em Políticas de Saúde(?) além de ser ator.

  3. “…porque nada ali funcionaria sem a religião. (Era a minha deixa, mas continuei.)…”
    Ghedin achei o texto bem interessante…. até aí. Não por ter minha religião, mas, fico muito triste quando vejo o pessoal desqualificando a religião e citando como se fosse negativo ter uma religião. Aliás, parece modinha dizer que é ateu e tal.
    Acho que este comentário seu não acrescentou em nada no texto, pois, para o cara da palestra a religião é importante. Pra você, não, tudo bem. Mas, dizer que era a sua deixa para sair da palestra por causa disso…. aí forçou a barra.

    1. Sergio, eu não acredito em “perseguição contra ateus;” acho isso uma bobagem. E, na real, não me importa muito o que alguém como Dr. Rey ache ou não de quem não tem religião. Estou bem assim e respeito quem acredita — gente muito próxima de mim, aliás, é bastante religiosa.

      O ponto é que, falando a uma plateia de desconhecidos, discursos extremistas como esse soam excludentes, ruins. Não é uma característica que eu, por exemplo, possa alcançar. Segundo Dr. Rey, estou fadado ao fracasso por uma (não) crença pessoal.

      Sei que o que importa é que o leitor entende, não o que eu quero passar ao escrever, mas esse trecho em parêntese foi apenas uma maneira sutil de contrapor as ideias conversadoras do palestrante, o mesmo que fiz com as opiniões dele sobre médicos cubanos, porte de armas e voto. Desculpe-me se entendeu diferente.

      1. Ghedin, entendi o que você quis dizer.

        O que acho ruim é que normalmente posts assim acabam em uma discussão que não tem nada a ver com o tema central. E isso me incomoda. Acompanho o seu site e outros, sobre tecnologia para me manter informado sobre isso: tecnologia. Esse é um post (minha opinião) daqueles para descontrair um pouco, e tal. Só que quando chega na religião geralmente vem um monte de ofensas sem sentido e me desagrada, pois, tenho minha religião e não saio por aí publicando, comentando, etc., que os ateus estão “errados”. Tenho minha opinião e respeito muito quem não compartilha comigo minhas crenças. Mas, como falei, hoje em dia é moda falar que religião “não tem nada a ver” e por aí vai.

        Mas, de novo, entendi seu comentário. Obrigado pela resposta.

      2. A “perseguição contra ateus” não existe até o momento em que a religiosidade mais extremista ganhe poder. Como está acontecendo paulatinamente com o Brasil. Discursos excludentes e de ódio a ateus são comuns e ficam cada vez mais comuns. E é assim que a sociedade se torna intolerante, com a indiferença dos formadores de opinião quanto a discursos a atitudes extremistas. Por isso, meus parabéns por ter mostrado essa passagem dessa “palestra”.

    2. Cara, imagine a seguinte situação:

      Você vai em um lugar, num conselheiro, sua vida está normal, e ele simplesmente diz que porque você é canhoto, você não vai chegar a lugar nenhum, pois essa é a opinião dele e para ele isso é lei. Com isso, você sabe que esse tipo de pessoa, no seu ponto de vista, não vai ser um bom conselheiro para ti.

      1. Sim, concordo com você. É ponto de vista dele e deve ser respeitado.

        O meu questionamento é sobre dizer que vai deixar o local por isso. Achei que esse comentário aí foi desnecessário e dá argumentos pra galera que não tem religião (nada contra) começar a disparar que o cara está errado, e aí já viu onde chega.

        1. Até acho que pode sim alimentar os ateus de facebook, aquele povo que ama discutir religião por lá, mas acho que um comentário nesse sentido: “porque nada ali funcionaria sem a religião”, se a pessoa não compartilha os mesmos ideais, ou não é tão devota, com um clima que já estava, o ideal é mesmo sair, e ACHO, que foi bom essa adição no texto para mostrar que não são apenas os ateus de carterinha da ATEA que ficam desconfortados com esse tipo de comentário.

          1. Ateu mesmo não está nem aí com isso, vive a vide dele. O pessoal de “organizações atéias” é que estão errados, isso não é uma organização, era pra ter liberdade ao pensar sobre o assunto, e permitir o mesmo.
            Os crentes da ATEA são ignorantes e hipócritas a partir do momento que se organiza, como uma religião, que tanto desprezam. E pregam da mesma maneira.

          2. Pois é, parece que a maioria da humanidade tem a necessidade de fazer parte desse tipo de rito, que pra mim (opinião muito particular, me xinguem em pensamento) é uma fraqueza.

          3. Mas qual o problema de se reunir com pessoas que tem as mesmas opiniões, que gostam de discutir determinados assuntos? Entendo que essa é uma opinião pessoal sua, mas ataca o direito de associação pelos motivos errados.

          4. Falou tudo, faço do seu, meu comentário sobre. Não sei porque criticam tanto os crentes em religiões e fazem o mesmo.

        2. É que foi mesmo uma deixa. O próprio Dr. Rey disse para “os três ateus” deixarem o lugar. O trecho entre parênteses foi só uma tentativa de fazer humor em cima da deixa dele :)

  4. Nossa… Ultra conservador e retrógrado..
    Assim como nosso congresso atual.. (Eduardo Cunha)

    Se a Dona Dilma fosse mais mole ou tivesse entrado o Aecinho, já estaríamos a essa hora com:

    – menores presos e fazendo curso com alta bandidagem,
    – população armada e muitos doidos se matando,
    – homofobia considerada normal,
    – conceito de país “laico” sendo considerado um “pecado”,
    – corrupção aumentando vertiginosamente e com apoio da mídia e bancada evangélica,

    – enfim, retrocesso total e lamentável.

    Ps1: uma parte da classe médica, apenas não aceitava a vinda dos médicos cubanos porque eles custaram a metade dos brasileiros, para ir aos locais mais distantes e menos desenvolvidos do país. Medico mauricinho do Brasil prefere chantagear o governo… Tipo: – Me paga 30 mil q eu “aceito ir lá por um tempo”… E não concordou que um cubano vá pela metade…
    (e isso que muitos brasileiros nem por dinheiro algum aceitariam ir a lugares ermos e muito simples)
    Este ano a coisa já mudou… As vagas do programa Mais Médicos foram 100% preenchidas por brasileiros.

    Ps2: estamos numa democracia.. Eu, entre os 2, sou 1000 vzs o Tiririca.

    (Dr. Rey = gringo marqueteiro hipócrita picareta.. Pq não volta pra América e seu sistema de saúde precário?)

    http://m.internacional.estadao.com.br/noticias/america-do-norte,entenda-sistema-de-saude-dos-eua-exclui-46-milhoes,431943

    1. Dr. Rey é brasileiro vindo da Lapa de baixo, da zona Oeste de São Paulo, mas foi adotado, salvo engano, mas certeza que é brasileiro.

    2. Dr. Rey é brasileiro vindo da Lapa de baixo, da zona Oeste de São Paulo, mas foi adotado, salvo engano, mas certeza que é brasileiro.

    3. Seus “argumentos” são falaciosos e contraditórios, não sei se por falta de informação ou déficit cognitivo grave. Ou ambos.
      Mas vou desenhar: (1) a bancada evangélica é da base aliada da tal Dona Dilma, e dela recebe todo o apoio; (2) não há nada no programa de governo do Aécio que apoie os fatos que você citou. Afirmar isso é ser muito tendencioso ou dissimulado; (3) o Programa Mais Médicos é um remendo transitório que não busca a implantação de uma carreira digna que permita o médico ser fixado no interior. É o fácil vencendo o certo, como tudo neste desgoverno. Além disso, o Mais Médicos tem diversos indícios de corrupção, fomento ideológico e, o pior de tudo, exploração de médicos cubanos, que recebem não metade do que é pago, mas apenas 10 porcento, com a família ficando refém em Cuba. O “Programa” está sendo investigado pelo MPF e TCU.
      Informe-se e evite divulgar o que não conhece.

  5. Pelo visto este cara é muito, muito mais nojento do que pensava… obrigada pelo texto!

    (edit: o que te fez achar que ele era mais liberal?? tás é loko :P)

      1. Até faz sentido, cara que mora numa cidade extremamente liberal, ganha a vida com pessoas supérfluas que querem mudar seu corpo, salvo as por motivo de necessidade maior, é casado com uma compradora compulsiva e é amado na sociedade gay, nos Estados Unidos.

      2. talvez fizesse sentido se a maioria das pessoas com que ele trabalhasse se mostrasse liberal, não sei, hahaha

  6. “Já fiz 33 mil pares de peitinhos, então quando vejo um perfeito feito por Deus, é uma emoção,” ou algo assim.

    Muleeeeeeeeeeke Transante!!!!! rs

  7. Eu lembro que ele estrelava um reality show tosco demais no canal E! se eu não me engano…a esposa sofria com ele. Acho que ela não aguentou as peruadas dele e meteu o pé hahaha

  8. Cara, as avaliações de nádegas na tv que ele faz no carnaval são impagáveis. É TV Trash da melhor qualidade

  9. Hoje estou comunicativo, perceberam?

    Mas aqui vou ficar calado, já que minha posição política e moral causa brigas, e eu já estou velho pra isso.

  10. Que lixo de palestra. É o mesmo vômito genérico de qualquer palestrante de auto-ajuda empresarial.

    Será que os negócios de licenciamento dele realmente estão faturando? Por que que ele está fazendo essas palestras em cidades pequenas do país (de norte a sul) que geralmente ficam a cargo de palestrantes em fim de carreira?

  11. interessante as dicas dele, mas ele é conservador demais mesmo.
    eu jurava que ele era gay até assistir a entrevista com o danilo gentili.

  12. Quando eu vi o outdoor anunciando essa palestra, pensei: Quem é o doido que vai assistir isso? #encontramos :)

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!