Os “abusos” do espaço ilimitado na nuvem do OneDrive, da Microsoft

O OneDrive, serviço de armazenamento de arquivos na nuvem da Microsoft, oferecia espaço ilimitado a clientes do Office 365. Citando alguns casos fora da curva no uso desse espaço, a Microsoft anunciou, ontem, que voltará atrás e tais contas serão novamente limitadas a 1 TB. Os usuários terão um ano para baixarem suas coisas até chegarem a esse teto. Aqui está bem explicadinho, pela própria.

Muita gente está revoltada, com razão. O que mais me estranha, porém, são os que defendem a decisão da Microsoft alegando que foi feito “mau uso” da oferta, porque é uma justificativa conceitualmente errada. Embora não diga com todas as letras, o comunicado a Microsoft dá a entender que esses “abusos” levaram à revisão da oferta:

Desde que começamos a distribuir espaço na nuvem ilimitado a nossos assinantes do Office 365, um pequeno número de usuários fez backup de vários PCs e guardou coleções inteiras de filmes e vídeos domésticos. Em alguns casos, elas excediam 75 TB por usuário ou 14 mil vezes a média. Em vez de focar em cenários extremos de backup, queremos continuar focados em entregar experiências de colaboração e produtividade valiosas que beneficiem a maioria dos usuários do OneDrive.

Alguns sites, como o Meio Bit, falam diretamente em “abuso”:

Isso não se resume ao plano ilimitado do OneDrive: todos os planos foram modificados para evitar abusos.

Mas pior foi O Globo, que avacalhou e ainda tratou de jogar a culpa no pobre brasileiro (se alguém conseguir subir 75 TB aqui, merece um prêmio, não esse discursinho besta de vira-lata):

Em resumo, as mudanças aconteceram porque alguns espertinhos decidiram abusar da oferta inicial. Não seria surpresa se tais usuários forem cidadãos de um país muito conhecido nosso.

A Microsoft pode ter tido problemas com o espaço ilimitado a ponto de se ver forçada a voltar atrás, mas é difícil simpatizar com a empresa porque… bem, como diz a chamada do Ars Technica no Twitter, ela removeu o armazenamento ilimitado do OneDrive depois que as pessoas usaram ele para armazenamento ilimitado. Nada fora do combinado.

Não importam os pontos de vista técnico, financeiro ou logístico. As pessoas que estavam guardando 75 TB ou mais de arquivos no OneDrive estão (ou estavam) no direito. A análise de viabilidade deve preceder a oferta e, caso represente um obstáculo impossível de ultrapassar (como parece ser o caso), derrubá-la. É de se esperar que haja “bom senso” (seja lá o que isso signifique) da maioria, mas é preciso considerar os casos extremos. Era óbvio que alguém tentaria guardar o universo dentro do OneDrive ilimitado.

Há quem diga que a Microsoft deu o passo maior que a perna na esperança de que as rivais fossem segui-la. Ninguém foi.

Um ano atrás, quando Google, Microsoft, Amazon e até a Apple entraram numa corrida pelo menor preço por gigabyte, criou-se a noção de que espaço na nuvem não valia nada. Não é verdade. Espaço na nuvem não vale quase nada, mas muito espaço, aparentemente, custa sim. Indiretamente, quem ganha é o Dropbox, que se manteve fora dessa loucura e segue com o serviço mais rápido e confiável do tipo. Ser “só uma função”, afinal, pode ser suficiente para se manter no mercado.

Outras agravantes no caso do OneDrive:

  • A citação direta de que formatos de conteúdo esses super usuários guardam em suas contas. Não sejamos ingênuos (é bem provável que todos os serviços tenham acesso a meta dados do tipo), mas é sempre assustador quando a verdade é escancarada com tamanho indiferença, como foi o caso.
  • Os planos de 100 e 200 GB, que tinham preços irrisórios, serão descontinuados. Agora, haverá apenas o de 50 GB por US$ 1,99/mês. Usuários gratuitos terão uma redução drástica de espaço, de 15 para 5 GB, e ainda perderão o bônus (de 15 GB) pelo uso do upload automático de fotos para o OneDrive. Essas medidas entram em funcionamento no começo de 2016. Qual a justificativa aqui? Vá saber…

Acompanhe

Newsletter (toda sexta, grátis):

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

78 comentários

  1. Uso o SME Storage e com as 5 contas do Office 365 faço 5TB nas nuvens tendo acesso aos arquivos. sem dizer que escolho o que fazer Upload! Dá para gerenciar 20 contas nas núvens (U$ 9 Ano). Tem como escolher qualquer pasta, assim como escolher o tipo de bkp, espelhada, upload, download. Ainda tem gerenciador local, nuvem e Drive virtual. Para mim o melhor serviço da internet e pouco conhecido!

  2. Não me surpreendo, já era esperado esse tipo de coisa da Microsoft. Ainda continuo firme e forte com o dropbox.

  3. Mesmo com o limite de 1TB, ainda é o melhor custo-beneficio para usuários do Office365.

    Contudo, tenho enfrentado instabilidades ao salvar arquivos e por essa razão penso num servidor próprio. Creio que um Raspberry PI com BitTorrent Sync me servirá bem.

  4. Usava o Onedrive por ter quase 70 GB “grátis” (promoções para lumias novos, uploads automáticos, promoção aqui e ali, etc.) e pelo visto vou perder quase todo esse espaço, que esta quase cheio de fotos, ou seja vou migrar tudo para o Fotos mesmo e abandonar de vez os serviços da MS, o único que fica vai ser o Outlook mesmo, mas por outros motivos que me impedem de mudar agora,

  5. Indiretamente, quem ganha é o Dropbox, que se manteve fora dessa loucura e segue com o serviço mais rápido e confiável de do tipo. Ser “só uma função”, afinal, pode ser suficiente para se manter no mercado.

    Só discordo disso. O histórico recente do dropbox mostra que eles são os menos confiáveis entre as grandes nuvens.

        1. É, teve esse e outros casos mesmo, mas ainda confio bastante no Dropbox. Ser independente é um plus — esse serviço é o que eles fazem, não é um acessório como é para Microsoft, Google e Apple.

          Falhas todas têm, mas o Dropbox sempre foi transparente na hora de admitir e se desculpar.

    1. Mesmo com essa falha ainda é o melhor serviço, melhor taxa de up/down, melhores aplicativos, pena que é mais caro, ai continuo no google drive, só preciso de 100gb mesmo.

  6. A Microsoft viu que mesmo oferecendo um serviço por valor bem baixo, o OneDrive não conseguiu chegar perto da concorrência e resolveu alegar que alguém chegou ao limite do “ilimitado”. Puramente negócios, com uma desculpa esfarrapada.

  7. E agora fiquei pensado na questão jurídica… Não apenas nos EUA mas fora… será que vai rolar ações judiciais para que cumpram com o oferta? Poderá(ria) a MS modificar a contratação unilateralmente?

  8. De verdade, 2gb tá de bom tamanho pra aclamada ‘nuvem’. Mais do que isso para outros lugares? Levo no celular, num pendrive, num cartão etc.

    Guardar filmes (pessoais), fotos e etc, não vejo vantagem alguma da ‘nuvem’. Deixo uma cópia no PC e outra num HD externo (se for muito importante, envelopo num DVD também).

    Filmes (comerciais), músicas e essas outras coisas não vejo o porquê de guardar isso há anos. Stream no que preciso, ou baixo ali rapidinho (pelo menos com a internet de casa), e pronto: curto o momento. Depois apago.

    Antigamente tínhamos os acumuladores (de lixo, quinquilharias). Hoje temos os acumuladores de mídia digital.

    1. você está falando só por você né? deve usar só o word…
      eu que trabalho com vídeos tenho vários projetos no google drive, não é muito, mas já passou de 60gb, como vou adivinhar o arquivo que vou precisar e levar ele no pendrive? hahaha

      1. De documentos assim, devo ter uma dezena no máximo. Possuo algumas fotos (as últimas feitas em backup automático), muitos ebooks, e várias dependências de dev.

        O seu exemplo, de trabalhar com vídeo, talvez seja o pior cenário para aplicar o uso da ‘nuvem’. Qual sua internet, 100mb? Pois, pelo que eu saiba (e até onde já trabalhei com projetos no AE), projetos (abertos) grandes ocupam muito mais do que simples GB unitários. Neste caso, louvor a sua paciência em baixar o que precisa, pois, no meu modo de ver, um HD externo para você vai muito mais a calhar (sem contar, que, profissionais como nós, muito provavelmente, andam com a própria máquina a tira colo).

