Twitter pago tem menos de 300 mil assinantes.

O Twitter tem cerca de 290 mil assinantes do Twitter Blue. A informação foi obtida por duas fontes distintas: uma interna, por um documento visto pelo site The Information, e outra pelo projeto @BlockTheBlue, que está compilando todos os perfis verificados do Twitter para facilitar o bloqueio deles (ideia genial).

Para quem esperava gerar US$ 3 bilhões por ano em assinaturas, ideia do Musk para compensar a queda de arrecadação com publicidade, os US$ 28 milhões representam 0,93% da meta.

A próxima frente do Twitter para estimular assinaturas do Twitter Blue, ao que tudo indica, será colocar o ótimo TweetDeck atrás do pagamento. Algo me diz que isso não surtirá efeito. Via The Information, @BlockTheBlue/Twitter, @TitterTakeover/Twitter (todos em inglês).

Newsletter

O Manual no seu e-mail. Três edições por semana — terça, sexta e sábado. Grátis. Cancele quando quiser.

Deixe um comentário

É possível formatar o texto do comentário com HTML ou Markdown. Seu e-mail não será exposto. Antes de comentar, leia isto.

4 comentários

  1. Uso o Twitter apenas pelo TweetDeck e, caso ele seja colocado por trás de uma assinatura, será a pá de cal no meu uso da rede que já anda bem reduzido.

  2. Pensando se o Musk leva mesmo a sério essa rede pela qual ele pagou tão caro (pelo menos para os padrões dos nossos bolsos) ou se pra ele os milhões de usuários do Twitter só servem mesmo como passatempo e alimento para o próprio ego. Seriamente mesmo ele só deve pensar na Tesla, que já perdeu o posto de maior fabricante de carros elétricos pra BYD chinesa, ou na SpaceX, cada vez mais lucrativa fornecedora de recursos pra Defesa pros EUA.

    1. A sensação que tenho – acho que até li em algum artigo de opinião perdido por aí – é que o Musk comprou o Twitter da mesma forma que “meteram o louco” na Gawker quando deu o rolo do Hulk Hogan (e do pós vazamento da Apple).

      No final, talvez o Musk pensou: “ah, já que comprei vou estragar esta porcaria de vez. Se ganhar dinheiro ou não é o de menos aqui…”