A nova versão do Windows 10 chega hoje e você não poderá ignorá-la

Print do Menu Iniciar do Windows 10 Anniversary Update aberto.

Se você já atualizou o seu computador ou tablet para o Windows 10, é bem provável que em algum ponto do futuro próximo ele seja atualizado para uma versão mais recente do sistema e você nem perceba. Essa versão, conhecida como “Anniversary Update”, traz muitas e boas novidades, embora a maioria delas seja sutil. E, o que é melhor, a Microsoft promete que ela não dará dor de cabeça. Goste ou não, é assim que o Windows funciona agora: não mais como um sistema, mas como um serviço.

Windows como serviço?

Antes do Windows 10 ser lançado, a Microsoft causou alguma confusão ao afirmar que aquela seria “a última versão do Windows”. É verdade, mas não é bem assim. A partir do Windows 10, o sistema passou a ser encarado como um serviço. Na prática, isso significa que em vez de atualizações grandiosas a cada três anos em média, a Microsoft passou a lançar atualizações menores em intervalos mais curtos, de no máximo um ano.

Outra novidade é que essas atualizações são compulsórias. É possível ignorá-las apenas em algumas edições especiais do Windows 10 para usuários corporativos. Comigo, com você e com todos que aproveitamos a atualização gratuita e usamos o sistema em casa ou em pequenos negócios, não há exceção: cedo ou tarde a última versão do Windows, seja ela qual for, se instalará.

Felizmente, o pior (aparentemente) já passou. É como se o Windows 10 fosse uma base e em cima dela a Microsoft passasse, agora, a fazer ajustes e incrementar as coisas, sem mexer na fundação do sistema. Em outras palavras, espera-se que essas atualizações constantes não afetem muito a compatibilidade do sistema com seu hardware. No evento de lançamento do Anniversary Update, em São Paulo, a Microsoft disse estar trabalhando em parceria com as fabricantes de hardware para resolver essas incompatibilidades e, quando elas ocorrerem, prestar suporte ao usuário da melhor forma possível. Não é o ideal, que seria não haver problemas, mas ficou nítido que há um esforço no sentido de atenuar uma situação chata que compromete todo o bom trabalho depositado neste Windows.

Embora não haja uma garantia de que tudo será perfeito, as chances daquela antena Wi-Fi parar de funcionar ou dos gestos do seu touchpad sumirem são menores do que quando você saiu do Windows 7/8.1 para o Windows 10. O histórico, até agora, é favorável: em novembro de 2015, a Microsoft lançou uma atualização menor, mas importante, conhecida como Threshold 2. Ela trouxe correções de bugs, pequenas melhorias estéticas e sincronia de dados para o navegador Edge. Se houve problemas, eles foram em menor número — ou suscitaram menos reclamações.

As novidades do Windows 10 Anniversary Update

O Windows 10 Anniversary Update já começou a ser distribuído, mas não deve chegar para todo mundo no mesmo dia. Segundo a Microsoft, serão algumas semanas. Ele traz um monte de novidades legais; algumas delas, destaco abaixo:

Barra lateral do Windows Ink no Windows 10 Anniversary Update.

Windows Ink. Uma central para apps e novos mini-apps embutidos para serem usados com uma canetinha stylus — destaque para os post-its virtuais que se são interpretados pelo sistema e viram lembretes e listas de tarefas interativas. Deve ser melhor aproveitado com um Surface Pro ou equivalente e, dada a proposta do Windows 10 de ser um sistema pensado para dispositivos 2-em-1, toda essa atenção a telas sensíveis a toques é mais do que bem-vinda.

Logo da Cortana.

Cortana. A assistente pessoal da Microsoft ficou mais esperta e agora funciona antes mesmo de o usuário fazer login. (Ela também está mais insistente; é meio impossível desativá-la por completo.) Mas o mais importante é que a Cortana aprendeu a falar português do Brasil e virá ativada nos computadores e tablets configurados em português brasileiro. Olá, Cortana!

Extensões no Edge. O navegador da Microsoft, refeito do zero para ocupar o lugar do malfadado Internet Explorer, ganhou extensões. O número ainda é bem reduzido, mas algumas das categorias mais importantes como bloqueadores de anúncios, assistentes de senhas e complementos do Evernote e OneNote já estão lá. Outra boa novidade é que o Edge agora suporta notificações de sites.

Melhorias estéticas e tema escuro. A reforma no visual do Windows 10 não foi completa. Faltou algum acabamento, parte dele feito nesta atualização. Alguns ícones, áreas específicas do menu Iniciar (calma, ele continua lá!), central de notificações e o tema escuro, que inverte as cores dos apps compatíveis, se fazem presentes. Essa parte é a que melhor evidencia a mentalidade “Windows como um serviço”: algo em constante mutação, sempre se adaptando ao que está em voga e os usuários esperam.

Sincronia com smartphones Android. Instale a Cortana no celular (o app ainda está em fase de testes), sincronize com o PC e todas as notificações aparecerão no computador. É possível, inclusive, limpá-las, responder a mensagens SMS e trocar imagens entre PC e smartphone. Isso tudo funciona com Windows 10 Mobile também.

Windows Hello para apps e sites. Tendo hardware compatível e apps atualizados para suportar essa função, o usuário do Windows 10 Anniversary Update pode deixar de lado senhas e logins para usar o próprio rosto a fim de se autenticar. Vale também para compras na Windows Store.

Bash para Windows. Se você entendeu isso, comemore. Se não, siga a sua vida, não fará diferença alguma.

