Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.

Instagram testa a inclusão de posts de perfis que o usuário não segue no feed

O Instagram vai exibir “posts sugeridos” de perfis que o usuário não segue. Ainda é um teste, mas se for um sucesso — segundo as métricas do Instagram —, esse comportamento deverá ser estendido a todos. Via The Verge (em inglês).

O livro da Sarah Frier, Sem filtro, conta a história de fundadores idealistas (dentro do que seria possível no Vale do Silício) que se rendem ao canto da sereia de um rival maior apenas para se verem encurralados anos depois, tendo que se submeter a todo tipo de interferência e rasteiras até não aguentarem mais.

Essa novidade — dos “posts sugeridos” — e muitas outras tomadas desde 2012 são reflexos da queda de braço vencida por Mark Zuckerberg. O Instagram, hoje, nada mais é que um Facebook restrito a fotos e vídeos e com uma vasta bagagem de simpatia por parte dos usuários e da imprensa. É um ambiente movido a dados, que tem como prioridades crescer e gerar receita às custas de experimentos que ninguém pediu, mas que “engajam” melhor.

É sabido que o capitalismo gosta de uma boa piada, e seria cômico se não fosse trágico termos um sociopata no controle das duas redes sociais mais populares do planeta.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

6 comentários

  1. Não é possível que realmente não exista ninguém disposto a criar algo parecido com o que o Instagram era antes. Eu continuo usando o Instagram porque quando abandono fico órfão de uma rede social de fotos razoável.

    1. Existe o Pixelfed, uma versão de código aberto e descentralizada do Instagram, e, entre os aplicativos proprietários, tem o VSCO. O problema é que eles tentam imitar o Instagram e, nesse caminho, é difícil escapar do mesmo destino.

      Para mim, o ideal seria uma rede social de fotos que limita as inscrições a quem você tem na lista de contatos do celular. Isso coibiria o surgimento de “influenciadores”, mantendo a rede só para fotos de pessoas próximas. O WhatsApp tem algo assim para stories, mas… né… Facebook, e só stories.

      Realmente, é incrível como não aparece uma alternativa ao Instagram sendo que há espaço para se tentar coisas novas nesse espaço.

      1. Já tentei usar ambos. O Pixelfed não tem nem aplicativo móvel (ou não tinha quando eu testei, ao menos) e é inacessível pra usuários comuns. O VSCO na modalidade de feed tem uma UI bizarríssima com uns botões tipo “ficha de sinuca” que eu não fui capaz de entender.

        A verdade é que o aplicativo que eu queria era o Instagram do jeito que é hoje, sem o dedo do Facebook. Sem o excesso de propaganda, algoritmos de feed, moderação e censura totalmente questionáveis e por aí vai. O aplicativo em si é bom. Os editores são legais, até a função de Stories eu passei a achar legal.

        Eu não gostaria de uma rede social só pra amigos “adicionados”, gosto do modelo assíncrono, especialmente numa rede de fotos justamente porque acompanho o trabalho de outras pessoas por ali. Minha frustração, na verdade, é justamente não poder ver as fotos das pessoas que eu queria porque o algoritmo não me permite.

      2. O Pixelfed segue o mesmo caminho do Instagram? Nunca usei, mas eu imaginava que ele era um “Instagram versão 2014” e tentava de tudo para ficar nisso. =\

  2. Três se considerar, e eu considero, o WhatsApp como rede social.

    Este último infelizmente é difícil demais de se livrar. As outras duas já não uso faz tempo.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário