[Review] Life 8, smartphone da Blu

Life 8, smartphone da Blu.

Vários leitores, amigos e parentes já me perguntaram sobre a Blu, uma empresa de Miami que oferece smartphones coloridos, rodando o Android quase puro e com preços bem competitivos. Parecem promissores, mas nunca algum dessa marca havia passado pelo Manual do Usuário. Até hoje.

(Este review estreia o novo formato do site. Em vez de um textão + vídeo ao final dos meus testes, farei atualizações diárias, neste post, contando como está sendo a experiência: as descobertas, surpresas, o que é legal e o que desagrada e, claro, respostas das dúvidas que vocês publicarem nos comentários. Considerem este review como um piloto; se der certo, se for legal, repetiremos a dose.)

7/8, 17h30 — Primeiras impressões

A minha unidade do Life 8 é rosa choque! É provavelmente o rosa mais rosa que meus olhos já viram — chega a doer. Dentro da caixa, que é grande para os padrões atuais, a Blu manda carregador de parede, cabo USB, fones de ouvido, um micro-manual para se ler com uma lupa e, antecipando uma necessidade frequente dos consumidores, capinha e película. É o kit completo.

Capinha e película vêm na caixa do Life 8.

A bateria vem solta, o que faz com que a primeira impressão ao pegar o Life 8 seja a de leveza extrema. Depois, já com a bateria, quase sempre o componente mais pesado num smartphone, essa impressão some um pouco. Não fica sobrenatural como antes, mas continua leve com apenas 136g.

Fora o rosa choque-ai-meus-olhos, o Life 8 tem um visual agradável. A tampa de trás sai, mas colocada, ela meio que continua no “queixo” do celular, estendendo-se até a frente, como se o envolvesse. É puramente estético, e além de um toque legal, disfarça um pouco a moldura enorme na parte inferior frontal.

O Life 8 tem tela HD de 5 polegadas, um SoC com processador octa-core rodando a 1,7 GHz da Mediatek, 1 GB de RAM e apenas 8 GB de memória para armazenamento. Ele é dual SIM, mas só 3G, tem uma bateria de 2000 mAh (parece pouco) e roda Android 4.4.

Fiz um vídeo, com unboxing e primeiríssimas impressões:

Este review será feito por nós, então comente aí, desde já, o que você quer saber do Life 8.

8/8, 14h — De volta ao passado

Multitarefa do KitKat no Life 8.

O Life 8 não é um smartphone exatamente novo. Ele foi lançado em maio de 2014, e saiu de fábrica com o Android 4.2. Posteriormente, a Blu atualizou o sistema para a versão 4.4 e, ao que tudo indica, ele ficará nisso mesmo.

Fazia tempo que não testava um celular com “KitKat”, e chega a ser estranho o tanto que ele é mais espartano que o Android 5 “Lollipop”. Os menus, a cortina de notificações, gaveta de apps, tela de multitarefa… tudo é mais simples. Talvez seja efeito placebo, ou os oito núcleos Cortex-A7 do SoC da Mediatek mostrando serviço, mas esse Android parece mais ágil que outros mid-range rodando Lollipop que testei recentemente.

A personalização da Blu é bem leve. Existem alguns apps extras pré-instalados (todos com ícones horríveis e qualidade duvidosa) e algumas opções a mais nas configurações, tipo perfis de áudio (saudades, Symbian) e um curioso “Programar ligar/desligar”, que ainda não testei, nem sei para que serve.

Botões táteis do Android no Life 8.

Diferente do que disse no vídeo (abaixo), a faixa preta na parte inferior do Life 8 não é vazia; ela guarda, ocultos, os botões de navegação do Android. É bem discreto (daí eu não tê-los vistos), e ficam iluminados ao toque, um detalhe legal que, infelizmente, é raro mesmo em aparelhos intermediários. A ergonomia é boa, é fácil manuseá-lo. É um aparelho comprido, mas a leveza compensa.

Review do Life 8, da Blu.

Algumas perguntas dos comentários, respondidas aqui:

Há motivos remanescentes para tanto preconceito para com a Mediatek? (Leonardo Celos)
Até agora, não. Já havia testado outros smartphones com SoC da Mediatek, como Xperia C, Xperia E4 e Idol, mas nenhum octa-core, nem tão rápido (1,7 GHz). Ainda não fiz uso intensivo, só instalação de apps, leitura, navegação web e redes sociais, e ele tem se comportado muito bem.

É razoável de usar com uma mão apenas? (Witaro)
Sim. Como disse acima, ele é comprido, então não dá para alcançar aquele canto do topo, à direita, mas a leveza compensa isso e permite o uso com uma mão em tarefas rápidas (e que não tenham elementos vitais na parte de cima da tela).

Dos 8 GB, quantos são livres para o usuário? (felipelsp)
6,17 GB.

13/8, 9h30 — Na média e testes da câmera

A câmera do Life 8 é como o aparelho: mediana.

Com seis dias de uso, já na reta final dos testes, a impressão que tenho do Life 8 é de que ele é a personificação do smartphone intermediário. Que, se alguma empresa maior tivesse o desafio de construir um smartphone ok, sem nenhum chamariz típico de lançamento, nada para destacar no marketing, de apenas fazer um negócio funcional, o resultado seria algo próximo do Life 8.

Ele não tem absolutamente nada que se destaque. A tela? Ok. Desempenho? Ok. Câmeras? Ok. Bateria? Aguenta um dia de uso, então, ok. Na mesma medida, o smartphone da Blu tampouco tem algum ponto muito ruim. Ele está na média.

Na realidade, tem um. Nos últimos dois dias me deparei com um probleminha chato no Wi-Fi, que eventualmente morre e só volta se ativo e desativo o modo avião. Reparei que esse evento acontece em sessões de estresse, como acessar vários sites diferentes em sequência, ou rolar bastante o feed do Facebook. É bem irritante, e não encontrei solução pesquisando online.

Detalhe bizarro 1: o Life 8 é dual SIM, mas suporta dois SIM cards de tamanhos diferentes, micro e mini. Nunca tinha visto isso.

Dois chips, de tamanhos diferentes.

Detalhe bizarro 2: aquela opção das configurações, “Programa ligar/desligar”, faz realmente isso, ou seja, permite programar um horário em que o smartphone desliga e outro em que ele liga. Achei curioso, mas ainda não entendi a utilidade.

A carcaça do Life 8 parece frágil e, não sei se é exclusivo da minha unidade ou inerente ao projeto, em alguns pontos ela “pegou” a cor do jeans que costumo usar. Pontinhos quase imperceptíveis, mas não impossíveis de serem vistos. Talvez eu devesse ter utilizado aquela capinha…

Mancha azul na carcaça do Life 8.
Repare na mancha azul destacada.

A câmera do Life 8 é (adivinhe) mediana. Não tem a definição de modelos mais caros e com frequência entrega cores desbotadas. O alcance dinâmico não é dos piores, e isso é bom, já que não é possível deixar o modo HDR no automático. Alguns exemplos:

Foto feita com o Life 8 sem HDR.
Sem HDR. f/2,2, 1/3247s, ISO 95. Redimensionada para 742×417.
Foto feita com o Life 8 com HDR.
Com HDR. f/2,2, 1/1211s, ISO 100. Redimensionada para 742×417.
Cores um pouco lavadas nesta foto.
f/2,2, 1/120s, ISO 130. Crop de 100%.
Carência de detalhes e bastante ruído.
f/2,2, 1/2165s, ISO 99. Crop de 100%.
Bonita foto ao ar livre.
f/2,2, 1/744s, ISO 100. Redimensionada para 742×417.
Leve estouro de luz no topo da foto.
f/2,2, 1/567s, ISO 100. Redimensionada para 742×417.

Veja essas e outras fotos, em tamanho natural, no Flickr.

19/8, 8h50 — Conclusão

A faixa de preço que mais vende no Brasil é a que fica entre R$ 500 e R$ 900. O Life 8 foi lançado por aqui acima dos R$ 1.000, mas hoje é encontrado por bem menos, cerca de R$ 650.

O aquecimento no segmento torna a vida da Blu difícil. Ainda que o Life 8 seja um bom smarpthone (e ele é), questionamentos como o do leitor Felipe são pertinentes: por que alguém escolheria uma marca menos prestigiada em detrimento das Motorola, Samsung e LG da vida?

Eu não tenho essa resposta. Talvez pelo visual, pelo diferente, por alguma promoção. Fato é que, dentro da sua proposta, o Life 8 é bem competente, sem problemas graves com exceção daquele bug no Wi-Fi, que não sei se é restrito à minha unidade ou não.


Logo da Cissa Magazine.O Life 8 usado para a produção deste review foi gentilmente cedido pela Cissa Magazine.

