Samsung anuncia Galaxy S7 e S7 edge no Brasil a partir de R$ 3.799

Galaxy S7 e Galaxy S7 edge segurados por representante da Samsung.

Em time que está ganhando não se mexe, ou se mexe pouco. Com o Galaxy S6 e S6 edge, a Samsung descolou do pelotão de smartphones topo de linha com Android. É verdade que os novos Galaxy S7 e S7 edge, apresentados na MWC no final de fevereiro e, hoje, no Brasil, têm poucas novidades que saltam aos olhos, mas, ainda assim, as trazidas pela Samsung são suficientes para colocá-los numa confortável liderança em qualidade no acirrado mercado dos smartphones topos de linha.

Antes, datas e valores locais: os novos smartphones serão lançados no Brasil no dia 2 de abril, com pré-venda a partir de amanhã (18/3) — comprando antes do lançamento garante-se um Gear VR grátis. O Galaxy S7 custará R$ 3.799, e o Galaxy S7 edge, R$ 4.299, ambas com 32 GB de memória interna, e a Samsung falou em um programa de fidelidade, “Galaxy para Sempre”, para permitir a troca anual do topo de linha da empresa pagando menos por isso.

Galaxy S7 edge na mão com sua tela curva nas laterais.

Algumas novidades deles são, na verdade, velhas conhecidas: os retornos do espaço para cartão microSD e da resistência à água, ambos presentes no Galaxy S5 e em alguns concorrentes contemporâneos. A volta do cartão me parece algo mais para acalmar os fãs. Já a resistência à água soou como: “ah, desta vez deu para colocar, vamos fazer para que os outros parem de falar disso como um diferencial?” Roberto Soboll, diretor de produtos e serviços da Samsung, confirmou essa percepção. Segundo ele, o produto passou por mudanças na sua construção que permitiram trazer de volta esses dois recursos.

Detalhe da curva na parte de trás do Galaxy S7.

Por fora e de frente, os aparelhos são parecidos com seus antecessores. Atrás, ambos ganharam uma curvatura semelhante à do Galaxy Note 5, o que melhora bastante a pegada dos smartphones. O Galaxy S7 edge, além da tela curva nas laterais, também cresceu um pouco; a tela dele tem 5,5 polegadas contra a de 5,1 do S6 edge e do S7 convencional. Além do tamanho houve avanços importantes nas funções dela: a tela do modelo, que muitos acham dispensável (particularmente, eu gosto), ganhou mais funcionalidades, com mais atalhos para aplicativos e também para conteúdo de terceiros. Esse compromisso dá a entender que o futuro da tela Edge é, sim, promissor. Se vai virar tendência entre os smartphones, aí é outra história.

Ghedin comenta: Os reviews gringos já foram publicados e o entusiasmo com o Galaxy S7 edge é quase palpável. No The Verge, Dan Seifert ficou visivelmente empolgado com o dispositivo, a ponto de chamá-lo de “o smartphone mais impressionante que já segurei”. Dos dois, a variação com tela curva foi a que sofreu mais mudanças, e todas bem felizes. Em especial, graças as bordas, a Samsung conseguiu fazer um smartphone de 5,5 polegadas com perfil mais fino que outros com tela de mesmo tamanho. Apesar da (pequena) diferença em preço, não se espante se esse sabor for o mais comentado e visto nas ruas. Nem se, daqui a uma ou duas gerações, o nome “edge” for eliminado e ele virar o Galaxy S[insira um número] padrão.

A câmera traseira teve uma inusitada modificação: dos 16 megapixels da família S6, passou para 12 megapixels. Segundo a Samsung, a câmera, batizada Dual Pixel, entrega imagens mais claras e nítidas em situações de pouca luz. Isso porque ela conta com uma lente de maior abertura (f/1,7) e pixels fisicamente maiores, o que permite que a câmera seja mais veloz e faça um foco automático mais preciso mesmo em condições adversas. É difícil verificar essas promessas sem ter os celulares em mão, mas esperamos que a Samsung saiba o que está fazendo uma vez que as câmeras do Galaxy S6 e S6 edge são muito boas.

A bateria felizmente cresceu. A do Galaxy S7 tem 3000 mAh e a do S7 edge, ainda mais interessante, com 3600 mAh. Ambas são compatíveis com os recursos de carregamento rápido e carregamento sem fio. A bateria maior do Galaxy S7 edge se justifica pelo seu tamanho maior.

Ghedin comenta: Eu também confio bastante na câmera da Samsung. A do Galaxy S6 era um deleite e, apesar da diminuição de resolução, os sul-coreanos jamais dariam um passo atrás justo agora, quando conseguiram se igualar (em alguns cenários, superar) a câmera do iPhone. O aumento na capacidade da bateria é muito bem-vindo também — era o calcanhar de Aquiles da linha S6. Os novos modelos são 1,1 mm (S7) e 0,7 mm (S7 edge) mais grossos que os antecessores, mas… quem se importa se em troca ganhamos algumas horas a mais longe da tomada?

Teremos versões de ambos os aparelhos em preto, prata e dourado. Ao menos por enquanto a Samsung segue firme e não os oferece em ouro rosa, ou rosa dourado, cor que a indústria adotou em peso após ser usada no iPhone 6s.

Galaxy S7 na mão.

Ainda falando de design, é uma pena que a Samsung não ter conseguido minimizar a enorme quantidade de digitais que ficam marcadas nas costas de vidro dos aparelhos. Tudo bem que grande parte das pessoas usam smartphones caros como esses com capa, mas ainda assim é frustante encontrar as marcas dos próprios dedos engordurados num produto que, em todos os outros aspectos, é tão bonito.

Com os novos Galaxy S7 e S7 edge a Samsung se consolida como uma marca premium. Só falta, agora, começar a incomodar de fato a Apple onde interessa: em vendas. Objetos de desejo os novos Galaxy já são, sem sombra de dúvida.

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

22 comentários

  1. Muito boa a postagem e essa apresentação de smartphone está muito mais palpável com a proposta do Manual. Parabéns aos dois.

    Falando do aparelho, realmente desde o S6 que a solução de design da linha S está surpreendente e da muita vontade de comprar o aparelho, principalmente o Edge. Como já foi dito pelo Higa, se não me engano, não quero que a borda curva tenha alguma função, ser muito bonito já é um belo objetivo alcançado. E ele é muito belo!

    Só não me agrada a apresentação da Touchwiz e as soluções de software que eles colocam, gosto de uma solução mais limpa e próxima do OASP.

    Outro bom problema é o pós venda, suporte de hardware e software que ainda é inferior se considerarmos o preço cobrado.

  2. Muito boa a postagem e essa apresentação de smartphone está muito mais palpável com a proposta do Manual. Parabéns aos dois.

    Falando do aparelho, realmente desde o S6 que a solução de design da linha S está surpreendente e da muita vontade de comprar o aparelho, principalmente o Edge. Como já foi dito pelo Higa, se não me engano, não quero que a borda curva tenha alguma função, ser muito bonito já é um belo objetivo alcançado. E ele é muito belo!

    Só não me agrada a apresentação da Touchwiz e as soluções de software que eles colocam, gosto de uma solução mais limpa e próxima do OASP.

    Outro bom problema é o pós venda, suporte de hardware e software que ainda é inferior se considerarmos o preço cobrado.

    1. É um investimento alto em algo que está constantemente suscetível a quedas e estragos — um carro corre o risco de bater, mas, acredito, é bem menor do que o de um smartphone escapar da sua mão. E há outros motivos ainda. No meu caso, adotei uma capa discreta, que nem deve proteger muito em caso de queda, apenas para melhorar a empunhadura do iPhone. A liga metálica e os cantos arredondados me deixam inseguro de manuseá-lo — parece que vai cair a qualquer momento. O “grip” melhorou bastante com a capa.

    2. É um investimento alto em algo que está constantemente suscetível a quedas e estragos — um carro corre o risco de bater, mas, acredito, é bem menor do que o de um smartphone escapar da sua mão. E há outros motivos ainda. No meu caso, adotei uma capa discreta, que nem deve proteger muito em caso de queda, apenas para melhorar a empunhadura do iPhone. A liga metálica e os cantos arredondados me deixam inseguro de manuseá-lo — parece que vai cair a qualquer momento. O “grip” melhorou bastante com a capa.

      1. Entendo Ghedin e concordo em partes. Como tu disse, tu usa uma capa discreta mais para melhorar a empunhadura, mas muitos colocam capas grossas pensando apenas na proteção contra queda. E sabe como é o tio Murphy, se é para quebrar, ele vai quebrar.
        No fim, não sei até que ponto uma capa realmente protege o aparelho.