        1. Internet de 35mb, os projetos variam de tamanho mas acho que nenhum chega a 1gb, trabalho mais com animações, ilustrator, é raro eu ter que trabalhar com arquivo filmado (video mesmo) não tenho notebook, só meu desktop em casa e quando preciso de algo aqui no trabalho é tranquilo pegar da nuvem. A única desvantagem que vejo é quando ficamos sem internet, mas acontece raramente.

    2. “Guardar filmes (pessoais), fotos e etc, não vejo vantagem alguma da ‘nuvem’. Deixo uma cópia no PC e outra num HD externo (se for muito importante, envelopo num DVD também).”

      Eu vejo vantagem pois já tive um HD externo que simplesmente morreu nas minhas mãos (sem brincadeira: eu estava usando, ele começou a fazer barulhos e nunca mais voltou)

      “De verdade, 2gb tá de bom tamanho pra aclamada ‘nuvem’. Mais do que isso para outros lugares? Levo no celular, num pendrive, num cartão etc.”

      Pen-drives e cartões tomam banho de chuva, acabam estragando etc… coisas que nunca vi acontecerem na nuvem.

      Sem falar que a nuvem me permite praticamente não pensar sobre backup.

      1. Mas se for pensar em situações extremas para tudo, devemos colocar para a nuvem:
        – e se ela for hackeada?
        – e se a mantenedora dropar ela?
        – e se houver falência e fechamento imediato dos serviços?

        Eu apenas penso de forma ‘equilibrada’ (claro, no meu ponto de vista, sempre). Deixando para nuvem aquilo que é mais corriqueiro, que não irá me fazer ter ‘cagaços’ por qualquer porventura que venha a acontecer.

        Casos e casos, né.

        1. “- e se ela for hackeada?
          – e se a mantenedora dropar ela?
          – e se houver falência e fechamento imediato dos serviços?”
          Bem, acho improvável que algo disso aconteça com o Google (uso o Drive, pois gosto mais do ecossistema dele).

          1. E ter o nome Google o torna imune a problemas?

            A Microsoft, que é tão grande quanto, fez o que fez. Não duvido de nada nesse mundinho.

            Enfim, cada um no seu quadrado. Minha opinião é essa e já entendi também a de vocês (o que dificilmente fará uma afetar a do outro).

    3. Como não há vantagem? Você tira a foto, filma, e é sincronizado em todos seus dispositivos. Sem falar da pesquisa inteligente da foto da nuvem (“mostre-me fotos do pôr do sol que tirei semana passada”)
      Só para ter noção, menos cerca de 11 minutos de vídeo em 4k (no 930), dá 5gb. Cada foto pesa cerca de 5mb…
      2gb só é suficiente para documentos do word, pois até powerpoint é pesado para caralho.

  9. E a confiança? Pelo jeito a Microsoft não aguentou o tranco e quis rever a estratégia. Não acredito que os poucos usuários que estouraram a média sejam tão significantes assim, o que acredito é que foi uma revisão na estratégia do serviço.

    Ela errou feio quando ofereceu espaço ilimitado. Isso não existe. Sempre que vejo “espaço ilimitado” fico inseguro, pois ilimitado não é. Que oferecesse 10TB. É virtualmente ilimitado para mim, para outro pode não ser, mas é um limite que ela inclusive pode aplicar e prever, trabalhar em cima disso.

    É muito amadorismo lançar um plano ilimitado e não prever as pessoas efetivamente utilizando o serviço. Ela fala isso apenas para parecer que estava sendo lesada e para dizer “viu, vocês abusaram do espaço ILIMITADO que eu dei, agora vou cortar”. Ninguém está abusando, estão simplesmente utilizando o serviço como contratado. Não é ilimitado? 75 TB me parece apenas uma pequena fração de ilimitado, ao meu ver.

    Utilizo o Onedrive para guardar documentos do trabalho (planilhas e documentos, poucas coisa), mesmo com 40 GB a disposição acho que nunca cheguei perto de usar tudo. Mas com certeza é um indicativo para nem considerar inclusive assinar a nova “oferta” de 50 GB por $1,99.