Compre o seu lá.

Acompanhe

Newsletter (toda sexta, grátis):

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

68 comentários

  1. O Blu é muito encontrado também no mercado informal – camelôs e importadores independentes (tucanês de muambeiro :p ). Partindo deste presuposto, o custo é menor e o custo benefício acaba maior.

    Para quem não quer um celular de marca, e não liga da falta de suporte oficial (não vi sobre isso), e vai comprar ou importado ou muambado :p acho que é uma boa. 650 é um patamar alto para muitos, inclusive para quem dá mais valor a marca.

  2. Sobre o “Detalhe bizarro 2” acho que serve para economia de bateria. voce pode programar ele para passar a noite desligado e ligar antes do alarme despertar. Ou se voce nao pode usar o telefone no trabalho, por exemplo, automatizar o liga/desliga nesse intervalo… interessante. Meu ar condicionado tem essa função.

  3. Achei a ideia de vir com capinha e película bem interessantes. Seria muito legal se as outras montadoras adotassem essa política. Pena que -aparentemente- você não levou muito a sério o aparelho. Não abriu os fones pra ver o tamanho, não mostrou se a película é de plástico ou vidro, não testou se a capinha traseira encaixa legal ou se é ao menos rígida ou flexível…No mais, a ideia do vídeo é boa.

    1. O review está em aberto, @romenigueigor:disqus, e são comentários como o seu que ajudam a melhorá-lo! Amanhã publicarei uma atualização e darei atenção à capinha e película que vêm no pacote.

  4. Para quem não conhece a Blu, tive um Blu Life Play que era ótimo, rápido, eficiente, sem travamentos, câmera boa.

    1. A Blu tem equipamentos bons, assim como os pé-de-boi, baratos e até um pouco problematicos. Uma vez vi um modelo da Blu com problemas, e lendo na internet, vi que era recorrente o defeito.

      Assim como vi um outro modelo (acho que era o Life Play) que meu amigo elogiou e parece-me bem durável.

  5. Para quem não conhece a Blu, tive um Blu Life Play que era ótimo, rápido, eficiente, sem travamentos, câmera boa.

  6. Humm… tenho a impressão que a ordem cronólogica “de cima para baixo” ficaria melhor, não? (acabei lendo de trás pra frente).

      1. Sugestão então, colocar tipo um link para cada parte do texto, ficaria excelente e menos chato (não achei a palavra adequada) de ler no smart.

  7. Ja usei um Blu, numa época de aperto financeiro, precisei vender meu S3, e me serviu bem. O aparelho era muito rápido, sistema leve, câmera com qualidade razoável, display bom, bateria potente, e o melhor, MUITO BARATO! Paguei 1/5 do valor do S3 que vendi semi-novo!

  8. Achei promissor esse formato, mas não gostaria de vê lo tornar se o formato principal de reviews no Manual.

  9. O KitKat realmente era um sistema de respeito. Saudades da fluidez que o meu moto G apresentava quando rodava a versão 4.4.4 do KK.

    1. Eu não gostava daquele ícone grandes. Sem falar que não sabíamos se o aparelho estava conectado ou não.

      1. Comigo não há muitos problemas relativos a consumo, mas utilizo um aplicativo que talvez possa te ajudar, o Greenify. Não funciona igual a task-killers comuns e tem uma versão gratuita na play store, dá uma olhada dps ;)

  10. Achei estranhamento bonito.
    O que achou da cover, case, whaterver incluída no pacote? Podiam ser mais ousados e tascar mais cores?

    E qualidade da câmera para selfies? É fácil conseguir acessar a câmera pra tentar tirar foto de uma oportunidade?

  11. Muito boa a ideia :)

    É só comigo ou esse inicio dos vídeos do Manual sem som faz você tomar um susto achando que tem problema no seu sistema de som?

    Porque não botar qualquer indício de som? Nem que seja um “zummmm” no fundo.. um fade in em som. Qualquer coisa, para mostrar que ta começando.

    É muito estranho sem som.

  12. Putz… fazer review com celular cor “azul Campinas” , com estas specs e rodando kit kat ninguém merece….

    1. “azul Campinas”???? Eu sou de Campinas, mas nunca tinha ouvido falar dessa cor… Ela está no catálogo dos fabricantes de tintas?