        PS: essa proteção no carro não é contra batidas, mas pedras e sujeira do dia a dia, para não arrnhar a pintura.

      2. Entendo Ghedin e concordo em partes. Como tu disse, tu usa uma capa discreta mais para melhorar a empunhadura, mas muitos colocam capas grossas pensando apenas na proteção contra queda. E sabe como é o tio Murphy, se é para quebrar, ele vai quebrar.
        No fim, não sei até que ponto uma capa realmente protege o aparelho.

        PS: essa proteção no carro não é contra batidas, mas pedras e sujeira do dia a dia, para não arrnhar a pintura.

      3. É por aí. Se o investimento não fosse tão alto com certeza metade das pessoas não usariam.

        90% usam apenas como proteção.

        Pagar 1 mil a 2 mil reais em um aparelho para quando cair quebrar é fogo. O que mais vejo é gente com a tela da frente quebrada.

    3. Concordo plenamente. tenho um S4 há 2 anos (ou mais, sei lá) e nunca usei capa. Tinha um S3 (durou pouco mais de um ano) e também nunca usei capa! Aliás, acho que nunca usei capa em celulares! Acho feio e desnecessário!
      Quanto a capa do carro, essa eu gosto… bem longe dos meus! hhahahahahahah Coisa horrorosa!

      1. E depois de mais 3 meses usando, eis que a porcaria do celular espatifou no chão e quebrou a tela! :(
        Paciência, ainda não me arrependo de ter deixado de usar a película! :D

  3. O problema da Samsung não é e nem nunca foi vendas (até agora) – por sinal, nesse ponto sempre superou a Apple.

    O problema gigantesco da Samsung continua sendo o mesmo por anos: Software.

    O Android é um sistema maduro e estável, mas, infelizmente a Samsung é conhecida pelas modificações em exagero e sistema lotado de bloatware.

    Enquanto outras fabricantes como LG e Motorola entregaram há tempos para seus tops de linha de 2014 o Marshmallow, a Samsung patina nesse ponto com a linha recém lançada em 2015.

    Quando a comparação com a Apple vai para esse nível, a discrepância se amplia de tal forma que nem se deve comparar.

    O Android da Samsung tem um multi tarefa pior que concorrentes com hardware inferior (Note 5 tem um multitarefa inferior ao LG G4) e continua mais lotado de porcaria e com modificações que descaracterizam o sistema.

    Enquanto um smartphone de 4 anos atrás recebe as atualizações mais recentes na Apple, a Samsung não tem pena abandonar tablets e smartphones recém lançados, sem a menor vergonha de que assim o consumidor é tratado como lixo, e por isso, completamente descartado .

    Esse é hoje o principal problema da Samsung e não adianta ela criar o smartphone mais lindo do mundo. Ele sempre será um corpo vazio, sem conteúdo se ela continuar assim.

    1. Concordo plenamente com o que você disse, esse é o único ponto que me impede de comprar um smartphone da Samsung.

    2. Cara, não sei como estão esses novos aparelhos mas a Samsung corrigiu o problema do multitarefa com a atualização pro Marshmallow, em uma comparação com o novo Mi5 e com o iPhone 6s Plus que tem o software extremamente otimizado o Note 5 manteve todos os apps rodando. Dá uma conferida aí:

      https://youtu.be/sp4Un2sraZU

    3. Cara, não sei como estão esses novos aparelhos mas a Samsung corrigiu o problema do multitarefa com a atualização pro Marshmallow, em uma comparação com o novo Mi5 e com o iPhone 6s Plus que tem o software extremamente otimizado o Note 5 manteve todos os apps rodando. Dá uma conferida aí:

      https://youtu.be/sp4Un2sraZU

      1. A Apple também enche o iPhone de bloatware, a Motorola também e o Google tem uma suíte de inutilidades na linha Nexus. O problema é que a quantidade de porcarias saltam os olhos na Samsung – e sim, até a LG tem menos bloatware que a Samsung.

        Sobre as vendas, estritamente as “vendas”, você já confirmou o que ressaltei (e li a matéria do “lucro”- interessante, mas, com uma visão inocente e limitada).

  4. Emily, parabéns por mais posts no Manual!

    Ghedin, parabéns pela equipe, está muito bom :)

    Preciso urgente renovar minha assinatura!

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!