    1. Eu por outro lado já seria mais radical, tiraria todos os meus arquivos de lá e upava em outro cliente.

  10. É uma decisão vergonhosa, mas, não me surpreende. Afinal a Microsoft sempre vem fazendo isso há anos e se mostra bem despreparada, vide E3 2013. Quem se propõem a dispor espaço ilimitado e não tem condições jamais deveria ofertar esse tipo de serviço.

    Ainda bem que peguei as ofertas promocionais, só que jamais precisei usar o espaço da Microsoft justamente por não confiar nessa empresa.

    Da mesma forma, o que ela vem fazendo com o Xbox One só mostra como ainda se encontra despreparada e disposta a perder tudo que tem reconquistado.

  11. Como usuário de Windows Phone que já está naquela “jura?” depois de ver a que ponto de amadorismo está o Windows 10 Mobile a um mês do lançamento… E como usuário do Onedrive combinado com o Office 365 (hoje com 230gb)… Depois da decisão de hoje, só repito: Jura?
    Esperando uma ferramenta que migre automaticamente minhas fotos do onedrive para o Google Photos.

  12. Seria mais bonito ela manter a palavra com quem já era assinante, e diminuir os planos pros novos usuários, alegando que era uma “promoção por tempo limitado”.

  13. Seria mais bonito ela manter a palavra com quem já era assinante, e diminuir os planos pros novos usuários, alegando que era uma “promoção por tempo limitado”.

  14. Nenhuma palavra sobre o “bônus de fidelidade”, aquele dado aos usuários antigos do SkyDrive quando reformularam e relançaram o serviço há uns anos trás, reduzindo a capacidade grátis de 25 GB pra 7 GB. Só esperando pra descobrir, pelo visto…

      1. Li o comunicado e acho que não. O comunicado só diz em reduzir o espaço do plano gratuito de 15 Gb pra 5 Gb e acabar com o bônus de upload automático da câmera, entende-se então que não mexerão nos outros bônus. Vou perder 25 Gb, o que vai me deixar com 15 Gb.

        1. Ta meio nebuloso. Tirei do blog do one drive: “If you are using more than 5 GB of free storage, you will continue to have access to all files for at least 12 months after these changes go into effect in early 2016.”
          Tecnicamente os bônus excedem o limite e são gratuitos.
          Claramente, não há a informação.

          1. Esse trecho (que gerou toda a confusão) fala em 5 GB porque é o valor padrão do plano gratuito, então de maneira geral é 5 GB. A MS se expressou mal, o correto seria “se você estiver excedendo o novo limite da sua conta Grátis […]”. Pelo contexto de todo o comunicado, e até por outros trechos que falam explicitamente, fica entendido que a MS vai cortar só 10 Gb do valor base + o bônus da câmera.

            Se fosse cortar todos os bônus ela não falaria só do bônus da câmera. Falaria “todos”.

  15. Ótimo texto Ghedin, minha reação ao ler a notícia foi a de total espanto, mesmo não usando o serviço, e ainda mais vindo da Microsoft que andava muito bem com o público. Depois de ler, passar o espanto pude ver que o “ilimitado” era uma função Preview, ela não estava ativada à todos, apenas aqueles que solicitavam, então não afeta todos, mas não tira o fato de ser uma sacanagem pra quem já tem e utiliza esse espaço. Mas a maior sacanagem foi feita com os usuários gratuitos, já que o espaço ganho não existia prazo para expirar (quando tem o OneDrive mostra a data de validade do bônus e avisa quando esta chegando perto de acabar) e muita gente que usa tem mais que os 5GB que ela limitou, estou vendo uma grande quantidade de pessoal migrando para outras nuvens depois disso. Uma coisa que mostrou agora que é preocupante também foi que, por mais que seja um ótimo serviço, agora não é tão confiável, já que a Microsoft demonstrou em cerca 1 ano e meio muitas mudanças no OneDrive, tanto de preço como de espaço, tanto pra mais como pra menos, significando que a política nesses quesitos do serviço é instável, enquanto que os seus adversários fazem mudanças esporádicas, sempre agregando mais espaço (gratuito ou não) ou alterando preços de forma coesa.

    1. Concordo. Embora tenha sido bem ridícula a justificativa de que as pessoas estavam “abusando” do espaço ilimitado (a MS poderia simplesmente dizer que descontinuará a oferta, que já era uma oferta PREVIEW fornecida mediante solicitação do usuário, portanto poderia ser considerada um teste da empresa).

