Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

A grande oportunidade do NFC

No próximo dia 9 a Apple fará um evento onde, se os rumores baterem, revelará um (ou mais de um) novo iPhone e o iWatch, ou alguma coisa “vestível”.

Faz algum tempo que a esteira de rumores tem cravado com precisão o que a Apple anuncia, logo o novo iPhone com tela maior deve se confirmar. Quanto ao gadget vestível, as informações são menos concretas. John Paczkowski do Recode, que antecipou a data do evento, disse que o novo produto só estará nas lojas no começo de 2015. A distância explicaria o silêncio dos sites de rumores — sem produção, não tem o que vazar.

Talvez a única certeza seja a de que o gadget vestível da Apple não será em nada parecido com o que já se tem no mercado. Nem o “campo de distorção da realidade” é capaz de consertar produtos sem apelo como os da primeira geração do Android Wear e os vários da Samsung rodando Tizen.

Em nota relacionada, parece que a Apple finalmente suportará o NFC. É o que John Gruber sugere e, em um desses vazamentos do novo iPhone, identificaram um módulo NFC. No mínimo, ele facilitaria o pareamento com o suposto gadget vestível, mas o potencial extrapola essa aplicação e, em última instância, pode respingar (e beneficiar) fabricantes Android que há anos trazem a tecnologia que, salvo em uma ou outra aplicação aqui no ocidente, é subutilizada.

Esse assunto surgiu no grupo de discussão do site no Facebook (apenas para assinantes). Lá, desenvolvemos um bom raciocínio sobre as implicações que, se concretizada, essa nova configuração de mercado pode desencadear. O que alguns chamam de “campo de distorção da realidade” é, na prática, poder, influência — e méritos da Apple por alcançar tal patamar. Com ela suportando o NFC, as chances dele vingar e se espalhar em outras indústrias, criando o ecossistema de que algo do tipo precisa para se estabelecer, aumentam dramaticamente.

É um cenário similar ao dos smartphones pré-iPhone, ou dos tablets pré-iPad. A analogia, mais rasa, também se aplica nesse hipotético: juntas ou em investidas solitárias, Google, Samsung e outras não conseguiram difundir o NFC. Hoje o máximo que dá para fazer aqui no Brasil é trocar fotos e informações de contato tocando dois celulares e recarregar seu cartão do metrô em São Paulo.

O fato da Apple entrar na jogada não é uma certeza de que o NFC decolará. O Passbook, criado meio que como uma resposta a um dos casos de uso mais típicos do NFC, a substituição da carteira pelo smartphone, tem utilidade mas está longe de ser unânime.

E ainda que tenha a força do iPhone, a própria tecnologia precisa resolver alguns problemas graves antes de almejar a mesma difusão que outros componentes do smartphone moderno sustentam, como câmera e 3G/4G. Falta segurança, faltam aplicações originais e úteis, falta até mesmo compatibilidade (paywall) — dependendo do fornecedor da antena NFC, ele funciona ou não com uma série de acessórios e terminais.

Compartilhar um contato tocando dois smartphones é muito legal. Pagar a conta do restaurante fazendo o mesmo gesto? Por favor! A Bloomberg relata que a Apple firmou acordos com Visa, MasterCard e American Express, e se onde há fumaça, há fogo… Embora tecnologicamente viável, ainda é preciso alinhar uma série de fatores externos para tornar isso realidade. O iPhone não é a peça que falta, mas pode ser aquela que dá uma visão geral e facilita o encaixe das restantes.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

9 comentários

  1. Deixando haterismo à parte, espero que essa adoção do NFC pela Apple seja benéfico a todos os demais usuários das outras plataformas.
    Só espero que eles não façam uma implementação própria, com hardware exclusivo, e com um nome tipo iNFC. Aí será uma pena de morte para os demais.

  2. Eu torço muito para que o NFC decole. É um padrão estabelecido e bastante difundido entre Androids e WPs. Ao mesmo tempo é uma pena que aparentemente para qualquer dessas tecnologias decolar, dependa da Apple adotar. É realmente um mérito essa influência, mas é prejudicial ao consumidor.
    Ainda aguardo o dia que possa pagar algo só com o celular. Já passei aperto algumas vezes que esqueci a carteira em casa, e se meu celular pudesse ser usado no pagamento, nem teria me preocupado.

    1. Já imagino a cena no dia 9, Tim Cook pega dois iPhones e compartilha fotos, contatos e etc aproximando um no outro…o nome disso é iNFC, ISSO É MÁGICO!!!!

  3. A Apple ficou famosa pelas inovações de mercado, mas muito esquecem de algo que pode ser até mais importante para seu sucesso: qualidade na execução. Uma qualidade subjetiva, por isso é jogado fora na maioria das comparações e corrobora essa ideia de que basta a Apple lançar algo que já existia e vira mágico.

    Engraçado que isso aconteceu em quase todos os produtos “revolucionários”, mas todos continuam ignorando esse aspecto. O poder de fogo do iPhone era uma piada perto dos Symbian e Windows Mobile, mas essas limitações (multi-tarefa capada por exemplo) tornaram o produto mais funcional para a realidade do hardware da época.

    Sim, cortar multi-tarefa era uma feature: é muito mais fácil manter a multi-tarefa igual dos desktops desenvolvidas décadas atrás com foco em otimizar o uso do processador. O foco dos smartphones é muito diferente: reduzir o consumo de energia e foco nas iterações imediatas com o usuário. Essa história veio novamente com o Touch ID: já existia no Atrix.

    Enquanto os geeks continuarem comparando smartphones como uma questão de somar e subtrarir recursos, a Apple continuará sendo uma grande marketeira que vende a mesma coisa mais caro.

    1. Concordo com você, resumindo, a Apple faz certo na hora de lançar novos produtos ou recursos. Outras empresas tem potencial (alô Microsoft, tô falando de você) mas caga na hora de apresentar o produto/recurso ao cliente final, criando uma péssima impressão inicial….

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário