O Google quer tornar a humanidade obsoleta — e está conseguindo

Desde 2016, o Google é uma empresa que se pauta por inteligência artificial (IA). Na visão deles — e de boa parte da indústria —, IA é a pedra fundamental em cima da qual se constrói a próxima onda de tecnologia de consumo. Não por acaso, o Google está muito bem posicionado para essa nova corrida e, recorrentemente, demonstra essa vantagem com produtos inéditos, incríveis e que desafiam a nossa credulidade. Continue lendo “O Google quer tornar a humanidade obsoleta — e está conseguindo”

Google I/O, Kotlin e a fúria da Oracle

No I/O 2017, a Google fez o seu feijão com arroz de sempre: apresentou várias pequenas novidades para a próxima versão do Android, algumas coisas meio mirabolantes e uns números bem impressionantes.

Começando pelo que provavelmente mais interessa à maioria das pessoas que usam um smartphone hoje, o Android O (de Oreo?) e algumas novas funções. O Android O terá, por exemplo, uma nova forma de notificar o usuário que já é bem velha no iOS e até mesmo no Windows 10 Mobile: pontinhos nos ícones dos apps na tela inicial que indicam que há algo a ser checado. Bacana… Ano que vem a Google trará ao Android P o inovador counter dots, com números nos pontinhos ao melhor estilo iOS e Windows 10 Mobile (foi uma ironia). Continue lendo “Google I/O, Kotlin e a fúria da Oracle”

O futuro do Google depende de apps indexados e coisas como Now on Tap

Serviços na nuvem, ferramentas corporativas e invenções malucas (do Google Glass ao Project Loon) são quase startups autônomas dentro do Google se tomarmos o faturamento por referência. O que rende na empresa e paga o salário de todo mundo no fim do mês ainda são os anúncios contextuais, puxados em muito pela busca e a capacidade inigualável do Google em entender o que você está procurando na Internet.

Quando “Internet” era quase sinônimo de web (não confunda), antes da ascensão dos smartphones, o trabalho dos motores do Google era mais fácil. A natureza aberta da web permitiu a criação de robôs capazes de varrê-la e indexá-la. Com apps a história é diferente e, para se manter na liderança, o Google vem tentando saber mais sobre quais apps você tem no seu celular e como os usa. Continue lendo “O futuro do Google depende de apps indexados e coisas como Now on Tap”

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!