      Mas o pior foi reduzir drasticamente o espaço de quem usa o serviço gratuitamente e acabar com bônus que ela ofereceu de forma vitalícia, sem prazo de expiração.

  16. “ela removeu o armazenamento ilimitado do OneDrive depois que as pessoas usaram ele para armazenamento ilimitado. Nada fora do combinado.” Esse foi o problema, a Microsoft deveria pelo menos honrar e manter os dados de quem “”””abusou”””” do uso ilimitado – assim como de todos os assinantes que estouraram a cota e limitar os novos e usuários antigos que não chegaram a 1 TB.

    Isso parece coisa de empresa amadora.

  17. i) Não é de se espantar que tenha quem defenda o “mau uso” como justificativa;

    ii) Não é de se espantar que o Meio Bit fale sobre isso dessa forma (nesses termos);

    iii) O Dropbox é muito – o Paper funciona bem, dá pro gasto – mas ele é muito caro (eu disse no Twitter que trocaria na hora o OneDrive (o meu é de 1TB agora) por um Dropbox maior – eu uso uns 45GB – sem problemas, mas, não tenho opções de planos intermediários baratos por lá então mudo de serviço. Acho que o único que eu considero inutilizável é o iCloud (esse é ruim demais) de resto (OneDrive, Google Drive, Box) são todos muito parecidos.

    1. Você não está pagando pelo espaço, sim pela qualidade do serviço. Por isso o dropbox é mais caro em relação aos concorrentes.

      1. Não é mais caro em relação aos concorrente e sim tem planos que não me atendem – e pelo visto, tem mais gente nessa situação – pelo simples fato de que eles oferecem apenas planos de 1TB por 10USD. Se tivessem planso de 250GB, 500GB etc, eu teria assinado faz tempo. Isso que eu quis dizer – pagar R$40 por mes por 1TB é muito pra mim (e já era com o dólar mais baixo) ainda mais por um serviço que, no meu caso, será completamente subutilizado.

        Se o Dropbox é melhor ou não, isso ainda pode ser subjetivo, eu prefiro o Dropbox porque acho ele mais leve/fácil de usar do que os outros, mas, nunca tive problemas com o OneDrive (Google Drive e iCloud não entram na comparação, perdi alguns arquivos no Google Drive).

      2. Entendo o seu ponto, porém, a questão não reside na qualidade/espaço e sim nos planos.

        Pagaria $5 por menos espaço.
        Pagaria $3 por menos espaço ainda.

        Acho que falta essa opção, uns 250GB. 500GB.
        Mas, provavelmente o Dropbox já fez esse estudo e percebeu que esse perfil de uso é mínimo e que vale mais a pena manter os planos altos (para nós no Brasil) do que ter mais frentes/perfis para lidar com.

      3. Entendo o seu ponto, porém, a questão não reside na qualidade/espaço e sim nos planos.

        Pagaria $5 por menos espaço.
        Pagaria $3 por menos espaço ainda.

        Acho que falta essa opção, uns 250GB. 500GB.
        Mas, provavelmente o Dropbox já fez esse estudo e percebeu que esse perfil de uso é mínimo e que vale mais a pena manter os planos altos (para nós no Brasil) do que ter mais frentes/perfis para lidar com.

  18. Eu tenho hoje 130 GB no OneDrive vindos de promoções da Microsoft, utilizo 57 GB no momento, pelo visto o jeito vai ser “pular para outro galho”. Migrando tudo para o MEGA Privacy que dá 50 GB….

  19. O pior de tudo foi cortar os 15Gb. Como o Office 365 tem renovação, a cada renovação pode haver a alteração. Até aí td bem, porque 1Tb, para a maioria, é o bastante.
    Mas que foi um baita de um tiro no pé, isso foi.
    Edit: Pior ainda é a quebra da confiança. Quem garante que a política não mudará de novo e terei q migrar meus dados mais pra frente?

  20. Eu vejo isso naquela lógica que já é padrão no mercado: usam a palavra “ilimitado” para seduzir, mas estão plenamente concientes de que o excesso de consumo “acima da média ” torna o serviço inviável. Isso vale praquele restaurante que cobra por pessoa ou pra operadora que se diz ilimitada.
    O erro deles foi não ter conseguido prever essas pessoas “acima da média”. Mau uso do usuário não foi, foi apenas demanda além do que eles julgam sustentável.

