Notícias

Volume de vendas num trimestre é (bem) diferente de base instalada

Pega na minha mão e vem comigo:

  • Até 2014, produto “A” tinha vendido 100 unidades e produto “B”, 50.
  • No primeiro trimestre de 2015, produto “A” vendeu 5 unidades e produto “B”, 10.
  • As vendas do produto “B” foram maiores que as do produto “A” no período, mas o mercado ainda tem mais produtos “A” em uso — 105 contra 60.

Agora, troque “A” por “iOS” e “B” por “Windows”. Continua fácil de entender, certo? Não para alguns sites de tecnologia, nem para a Microsoft:

Tweet da @MicrosoftBr.

A Kantar divulga o share de vendas de smartphones em alguns países, inclusive o Brasil, a cada trimestre. Ontem saiu o último balanço, relativo ao trimestre que se encerrou em julho. O Windows (Phone) abocanhou 5,9% das vendas do período e o iOS, 3,5%. Vendas, no período. Isso é importante.

Ainda assim, muita gente está inferindo, erroneamente, que o Windows ultrapassou a base instalada do iPhone por aqui.

É possível que essa virada tenha acontecido, com o iPhone caríssimo e Windows Phone a preço de dumbphone. E não é de hoje que aparelhos com o sistema da Microsoft vendem mais (veja, “vendem mais”, não “são maioria”) que os com iOS. Mas não é com esses dados da Kantar, nem os do IDC, que também trabalha com volume de vendas, que se pode afirmar uma virada na base instalada.

Se pegarmos, por exemplo, dados do StatCounter, que monitora o uso de sistemas que acessam a web, a presença do iOS é três vezes maior que a do Windows Phone no mesmo período analisado pela Kantar:

Dados de uso de sistemas móveis no Brasil entre maio e julho de 2015.

Repita comigo: volume de vendas não é a mesma coisa que base instalada.

Dica do Felipe e do Juan. Valeu!

Assine a newsletter gratuita:

Siga nas redes sociais:

Mastodon / RSS / Telegram / Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

34 comentários

  1. Isso me lembra também um erro que vejo principalmente em sites de tecnologia, e que nessa epoca de divulgações de balanços e dados de 2015 acontece muito.

    Misturar receita com lucro, as vezes na informação inicia/relatório da empresa fala que faturou X, ai o site daqui (não o manual) taca um “Apple tem lucro de 50bilhões no trimestre somente com Iphone”.

    1. Se um site comete esse tipo de erro você deveria parar de lê-lo imediatamente! (Eu até entenderia, e relevaria, alguma confusão entre lucro líquido e lucro operacional, mas misturar receita com lucro já é demais…)

      1. assim, não vou dar nomes aos bois porque não é meu ponto,

        mas de maneira geral, e encaixa no tema do seu post, eu vejo que alguns blogs de tecnologia fazem muita confusão com termos financeiros/contábeis, alguns gostam de comparar coisas que não são comparáveis, exemplo semana passada pipocaram umas matérias ai sobre o faturamento do Google com o Android (um software/serviço) em anos com o faturamento da Apple com o Iphone (um hardware/produto) no ultimo trimestre, tipos os números estavam certos, mas qual o sentido disso?

        E sobre parar ler, tem a parte masoquista que as vezes gosta de ver esses erros (minha formação em administração) e as vezes porque gosto de outros autores dos blogs ai como o feedly não filtra por autor…rs

      2. e ainda não tive tempo de ouvir o Guia Pratico #64 que parecer ser interessante… mas vou ouvir ainda

  2. Rodrigo, tô precisando fazer um trabalho (bem completo) sobre smartphones e queria saber se você sabe indicar alguma fonte pra isso. Tenho que dar uma vasculhada no MdU pq tenho certeza que vai ter bastante coisa boa, mas como eu preciso de muito mais coisa, provavelmente vou precisar pesquisar bastante. Eu preciso saber coisas como quantos usuários de smartphones temos no Brasil e no mundo, quais países mais usam internet no celular, o que as pessoas procuram (navegação? apps? games?), quais são as maiores dificuldades (conexão? velocidade? sites não responsivos?), qual o celular e o SO mais vendido do mundo… enfim, é bastante coisa hehe

  3. É bem fácil ver quantoa WP tem por aí, grita na rua e espera uma reaposta, cuidado pra não dar tela azul…

