[Review] Xperia E4, o smartphone escorregadio, porém competente da Sony

Review do Xperia E4.

Depois de passarmos por uma fase de smartphones muito baratos, as fabricantes, pelo menos as maiores, parecem estar revertendo a estratégia e reposicionando seus aparelhos de entrada em faixas ligeiramente mais altas. É o caso do Xperia E4, o novo baixo custo da Sony.

Esse movimento de subida é compreensível (leia-se dólar a +R$ 3). Mesmo quando o aparelho é montado no Brasil, caso desse, os componentes ainda vêm de fora e há custos embutidos também pagos em dólar. Isso talvez explique o acréscimo de R$ 100 no preço de lançamento do Xperia E4 em relação ao E1, lançado há um ano, e ao E3, de outubro do ano passado. (Não sei o motivo, mas não existiu um “Xperia E2”.)

O Xperia E1, aliás, passou por aqui e foi uma grata surpresa. Hoje é fácil encontrá-lo por menos de R$ 300 no varejo, valor que lhe empresta um custo-benefício bem bom. Mas e o Xperia E4? O que mudou entre em três gerações, distantes apenas um ano no tempo? Algumas coisas importantes. Vamos a elas.

Review em vídeo

Assine o canal do Manual do Usuário no YouTube!

Configurações equilibradas, bateria incrível

O Xperia E4 finalmente livrou essa linha de tópicos vergonhosos na tabela de especificações. Mesmo tendo gostado do E1, era preocupante ler “512 MB de RAM” e “4 GB de armazenamento” próximo às fotos de divulgação do aparelho. E embora o Xperia E3 tenha trazido 1 GB de RAM, ainda derrapava em oferecer apenas 4 GB de espaço interno.

No Xperia E4, está tudo certo: ele tem 1 GB de RAM, o mínimo para se ter uma experiência realmente boa no Android, e 8 GB de memória para guardar sistema, apps e arquivos. (O slot para cartão microSD de até 32 GB continua presente.)

Tela em macro do Xperia E4.

A tela também cresceu, agora tem 5 polegadas, e a resolução aumentou, embora ainda seja proporcionalmente insuficiente; são apenas 960×540 pixels, o que dá 220 PPI. Não é o fim do mundo, mas àqueles acostumados a telas com qualidade Retina, tudo parece ligeiramente borrado. Brilho e contraste são ok. Vista de lado, a tela perde um pouco de contraste, mais ou menos como o Xperia Z1, mas de uma maneira menos acentuada. Tem que ache esse um pecado indesculpável, mas pessoalmente não acho tão grave.

No coração do Xperia E4 está um SoC da Mediatek composto por processador Cortex-A7 quad-core de 1,3 GHz e GPU Mali-400MP2. Durante meu uso ele se mostrou esperto e rápido, capaz de abrir mesmo apps pesados, como Facebook e Chrome, sem tantos engasgos, ou lentidão. Comparado ao Snapdragon 200 que equipava o Xperia E1, é outro progresso notável.

Para aguentar tudo isso, ou seja, uma configuração sem dúvida mediana, a Sony colocou uma bateria de 2300 mAh. Para certos segmentos esse valor é quase padrão, mas em aparelhos de entrada, não. E isso faz a diferença: o Xperia E4 aguenta dois dias longe da tomada com uso normal. Comigo, que tenho um perfil econômico, ele chegava ao fim do dia com quase 50% da carga ainda disponível. Nesse sentido ele é bastante confiável e capaz de ficar um bom tempo, mais do que estamos acostumados, longe da tomada.

A única coisa estranha foi um bug (ou o que eu espero que seja) no Wi-Fi. Por diversas vezes durante os testes ele perdia a minha rede e não conseguia reconectar ou, embora o ícone do Wi-Fi estivesse ativo, não conseguia baixar nada. A única solução nesses casos era reiniciar o aparelho. Fica a torcida, caso não seja um problema isolado da minha unidade, para que a Sony se solidarize e resolva o que é, acredite, uma chateação.

