Anúncio Black Friday na Insider: descontos exclusivos na máscara antiviral

Mozilla apoia ação antitruste contra o Google, desde que não atinja seu acordo financeiro com o Google

A Mozilla manifestou-se a respeito da ação antitruste contra o Google movida pelo Departamento de Justiça (DoJ) dos Estados Unidos. Em linhas gerais, a Mozilla apoia a iniciativa, mas pede para que o acordo que mantém com o Google, que lhe paga ~US$ 400 milhões por ano (cerca de 90% do seu faturamento) para ser o buscador padrão do Firefox nos EUA, não seja afetado. (O acordo foi citado na ação do DoJ como um exemplo de prática anticompetitiva do Google.) Era questão de tempo para que discurso e prática na empresa Mozilla entrassem em rota de colisão. Agrava a situação o fato de que o caso antitruste não versa sobre navegadores web, mas sim buscadores e publicidade em buscadores. Via MozillaThe Register (em inglês).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 comentários

  1. quando vi as notícias da ação antitruste essa semana lembrei justamente da Mozilla, que como foi citado no texto, tem 90% do faturamento vindo do Google, eles tem que dar um jeito de diversificar o faturamento, sei que não é fácil, mas viver praticamente de google não é viável.

    não sei como funciona o acordo deles, mas quando tiver pra vencer, poderiam fazer uma licitação, convidando diversos buscadores pra enviar propostas pra ser o padrão do firefox (mas infelizmente o único que entraria seria o bing).

    eu realmente não sei o futuro da mozilla, ou fica bem menor do que já é focando apenas no firefox, ou fecha, não vejo outras opções, e com isso teremos apenas um motor de navegador (praticamente né, pq o safari é exclusivo)

    1. Infelizmente, a própria Mozilla jamais respeitou seus próprios ideais, mesmo apesar de todo esse discurso ao longo dos anos.
      Desde a época de sua concepção, apenas como um side project nascido do NetScape, ela manteve em segundo plano seguir os padrões das especificações HTML, CSS, entre outros para tentar firmar seu próprio monopólio Firefox com websites exclusivos a la Internet Explorer/Chrome.
      Os ideais dos engenheiros envolvidos com o Firefox||O Produto sempre colidiram direto com os interesses corporativos da Mozilla||A Corporação, e nessa batalha, os interesses da comunidade sempre foram deixados de lado, como já foi provado através das diversas mudanças de interfaces (Australis, Quantum), péssimas aquisições (Pocket), descarte da API de addons XPCOM/XUL para adotar a WebExtensions, ou a ignorância completa do feedback de seus usuários.

      A Mozilla não é mais do que uma mera sombra do que já foi um dia (que apesar dos erros, ainda emplacava uma boa competição no mercado), e a parte lamentável, é saber que a plataforma Gecko ainda é a única alternativa ao Blink/Chromium. (E não, não é porque o Safari é “exclusivo” que ele não conta, é simplesmente porque ele também usa o motor gráfico do Chrome, ou seja, ele é apenas mais uma reskin).

        1. O Blink é um “fork” do Webkit, que em tese usa a mesma estrutura de código.
          Tempos atrás, o Chrome usava o Webkit, mas parece que perceberam que seria barrados em adicionar diversos recursos no Webkit e a Apple ñ iriaaceitar, dai a “cópia” e a evolução paralela do código, rebatizando com outro nome.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!