E tem mais: novo app universal do Skype, definição automática de fuso-horário, régua virtual, ajustes de horários para download e instalação de atualizações e outras coisinhas que provavelmente veremos no dia a dia ou que não veremos nunca, mas que estão ali fazendo a diferença de alguma forma. No The Verge há um bom apanhado, com mais imagens e um vídeo de quase dez minutos, de todas essas novidades. Para algo mais aprofundado, o extenso review do Ars Technica é a melhor leitura.

A Microsoft está confiante com seu Windows 10. Segundo Gustavo Lang, chefe da divisão de negócios do Windows no Brasil, o fato de grande parte dos 350 milhões de dispositivos com Windows 10 atualmente serem fruto da atualização gratuita é um aspecto positivo. A partir de agora, com inovações como o Windows Ink, a Microsoft acredita que o Windows 10 será um argumento de venda de novos PCs.

A meta de atingir um bilhão de dispositivos com Windows 10 continua de pé, mas foi estendida para além de 2018 por dois motivos: o reposicionamento da Microsoft em relação a smartphones (ou seja, eles estavam contando com o Windows 10 Mobile para chegar nesse número) e a desaceleração da indústria de PCs. “Nossa missão é modernizar os PCs para recuperar e acelerar esse mercado com as fabricantes”, afirmou Lang.

Ao Manual do Usuário, Gustavo disse que “a Microsoft anunciou no lançamento do Windows 10 que se trata de um sistema em constante evolução e que updates seriam feitos com frequência para melhorar a segurança e experiência dos usuários. Este grande update é prova que estamos seguindo com o divulgado.” O Windows com atualizações constantes promete bastante, mas ainda precisa se provar, também, como algo que mesmo que não fosse obrigatório seria desejado e ao mesmo tempo livre de riscos para esses usuários. Hoje começa o primeiro grande teste nesse sentido.

* Colaborou Emily Canto Nunes.

Print do topo: Isriya Paireepairit/Flickr. (Ainda não atualizei o meu!)

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

21 comentários

  1. se a microsoft diz que não da dor de cabeça basta ver que não tem é dado outra coisa pois desde que atualizei que o ãast não funciona o msi amng app demora uma eternidade para abrir o steam VR teste da passou de 88% de desempenho para 75%ou 77% no maximo fora a dor de cabeça que foi o update qum tinha o avaste instalado dava blue screen tiverão m ãno para lançar isto que vergonha .

  2. Estava empolgado com essa atualização, porém, a sensação depois de instalar foi a mesma do ano passado. O Windows 10 me parece inacabado. As novidades como a Cortana e o Hello não funcionam aqui, e não encontrei solução.
    Uns problemas foram corrigidos. O Edge já não fecha repentinamente, porém, as imagens as vezes carregam achatadas em alguns sites. Passei a usá-lo como navegador principal no último mês pela rapidez. Entretanto, ainda faltam coisas simples como pesquisar o texto selecionado, e cortar o som de alguma aba.
    O Windows Defender aumentou em 15% o consumo de RAM, acabei desativando. Caso continuasse ativo, o jeito era retornar para o 8.1, que é mais leve. Por enquanto, ainda mantenho o 10, só pelo fato de ter o sistema mais recente.

  3. Infelizmente, enquanto a MS não arrumar o recurso de Smart Files do OneDrive no Windows 10, permanecerei no 8.1.

  4. O Bash para Windows é extremamente interessante… para um grupo específico, que sempre foi bem tratado pela Microsoft mas que anda de mal com o Windows e tá indo comprar Mac: os desenvolvedores.

    (“DEVELOPERS, DEVELOPERS, DEVELOPERS!”, “developers are the new kingmakers”, insira seu bordão predileto aqui)

    1. O problema é que a Microsoft sempre tratou bem os seus desenvolvedores e, com o boom do desenvolvimento open-source, acabou se tornando meio meh para os desenvolvedores. Vou experimentar esse bash e ver se atende, porque esse Ubuntu aqui também tá meio osso…

      1. Concordo com vc. Também vou dar uma chance aqui pra esse Bash pq o Linux no Desktop está sofrível ultimamente. Tentei usar 2x aqui no trampo, mas to tendo que voltar pro Windows.
        O ubuntu come toda a minha RAM sem motivo aparente, e o driver de vídeo da Intel faz o chrome ficar “flickando” o tempo todo.
        Instalei o Arch então, o problema da RAM foi resolvido mas o do vídeo ficou pior, pq além de flickar agora tem Screen Tearing nas rolagens.
        To vendo que, cada vez mais, linux só em servidor mesmo. (E olha que já fui entusiasta).

        1. Não tenho problemas com desempenho no Ubuntu, está bem rápido inclusive, mas apesar de ser desenvolvedor não tenho muita paciência para ficar mexendo com driver, problemas de atualização, instalação de aplicações chatas, etc. O Windows eu acho meio zoneado em comparação aos demais, mas pelo menos me parece mais estável em comparação ao Linux quando se fala de bugs…apesar desses relatos do Windows 10 me assustarem.

          Uma pena que os sistemas de desktops não parecem ter evoluído como de smartphones. no final só gosto mesmo é do OS X.

    2. Os desenvolvedores da plataforma Windows são bem tratados(C#, VB, e etc…), os demais sofrem com a falta de suporte de diversas ferramentas, usar aquele Powershell tosco ou ter que ficar emulando ambiente Unix[-Like] para conseguir fazer alguma coisas.

    1. Meu note de trabalho é um i5 de terceira geração, e está voando com W10 + SSD.
      Antes, usava um i5 de segunda geração, sem problemas também.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!