Detalhe do entalhe na tela do iPhone X.

Todos os smartphones agora têm o entalhe da tela do iPhone X — e (quase) ninguém se importa


19/6/18 às 11h03

Desde a apresentação do iPhone X, em setembro de 2017, o mercado se viu inundado por smartphones Android com o mesmo “entalhe” do modelo da Apple, aquele recorte característico na parte superior da tela. O assunto gera debates acalorados em sites especializados e grupos de entusiastas, mas, no mundo real, a verdade é que quase ninguém liga.

O entalhe, também conhecido como “notch”, “testa” ou, invertendo o foco da protuberância para as laterais, “chifres”, foi a solução que a Apple e, antes dela, a Essential encontraram para aumentar a tela sem comprometer os sensores e câmera frontal do smartphone.

A indústria abraçou sem ressalvas o novo visual. Com poucas exceções, como a Samsung, todas as grandes empresas — e muitas menores — anunciaram, lançaram ou tiveram vazado algum aparelho com o entalhe na tela. Parece um caminho sem volta. Pode ser chocante a quem acompanha mais de perto esse mercado, mas à maioria dos consumidores, que veem o smartphone como meio e não como fim, que compram ele sem saber qual processador ou versão do sistema vem instalada, o novo visual é uma vantagem; no máximo, é indiferente.

Há evidências fortes que sustentam essa tese. O iPhone X, por exemplo, é o modelo que mais vende desde que foi lançado, segundo a Apple. A OnePlus, marca chinesa de nicho focada em entusiastas (o público mais exigente), diz que o OnePlus 6 foi o que mais rápido chegou a um milhão de unidades vendidas — mesmo com o entalhe. Mesmo a Asus, em sua estratégia de marketing estabanada e que capitaliza em cima de rivalidades artificiais e meio bobas, reconhece que o visual do Zenfone 5, feito à imagem e semelhança do “Fruit Phone X”, é assim porque “não podemos ignorar o que as pessoas querem”.

Apresentação do Zenfone 5, na Asus, durante o MWC 2018, com destaque para o notch.
Nosso entalhe é menor que o dos outros! Foto: @vladsavov/Twitter.

Quando questionadas da razão de tanto ódio, as respostas dos detratores do entalhe convergem sempre para uma só: a estética. Mesmo ignorando a vantagem que motiva a sua adoção — o ganho de espaço em tela —, ela derrapa ao tratar como universal um aspecto totalmente subjetivo. Alguém pode achar o iPhone X ou o Zenfone 5 feio, mas não pode negar que o entalhe concede um ganho de espaço real de tela, especialmente no Android, onde o centro no topo da tela já era vazio mesmo.

Nesse sentido, uns dizem que o entalhe é um comprometimento temporário até que tenhamos smartphones com toda a parte frontal ocupada por uma tela, como o recém-lançado Vivo Nex. É bem provável que seja isso mesmo. Se não for, tudo bem também, não há qualquer prejuízo. Mesmo os smartphones antigos, com bordas hoje tidas como grossas em cima e embaixo, servem a seu fim.

Não é de hoje que se nota uma desconexão entre quem cobre e/ou se interessa por tecnologia de consumo e as pessoas que a usam. Isso é um reflexo da explosão em popularidade que gadgets como smartphones passaram, de uma extravagância de um público bastante restrito (pense em quem tinha um Nokia N95 em 2007) para o produto tecnológico mais popular da história, hoje nas mãos de cerca de três bilhões de pessoas.

As expectativas e exigências de quem não passa o dia lendo sobre e obcecado pelos mínimos detalhes de um smartphone são diferentes.

Além disso, o mercado de smartphones está saturado. Em 2017, testemunhamos a primeira retração em vendas da história no setor. Em paralelo, temos aparelhos muito bons e duráveis há pelo menos quatro anos. É exponencialmente mais difícil iterar um produto tão bem resolvido como o smartphone.

Curiosamente, quem mais cobra por “inovações” é justamente o público entusiasta e uma parte considerável dos sites especializados, ou seja, o grosso do coro ruidoso que amaldiçoa o entalhe como se ele fosse um defeito crônico.

Cadê os anúncios?

