Banner com ilustração de bonecos coloridos com cabeças de objetos, e a frase 'Ajude a financiar um lugar legal na internet'.

LG afirma que oferecerá três anos de atualizações do Android para seus celulares

Em nota à imprensa, a LG detalhou o plano de atualizações para seus celulares. (Caso não tenha visto, a empresa em breve deixará de fabricar celulares.) Serão três anos/atualizações do Android para “telefones LG premium lançados em 2019 e posteriores (série G, série V, VELVET, Wing), enquanto alguns modelos de 2020, como LG Stylo e série K, receberão duas atualizações de sistema operacional”. No segundo grupo, há um asterisco que diz que as atualizações dependerão da “programação de distribuição do Google, bem como de outros fatores, como desempenho e compatibilidade do dispositivo”.

Fim da linha para os celulares da LG

Uma das maiores dificuldades do mundo corporativo é saber a hora de parar. Prejuízos pontuais fazem parte do jogo, bem como a competição acirrada. Reviravoltas (ou “turnarounds”, no jargão do meio) são sempre uma possibilidade e os bons momentos são apenas isso, momentos — dá para ir do céu ao inferno em questão de meses. […]

LG desiste do mercado de celulares

Agora é oficial: a LG está saindo do mercado de celulares. Em um comunicado publicado na noite deste domingo (4), a empresa sul-coreana informou que continuará oferecendo suporte e atualizações para seus celulares atuais “por um prazo que variará de acordo com a região” e que espera terminar os processos de dissolução da sua unidade de dispositivos móveis até 31 de julho. É o fim de uma era. Via LG (em inglês).

Mi 11 Ultra tem uma telinha extra no calombo das câmeras

Dois celulares Mi 11 Ultra, um branco e outro preto, deitados com as telas viradas para baixo, exibindo o calombo das câmeras.
Foto: Xiaomi/Divulgação.

A Xiaomi anunciou o Mi 11 Ultra, seu novo celular topo de linha. Tudo é superlativo nele e, entre tantos números enormes, os da câmera se destacam. Não só por ter alcançado o topo do ranking Dxomark, mas pela aparência: trata-se de um conjunto de três câmeras em um calombo nas costas tão avantajado que foi possível colocar uma mini-tela secundária, de 1″. A telinha exibe data, hora e notificações e, quando a câmera está ativa, vira um viewfinder.

Outra coisa legal é a bateria, ou as baterias (são duas, como nos RoG Phone 5 da Asus e OnePlus 9 Pro), que podem ser recarregadas de zero a 100% em 36 minutos, com fio ou sem fio — o tempo de recarga é o mesmo. Na Europa, custa € 1.199 (~R$ 8 mil). Ainda sem previsão de chegar ao Brasil. Via Xiaomi (em inglês).

Motorola lança celulares com cheirinho e idiomas indígenas

A Motorola fez um lançamento importante nesta quinta (25). No lugar de iterações rápidas da linha Moto G, com versões distintas de uma mesma geração diferenciadas por “sobrenomes” (Power, Play etc.), agora a fabricante lançará Moto G de baciada, emulando a estratégia (bem sucedida, diga-se) da Samsung com a linha Galaxy A. Até o nome, com um número de dois algarismos, segue a mesma lógica: Moto G10 (R$ 1,7 mil), Moto G30 (R$ 1,9 mil) e Moto G100 (R$ 4 mil).

O Moto G100 é o modelo “intermediário premium” do trio. Ele conta com a plataforma Ready For, que transforma o celular em desktop ao ser ligado a um monitor ou TV e acessórios (teclado e mouse). É outro recurso inspirado pelo Dex, da Samsung, que apesar de útil no papel, não parece ser muito popular na prática.

O recurso mais… peculiar do Moto G100, presente também no Moto G30, é uma “assinatura olfativa”, um cheirinho específico no celular e acessórios, criado em parceria com a Firmenich, empresa líder no setor. É algo que marcas de vestuário, como a Farm, já fazem há muito tempo, e, no caso da Motorola, por ora tem status de “projeto piloto”. Sei lá, acho que prefiro meu celular sem cheiro mesmo.

Os novos celulares saem de fábrica com o Android 11 e contemplam dois idiomas indígenas, Kaingang e Nheengatu. Diz a Motorola que é um passo para oferecer uma “experiência móvel mais inclusiva” e que essa novidade é crucial para a preservação desses idiomas nativos. Os três aparelhos já estão à venda no Brasil. Via Motorola.

Samsung não lançará um novo Galaxy Note em 2021

Em conferência com acionistas em Seul, o co-CEO da Samsung, DJ Koh, sinalizou que a empresa não lançará um novo Galaxy Note em 2021. Embora a empresa esteja sofrendo com a escassez de chips — um problema multisetorial, que afeta de celulares à fabricação de automóveis —, essa não seria a única explicação para a ausência de novo Galaxy Note este ano. Segundo Koh, o objetivo é “simplificar a linha de produtos”, mesmo não se falando (ainda?) em eliminar de vez a linha Note. A princípio, ela deverá voltar em 2022.

Lembrando que o Galaxy S21 Ultra, lançado em janeiro deste ano, trouxe suporte à S Pen, o até então grande diferencial da linha Galaxy Note. Via Bloomberg (em inglês, com paywall), Android Authority (em inglês).

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!