    1. isso! parece os casos de web ilimitada que tinhamos…, até as operadoras cortarem….
      com restaurantes nao há problema, pois duvido que alguem consiga comer tanto sem passar mal, hehe

      1. E mesmo num restaurante existem os clientes glutões e as mocinhas de dieta, então na média o restaurante não está perdendo.
        Era só a Microsoft atualizar o contrato de uso para novos clientes que não ficava feio para a imagem dela.

      2. Teve um seriado aí que o moço foi em um restaurante desses que cobra por pessoa no buffet livre, que por acaso funciona 24 horas, e ficou alguns dias no restaurante, alegando que enquanto não saísse ainda estava coberto pela oferta inicial hehehehe.

      3. Teve um seriado aí que o moço foi em um restaurante desses que cobra por pessoa no buffet livre, que por acaso funciona 24 horas, e ficou alguns dias no restaurante, alegando que enquanto não saísse ainda estava coberto pela oferta inicial hehehehe.

          1. Eu assisti a isso no recente “Marry me”, mas é bem a cara do “Eu a patroa e as crianças” hauhauhauhauha

          2. haha. muito bom. eu lembrei desse de “eu e a patroa” onde o Mike leva o amigo dele no concorrente pra quebrar o restaurante.

    2. poderiam fazer igual o Google Photos, o armazenamento é ilimitado, mas tem limitação de arquivos E limitação de upload mensal. Ai os abusos não ocorrem.

    3. poderiam fazer igual o Google Photos, o armazenamento é ilimitado, mas tem limitação de arquivos E limitação de upload mensal. Ai os abusos não ocorrem.

  21. Pelos números apresentados ela pegou a média (74TB / 14K = 5.3GB) e colocou como novo número. É aquele ditado, quando o serviço é gratuito vc que é o produto. Por isso é sempre bom ter seus backups. Essa louca daqui a pouco dá no Google sobre seu armazenamento ilimitado de fotos. Nada é ilimitado, essa palavra só seja abusos, vide nosso caso de telefonia que tinha muita gente que usava as conexões 3g/4g pra fazer tudo, moral da história, cortaram. Não tem como manter esse custo, a conta não fecha.

    1. do google photos pra ser ilimitado você precisa usar a compressão “mágica” deles, se você quer guardar seu conteúdo original então gasta da sua franquia, e outra, o google photos tem limite de upload mensal, não sei o valor exato, ou seja, eles já se prepararam pra isso.

  22. “Os planos de 100 e 200 GB, que tinham preços irrisórios, serão descontinuados. Agora, haverá apenas o de 50 GB por US$ 1,99/mês. Usuários gratuitos terão uma redução drástica de espaço, de 15 para 5 GB, e ainda perderão o bônus (de 15 GB) pelo uso do upload automático de fotos para o OneDrive”

    Essa parte simplesmente não dá pra aceitar!!! Fiquei chocado quando li a notícia!

  23. No caso da nuvem, o espaço faz o usuário e não o contrário. Desde o início, o Dropbox oferece lá seus 6 ou 7 GB gratuitos e isso me fez usá-lo para o armazenamento de arquivos leves que eu possa ter à mão a qualquer instante. O Box desde o início me ofereceu 50GB que hoje utilizo para arquivos maiores, alguns instaladores e coisas do tipo. Em ambos, ao meu ver, a proposta se mantém coerente até hoje e ninguém reclama por isso. Um armazenamento ilimitado obviamente levaria ao que aconteceu com a Microsoft, que deu uma verdadeira mancada.

  24. No caso da nuvem, o espaço faz o usuário e não o contrário. Desde o início, o Dropbox oferece lá seus 6 ou 7 GB gratuitos e isso me fez usá-lo para o armazenamento de arquivos leves que eu possa ter à mão a qualquer instante. O Box desde o início me ofereceu 50GB que hoje utilizo para arquivos maiores, alguns instaladores e coisas do tipo. Em ambos, ao meu ver, a proposta se mantém coerente até hoje e ninguém reclama por isso. Um armazenamento ilimitado obviamente levaria ao que aconteceu com a Microsoft, que deu uma verdadeira mancada.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!