Marcas “Nokia” e “Windows Phone” devem ser aposentadas pela Microsoft


11/9/14 às 9h24

Documentos internos revelados pelo GeeksOnGadgets mostram que a Microsoft prepara mais uma mudança de nomes em propriedades importantes. É a terceira do ano — antes, vimos o OneDrive e o MSN (re)nascerem.

A primeira, a remoção da “Nokia” dos smartphones Lumia, é natural e estava prevista. A compra da divisão de dispositivos móveis da Nokia, que continua existindo na Finlândia e anda ocupada com launchers para Android e versões multiplataforma do Here Maps, não incluía a marca no pacote, apenas garantiu o uso do termo para amortizar o período de transição.

A queda do “Phone” de “Windows Phone”, essa é meio surpreendente. A base de todos os sistemas da Microsoft é o mesmo kernel do Windows original já tem algum tempo, esse mesmo que roda em PCs e, agora, tablets, porém sempre houve uma distinção no branding dependendo da finalidade do sistema. Tom Warren notou que já faz algum tempo que a marca “Windows Phone” não é usada no material de divulgação dos novos Lumias, uma pista de que mudanças estão a caminho.

Parece que a unificação das plataformas, que já nos trouxe os apps universais e deve acabar com o Windows RT em breve, é muito mais profunda do que imaginávamos. Só não sei se “Windows”, com a má fama que tem, é um bom nome para carregar toda essa responsabilidade. (Ainda bem que meu trabalho não é escolher nomes de produtos da Microsoft.) E, vale relembrar, é a segunda vez que o Windows Phone muda de nome: lá atrás, antes mesmo de ser lançado, ele era chamado de Windows Phone 7 Series. Algum iluminado viu que esse “Series” estava sobrando e o eliminou.

Com essa mudança, mais anúncios recentes da IFA (“Microsoft Screen Sharing For Lumia Phones HD-10”, sério?), o estigma de nomes ruins e marcas instáveis continua a perseguir a Microsoft. Pelo menos dessa vez a mudança foi para melhor, para simplificar.

Cadê os anúncios?

O Manual do Usuário é um projeto independente, que se propõe crítico e que respeita a sua privacidade — não há scripts de monitoramento ou publicidade programática neste site. Tudo isso sem fechar o conteúdo para pagantes. Essas características são vitais para o bom jornalismo que se tenta fazer aqui.

A viabilidade do negócio depende de algumas frentes de receita, todas calcadas na transparência e no respeito absoluto a você, leitor(a). A mais importante é a do financiamento coletivo, em que leitores interessados sustentam diretamente a operação. A assinatura custa a partir de R$ 5 por mês — ou R$ 9/mês para receber recompensas exclusivas:

Assine no Catarse

Newsletter

Toda sexta-feira, um resumo do noticiário de tecnologia, indicações de leitura e curiosidades direto no seu e-mail, grátis:


Nas redes sociais, notícias o dia todo:
Twitter // Telegram