Mi MIX Alpha, Galaxy Fold e o paradoxo do consumo de produtos de massa como fator de distinção

Olhe para o seu celular. Ele não é muito diferente do primeiro iPhone de 2007, o aparelho que inaugurou a era dos celulares modernos, ou smartphones. Ambos têm formato retangular, uma tela na frente, câmera atrás e no meio uma placa com alguns chips e uma bateria enorme.

A curva de inovação da indústria perfaz um “S”: começa lentamente, depois passa por um ciclo de desenvolvimento acelerado e, por fim, volta à lentidão. Na dos celulares, esse processo foi muito rápido, em velocidade condizente à sua popularidade inédita na história e aos saltos evolucionários gigantescos obtidos entre uma geração e outra. Em nenhum momento, porém, as mudanças atingiram aquele formato básico de “sanduíche de chips e bateria”. É raro, mas às vezes se acerta de primeira.

Continue lendo “Mi MIX Alpha, Galaxy Fold e o paradoxo do consumo de produtos de massa como fator de distinção”

Qual o destino dos seus gadgets velhos?

Em 2009 alguns blogueiros americanos, como Gina Trapani (fundadora do Lifehacker), Anil Dash e Joel Johnson, se uniram para criar o Last Year’s Model, uma campanha que incentivava o consumismo consciente de gadgets que mudavam muito rapidamente. Não é porque saiu um novo iPhone que você precisa trocar o seu, do ano passado, por ele, certo?

Seis anos atrás smartphones ainda tinham muita margem para evoluir, tablets não existiam e a indústria de PCs não estava estagnada como hoje. Ou seja, em 2015 é mais fácil ficar com modelos ultrapassados sem se frustrar. Uma hora ou outra, porém, a necessidade ou uma oportunidade para trocá-los surge e aí nos vemos com o produto novo e o antigo, ainda usável, sobrando.

O que você faz com ele? Continue lendo “Qual o destino dos seus gadgets velhos?”

[Review] Galaxy Gran Prime: boas câmeras, TV digital de alta definição e desempenho decepcionante

A Samsung está num momento de transição. Com o Galaxy A e seus últimos topos de linha, Galaxy Note 4 e Galaxy S6, os materiais simplórios no acabamento e os excessos em software saíram de cena para dar lugar a metal, vidro e menos penduricalhos dispensáveis no Android. É um movimento pra lá de bem-vindo, mas que ainda demorará a alcançar os modelos mais humildes de smartphones da empresa. Por um bom tempo ainda veremos diversos Galaxy Core Neo Ultra Duos TV e variantes com design ruim e software indigesto à venda.

Em meio ao oceano de variações da linha Galaxy que inunda o varejo brasileiro, vez ou outra a Samsung fisga algum modelo específico para destacar. O último desses foi o Galaxy Gran Prime Duos (*respira*) TV. Lançado no final de 2014, ele tem como destaque a boa câmera frontal. Não é algo exclusivo da fabricante sul-coreana; rivais como a Microsoft também apostam em câmeras frontais poderosas, surfando na onda das selfies. Como ficou a execução da Samsung? É o que descobriremos agora. Continue lendo “[Review] Galaxy Gran Prime: boas câmeras, TV digital de alta definição e desempenho decepcionante”

Galaxy Tab S no Brasil: algumas impressões — de longe

Imagem de divulgação do Galaxy Tab S.
Foto: Samsung.

Quase passou batido  por aqui: na última quarta a Samsung anunciou o Galaxy Tab S no Brasil. Ele tem versões de 8,4 e 10,5 polegadas, ambas com tela Super AMOLED, raridade em tablets.

(Não é a primeira vez que a Samsung usa a tecnologia nesse tipo de produto. O Galaxy Tab 7.7, do longínquo ano de 2011, tinha uma tela Super AMOLED. Com resolução significativamente baixa para os padrões atuais e em um tamanho menor que o da nova linha, sim, mas fica o registro.)