O Manual do Usuário é um projeto independente, que se propõe crítico e que respeita a sua privacidade — não há scripts de monitoramento ou publicidade programática neste site. Tudo isso sem fechar o conteúdo para pagantes. Essas características são vitais para o bom jornalismo que se tenta fazer aqui.

A viabilidade do negócio depende de algumas frentes de receita, todas calcadas na transparência e no respeito absoluto a você, leitor(a). A mais importante é a do financiamento coletivo, em que leitores interessados sustentam diretamente a operação. A assinatura custa a partir de R$ 5 por mês — ou R$ 9/mês para receber recompensas exclusivas:

Assine no Catarse

Newsletter

Toda sexta-feira, um resumo do noticiário de tecnologia, indicações de leitura e curiosidades direto no seu e-mail, grátis:


Nas redes sociais, notícias o dia todo:
Twitter // Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

24 comentários

  1. Testei dois aparelhos com notch recentemente (huawei P20 e um Oukitel sei lá o que) e alguns sem notch com bom aproveitamento de tela (Honor V10 e Nova 2S, por exemplo) e de longe sem notch é melhor. Se tiver a opção de esconder o notch tá ótimo (desde que a tela seja Amoled), porém sem notch é mais bonito, é simétrico e a diferença de ocupação de tela é quase nula. Com notch você tem 6.2″ de tela mas cria-se uma barra na hora de ver vídeos que deixam a tela com 6″, que é o mesmo tamanho dos outros, fora que se não criar a barra fica sim o notch na tela e isso é irritante. O engraçado é que as pessoas reclamam quando a solução é por a câmera na barra inferior (vide Mi Mix) mas se adaptam ao notch. Ele não é bonito, estando em um iPhone ou em um Android, e se acostumar com ele não significa ter aceitado a ideia ou achá-lo bonito e agradável.
    Salvo o engano: não sei quem da Asus falou que não dá para ignorar o que as pessoas querem, não lembro de ter visto sobre, lembro do Marcel falando que as fabricantes chinesas padronizaram a produção de tela daquele jeito e que é mais barato só seguir isso ao invés de fazer como a Samsung (que possui fábrica própria), e que as outras fabricantes fariam. E realmente, basta ver o mercado e as fornecedoras, tá tudo assim, e os aparelhos não estão vindo custando mil dólares, o Zenfone 5 começa em 480 euros pela versão standart que tem snapdragon 845, 4gb/64gb e câmeras ótimas (mesmo não sendo pareo para Pixel e S9). Isso é metade de um iPhone. Nesse ponto, o preço, eu não me importo de usar notch, pois estou aceitando ele em troca de pagar menos pelo conjunto, no caso do iPhone os usuários tiveram de aceitar assim e pronto, não era o que o usuário queria, a Apple não perguntou pra ninguém, então duvido que alguém da Asus tenha dito isso, mesmo que tenha tentado dizer que o pessoal quer um visual de iPhone X pagando menos da metade, e não o notch em si.

  2. Prefiro espaço pra mais hardware (como um microfone melhor ou até mesmo a câmera).

    Essa monocelha é muito feia, e só “entorta” a tela. Se perde espaço num vídeo, por exemplo (até onde tenho visto, o vídeo rola “atrás” do notch).

      1. Ah, massa…. não tinha corrido atrás pra ver qualé dos formatos (ignorei a profissão por causa da rixa com La Manzana Del Diablo™).

        Apareci por aqui por ter sido expulso do Gizmodo hoje sem motivos… mas só desabafando…

        1. Eric, é o Guilherme, do Gizmodo. Cara, eu não sei o que aconteceu, pois seu nick não aparece na lista de banidos. Estou vendo aqui se consigo entender o que aconteceu, pois o Disqus, como vc sabe, é uma ferramenta de terceiro.

          1. Você, por um acaso, tinha outros fakes ou só comentava com seu perfil oficial?

  3. A maioria das empresas fabricantes de telas vão se utilizar do notch. Segundo um executivo da ASUS, cerca de 80% da produção de telas até o final do ano serão com esse detalhe.

  4. Ghedin, o Blackberry Key2 pode fazer frente na questão privacidade do iPhone (e produtos Apple) ou sem chance por ser Android? Ando lendo que ele é forte em segurança e pode ser uma opção com preço, talvez, melhor que um iPhone… Eu acho iPhone caro e me ligo em privacidade. Talvez até pudesse comprar um se juntasse uma grana e tal, mas ainda não vejo a Apple como uma empresa bem resolvida no quesito privacidade, pois eles já agiram de modo “sorrateiro” em outras questões, como a busca por formas de pagar menos impostos enqto cobravam moralidade nessa área.

    De todo modo, ainda espero o smartphone perfeito ser lançado pra mim: tecladinho físico (o do blackberry key2), câmera monocromática (como qualquer um da huawei com esse recurso), amplificador de som (tem o lg v20 e o v30 q, parece, são bons nisso) e forte em privacidade (tipo o librem 5, da purism, q ainda não é comercializado).

  5. Pra mim, o “notch” em si não é o problema, conviveria com ele tranquilamente.
    O que eu realmente acho feio é a tela com os cantos arredondados. No caso do iPhone e do Zenfone é mais crítico, parece que o raio do curva é bem grande. Vi outros modelos que não parecem tanto.

    No mais, acho que daria pra manter as bordas superiores como era antes, porém mais finas. Olhando para meu Moto X 2014, tem bastante gordura pra queimar ali e aumentar a tela sem criar um entalhe.

    Edit: pensando melhor, fico encucado mesmo é essa mania da indústria de seguir “tendências”. Alguém aí lembra das telas curvas? Da Samsung e LG “brigando” pra mostrar quem lançava o primeiro?

  6. Eu acho que a “solução” do entalhe, na real esbarra na Applemania mesmo. A Apple alcançou um patamar de “adoração” que mesmo soluções bizarras, como o entalhe, acabam sendo copiadas. As pessoas veem exclusividade em ter um iPhone e o compram mesmo que ele seja muito feio. As que não tem dinheiro para ter um iPhone compram soluções para falarem que tem um celular parecido com um iPhone. Veja que o entalhe, na verdade uma criação da Essential, virou “cópia de iPhone” e não “da Essential”. Nada disso interfere na usabilidade. Mas, antes disso, temos de pensar que o celular virou um item social que reflete a que camada uma pessoa está ou não inserida – por mais que as vezes ela não tenha condições de ter um iPhone e o compra no crediário de 48x da Casas Bahia. O design sem interferências da Samsung é no mínimo mais limpo, sem levar em conta os gostos pessoais de cada um.

  7. Essa imagem da apresentação do Zenfone 5 é bem sacana pois o iPhone X tem o Face ID que justifica o tamanho do entalhe.
    Tenho curiosidade de saber porque os fabricantes Android não conseguem tirar a borda inferior. Só a Apple possui tal tecnologia?

    1. Sim. A tela do iPhone X “enrola” na parte de baixo. Isso obviamente encarece o produto, já que a empresa compra/usa mais tela do que o usuário efetivamente vê a fim de dar esse efeito, sem borda inferior. E como, fora Apple e Samsung, nenhuma fabricante está nadando em dinheiro, é difícil replicar isso em modelos com margens de lucro menor.

  8. “(quase) Todos os smartphones agora têm o entalhe da tela do iPhone X — e (quase) ninguém se importa”. Samsung e Motorola estão aí para nos salvar dos chifres hahah. Particularmente acho uma solução feia e que pode ser evitada, vide a linha Galaxy S/Note, mas não dá pra negar que virou tendência e o público em geral realmente não se importa com isso.

      1. Mas por enquanto é rumor.
        Eu concordo com ele: “(quase) Todos os smartphones agora têm o entalhe da tela do iPhone X — e (quase) ninguém se importa”

      2. Sim, eu li a ressalva e não tinha conhecimento desse aparelho da Motorola. Mesmo assim o título faz parecer que não existem aparelhos que fogem dessa tendência.

    1. Não acho que a Samsung tenha conseguido uma solução boa para o entalhe, apesar do S9 ter bordas incrivelmente finas. Quem conseguiu resolver, mesmo, foi a BBK Electronics – mas tanto o Vivo NEX quanto o Oppo Find X (que vai ser lançado hoje, mas aparentemente o The Verge conseguiu apresentar pro mundo a tempo do americano médio acordar e saber que o telefone vai ser lançado) usam soluções mecânicas… num mundo dos smartphones francamente hostil a elas (uma pena).