Fora isso, acho que deu para sacar que, por dentro, o Xperia E4 é um smartphone muito equilibrado. Aqueles R$ 100 que a Sony acrescentou no preço de lançamento em relação ao modelo anterior foram bem gastos. Os problemas, porém, existem. Eles estão fora do aparelho…

Xperia ensaboado

Botões estranhos do Xperia E4.

O Xperia E4 é um dos smartphones menos ergonômicos que já passaram por aqui. Receei, a todo momento, derrubá-lo no chão simplesmente porque o plástico da tampa traseira não tem aderência. É liso. Ok, para ser honesto há, sim, uma leve textura, mas é tão sutil que não ajuda em nada a dar firmeza no manuseio.

E piora. O posicionamento dos botões é bem infeliz. Os três (liga/desliga e os dois de volume) ficam posicionados na lateral direita. O liga/desliga está quase no centro e os de volume, abaixo dele. Esse layout dificulta muito pegar o smartphone de qualquer superfície sem apertar pelo menos um botão. Seria mais conveniente, como basicamente qualquer smartphone que tem os três botões de um lado só faz, posicioná-los mais próximos do topo.

Por falar em posicionamento, o dos alto-falantes engana. O design apresenta duas grades frontais, em cima e embaixo, mas elas são apenas o speaker do telefone (que tem uma qualidade bem boa) e o microfone. O verdadeiro alto-falante do aparelho fica nas costas e, obviamente, é abafado quando está sobre uma mesa ou coisa parecida.

A tela salta para fora no Xperia E4.

Por fim, e esse último ponto é meramente estético, a tampa traseira não “abraça” totalmente o Xperia E4. A tela extrapola as bordas da tampa, fica saltada para fora e dá a sensação de que alguma coisa não está bem encaixada (veja a foto acima). É só sensação, e não sei o que os designers estavam pensando quando se decidiram por isso. De qualquer forma, é bem esquisito.

São tantos problemas que eles afogam alguns acertos ergonômicos, como os cantos mais arredondados, uma mudança recente no design da Sony que, até pouco tempo atrás, apostava em ângulos retos nas bordas que chegavam a machucar a palma da mão. Eu não sou partidário de capinhas, mas dadas as circunstâncias, ela é quase obrigatória neste Xperia E4.

Câmera

A câmera é fraca, mas a frontal surpreende.

Câmera costuma ser um dos pontos que mais sofrem em smartphones de baixo custo. Com o Xperia E4, não é diferente. No papel, pelo menos, a câmera é a mesma do E3: resolução de 5 mega pixels, foco automático, flash de LED e alguns truques legais, como detecção de rostos, modo panorâmico e HDR. A questão é que é preciso mais para se fazer uma boa câmera e, aparentemente, esse modelo carece de todos os componentes desse “mais” que fazem a diferença.

Entre os problemas da câmera do Xperia E4 notei: dificuldade para focar, lentidão do obturador, cores esquisitas (todas as fotos ficaram bem escuras e com cores mais pesadas) e uma falta de definição estranha. Sabe quando aparece um sonho dentro de um filme, e a imagem muda para refletir isso? Mais ou menos parecido. Isso provavelmente decorre do algoritmo de pós-processamento, que aplica filtros pesados que atenuam os níveis de ruído. Só que há um preço nessa jogada e, no fim, são raras as fotos que se salvam.

Exemplo de foto feita com o Xperia E4.
f/2,6, 1/33s, ISO 1600. Redimensionada para 730×411. Com pouca iluminação a foto quase virou um borrão.
Foto tirada com o Xperia E4.
f/2,6, 1/1337s, ISO 125. Crop 100%. Pós-processamento pesado, cores estranhas.
Foto tirada com o Xperia E4.
f/2,6, 1/269s, ISO 125. Redimensionada para 730×411. As cores ficam realmente estranhas.
Foto noturna feita com o Xperia E4.
f/2,6, 1/8s, ISO 1600. Redimensionada para 730×411. À noite, esqueça.

O app é aquele mesmo de sempre nos smartphones da Sony, e alguns modos antes restritos a modelos mais caros, como o de realidade aumentada, que coloca dinossauros, peixes e faixas de “feliz aniversário” no enquadramento, estão disponíveis.