Quem esteve no evento e viu os novos tablets ao vivo disse ter gostado. E não deve haver muitos motivos para o contrário mesmo: apesar das críticas de alguns anos atrás, a tecnologia Super AMOLED evoluiu muito e hoje as melhores telas feitas com ela não exibem mais aquela tendência ao verde/azul de outrora. Os novos Tab S ainda são finos (6,6 mm) e levíssimos (298 g, no modelo de 8,5 polegadas).

É bem curioso a Samsung não trazer, pelo menos nesse primeiro momento, as versões com apenas Wi-Fi do Galaxy Tab S. Apenas as com 4G chegarão ao Brasil e com a capacidade de fazer ligações (!), o que pode ficar bem bizarro se o usuário não levar um headset Bluetooth junto. Talvez seja reflexo de uma nova tendência asiática: um relatório recente da IDC constatou que 25% dos tablets vendidos no continente (menos o Japão) conseguem fazer ligações.

Além de adaptar o 4G ao padrão nacional, a localização do software e ofertas parece estar bem boa também. O comprador leva e-books, revistas, assinatura de filmes por streaming e mais um punhado de outros gratuitamente comprando o Galaxy Tab S. É uma estragégia de diferenciação que me agrada bastante, e mais interessante do que desfigurar o Android com a Touchwiz.

O Galaxy Tab S começa a ser vendido no dia 30  de agosto, por R$ 1.799 e 2.049 nas versões de 8,4 e 10,5 polegadas, respectivamente, ambas com 16 GB de espaço interno.

Galaxy Alpha é o novo smartphone de metal da Samsung

Galaxy Alpha, novo da Samsung.
Foto: Samsung.

A Samsung havia prometido um smartphonfe feito com “novos materiais” na última vez que conversou com seus investidores. Após algumas semanas de rumores, o Galaxy Alpha foi enfim anunciado oficialmente.

O smartphone é, para a Samsung, “a evolução do design Galaxy”. O tal novo material é o metal, usado nas bordas chanfradas que lembram muito as dos últimos iPhones. De resto, o Galaxy Alpha não nega a raça: estão lá o botão físico central característico da Samsung, bem como o acabamento de pontinhos na parte traseira.

Apesar de recursos avançados, como o SoC Snapdragon 805 com suporte a redes LTE Advanced em alguns mercados (em outros, virá com um Exynos octa-core) e câmera de 12 mega pixels com suporte a gravação em 4K/UltraHD e HDR em tempo real, em outras áreas o Galaxy Alpha é mais mundano. Coerente, eu diria.

A tela, por exemplo, tem resolução de 720p. Pouco? Se considerarmos seu tamanho físico, 4,7 polegadas, não — a densidade de pixels fica em 320 PPI, bem próxima dos 326 PPI do iPhone 5/5c/5s. A bateria tem 1860 mAh e se isso afeta o uso, só testando para saber. Outra coisa incomum nos últimos topos de linha da Samsung podem ser notadas: não há slot para cartão microSD e ele usa nano SIM — não me lembro de outro Galaxy que faça uso desse padrão. Do ponto de vista ergonômico, chamam a atenção a leveza (115 g) e a espessura (6,7 mm).

Tem quem esteja criticando a Samsung pela resolução da tela e capacidade da bateria; a mim, parece um conjunto bastante equilibrado e melhor pensado que outros smartphones recentes da linha Galaxy. O comercial (abaixo) e as características em destaque transmitem a ideia de um aparelho estiloso, mais preocupado em ser visto e usado do que reverenciado por adoradores de specs. Uma abordagem bem conveniente em tempos de comoditização e que funciona muito bem com o iPhone e o Moto X. A corrida armamentista dos smartphones acabou; todos os premium são rápidos e cheios de recursos. É hora de focar em design de interação e experiência de uso. (E isso nos leva à TouchWiz, onde ainda há muito trabalho a ser feito. Mas divago.)

https://www.youtube.com/watch?v=u8OZoyHvX78

Disponível em cinco cores, o Galaxy Alpha será lançado no começo de setembro. Ainda pairam no ar dúvidas como preço e em quais mercados ele estará disponível. Mais informações no blog oficial da Samsung.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!