  13. será que alguem ainda lê o manual do usuario do aparelho?
    nem eu lembro de ter lido algum manual completo…., sempre fui fuçando…

        1. Acredito que esse seja o padrão do Android. No nexus 4, tenho 12.9 dos 16gb originais. Então algo próximo de 3gb é “natural”.

  14. Bem, primeiro, amei esse tipo de review, tipo “diário de bordo”. O que quero saber dele? Como lida com vários apps em segundo plano. Isso foi o que mais me irritou no Moto G 2014, onde ficando com 5 apps na multitarefa, era impossível logar no Onedrive com autenticação em duas etapas, porque ao abrir sms com o código e voltar no app da Microsoft, ele reiniciava e obrigava a se realizar novo login, com senha, claro e… enviava novo sms (sei que existem outros modos de logar usando código, antes que alguém diga) num eterno loop.
    Quero saber tb sobre qualidade da tela, se a película enviada é de vidro (acredito que seja de plástico) e se películas de outros aparelhos com tela de dimensões similares, servem (inclusive alguma de vidro).

  15. Muito interessante fazer isso.

    Esse tipo de abordagem acontece muito no Gizmodo US.

    Parabéns pela mudança Ghedin. Espero que seja um sucesso.

  16. Pelo que deu para ver no site da Cissa, esse aparelho já deve ser um pouco antigo, por estar informando lá que vem com Android 4.2, se ele foi atualizado qual versão do Android que ele atualmente?

    1. Sim, @willguevara:disqus. Ele foi lançado com a versão 4.2, mas ganhou atualização para o KitKat (4.4). É uma ROM bem pura, só com algumas mexidas nas configurações e uns poucos apps extras.

    2. Sim, @willguevara:disqus. Ele foi lançado com a versão 4.2, mas ganhou atualização para o KitKat (4.4). É uma ROM bem pura, só com algumas mexidas nas configurações e uns poucos apps extras.

  17. É só um fato besta mesmo, mas esse papo do Life 8 ser leve me lembra dos tempos dos telefones tijolo.
    Eu tinha um 2280(CDMA, da Vivo), que pesava 99g(muito leve, parecia oco). Algumas pessoas tinham o 1220(TDMA, várias operadoras), que pesava um tanto MAIS(150g, pelo que eu achei). Eu, acostumado com o 2280, quando pegava um 1220 na mão, acabava quase largando eles no chão.

  18. É só um fato besta mesmo, mas esse papo do Life 8 ser leve me lembra dos tempos dos telefones tijolo.
    Eu tinha um 2280(CDMA, da Vivo), que pesava 99g(muito leve, parecia oco). Algumas pessoas tinham o 1220(TDMA, várias operadoras), que pesava um tanto MAIS(150g, pelo que eu achei). Eu, acostumado com o 2280, quando pegava um 1220 na mão, acabava quase largando eles no chão.

  19. Acho que uma das minhas maiores duvidas nesses smartphones que estão chegando aqui no Brasil fica sempre em relação a camera, pois se o android dele for fluido igual aos intermediarios de hoje do mercado, a camera acaba sendo um dos poucos diferenciais que sobram, então acho legal um foco nisso, e tambem sobre a interface, o quanto ela é modificada, ou não, etc.

      1. Boa câmera frontal, uma boa “pegada” para o celular não escorregar ao usar com uma só mão, modo facilitado de disparo, boa perfomance em condições baixas de luminosidade.
        Não que eu tenha comprovado empiricamente,

          1. E o essencial: Ser de uma feliz proprietária que gosta de mostrar… A MARAVILHOSA CAMERA FRONTAL DO SEU CELULAR COR DE ROSA-AI-MEUS-OLHOS!

          2. E o essencial: Ser de uma feliz proprietária que gosta de mostrar… A MARAVILHOSA CAMERA FRONTAL DO SEU CELULAR COR DE ROSA-AI-MEUS-OLHOS!

      1. Rodrigo, não sei o que você conclui do Xiaomi, mas esse auê da imprensa, sei não…
        (Da última vez que me deixei levar pelos elogios de experts da imprensa tech, comprei um G 2014 16Gb e me estressei muito, justamente o contrário de tudo que vi, li e ouvi, nos vídeos, inclusive. Pode parecer heresia, mas na mesma época que comprei o Moto G, tive a chance de experimentar um CCE SK504 e achei melhor).

  20. Achei o formato interessante, porem bem diferente, acho que é esperar pra ver no que vai dar né, eu espero que saia uma coisa legal.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!