  4. Agora falando sério, eu sei que ter uma grande base instalada é muito importante para essas empresas pois aumenta a atratividade dos desenvolvedores para essa ou aquela plataforma.
    No entanto, me pergunto se isso devia também ser usado para medir o nível de satisfação dessa ou aquela pessoa por determinado produto. Por exemplo, eu tenho um Lumia 730 e para mim é o melhor celular que já tive. Me atende muito bem, é fluído, bateria dura bem para meu uso, tenho os softwares que preciso, enfim, não sinto falta de nada. Eu sei que a loja da Microsoft carece de software e tals mas, aí é que está, “para mim” atende muito bem! Essa é minha opinião a respeito do meu celular e para mim é isso que importa, eu é que uso ele.
    O que não entendo é essa de que se você tem WP vem alguém e diz: “WP não presta, loja muito ruim, blá blá blá”. Ou se você tem um Android: “ah, Android depois de um tempo trava, demora para vim atualização, blá blá blá”. Ou se você tem um IPhone: “IPhone não dá pra por cartão SD, bla bla bla”.
    Se a pessoa está satisfeita com o celular dela pra quê eu vou tentar mudar a cabeça dela com a minha opinião? Ela acha bom, bom para ela!
    Se você gosta do seu sistema, ele te atende, duvido que vai fazer alguma diferença para você se 3 ou 4 pessoas no seu trabalho usam o mesmo sistema ou se apenas você tem aquele sistema. Isso só fará diferença para você se a opinião de outros a respeito do que você tem e usa importar mais do que a sua própria opinião.

    1. a galera compra um smart e acha que faz parte da equipe que desenvolve ele, e gosta de ter o pensamento de “estar por cima” conheço alguns usuários que se acham até porta-voz das empresas rs é bem comédia.

      1. Pois é cara, dureza isso. Sempre que alguém me pede recomendação eu digo: “gosto do meu telefone por causa disso, disso e daquilo”. Porém, digo a ela para considerar as outras opções, ver os prós e contras para ela, por que variedade é isso, você poder escolher aquilo que melhor lhe atende.
        Mas, sabemos que alguns fazem até terrorismo quando vai falar de tecnologia, criam ódio por outra marca e pelos usuários dela. O que você vê de xingamento em vídeos de análise é coisa de louco (isso pq o cara que fez o vídeo está com a intenção de ajudar a pessoa).
        Tem que rir pra não chorar de certas mediocridades.

    2. Aí que está, não da pra recomendar o WP ainda para o povão, porque não atende a todos como o Android e o iOS faz

  5. Isso que dá deixar estagiário ficar atualizando a conta no Twitter. Pelo jeito mais um vai ficar desempregado depois dessa…

  6. No meu trabalho posso pensar em umas 4 pessoas que tem WP e só um brother que tem iPhone (4s) – comprado não tem 1 ano – pq ele trabalha com edição. Claro que isso varia MUITO de ambiente, mas acredito no que o Ghedin falou “iPhone caríssimo e Windows Phone a preço de dumbphone” contribua bastante.

    Meu ponto aqui é que acredito deveriam focar o desenvolvimento de certos aplicativos
    (como localizador de ônibus [cittamobi] ou o do cartão do sus digital) em WP do que iOS pq é o que o “povão” usa mais, depois do Android é claro.

    1. Na prefeitura da minha cidade estão disponibilizando wifi gratuito em alguns órgãos públicos (postos de saúde, por exemplo). Detalhe: pra acessar, você tem que baixar um aplicativo, disponível apenas pra Android e iOS.

      Imagino que a quantidade de pessoas que frequentam um posto de saúde público e que possuam Windows Phone seja bem maior que a que possuam iPhone.

      Isso sem falar no absurdo que é precisar de internet pra baixar um aplicativo pra entrar na internet (Inception?) ou simplesmente precisar de um aplicativo pra entrar na internet.

      1. Isso me lembra internet discada, que sem aqueles discadores (UOL, AOL, BOL e o resto do alfabeto com um “OL” depois) que vinham em CDs você não conseguia acessar.

  7. Mas nem todo mundo entra em sites via celular. Acreditem, isso é plenamente possível. Tenho amigos e familiares que possuem WP, mas basicamente só usam o básico (feice, zapzap). Entrar em sites? Muito dificil.

    1. Também penso assim, mas da pra considerar essa métrica válida.
      Quanto mais pessoas tem determinada plataforma, mais chances de ter gente que acessa sites. Não é uma medida exata, mas da uma ideia do todo.

    2. Sim sim, por isso a ressalva — “É possível que essa virada tenha acontecido, com o iPhone caríssimo e Windows Phone a preço de dumbphone.” Mas não dá para afirmar, muito menos a partir de dados sobre vendas.

    3. Sim sim, por isso a ressalva — “É possível que essa virada tenha acontecido, com o iPhone caríssimo e Windows Phone a preço de dumbphone.” Mas não dá para afirmar, muito menos a partir de dados sobre vendas.

  8. Pequena correção. Lá no 3º “bullet” deveria ser: As vendas do produto “B” foram maiores que as do produto “A”(e não “B” novamente)?

    1. Como diria o cara de uma novela velha: Estratégia de Marketing (atente para o carregado sotaque nordestino ao pronunciar)

  9. Enquanto eram sites noticiando errado, bom, digamos que não é a primeira vez, mas aí até a Microsoft entrando na onda? Poxa cara…

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!