Os melhores celulares deixaram de ser os mais caros

22/2/19 2 comentários

As apresentações públicas de novos produtos de tecnologia seguem um roteiro manjado. Os apresentadores, geralmente executivos da empresa, começam exibindo números positivos e/ou falando de alguma iniciativa que supostamente faz bem ao planeta. Depois, lançam um problema que, sem surpresa, o produto que será revelado dali a pouco consegue sanar. No clímax, entra um vídeo pomposo e, tcharam!, eis que aparece o melhor produto de todos os tempos — até a sua atualização ser anunciada no ano seguinte.

Essas apresentações acontecem em grandes centros de convenções ou em teatros imponentes, com uma importância insuflada que talvez a revelação do Santo Graal teria se descoberto. Alguém desavisado pode achar, pela circunstância e roteiro, que de fato o mítico cálice usado por Jesus Cristo na Última Ceia está ali, só que na forma de um pedaço de metal, vidro e placas de circuito que promete resolver todos os seus problemas.

Continuar lendo Os melhores celulares deixaram de ser os mais caros

Desculpe, Cora Rónai, mas você está errada quanto à privacidade na internet

13/2/19 4 comentários

Em sua coluna no jornal O Globo da última segunda-feira (11), Cora Rónai escreveu que “não há privacidade onde existe internet”. A declaração é problemática, pois uma falácia. Para muita gente — no Brasil, em 2015 já era mais da metade da população —, a internet está em todos os lugares. Se a lógica do texto valesse, não teríamos privacidade em lugar algum. E se não houvesse privacidade, estaríamos tacando pedras uns nos outros e fazendo valer, nas ruas, a Lei de Talião. Ou seja, a sociedade já teria colapsado.

Continuar lendo Desculpe, Cora Rónai, mas você está errada quanto à privacidade na internet

A ameaça do Spotify aos podcasts

8/2/19 15 comentários

Foi com apreensão que soubemos, nessa semana, que o Spotify adquiriu duas startups de podcasts. A empresa, que abriu capital em 2018 e, no último trimestre, apresentou lucro operacional pela primeira vez em seus quase 11 anos de existência, pretende se tornar o centro gravitacional de um setor que, até agora, se comporta como uma extensa galáxia: descentralizada, em expansão e com infinitos arranjos e pontos que merecem a nossa atenção.

Continuar lendo A ameaça do Spotify aos podcasts

Qual será a gota d’água que te fará sair do Facebook?

7/2/19 10 comentários

No final de 2018, Ryan Mac do BuzzFeed News publicou uma lista com todos os vacilos do Facebook ao longo do ano. “Literalmente apenas uma grande lista dos escândalos do Facebook em 2018” era o título da matéria, que elenca mais de 30 tópicos. Fazendo uma conta simples, ela revela que o Facebook protagonizou ou viabilizou alguma coisa errada uma vez a cada dez dias.

Continuar lendo Qual será a gota d’água que te fará sair do Facebook?

Mark Zuckerberg ignora (ou finge ignorar) os maiores problemas do modelo de negócio do Facebook

28/1/19 11 comentários

Por Gennie Gebhart, Jason Kelley e Bennett Cyphers

O artigo de opinião de Mark Zuckerberg publicado na quinta-feira (24) no Wall Street Journal (e traduzido pela Folha) se baseia apenas em repetições bem familiares para explicar os princípios duvidosos e os chamados “fatos” por trás do modelo de negócio do Facebook. É a mesma velha história que já ouvimos antes. E, como de costume, ele ignora as verdadeiras preocupações e preferências de privacidade dos usuários.

Continuar lendo Mark Zuckerberg ignora (ou finge ignorar) os maiores problemas do modelo de negócio do Facebook

Quem precisa de “notch” quando se tem o entalhe?

15/1/19 58 comentários

O dicionário do meu computador define “entalhe” como:

2. corte, incisão, ranhura na madeira; entalha, entalhamento, entalhadura, entalho. 3. p.ext. esse mesmo tipo de corte feito em outros materiais (metal, cerâmica, vidro etc.)

Reconheça-se que não se trata de uma palavra muito popular fora de alguns meios, como a marcenaria e o artesanato, ainda assim é assimilável por qualquer um que fale e conheça minimamente o nosso português.

Nos últimos dois anos, “entalhe” ganhou um novo significado na tecnologia de consumo. O termo é usado também para se referir ao recorte — ou entalhe — no topo das telas de celulares que ocupam quase toda a área frontal do aparelho. O caso mais notório é o da linha iPhone X, da Apple, mas hoje praticamente toda a indústria faz uso do recurso.

Nesse período, vimos ocorrer um fenômeno linguístico curioso no Brasil. Puxado pela imprensa (inclua aí blogueiros e youtubers), o público mais aficionado por tecnologia resolveu ignorar o termo “entalhe”. Em vez dele, optaram pela sua tradução literal em inglês, o famigerado “notch”. Continuar lendo Quem precisa de “notch” quando se tem o entalhe?

O Instagram não pode mais se esconder atrás do Facebook

5/12/18 2 comentários

Há seis anos, o Facebook fez uma aquisição daquelas que só acontecem uma vez na vida. Em seguida, fez algo brilhante: nada.

O Facebook deixou o Instagram por conta própria. O aplicativo estava crescendo rapidamente, tornando-se mais relevante a cada dia, abocanhando o público do rival Snapchat e ameaçando o próprio Facebook — apenas alguns dos motivos pelos quais a gigante de tecnologia gastou US$ 1 bilhão no aplicativo de fotos. Continuar lendo O Instagram não pode mais se esconder atrás do Facebook

O iPhone deixou de ser um smartphone caro para ser coisa de gente rica

13/9/18 40 comentários

Na apresentação dos novos iPhone Xs, Xs Max e Xr, Phil Schiller, o chefão do marketing da Apple, disse que a empresa quer “alcançar o maior número possível de pessoas com essa incrível tecnologia”. Brinca-se na indústria que a Apple tem o “campo de distorção da realidade”, um poder de retórica capaz de subverter a razão e convencer mesmo os mais céticos a engolirem esse papo marqueteiro. Nesta quarta (12), o encanto foi quebrado. O iPhone ficou caro demais. Continuar lendo O iPhone deixou de ser um smartphone caro para ser coisa de gente rica

Twitter, torne os robôs da sua rede identificáveis

22/8/18 4 comentários

Qualquer um interessado em influenciar a opinião pública pagaria um punhado de dólares, feliz da vida, para amplificar sua voz. Governos, grupos políticos, empresas, comerciantes e simples trolls continuarão a gritar através de exércitos de bots — enquanto eles forem baratos. Os bots, ou robôs, custam menos que comprar espaço publicitário, são menos arriscados que uma rede de espiões, mais eficientes e menos propensos a falhas que criar 50 contas falsas manualmente. Se robôs pudessem ser identificados e etiquetados, a indústria de boataria sofreria um duro golpe. Aqui está como podemos fazer isso acontecer. Continuar lendo Twitter, torne os robôs da sua rede identificáveis