Na frente, a câmera agora tem resolução HD e parece mais clara, mesmo com abertura f/2,8 — a da câmera principal é maior, f/2,6. Há alguns estouros de branco, mas no geral ela se saiu melhor do que eu esperava.

Selfie com a câmera frontal do Xperia E4.
f/2,8, 1/8s, ISO 100. Redimensionada para 730×973. Mesmo com iluminação precária e abertura não tão grande, a câmera frontal se sai bem.

Veja estas e outras fotos, em tamanho natural e sem edição, no Flickr.

O velho Android 4.4

Interface datada dos smartphones da Sony.

O Xperia E4 vem com Android 4.4 instalado e com a Xperia UI, a camada de software da Sony, por cima. Ele continua feio e com visual datado como todos os smartphones da marca nos últimos anos, mas é competente. E pelo que vimos do novo Moto E, não dá para condenar a Sony por apostar em ingredientes testados e comprovados, como essa versão do Android e um SoC com o (não tão) bom e velho processador Cortex-A7.

As únicas mudanças estéticas são pequenas mexidas em alguns ícones e interfaces a fim de torná-los “flat.” Nada que salte à vista, e detalhes talvez apenas perceptíveis apenas por quem tenha tido contato com outros Xperia recentes.

A Sony continua incorporando algumas soluções para deixar o smartphone mais esperto, como o Smart Connect, que funciona como espécies de macros do Office, ou seja, desencadeando ações a partir de determinados eventos; benefícios e dicas do Xperia Louge; PlayStation; e o novo Modo Festa, um app que permite gerenciar playlists colaborativas através deste app e compartilhar as fotos da festa em tempo real, inclusive com conexão por NFC. Note que embora o app funcione em smartphones de outras marcas, é preciso ter um Xperia para criar uma festa.

Modo Festa estreia no Xperia E4.

Os apps para usufruir das antenas de rádio FM e TV funcionam a contento. Infelizmente, a TV digital é no padrão 1SEG, ou seja, de baixa resolução. Fora isso, temos algumas demonstrações de jogos e apps como Facebook, Twitter, Kobo, Crackle, um GPS da Garmin e um gerenciador de arquivos, pré-instalados. Isso deve ser especialmente legal para quem não tem ideia do que é o Google Play, ou seja, o cada vez mais raro consumidor do primeiro smartphone.

Apesar do visual cansado e de alguns extras questionáveis, este Android cumpre seu trabalho. A Sony não declarou, ainda, se o Xperia E4 ganhará atualização para o Android 5; sendo um smartphone de entrada, eu não contaria com isso…

Será uma boa pedida quando baratear

É bom, mas o preço ainda intimida.

Peguei o Xperia E4 meio reticente, mas no fim acabei gostando desse smartphone. Ele não tem nenhum ponto onde se exceda, tampouco alguma falha grave. Talvez o design, um desastre de ergonomia, mas fora isso é um smartphone equilibrado e rapidinho. Sim, você sentirá que a tela não é tão bem definida, às vezes esperará um ou dois segundos a mais por um app, e certamente xingará a câmera com frequência, mas perto dos concorrentes nessa faixa de preço, ele se mostra interessante.

O valor sugerido pela Sony é de R$ 699. Por menos que isso dá para levar um Lumia 730 ou Zenfone 5 em promoção, dois aparelhos superiores. É importante levar em conta que o Xperia E4 acabou de ser lançado, e que nas próximas semanas ele deve entrar em promoção e provavelmente passar a barreira dos R$ 500. Nesse patamar a concorrência é menos inspirada e o modelo de entrada da Sony se destaca.

Xperia E4.

Compre o Xperia E4

Comprando pelos links acima o preço não muda e o Manual do Usuário ganha uma pequena comissão sobre a venda para continuar funcionando. Obrigado!

