Tela de iPhone antigo cheia de marcas de dedos.

Dr. Bactéria ensina como limpar a tela do seu celular


16/3/15 às 9h14

Eu já tinha terminado de conferir as novidades da LG e estava rodando os estandes da linha branca no enorme showroom montado pela fabricante. Entre as máquinas de lavar roupa e os aparelhos de ar condicionado, estava um senhor de jaleco falando animadamente com uma jornalista. Hey, é o Dr. Bactéria!

Famoso por um quadro no Fantástico, da Rede Globo, e diversos outros em programas matinais da Record, Roberto Figueiredo, o Dr. Bactéria, é uma figura. Quando eu e o João nos aproximamos, ele nos recebeu sem desviar a atenção da colega com quem conversava. Tudo ao mesmo tempo, uma habilidade social que só os simpáticos têm.

Dr. Bactéria dando explicações a uma senhora.

Pegamos a explicação do mecanismo de eliminação de germes do ar condicionado da LG pela metade. No meio da conversa o João mencionou sua rinite e, em seguida, ganhou praticamente uma consulta grátis. Em meio às orientações, o tema “umidificador” surgiu. Ele é benéfico para quem tem rinite ou outros problemas respiratórios? Pelo contrário, alertou-nos:

“O cara que inventou isso aí era um protetor de ácaros! Tira esse diabo dessa coisa, coloca um ar condicionado… ah, mas ar condicionado resseca, né? Ótimo! Você é o quê, uma samambaia pra reter umidade do ar? A água que você tem é a água que você bebe.”

Eu ri demais! E também aproveitei a oportunidade para tirar uma dúvida antiga: como higienizar a tela do smartphone? Uso um pano de microfibra da Scotch-Brite para remover marcas de dedos (e, segundo o Dr. Roberto, “lustrar bactérias”), mas já sabia que apesar de ter propriedades quase místicas na execução do seu objetivo, é uma solução meramente estética. Ele não resolve a contaminação, que é um problema real: “O celular tem mais bactérias que a sola do seu sapato,” explicou. E você ainda come mexendo no celular! É bem maluco (e nojento) pensar nisso.

iPhone antes e depois do pano de microfibra, embaixo dele.
Note a parte de cima do iPhone, como nova, em contraste à de baixo, cheia de digitais e gordura.

Felizmente o Dr. Bactéria tinha a resposta para o meu dilema na ponta da língua:

“Sabe o que você faz? Vai em qualquer casa de materiais eletrônicos e pede álcool isopropílico. Molha um paninho, e uma vez por semana você passa.”

Para ser mais exato, após embeber o pano no álcool isopropílico, torça-o bem e passe na tela. Repita o processo uma vez por semana para manter as bactérias longe do seu celular ou tablet.

Questionei se isso não danificaria o painel touch. Tive como resposta um enfático “não.” Só preste atenção para não confundir com o álcool etílico, aquele tradicional que se usa(va?) para acender churrasqueira. Esse detona a tela.

Não achou essa variedade de álcool? Olha o LIFEHACK do Dr. Bactéria:

“Vai numa loja de coisas para nenéns, compra aqueles lenços de papel para limpar bumbum de neném, sabe? Uma vez por semana dá uma passada.”

Outra alternativa é pegar “aquele negócio de limpar feridinha” que tem nos hospitais. Tem álcool isopropílico ali! O duro é descolá-los, salvo se você ralar o joelho ou qualquer outra coisa do tipo. No fim, parece-me que não vale o transtorno.

O mais legal é que embora estivesse presente para explicar as vantagens do ar condicionado da LG, o Dr. Roberto falava de tudo com muito bom humor, atenção e carisma. O cara é tão simpático quanto aparenta na TV e foi um prazer conhecê-lo!

Viajei para São Paulo a convite da LG.

Foto do topo: Anssi Koskinen/Flickr.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês