Galaxy Alpha é o novo smartphone de metal da Samsung

Galaxy Alpha, novo da Samsung.
Foto: Samsung.

A Samsung havia prometido um smartphonfe feito com “novos materiais” na última vez que conversou com seus investidores. Após algumas semanas de rumores, o Galaxy Alpha foi enfim anunciado oficialmente.

O smartphone é, para a Samsung, “a evolução do design Galaxy”. O tal novo material é o metal, usado nas bordas chanfradas que lembram muito as dos últimos iPhones. De resto, o Galaxy Alpha não nega a raça: estão lá o botão físico central característico da Samsung, bem como o acabamento de pontinhos na parte traseira.

Apesar de recursos avançados, como o SoC Snapdragon 805 com suporte a redes LTE Advanced em alguns mercados (em outros, virá com um Exynos octa-core) e câmera de 12 mega pixels com suporte a gravação em 4K/UltraHD e HDR em tempo real, em outras áreas o Galaxy Alpha é mais mundano. Coerente, eu diria.

A tela, por exemplo, tem resolução de 720p. Pouco? Se considerarmos seu tamanho físico, 4,7 polegadas, não — a densidade de pixels fica em 320 PPI, bem próxima dos 326 PPI do iPhone 5/5c/5s. A bateria tem 1860 mAh e se isso afeta o uso, só testando para saber. Outra coisa incomum nos últimos topos de linha da Samsung podem ser notadas: não há slot para cartão microSD e ele usa nano SIM — não me lembro de outro Galaxy que faça uso desse padrão. Do ponto de vista ergonômico, chamam a atenção a leveza (115 g) e a espessura (6,7 mm).

Tem quem esteja criticando a Samsung pela resolução da tela e capacidade da bateria; a mim, parece um conjunto bastante equilibrado e melhor pensado que outros smartphones recentes da linha Galaxy. O comercial (abaixo) e as características em destaque transmitem a ideia de um aparelho estiloso, mais preocupado em ser visto e usado do que reverenciado por adoradores de specs. Uma abordagem bem conveniente em tempos de comoditização e que funciona muito bem com o iPhone e o Moto X. A corrida armamentista dos smartphones acabou; todos os premium são rápidos e cheios de recursos. É hora de focar em design de interação e experiência de uso. (E isso nos leva à TouchWiz, onde ainda há muito trabalho a ser feito. Mas divago.)

https://www.youtube.com/watch?v=u8OZoyHvX78

Disponível em cinco cores, o Galaxy Alpha será lançado no começo de setembro. Ainda pairam no ar dúvidas como preço e em quais mercados ele estará disponível. Mais informações no blog oficial da Samsung.

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 comentários

  1. Na minha opinião, esse Galaxy Alpha é alguma tentativa de a Samsung pegar carona no lançamento do próximo iPhone.

    Se bem que todas as outras fabricantes querem fazer o mesmo de forma ou outra, mas no caso da Samsung, com esse Alpha me pareceu mais óbvio.

  2. Daqui umas semanas a LG lança um plástico que simula este ‘ferro’ lateral e vende pela metade do preço.

  3. Uma resolução melhor com uma tela melhor (não ventile) é uma decisão muito mais racional do que o caminho da LG. Agora se a Sammy continua com a mesma telinta ventile sem vergonha de sempre, é caso de hospício.

  4. Olha, eu gostei dessa mentalidade do Galaxy Alpha, pena que, como o Gabriel falou, a TouchWiz está mais para vilã hoje em dia.

    Detalhe que gostei bastante foi esses 32GB de memória interna, eu compraria com gosto uma versão de 32GB do Moto X ou Nexus 5 se existisse no Brasil (enquanto isso me contento com os 16GB do Moto X). O tamanho humano também com hardware bom é uma ótima notícia, será uma boa opção para aquisição quando (e se) vir ao Brasil (mesmo que seja necessário instalar o CyanongenMod).

  5. Interessante a racional resolução 720p. Enquanto a LG vai pra caminhos cada vez mais insanos com seu quad-HD, quem sabe agora a sanidade irá reinar um pouco nos flagships Android.

  6. Já tinha passado da hora de investir em outra coisa, a Samsung estava ficando sem diferenciais: o hardware não é mais acima da média como nas primeiras gerações, a TouchWiz que complementava algumas falhas dos Androids 2.x se tornou uma vilã e o design se tornava cada vez mais questionável…

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!