Acompanhe

Newsletter (toda sexta, grátis):

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

21 comentários

  1. A sony e bem sacana. lançou que teria atualização para android 5 e ha um ano estou com o aparelho e ja sairam atualizações para modelos mais antigos e nada de sair para o e4. e uma sacanagem com os clientes. nunca mais compro sony…

  2. Eu Sei Que É Sobre O SONY XPERIA E4,, Mas Gostaria De Saber Se O XPERIA E3 Tem “LED De Notificação”?!!
    Se Possível Amigo Fassa Um Review Do SONY XPERIA E3 Por Favor ( Éque Gostaria De Adquirir O E3, Por Ele Ter Um Design Mais Atraente )

    Desde Já, Agradeço.!! :)

  3. cara esse celular é bom de mais mano e barato ainda.. jogo games atuais nele como real racing 3 e espetacular homen aranha 2 e batman cavaleiro das trevas sem trava.. so q mata nele é o android 4.4.4 :( quero o 5.0 … quero root logoooooo !!!!!

  4. Geralmente se segue uma sequencia numérica pras várias gerações, mas a Sony realmente pulou uma,ou talvez não: Existe Xperia E, E1, E3 e agora E4. Pela lógica o Xperia E1 é a segunda geração. Talvez quiseram evitar confusão com o Moto E.

  5. Rodrigo… adquiri um XPERIA E4 mas a câmera dá erro quando acionada… já atualizei o software do sistema pelo site da SONY mas nada foi resolvido. Tem alguma ideia de como você pode me ajudar?
    wadson Silva

  6. Putz, mais um Sony com problema no Wifi.

    Já tive um Xperia Sola, aparelho design lindo, todo quadrado, diferente. Veio com o Android 2.3 quando atualizava para 4.0 oficialmente, o Wifi simplesmente morria. Do nada.

    Sem solução até hoje, muita gente no forum oficial, desisti do aparelho, mandei de volta para loja e estou feliz até hoje com um iPhone 4s usado… lindo maravilhoso, sem defeitos :)

  7. Tem notícias de quando a versão 4G deste aparelho chega? Parece que ela é ligeiramente menor do que este (tela de 4,7″, em comparação às 5″ deste). Saudades dos celulares pequenos….

  8. A Sony deve ter distribuído esse aparelho para geral, já que em quase todos os sites de tencologia BR estão com review desse aparelho.

    1. Funciona assim: a assessoria tem um número X de aparelhos e distribui eles à imprensa. Depois que eles são retornados, esses mesmos aparelhos vão para outros veículos, em geral menores, e esse ciclo se repete. É o mesmo padrão para (quase) todos, então, sim, vários sites acabam testando, escrevendo e publicando reviews quase que ao mesmo tempo e alguns (geralmente o caso do Manual do Usuário), depois.

      1. Nem achei que foi depois aqui, mas interessante isso acontecer. É que alguns aparelhos parecem passar despercebidos, enquanto outros tem análises em vários sites.

  9. Encontrei Moto E 2a. geração por R$ 562,32. Considerando que a Motorola irá atualizá-lo, vale mais a pena?

    1. É o modelo 3G, né? Ele tem um SoC teoricamente pior que o dos modelos 4G (Snapdragon 200 contra 410), embora seja um parecido com o Mediatek do Xperia E4. No modelo 4G, que testei, o Android 5.0 pareceu pesar. Ele engasgava mais do que o Xperia E4 com a versão 4.4. Em vários outros aspectos os dois, Xperia E4 e Moto G 2ª gen. 3G, são bem similares. É uma decisão difícil, viu.

    2. O Zenfone 5 vive aparecendo com preço abaixo desse. Recomendo você acompanhar fóruns de promoções que sempre tem boas ofertas de smartphones.

  10. Ei amigo, como assim, a modificação da sony é feia? Junto com a da LG ela é a mais bonita de todas as modificações do android!

    1. É questão de gosto, claro, mas eu acho feia e datada. Ela tem muito de esqueumorfismo ainda, como o iOS 6 e anteriores, e isso, misturado ao design flat da maioria dos apps para Android atuais, envelhece ainda mais a interface. A Sony não a atualiza pra valer há, no mínimo, uns três anos. É uma vida em se tratando de smartphones.

      A da LG melhorou um bocado com o G3 e é das menos piores, apesar de alguns problemas chatos de usabilidade. No mais, ainda prefiro o visual padrão do Android 5.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!